Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Resenha de obra- sociologia do crime

Pré-visualização | Página 1 de 1

Resenha de obra: Sociologia do crime
GOUVEIA, Homero, Chiabra. Sociologia do crime. Salvador: UFBA, Faculdade de Direito; Superintendência de Educação a Distância, 2018, 64p.
		Homero Chiabra Gouveia é doutorando pelo programa de pós-graduação em Direito na Universidade Federal da Bahia. Possui especialização em Democracia, República e Movimentos Sociais pelo Programa Formação de Conselheiros Nacionais, vinculado ao Departamento de Ciência Política da Universidade Federal de Minas Gerais; e em Direito Tributário, pela UFBA. Atualmente se dedica integralmente à pesquisa doutoral, vinculado ao NEF – Núcleo de Estudos Financeiro e Tributário; além de atuar como professor formador no curso de Tecnologia em Segurança Pública.
		O ebook “Sociologia do crime” traz uma abordagem introdutória sobre o campo da Sociologia do Crime e para isso o autor inicia a obra fazendo um resgate do surgimento dos conceitos e consciências do que é sociedade, Estado e sociologia, para isso, ele cita alguns pensadores importantes no processo de fundamentação desses campos como Maquiavel, Thomas Hobbes e Jean Jacques Rousseau. Após situar o leitor nesses assuntos, Homero explica o conceito de crime sob a ótica marxista e durkheimiana, apontando suas semelhanças e diferenças, e deixando evidente o quanto esses pensamentos possuem traços de modernidade do pensamento social.
		No segundo capítulo do livro, o escritor cita as teorias sociológicas do crime fazendo uma retrospectiva que vai da criminologia clássica de César Beccaria e Bentham que debruçam seu olhar para o delito e a punição. Seguindo a linha de retrospecção, o autor aborda a criminologia positivista de Césare Lombroso que terminou servindo como justificativa de diversas atrocidades como a bestialização de seres humanos, Homero não deixa de citar a influência da criminologia positivista no Brasil que teve como expoentes Nina Rodrigues e Juliano Moreira. Por fim, o capítulo assim como a linha cronológica se encerra nas teorias situacionais do crime que propõe uma mudança de foco do olhar para o criminoso, para o olhar para as circunstâncias sociais que levam a prática delituosa. O terceiro e último capítulo coloca em pauta os estudos recentes sobre a criminologia que têm se baseado cada vez mais no entendimento de como os marcadores sociais de etnia, classe, gênero e de orientações sexuais influenciam no processo de criminalização de determinados indivíduos.
		A obra possui uma linguagem simples, de fácil compreensão, além de abordar assuntos fundamentais para o processo de introdução à criminologia. O autor também traz uma variedade de autores importantíssimos para a construção do pensamento sociológico e do viés da sociologia do crime. Enfim, o livro compreende-se em uma leitura rica, leve e de fácil entendimento.
Universidade Federal do recôncavo da Bahia
Yane Pereira das Chagas