A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Manisfestações Culturais 1 - Cultura Goiana

Pré-visualização | Página 1 de 1

Cultura goiana
manifestações culturais goianas 1 
Professor: wellington Ferraz
Cultura
No coração do Brasil. A partir dessa estratégica localização, Goiás acumulou ao longo dos séculos uma infinidade de elementos e tradições responsáveis por criar a sua própria identidade. Em solo goiano pulsa um pouco da história dos vários povos que construíram o Estado, dando origem a uma cultura tão rica quanto diversificada. É tudo característico e marcante: o sotaque puxado no “r”, a arquitetura, a culinária, as gírias, as danças e as músicas.
Acervo tombado
Dos casarões da cidade de Goiás, passando pelos vários prédios centenários pelo interior até o acervo art déco de Goiânia: belezas que encantam e atraem turistas. Tantas riquezas históricas contam com proteção e até reconhecimento internacionais. É o caso, por exemplo, da antiga Vila Boa, classificada pela Unesco como Patrimônio Cultural Mundial, em 2001. O Estado de Goiás possui ainda dois parques nacionais reconhecidos pela Unesco como Patrimônio Natural Mundial: o da Chapada dos Veadeiros e o das Emas.
São vários os prédios tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Entre os destaques estão os conjuntos urbanos das históricas Corumbá de Goiás, Goiás, Pilar de Goiás e Pirenópolis. São ruas, casarões e igrejas que, por meio de sua arquitetura, narram a origem do Estado – com forte presença dos arraiais, criados a partir de exploração de jazidas de ouro.
Artes Plásticas: É um dos setores mais movimentados da cultura goiana. A partir de José Joaquim Veiga Valle e Octo Marques, respectivamente dos séculos XIX e XX, Goiás se mostrou um terreno fértil para artistas. Siron Franco, Antônio Poteiro e Ana Maria Pacheco são exemplos contemporâneos. Sobre estrutura, Goiânia possui diferentes espaços, como o Museu de Arte Contemporânea (Mac), o Museu de Arte de Goiânia (Mag), a Galeria Frei Confaloni e a Galeria Sebastião dos Reis.
Dança: Tem forte influência do índio, do português e do africano, tal como as raízes goianas. A contradança, por exemplo, resiste há 138 anos como manifestação folclórica de Santa Cruz de Goiás. Já a catira é uma dança rural, cantada e disposta em fileiras opostas. O nome teria origem tupi, mas a coreografia é um legado da cultura africana. Já a congada ou congo teria vindo de Moçambique e é uma das atrações na Festa de Nossa Senhora do Rosário, em Catalão.
Literatura: No cerne das letras, Goiás tem autores que inspiram. Impossível não lembrar de Cora Coralina (1889-1985), poetisa vilaboense criadora de obras marcadas pela beleza e simplicidade. Em destaque está Bernardo Élis (1915-1997), único goiano a ingressar na Academia Brasileira de Letras (concorreu com Juscelino Kubitschek). Entre outros nomes conhecidos estão Hugo de Carvalho Ramos (1895-1911) e José J. Veiga (1915-1999).
Música: A música goiana tem uma rica história e um cenário atual com muita diversidade. A tradição das modinhas, violas e saraus está presente em grupos como a Orquestra dos Violeiros, com repertório raiz e sertanejo-romântico. A música sertaneja atrai grande público para bares, casas de shows e grandes eventos, como a Pecuária, Caldas Country e o Villa Mix, com uma programação expandida de diversos estilos. Premiada internacionalmente, a música clássica é representada pela Orquestra Filarmônica de Goiás (OFG), mantida pelo Estado, e pela Orquestra Sinfônica Municipal, mantida pela Prefeitura de Goiânia. A cena do rock e da música alternativa também faz parte da cultura goiana, com festivais como o Bananada, Vaca Amarela e Goiânia Noise.
https://www.youtube.com/watch?v=SpccOnKIf74
https://www.youtube.com/watch?v=-wyWvwGRlvY
https://www.youtube.com/watch?v=9Zj0pvbJMZk
https://www.youtube.com/watch?v=r9vnXavFxDQ
https://www.youtube.com/watch?v=VTax8lKmE5U&list=RDVTax8lKmE5U&start_radio=1&t=85
Festas populares
Cavalhadas
Registros históricos apontam as Cavalhadas de Santa Cruz de Goiás como a festa mais antiga do Estado, segundo o pesquisador Jacy Siqueira. Tradição bicentenária, a festividade também ocorre em outros dez municípios: Pirenópolis, Palmeiras de Goiás, Posse, Jaraguá, Crixás, Hidrolina, São Francisco de Goiás, Santa Terezinha de Goiás, Corumbá de Goiás e Pilar de Goiás. Em agosto de 2019 o governador Ronaldo Caiado encaminhou pedido ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para que a festividade se torne Patrimônio Cultural do Brasil. O processo está em andamento.
As Cavalhadas encenam batalhas medievais entre cristãos e mouros, ocorridas em meio à ocupação moura na Península Ibérica (século IX ao século XV). Durante três dias, dois exércitos, com 12 cavaleiros cada, fazem as apresentações, simulando lutas com auxílio de coreografias bem orquestradas. Paralelo a isso, os personagens conhecidos como Mascarados saem às ruas fazendo algazarras.
As Cavalhadas ocorrem entre junho e setembro, logo após os festejos do Divino Espírito Santo. A festa envolve toda a comunidade local e se destaca por conseguir reunir, em um único evento, cultura, turismo e a manifestação pública da fé das pessoas. Mais que manter a tradição, repassando de geração em geração, a festividade movimenta a economia local.
Quando: entre julho e setembro
https://globoplay.globo.com/v/7696697/

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.