A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
MFC II Osteoartrose

Pré-visualização | Página 1 de 1

Medicina de Família e Comunidade II - Dra Camila Braga
Osteoartrose
Osteoartrose = osteoartrite = artrose → doença relacionada com a lesão degenerativa (desgaste) da cartilagem articular;
a função da cartilagem articular é evitar o atrito de um osso com o outro e amortecer o impacto produzido pelo
movimento ou pelo esforço, facilitando o deslizamento das extremidades ósseas
→ Trata-se da forma mais comum de doença articular
→ Afeta principalmente quadris, joelhos, mãos e pés, levando a uma incapacidade e perda de qualidade de vida,
principalmente na população idosa
→ 40% dos adultos com idade superior a 70 anos, sofrem de OA do joelho
Definição
OA é resultado de vários padrões de disfunção articular e
caracteriza-se por degeneração da cartilagem articular e
simultânea proliferação de tecido ósseo, cartilagem e
tecido conectivo
Trata-se de uma doença crônica de evolução lenta, seus
sintomas iniciais desenvolvem-se de forma discreta e mal
definida, podendo passar despercebida muitas vezes
Fatores de risco
- gênero
- idade
- trauma
- uso excessivo
- genética
- obesidade
Sabe-se que a sinóvia, o osso e cartilagem são os três
principais tecidos atingidos pelos mecanismos
patológicos da OA
Fisiopatologia
→ Nos pacientes com OA, os condrócitos, as células sinoviais produzem níveis aumentados de citocinas inflamatórias,
que por sua vez, diminuem a síntese de colágeno;
→ Temos além disso, estresse mecânico, tanto por compressão estática quanto por dinâmica, aumenta a produção de
NO pelos condrócitos;
→ Os agentes oxidantes, incluindo NO, promovem apoptose de condrócitos, processos catabólicos e degeneração da
matriz
→ Condrócitos osteoartríticos → senescência prematura e apoptose
→ OA é uma doença do envelhecimento prematuro da articulação
● Sinovite
Ocorre mesmo nos estágios iniciais da OA e pode ser subclínica;
Essa inflamação sinovial na OA, geralmente é encontrada próxima a áreas com osso e cartilagem patologicamente
danificados; o que está doente, fica ainda pior
Esta sinóvia hiperreativa pode liberar proteinases e citocinas capazes de acelerar a destruição articular
Gabriela de Oliveira | T3 | 6º período
1
Medicina de Família e Comunidade II - Dra Camila Braga
Sinais e sintomas
- dor articular (no início,a dor pode se manifestar como dolorimento articular de curta duração, ou como
sensação de juntas “pesadas” ou “agulhada”, “ferroada” passageira)
- aumento do volume, inchaço ou intumescimento das juntas afetadas (temporário, após repouso ou ao
acordar)
- calor local
- crepitação articular
OBS: aplicação não cura OA, só trata alguns sinais; não tem cura, tem
apenas tratamento que melhora e estaciona um pouco a doença
Diagnóstico
- RM com contraste GdDTPA2 (gadolíneo) identifica a presença e a quantidade de GAG (glicosaminoglicano) na
cartilagem, o que pode monitorar a progressão da lesão cartilaginosa); o GAG tem papel de suporte mecânico; na
degeneração da cartilagem, o GAG é perdido precocemente, sendo um tipo de marcador biológico para a detecção
precoce
- diagnóstico clínico → exame físico
Tratamento
- multi
- esclarecimento sobre a doença
- atividade física sob orientação (fortalecimento, aeróbico, alongamento)
- orientação sobre uso de rampas e escadas; ergonomia e sobre o controle do peso corporal
- órteses e equipamentos de auxílio à marcha quando indicado
- analgésicos e anti-inflamatórios
→ Paracetamol, até 4g/dia, para obter analgesia, em pacientes leves ou moderado - 1ª escolha;
→ Inibidores específicos da COX-2 - em casos de fatores de risco presentes (celecoxibe é seguro para idosos)
→ Opióides em casos de má resposta terapêutica (Tramadol; Codeína é primeira escolha para associação;
começando com 30mg de codeína + paracetamol)
→ Terapia intra-articular: uso intra-articular do ácido hialurônico, em OA de joelho, fase aguda e crônica; tem
intenção de melhorar a viscosidade (visco suplementação), para a articulação deslizar melhor; ELA NÃO REPÕE
CARTILAGEM PERDIDA! Cartilagem perdida não renova mais
→ Tratamento cirúrgico: grau II e grau III, com comprometimento da independência das atividades de vida
diária e falha do tratamento conservador devem ser referidos para o ortop que fará indicação do tratamento
cirúrgico; artroscopia ? debrida a cartilagem lesionada, contém a inflamação, e em casos mais graves faz
substituição por prótese;
Gabriela de Oliveira | T3 | 6º período
2

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.