A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
80 pág.
Estatuto da OAB

Pré-visualização | Página 7 de 17

inscrito na OAB assegura o direito aos honorários
convencionados, aos fixados por arbitramento judicial e aos honorários de sucumbência.
Honorários Advocatícios.
Os honorários assistenciais devem ser compreendidos como a remuneração devida ao advogado
contratado por uma entidade de classe para ajuizar uma demanda em substituição processual.
Súmula Vinculante n. 47: os honorários advocatícios incluídos na condenação ou destacados do
montante principal devido ao credor consubstanciam-se em verba de natureza alimentar.
O advogado promoverá, preferencialmente, de forma destacada, a execução dos honorários
contratuais ou sucumbenciais.
Se o advogado juntar aos autos o seu contrato de honorários antes da expedição do mandado de
levantamento ou precatório, o juiz deve determinar o pagamento por dedução da quantia a ser
recebida pelo constituinte, salvo se este provar que já os pagou.
Na hipótese de honorários por sucumbência, o juiz, ao proferir a sentença, condenará o vencido a
pagar honorários ao advogado do vencedor, fixados entre o mínimo de 10% e o máximo de 20% sobre
o valor da condenação, do proveito econômico obtido ou, não sendo possível mensurá-lo, sobre o
valor atualizado da causa, seguindo: 
o grau de zelo do profissional; 
o lugar de prestação do serviço; 
a natureza e a importância da causa; 
o trabalho realizado pelo advogado; 
o tempo
O pagamento dos honorários ocorrerá em três etapas, salvo estipulação em contrário, um terço dos
honorários é devido no início do serviço, outro terço até a decisão de primeira instância e o restante
no final. exigido para o seu serviço.
Honorários Advocatícios.
Na falta de estipulação ou de acordo entre cliente e advogado, os honorários serão fixados por
arbitramento judicial, levando em consideração a compatibilidade da remuneração com o trabalho e
o valor econômico da questão, sendo vedado o estabelecimento de valores inferiores aos
estabelecidos na tabela organizada pelo Conselho Seccional da OAB.
Os honorários incluídos na condenação, por arbitramento ou sucumbência, pertencem ao advogado,
tendo este direito autônomo para executar a sentença nesta parte, podendo requerer que o
precatório, quando necessário, seja expedido em seu favor.
A decisão judicial que fixar ou arbitrar honorários e o contrato escrito que os estipular são TÍTULOS
EXECUTIVOS e constituem crédito privilegiado na falência, concordata, concurso de credores,
insolvência civil e liquidação extrajudicial, sendo FACULTADO ao advogado promover nos mesmos
autos da ação a execução dos honorários.
Havendo necessidade de promover arbitramento ou cobrança judicial de honorários, deve o
advogado renunciar previamente ao mandato que recebera do cliente em débito. 
No caso do advogado empregado, os honorários de sucumbência por decorrerem precipuamente do
exercício da advocacia e só acidentalmente da relação de emprego não integram o salário ou a
remuneração, assim, não podem ser considerados para efeitos trabalhistas ou previdenciários,
constituindo-se em fundo comum, cuja destinação é decidida pelos profissionais integrantes do
serviço jurídico da empresa ou por seus representantes.
Honorários Advocatícios.
Nas causas em que for parte o empregador, ou pessoa por este representada, os honorários de
sucumbência são devidos aos advogados empregados. Caso os honorários de sucumbência sejam
percebidos por advogado empregado de sociedade de advogados, esses serão partilhados entre ele e a
empregadora.
O advogado substabelecido, com reserva de poderes, não pode cobrar honorários sem a intervenção
daquele que lhe conferiu o substabelecimento.
Caso o cliente do advogado e a parte contrária firmem ACORDO, salvo aquiescência do profissional, não
serão prejudicados os honorários convencionados ou concedidos por sentença.
Na hipótese de falecimento ou incapacidade civil do advogado, os honorários de sucumbência,
proporcionais ao trabalho realizado, são recebidos por seus sucessores ou representantes legais.
O advogado, quando indicado para patrocinar causa de juridicamente necessitado, no caso de
impossibilidade da Defensoria Pública, tem direito aos honorários fixados pelo juiz, segundo tabela
organizada pelo Conselho Seccional da OAB, e pagos pelo Estado.
PRESCREVE em 5 (cinco) anos a ação de cobrança de honorários de advogado, contando o prazo:
do vencimento do contrato, se houver;
do trânsito em julgado da decisão que os fixar;
da ultimação do serviço extrajudicial;
da desistência ou transação;
da renúncia ou revogação do mandato.
No mesmo prazo de 5 (cinco) anos prescreve a ação de prestação de contas pelas quantias recebidas pelo
advogado de seu cliente, ou de terceiros por conta dele.
A incompatibilidade determina a proibição total do exercício da advocacia, que poderá ser temporária ou
permanente, de acordo com a atividade desenvolvida e a natureza do cargo. Quando o profissional passar a
exercer, em caráter definitivo, atividade incompatível com a advocacia terá sua inscrição cancelada.
A advocacia é INCOMPATÍVEL, mesmo em causa própria:
Chefe do Poder Executivo e membros da Mesa do Poder Legislativo e seus substitutos legais.
A Chefia do Poder Executivo é exercida pelo Presidente da República, com o auxílio dos Ministros
de Estado. A Chefia do Poder Executivo dos Estados é exercida pelos Governadores e a Chefia do
Poder Executivo dos Municípios é exercida pelos Prefeitos. O Poder Legislativo, em âmbito federal,
é bicameral, representado pelo Congresso Nacional e composto de duas Casas Legislativas: Senado
Federal e Câmara dos Deputados. Por sua vez, nos Estados e Municípios o Poder Legislativo é
unicameral, composto pela Assembleia Legislativa e pela Câmara Municipal, respectivamente. Além
disso, o impedimento alcança também os substitutos, ou seja, os Vices (Presidente, Governador e
Prefeito) e os suplentes dos integrantes das mesas do Poder Legislativo.
Membros de órgãos do Poder Judiciário, do Ministério Público, dos tribunais e conselhos de contas, dos
juizados especiais, da justiça de paz, juízes classistas, bem como de todos os que exerçam função de
julgamento em órgãos de deliberação coletiva da Administração Pública direta e indireta.
São órgãos do Poder Judiciário: o Supremo Tribunal Federal; o Conselho Nacional de Justiça; o
Superior Tribunal de Justiça; o Tribunal Superior do Trabalho; os Tribunais Regionais Federais e
Juízes Federais; os Tribunais e Juízes do Trabalho; os Tribunais e Juízes Eleitorais; os Tribunais e
Juízes Militares; os Tribunais e Juízes dos Estados e do Distrito Federal e Territórios.
Incompatibilidades
A Administração Pública indireta é composta pelas autarquias, funções públicas e pelas empresas
estatais (sociedade de economia mista e empresa pública).
O Ministério Público abrange o Ministério Público da União, que compreende: o Ministério Público Federal,
o Ministério Público do Trabalho, o Ministério Público Militar e o Ministério Público do Distrito Federal e
Territórios; bem como os Ministérios Públicos dos Estados. A expressão “membros” compreende todos
os servidores que compõem a instituição.
Ocupantes de cargos ou funções de direção em Órgãos da Administração Pública direta ou indireta, em suas
fundações e em suas empresas controladas ou concessionárias de serviço público;
Não se incluem nessa hipótese os que não detenham poder de decisão relevante sobre interesses de
terceiro, a juízo do conselho competente da OAB, bem como a administração acadêmica diretamente
relacionada ao magistério jurídico.
Ocupantes de cargos ou funções vinculados direta ou indiretamente a qualquer órgão do Poder Judiciário e
os que exercem serviços notariais e de registro;
O Estatuto incompatibiliza a advocacia com as atividades exercidas pelos auxiliares e serventuários da
justiça, que são, além de outros cujas atribuições sejam determinadas pelas normas de organização
judiciária: o escrivão, o chefe de secretaria, o oficial de justiça, o perito, o depositário, o administrador, o
intérprete, o tradutor, o mediador, o conciliador judicial, o partidor,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.