CasosClnicosdeAnemias_20150417171649
8 pág.

CasosClnicosdeAnemias_20150417171649


DisciplinaFisiopatologia e Farmacoterapia114 materiais1.039 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Caso clínico 1
Paciente, sexo masculino, 74 anos procurou um clínico geral com queixa de cansaço. Ao exame clínico, o paciente apresentava palidez cutâneo-mucosa. O restante do exame clínico era normal. Foram solicitados vários exames, dentre eles um hemograma completo, que mostrou: dosagem de hemoglobina = 7.0 g/dL, contagem de hemácias = 3.150.000/mm3, hematócrito = 23%, VCM = 73, CHCM = 30, leucócitos = 5.600/mm3 com diferencial normal e plaquetas = 550 mil/mm3 . Imagem de esfregaço de sangue periférico.
Responda as perguntas de 1 a 6 com base neste caso.
Paciente, sexo masculino, 74 anos procurou um clínico geral com queixa de cansaço. Ao exame clínico, o paciente apresentava palidez cutâneo-mucosa. O restante do exame clínico era normal. Foram solicitados vários exames, dentre eles um hemograma completo, que mostrou: 
Dosagem de hemoglobina = 7.0 g/dL
Contagem de hemácias = 3.150.000/mm3
Hematócrito = 23%
VCM = 73 
CHCM = 30
Leucócitos = 5.600/mm3 com diferencial normal 
Plaquetas = 550 mil/mm3 
Imagem de esfregaço de sangue periférico.
1. Existem várias formas de classificação das anemias para facilitar a investigação diagnóstica. Poderíamos classificar a anemia como: Anemia ferropriva
Pancitopenia;
Anemia hipoproliferativa;
Anemia microcítica;
Não é possível classificar a anemia com os parâmetros fornecidos.
2) Para responder a questão 1 corretamente, verifica-se, sobretudo:
A contagem de hemácias e Concentração de Hemoglobina Corpuscular Média (CHCM)
Volume Corpuscular Médio (VCM)
A contagem de reticulócitos
O RDW
3) O diagnóstico diferencial para este tipo de anemia é:
Anemia hemolítica autoimune
Anemia ferropriva e anemia de doença crônica
Anemia megaloblástica e mielodisplasia
Doenças que acometem a medula óssea, como por exemplo, leucemias agudas
4) Em grande parte dos casos, a avaliação do sangue periférico (hematoscopia) pode auxiliar no diagnóstico diferencial das anemias. A imagem se refere ao caso clínico e nela encontramos:
Anisocitocitose e poiquilocitose;
Microcitose;
Hipocromia;
Todas as afirmativas estão corretas
Caso Clínico 2
Paciente de 55 anos de idade, sexo masculino, com quadro de fraqueza progressiva, cansaço aos esforços e indisposição. Refere ainda alteração do paladar, sentindo satisfação em \u201cchupar gelo\u201d. Ao exame físico, apresenta-se descorado, com Hb 5,6 g/dL com hematócrito normal com VCM de 60 µ3 com uma plaquetose discreta 450.000 céls/mm3 e 5.600 leucócitos mm3. Esta anemia é sugestiva:
Anemias das doenças crônicas
Anemia ferropênica
Anemia sideroblástica
Talassemias alfa
Talassemias beta
Caso clínico 3
O ferro é um mineral essencial para síntese do DNA, transporte de oxigênio. Sua necessidade diária é de 25 mg/dia (quantidade muito maior do que é absorvida), desta forma, o ferro usado para eritropoiese já está no organismo. Existem uma série de proteínas responsáveis pela regulação, absorção, transporte e estocagem do ferro no organismo.
A primeira fonte de ferro é o sistema reticuloendotelial (que recupera o ferro das hemácias senescentes). Como os macrófagos é que dão o suprimento de ferro para os precursores eritróides e também recuperam o ferro das \u201chemácias mortas\u201d, o metabolismo do ferro pode ser considerado uma \u201calça fechada\u201d, (Ver imagem). O ferro é transportado pela transferrina. Uma pequena quantidade de ferro é absorvido pela mucosa intestinal e é perdida através da mucosa intestinal. O ferro em excesso é estocado no fígado.
O estoque intracelular de ferro é encontrado na ferretina. A ferretina sérica refle as reservas de ferro do organismo Um valor baixo de ferretina significa deficiência das reservas de ferro, mas um valor alto não necessariamente reflete reservas aumentadas. A hemossiderina também é outra forma de estoque, mas esse ferro é difícil de ser mobilizado. De acordo com a questão, preencha as lacunas:
Responda a sequencia correta: 
Transferrina (1), Ferritina (2), ferritina (3), ferritina (4) e hemossiderina (5);
Hemossiderina (1),transferrina (2), hemossiderina (3), ferritina (4), ferritina (5);
Transferrina (1), ferritina (2), ferritina (3), hemossiderina (4), hemossiderina (5);
Hepcidina (1), receptor de transferrina (2), ferritina (3), ferritina (4), transferrina (5).
Considerando-se que a dosagem de (2) da questão anterior seja baixa, deve-se:
Considerar a possibilidade de doença renal ou hepática grave;
Investigar uma causa de perda sangüínea;
Realizar mielograma e biópsia de medula óssea;
Considerar a possibilidade de doença hemolítica.
Caso clínico 4.
Um paciente adulto do sexo masculino com microcitose:
Hb = 14,0g/dL
Eritrócitos = 6,7 milhões/mm3
Hematócirto (Ht) = 42,3% 
VCM = 63,1 fL
Sugere-se investigação para: 
Anemia sideroblástica
Anemia ferropriva em início
Anemia de doença crônica
Talassemia beta menor
Talassemia alfa
Caso clínico 5
Paciente do sexo feminino, 64 anos, branca, aposentada, casada, dona de casa, natural de Petrolina (PE) e procedente do bairro da Ponta Verde (Maceió - AL). Na primeira 
consulta exames da paciente relata que há aproximadamente duas semanas, começou a sentir-se cansada, indisposta para realizar suas atividades diárias, é diz ser a primeira vez que sente esta fadiga. Segunda consulta a queixa principal: "cansaço". Relata ter três filhos, todos nascidos de parto normal e sem intercorrências. Entrou na menopausa há 12 anos, e não realiza reposição hormonal. Nega ter passado por quaisquer intervenções cirúrgicas, e refere ter sido internada uma única vez, para tratamento de pneumonia, há 8 anos. Nega HAS, DM, outras comorbidades ou alergia medicamentosa. Paciente nega etilismo e tabagismo, e diz que não está fazendo uso de nenhuma medicação. Relata ter alimentação adequada e saudável, rica em frutas, folhas verdes, carnes e grãos, além de praticar atividade física (hidroginástica) regularmente. 
Exame físico: Paciente em regular estado geral, consciente e orientada. Mucosas conjuntivais hidratadas e hipocoradas (+/++++). Ritmo cardíaco regular em 2 tempos, sem sopros audíveis Extremidades aquecidas e perfundidas; edema em ambas as mãos (+/++++). 
Hemograma
	Hemoglobina 9,8g/dL
	Saturação da transferrina: diminuída. 
	Hematócrito 34g/dL
	Transferrina sérica: diminuída
	VCM 75 fl
	Ferritina sérica: aumentada.
	CHCM 28 g/dL
	Receptores de transferrina: normal. 
	Contagem de reticulócitos: 1%. 
	Plaquetas 350.000
	Ferro sérico: diminuido
	Leucócitos 12.000
Paciente refere que há dois meses foi diagnosticada com artrite reumatoide, mas que não vem fazendo uso de medicamentos para o tratamento, pois quer evitar tomar remédios (sic). Diz ter esquecido este dado durante a anamnese inicial. Diante dos resultados dos exames físicos e dados laboratoriais. Qual o possível diagnóstico da anemia do paciente.
Anemia sideroblástica
Anemia ferropriva em início
Anemia de doença crônica
Talassemia beta menor
Talassemia alfa
Caso clínico 6
Paciente do sexo masculino, 42 anos de idade, oriundo do município de Itapiranga, SC. Em sua história pregressa narrou que seus exames laboratoriais sempre apresentaram anemia. Seu hemograma apresentou alterações significativas em alguns índices hematimétricos, como pode ser visto na Tabela 1.
A Tabela 2 demonstra a avaliação da morfologia eritrocitária em esfregaço sanguíneo corado. As dosagens de ferro sérico e ferritina do paciente podem ser observadas na Tabela 3. A eletroforese de hemoglobina apresentou genótipo sugestível de traço talassêmico (Tabela 4). Foi necessário estudo familiar para a confirmação diagnóstica. O pai, irmão, irmã e filho do paciente também apresentaram em seus exames complementares genótipo para anemia especifica.
.
TABELA 3 - Níveis séricos de ferro e ferritina na família do paciente 
*Valores de Referência (ferro sérico): Homens \u2013 59,0 a 158,0 \u3bcg/dL e Mulheres \u2013 37,0 a 145,0 \u3bcg/dL.
**Valores de Referência (ferritina): Homens \u2013 30,0 a 40,0 ng/mL; Mulheres \u2013 13,0 a 150,0 ng/mL e Crianças