A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
85 pág.
aula-11

Pré-visualização | Página 1 de 3

ADUBAÇÃO VERDE 
UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA “JULIO 
DE MESQUITA FILHO” 
 
15 de maio de 2014 
HISTÓRICO 
3000 anos a.C - gregos 
 
1143-247 a.C - China Dinastia Chou 
 
327-287 a.C. - Macedônia e Thessalia 
 
HISTÓRICO 
BRASIL: 
 
Primeiros relatos (D’Utra - 1919) 
 
IAC (1934 e 1958) - Projetos 
 
IAPAR (1973/1974) - Adubos Verde de Inverno 
 
Cerrado: Miyasaka (1967) 
HISTÓRICO 
Brasil: utilização e trabalhos científicos desde o inicio do século XX, porém nas 
décadas de 50 e 60 com a chegada dos adubos químicos foi abandonado, só 
retornando como pesquisa na década de 70 e consumo a partir da década de 80. 
Hoje a pesquisa esta bastante adiantada faltando a divulgação dos benefícios da 
adubação verde. 
 Adubação verde é definida como prática 
conservacionista pela qual certas espécies de 
plantas são cultivadas e, a seguir, incorporadas 
ou mantidas na superfície do solo, em 
determinado estádio fenológico, com a finalidade 
de assegurar ou aumentar a capacidade 
produtiva do solo (CALEGARI et al., 1993). 
CONCEITO DE ADUBAÇÃO VERDE 
 Consiste na utilização de determinadas 
e s p é c i e s d e p l a n t a s a p r e s e n t a n d o 
características peculiares, com finalidade de 
melhorar ou preservar as características físicas, 
químicas e biológicas do solo, de forma a 
contribuir para o incremento da produtividade 
do sistema (FANCELLI, 2004). 
CONCEITO DE ADUBAÇÃO VERDE 
•  melhorar ou manter o potencial produtivo do 
solo em médio e em longo prazo; 
•  controlar as erosões hídrica e eólica; 
•  preservar o meio ambiente mediante uso 
r a c i o n a l d o s r e c u r s o s n a t u r a i s , 
principalmente, solo e água. 
OBJETIVOS DA ADUBAÇÃO VERDE 
 
• A espécie escolhida deve ser apta ao cultivo na 
época em que o produtor normalmente deixa suas 
terras em pousio; 
 
• Espécie escolhida não deve ser da mesma 
família das espécies econômicas; 
 
• A espécie escolhida deve ser capaz de se adaptar 
às condições de fertilidade das terras, a fim de 
potencializar a produção de massa vegetal. 
 CARACTERÍSTICAS DESEJADAS NOS 
ADUBOS VERDES 
• Espécies de adubos verdes são cultivadas para serem 
decepadas, incorporadas ou não ao solo, antes de 
serem capazes de produzir e jogar ao solo sementes 
viáveis, evitando que se estabeleçam na área e 
dificultem o seu controle. 
 
• Deve concorrer minimamente em luz, água e 
nutrientes com a espécie comercial cultivada e, 
 
• Em casos de plantio consorciado, a espécie de adubo 
verde escolhida não deve ser trepadeira. 
 CARACTERÍSTICAS DESEJADAS NOS 
ADUBOS VERDES 
 CARACTERÍSTICAS DESEJADAS NOS 
ADUBOS VERDES 
Ø  Produzir grande biomassa em pouco tempo. 
Ø  Cobrir o solo com rapidez e eficiência. 
Ø  Fixar N (leguminosas). 
Ø  Ter uma alta afinidade com micorrizas, para 
melhorar o poder de inóculo do solo para a 
disponibilização do P “fixado”. 
Ø Ter sementes disponíveis e baratas, sendo fácil 
seu cultivo para obtenção de sementes. 
Ø Demandar pouca mão-de-obra e ser de fácil 
cultivo. 
Ø Não ser planta hospedeira das mesmas 
doenças e pragas das culturas agrícolas locais. 
 CARACTERÍSTICAS DESEJADAS NOS 
ADUBOS VERDES 
Ø  Possuir robusticidade e praticabilidade 
fitossanitária. 
Ø  Possuir alta resistência a doenças. 
Ø  Ser facilmente controlável, para não haver 
algum descontrole de população (tornando-se 
invasora, agressiva e indesejável). 
 CARACTERÍSTICAS DESEJADAS NOS 
ADUBOS VERDES 
ADUBAÇÃO VERDE: FUNÇÕES 
EFEITOS DA ADUBAÇÃO VERDE 
NAS PROPRIEDADES DO SOLO 
EFEITOS QUÍMICOS 
 Os efeitos promovidos pela adubação 
verde nas propriedades químicas do solo são 
bastante variáveis, dependendo de fatores 
como: 
 
v  espécie utilizada; 
v  manejo dado a biomassa; 
v  época de plantio; 
v  corte do adubo verde; 
v  tempo de permanência dos resíduos 
no solo; 
v  das condições locais. 
EFEITOS QUÍMICOS 
EFEITOS QUÍMICOS 
Ø  Aumento no teor de MO do solo, ao longo 
dos anos, pela adição da fitomassa total e 
outros organismos; 
Ø  Aumento na disponibilidade de macro e 
micronutrientes no solo, em formas 
assimiláveis pelas plantas; 
Ø  Diminuição nos teores de Al3+ trocável 
(complexação). 
EFEITOS QUÍMICOS 
A decomposição e a mineralização da MO, 
principalmente das plantas leguminosas, trazem à 
camada do solo, exploradas pelas raízes das culturas 
subseqüentes, o N, o P, o Ca, o S e demais nutrientes, 
além de, através do húmus, conferir maior capacidade 
de troca catiônica (CTC) e assim diminuir a taxa de 
perdas por lixiviação de nutrientes (TANAKA, 1981). 
EFEITOS FÍSICOS 
Os efeitos dos resíduos dos adubos verdes ou de 
outras plantas nas características físicas do solo são 
função da qualidade e tipo do manejo dado ao 
material adicionado, bem como dos fatores 
climáticos e das características específicas do solo. 
EFEITOS FÍSICOS 
Características que sofrem influência dos 
resíduos: 
q  estrutura, agregação; 
q  capacidade de retenção de água; 
q  a consistência; 
q  a densidade; 
q  a infiltração; 
q  a porosidade; 
q  a aeração e a condutividade elétrica. 
A presença de material orgânico no solo é 
d e t e r m i n a n t e n a a t i v i d a d e d o s 
microorganismos, bem como no seu montante 
populacional, uma vez que a matéria orgânica 
é fonte de energia para os organismos do solo. 
EFEITOS BIOLÓGICOS 
Ø  aumento na presença de bactérias fixadoras de 
N; 
Ø  aumento na presença de minhocas; 
Ø  aumento no número de espécies de organismos 
que vivem no solo, levando a um equilíbrio 
natural, sem haver predominância de uma 
e s p é c i e q u e p o s s a c o m p r o m e t e r o 
desenvolvimento da cultura. 
EFEITOS BIOLÓGICOS 
Efeito de espécies de adubos verdes no controle de nematóides num latossolo vermelho-
escuro (LE) de cerrado. 
P = Pratylenchus brachyurus; M = Meloydogyne javanica; D = Ditylenchus sp 
A = Aphelenchoides sp; AA = Aphelenchoides avena; T = Tylenchus sp; 
M = Macrosposthora; PT = Paratrichodorus minor; *aumento da 
população 
 Fonte: Sharma et al. (1982). 
 Molish (1937) 
- criou o termo alelopatia - organismo doador e 
organismo receptor 
→  allelon = mútuo 
→  pathos = prejuízo 
EFEITOS ALELOPÁTICOS 
Compreende os e fe i tos benéf icos e 
prejudiciais, provocados por um organismo 
(doador) sobre outro (receptor). 
EFEITOS ALELOPÁTICOS 
EFEITOS ALELOPÁTICOS 
Materiais que apresentam efeito supressor e/ou alelopático às 
diferentes invasoras 
•  Alta porcentagem de P, K, Ca e N; 
•  Fixação simbiótica do N da atmosfera, através 
da simbiose das bactérias do gênero Rhizobium, 
que se desenvolvem em suas raízes; 
LEGUMINOSAS 
•  Plantas muito ricas em N, possuem uma 
relação C/N estreita, em torno de 12:1, 
•  A fixação biológica é um processo onde ocorre 
a redução do N2 por ação da enzima nitrogenase, 
presente em microorganismos 
LEGUMINOSAS 
è Fixadores biológicos: 
•  Azotobacter; 
•  Clostridium; 
•  Cianobactérias 
•  Enterobactérias; 
•  Bacillus 
LEGUMINOSAS 
è Quantidade de nitrogênio fixado pelas 
leguminosas depende: 
 
•  Período vegetativo; 
•  Espécies; 
•  Condições do solo; 
•  Clima; 
FIXAÇÃO BIOLÓGICA DO 
NITROGÊNIO 
è Exemplo: 
•  Alfafa ou trevo - 0 a mais de 200 kg/ha/ano; 
•  Leucena - 400 kg/ha/ano de N; 
•  Mucuna preta - 157 kg/ha/ano; 
•  Crotalária juncea - 155 kg/ha/ano; 
•  Feijão de porco - 190 kg/ha/ano; 
•  Guandu - até 280 kg/ha/ano. 
•  Possuem uma relação C/N larga, como milho e 
sorgo; 
•  Utilizados em consórcio ou em rotação com as 
leguminosas; 
•  Diminuir a velocidade de decomposição do 
material vegetal adicionado ao solo, fazendo 
com que o material orgânico proteja o solo por 
mais tempo. 
GRAMÍNEAS 
Ø Resíduos com relação C/N alta resultam na 
perda elevada de C como CO2 (falta de N no 
solo), na pouca formação de húmus e na 
deficiência de N para

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.