A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Aula 07 - Citação

Pré-visualização | Página 1 de 3

Uma das principais angústias no meio 
acadêmico é a forma como o aluno se comunica. E 
isso é comum a todas as áreas. 
Espera-se que o aluno tenha um cuidado 
especial ao elaborar o seu texto e que siga algumas 
normas que facilitam a comunicação. 
É nesse sentido que pode se afirmar que a 
linguagem escrita deve estar baseada em regras que 
a diferencia do agir espontâneo. Uma dessas regras é 
a da citação. 
• Aplicar as normas da ABNT nos trabalhos 
acadêmicos; 
 
• Distinguir as formas de se fazer citação em 
trabalhos acadêmicos; 
Segundo Azevedo (1997, p. 109), “o propósito 
de um texto científico é comunicar os resultados e 
as ideias a que se chegou, após a coleta e análise dos 
dados”. 
Porém, é muito comum recorrer às palavras 
dos próprios autores quando queremos escrever 
sobre nossas pesquisas. 
Muitas vezes, recorremos a citações ou 
porque não conseguimos superar a fala do autor ou 
porque queremos intencionalmente mostrar ao nosso 
leitor como ele abordou o assunto. 
 
 
 
 
 
 
 
ATENÇÃO: 
Em um trabalho cuidadoso, você deve ler diferentes 
autores sobre o assunto a ser pesquisado e, assim, 
organizar o pensamento, fundamentando as ideias antes 
de iniciar a redação do trabalho. 
Nesse aspecto, o fichamento bibliográfico e o de leitura 
configuram fases imprescindíveis para a elaboração de 
seu trabalho acadêmico. 
Somente após uma leitura cuidadosa, você poderá 
destacar as citações-chave que utilizará, caso seja 
necessário. 
 
As citações são trechos transcritos ou 
informações extraídas de publicações consultadas e 
devem ser inseridas em um texto com a finalidade de 
esclarecer ou complementar as ideias. Em todas as 
hipóteses, a fonte deve ser mencionada. 
 
Segundo ABNT, citação é a “menção a uma 
informação extraída de outra fonte.” (NBR 
10520:2002). 
Elas estão divididas em três tipos: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Metodologia Científica 
Aula 07 - Citação 
 
 
 
 
Existe algumas regras para compor citações 
diretas e notas. Veja: 
• Acréscimos ou interpolações: 
Significa a inserção de expressões que não 
constam do original ― entre colchetes. Pode ocorrer a 
necessidade de se acrescentar uma palavra ao texto 
citado, para torná-lo mais compreensível. 
Ex: 
 “Envolve uma redação simplificada do texto (estudado), 
substituindo a linguagem do autor por expressões diretas 
e com sentenças inteligíveis. A ideia continua sendo do 
autor, porém elaborada pelo próprio estudante, 
demonstrando sua capacidade de assimilação e 
entendimento das informações obtidas no decorrer da 
leitura do assunto em questão”. (FACHIN, 2006, p. 127) 
 
CITAÇÃO DIRETA:
• As citações diretas são aquelas que copiamos, sem
mudar nada do texto original que consultamos.
• Como esclarece João Bosco Medeiros (2003, p.
187), é a referência a uma obra colhida de outra
fonte "para esclarecer, comentar, ou dar como
prova uma autoridade no assunto.
• Reparou nessa frase? Ela é um exemplo de citação
direta. Escolhemos usar exatamente as palavras de
João Bosco Medeiros para aprofundar o assunto.
• É importante observar que este tipo de citação só
se justifica quando o pensamento expresso pelo
autor consultado é efetivamente significativo, claro
e necessário à exposição, pois excessos de
citações diretas, tabelas, gráficos, podem
acarretar prejuízo à estratégia de comunicação,
comprometendo o trabalho.
CITAÇÃO DIRETA:
• As citações indiretas apresentam formatação
diferente por tratar-se de textos baseados na
obra de um autor consultado e não uma cópia de
suas palavras.
• Nesta hipótese, então, não é necessário o emprego
das aspas duplas, porque a citação indireta mantém
a ideia original do texto lido, mas é reescrita por
quem está elaborando o trabalho.
• A citação indireta é também
denominada paráfrase e, segundo a ABNT (NBR
10520:2002), configura uma transcrição livre do
texto do autor.
• João Bosco Medeiros (2003) esclarece que a
citação indireta pode configurar um resumo,
comentário de uma ideia, ou expressar o mesmo
conteúdo, mas utilizando outras palavras. Por isso,
parafrasear é muito melhor do que a citação
direta.
CITAÇÃO DA CITAÇÃO:
• Em algumas leituras verificamos que o autor
apresenta uma citação direta ou indireta de outro
autor, certo? E essa citação não é perfeita apenas
para o autor que estamos lendo, ela é perfeita
para nós também.
• Só que na maioria das vezes, não temos acesso à
obra que esta sendo citada por ele. Como resolver
isso?
• Estamos diante de uma citação da citação que exige
o uso da expressão apud que significa citado por.
• Alguns autores denominam a citação da citação
como citação dependente, porque o autor escolhido
para citação não foi lido diretamente, mas tomado
por empréstimo de outro autor.
• Não abuse deste recurso. Ele é apenas uma solução
emergencial. Devemos sempre que possível
recorrer à obra original.
• Supressões: 
Não devemos citar frases ou parágrafos longos demais. O 
importante é apresentar o que realmente interessa ao 
desenvolvimento da argumentação ou à apresentação das 
ideias. Para suprimir as partes que não são importantes, 
devemos substituí-la pelas reticências entre 
colchetes/parênteses: (...) ou (...). 
Ex: 
“A física moderna (...) considera a lei da inércia sua lei mais 
fundamental.” (KOYRÉ, 1982, p. 182) 
“[...] A ideia continua sendo do autor, porém elaborada pelo 
próprio estudante, demonstrando sua capacidade de 
assimilação e entendimento das informações obtidas no 
decorrer da leitura do assunto em questão”. (FACHIN, 
2006, p. 127) 
• Incorreções: 
Na hipótese de o texto citado apresentar um erro, 
uma expressão politicamente incorreta ou equívoco 
gramatical, entre outros problemas, chame a atenção, 
pelo uso, ao lado da palavra, do vocábulo sic (assim, em 
latim) entre colchetes e em itálico. 
“Zenão de Cício (334-262 a.C.) fundou a escola 
estóica [sic] Ele costumava palestrar de sua varanda, 
chamada stoa, daí o nome estóico [sic]”. (MANNION, 2008, 
p. 48) 
A ata registra a seguinte declaração do diretor: 
“isto é, pra mim [sic] fazer!”. 
A supressão de um ou mais parágrafos 
intermediários é indicada por uma linha pontilhada. 
Veja um exemplo: 
O conhecimento, o modo de compreender a 
realidade, muda de acordo com a época, a medida 
que coloca em dúvida o conceito de verdade 
estabelecido. Quando conhecemos um fato, sempre 
nos perguntamos se ele corresponde ou não a 
realidade. Assim, a verdade é uma atividade histórica, 
e o homem foi dando fundamentos a essa verdade 
de acordo com a sua vivência, conhecimento e 
crenças. 
Para explicar a realidade ou ainda os 
fenômenos da natureza, os povos primitivos criavam 
histórias nas quais utilizam as figuras dos deuses na 
tentativa de compreender a origem das coisas. 
(SANTOS MOLINA; DIAS, 2007, p.21) 
 
SAIBA MAIS: 
Quais são os erros mais comuns? 
• Excesso ou escassez de citações diretas. O 
melhor é reescrever o texto estudado, 
creditando a passagem ao seu autor; 
• Uso de bibliografia inadequada; 
• Presença no texto de informações que deveriam 
estar em notas de rodapé; 
• Citações sem discussão; 
• Não há necessidade de se citar frases ou 
parágrafos completos, longos demais. 
Transcreva apenas a unidade de pensamento 
que realmente interessa. Para tanto, use a 
supressão; 
• Inserir os títulos das obras citadas no texto sem 
coloca-las em itálico; 
Qualquer que seja o sistema adotado, este 
deve ser seguido ao longo de todo o trabalho. 
Conheça um pouco mais sobre eles: 
• Sistema numérico: 
No sistema numérico, a fonte da citação 
utilizada deve aparecer em nota de rodapé (após o 
espaço do parágrafo). Neste caso, a numeração das 
fontes deve ser única e consecutiva, em algarismos 
arábicos; 
• Todas as referências devem ser repetidas na 
lista de referências ao final do trabalho; 
• A numeração das notas de rodapé deve 
restringir-se às referências bibliográficas; 
• Uso de asterisco (*): para explicar ou

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.