Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Tics Ists na gestação

Pré-visualização | Página 1 de 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS
Tecnologia da Informação e comunicação (TICs) – semana n° 11
Professor: Lilian Cristhian Santos Rocha 
Aluno(a): 4º Período
ISTs na gestação 
1. Encaminhe uma resenha contendo as patologias que devem ser rotineiramente consideradas na avaliação de uma gestante.
 As ISTs são um problema não só por serem uma doença, mas pelo fato de estarem presente nas genitálias, em que, nas mulheres fazem parte do local de parto, devido a isso, as principais devem ser pesquisadas nas consultas de pré-natal. O HIV é procurado no primeiro e no último trimestre da gestação por meio da coleta de sangue da paciente, entretanto, caso a gestantes não tiver acesso ao pré-natal, o diagnóstico pode ocorrer na maternidade durante o parto. Quando uma gestante é positiva é classificada como alto risco. 
 Além disso, deve ser verificado a sintomatologia e a presençade infecções oportunistas. O tratamento é com antirretrovirais durante toda gestação e parto. No parto deve-se evitar a contaminação da equipe. O recém-nascido deve receber antirretroviral e ser acompanhado na UBS.
 A triagem da sífilis é igual o da HIV. O risco de sua transmissão vertical é elevado quando manifesta sintomas sintomática já nas fases latentes e terciária o risco varia abaixo de 30%. Devido a permeabilidade da barreia placentária aumentar com o tempo há um risco maior de infecção caso não seja tratada. A pesquisa deve ser feitas quando não há sintomatologia pois ela facilmente se ativa. O tratamento é feito com penicilina pois ela apresenta uma boa resposta.
 A gonorreia na gestação causa maior prematuridade, perdas fetais, retardo do crescimento intrauterino e febre no puerpério, bem como a oftalmia neonatal (conjuntivite) e pneumonia em recém-nascidos. A hepatite B é buscada pelo HbsAg a os marcadores da função hepática. A prevenção é pela Imunoglobulina da hepatite B (HBIg), e vacina da hepatite B para recém-nascidos de mães infectadas com HBV. Ambas devem ser aplicadas nas primeiras horas de vida. 
RELAÇÃO TEÓRICO PRÁTICA
 As ISTs tem um potencial ruim pois alémde afetarem a mãe, podem afetar o feto seja durante a gravidez ou no momento do parto na passagem pela genitália. Dessa maneira, o médico deve estar atento e fazer a pesquisa e tratamento delas durante a gestação e após o nascimento para evitar que surjam complicações futuras devidos a estas doenças. 
REFERÊNCIAS
COSTA, Mariana Carvalho et al. Sexually transmitted diseases during pregnancy: a synthesis of particularities. Anais Brasileiros de Dermatologia, v. 85, n. 6, p. 767-785, 2010.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Recomendações para profilaxia da transmissão vertical do HIV e terapia antirretroviral em gestantes: guia de tratamento. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. (Série Manuais, n.46). - DUARTE G. HIV/AIDS. 
MONTENEGRO, C. A. B.; REZENDE FILHO, J. Rezende obstetrícia. 11.ed, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010.