A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
cateiro de obra

Pré-visualização | Página 1 de 2

Teste de
Conhecimento
 avalie sua aprendizagem
A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a Resolução nº 307 do Conama estabelecem a elaboração e a implantação, pelos
geradores, do Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (PGRCC). Trata-se de um procedimento
fundamental para a correta gestão de resíduos da construção civil. Esses planos serão elaborados pelos grandes geradores
e deverão estabelecer os procedimentos para o manejo e destinação ambientalmente adequados dos resíduos. Os
empreendimentos que necessitam de licenciamento ambiental deverão ter seus PGRCC analisados dentro do processo de
licenciamento, junto ao órgão ambiental. As etapas do plano que devem ser contempladas pelo PGRCC, são:
Caracterização, Triagem, Acondicionamento, Transporte e Destinação. Qual atividade ocorre na etapa de Caracterização?
A Resolução CONAMA 307 de 2002 estabelece a destinação dos resíduos da construção civil. Os resíduos Classe:
CANTEIROS DE OBRAS
Lupa Calc.
 
 
CCE1874_A10_201809042836_V1 
 
Aluno: ANTONIO DE SOUSA MIRANDA Matr.: 201809042836
Disc.: CANTEIROS.OBRAS 2022.1 - F (G) / EX
 
Prezado (a) Aluno(a),
 
Você fará agora seu TESTE DE CONHECIMENTO! Lembre-se que este exercício é opcional, mas não valerá ponto para sua
avaliação. O mesmo será composto de questões de múltipla escolha.
Após responde cada questão, você terá acesso ao gabarito comentado e/ou à explicação da mesma. Aproveite para se
familiarizar com este modelo de questões que será usado na sua AV e AVS.
 
1.
Transporte realizado com as normas técnicas
Destinação prevista de acordo com a classificação de cada resíduo
Identificação e quantificação dos resíduos
Confinamento dos resíduos até a etapa de transporte, assegurando em todos os casos possíveis, as condições de
reutilização e de reciclagem
Realizada pelo gerador na origem ou nas áreas de destinação licenciadas, respeitando as classes de resíduo
 
 
 
Explicação:
 Na etapa de Caracterização, a preocupação é identificar e quantificar o material de resíduo da obra.
 
 
 
 
2.
B não poderão ser reutilizados, reciclados ou encaminhados e devem ser encaminhados a áreas de lixões. 
A deverão ser reutilizados, reciclados ou encaminhados a áreas de armazenamento temporário. 
B deverão ser reutilizados, reciclados ou encaminhados a áreas de aterro de resíduos da construção civil.
B deverão ser reutilizados, reciclados ou encaminhados a áreas de armazenamento temporário. 
A não podem ser reutilizados e devem ser encaminhados a áreas de aterro controlado.
 
 
 
Explicação:
javascript:voltar();
javascript:voltar();
javascript:diminui();
javascript:aumenta();
javascript:calculadora_on();
Na organização de um canteiro de obra, deve-se considerar que a disposição de resíduos é uma obrigação legal,
regulamentada pela Resolução CONAMA n.º 307/2002. Assim, os resíduos devem ser agrupados em:
A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a Resolução nº 307 do Conama estabelecem a elaboração e a implantação, pelos
geradores, do Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (PGRCC). Trata-se de um procedimento
fundamental para a correta gestão de resíduos da construção civil. Esses planos serão elaborados pelos grandes geradores
e deverão estabelecer os procedimentos para o manejo e destinação ambientalmente adequados dos resíduos. Os
empreendimentos que necessitam de licenciamento ambiental deverão ter seus PGRCC analisados dentro do processo de
licenciamento, junto ao órgão ambiental. As etapas do plano que devem ser contempladas pelo PGRCC, são:
Caracterização, Triagem, Acondicionamento, Transporte e Destinação. O que caracteriza a etapa de Triagem?
Art. 10. Os resíduos da construção civil deverão ser destinados das seguintes formas:
I - Classe A: deverão ser reutilizados ou reciclados na forma de agregados, ou encaminhados a áreas de aterro de resíduos da
construção civil, sendo dispostos de modo a permitir a sua utilização ou reciclagem futura;
II - Classe B: deverão ser reutilizados, reciclados ou encaminhados a áreas de armazenamento temporário, sendo
dispostos de modo a permitir a sua utilização ou reciclagem futura;
III - Classe C: deverão ser armazenados, transportados e destinados em conformidade com as normas técnicas específicas.
IV - Classe D: deverão ser armazenados, transportados, reutilizados e destinados em conformidade com as normas técnicas
específicas.
 
 
 
 
3.
resíduos recicláveis como agregados, resíduos recicláveis para outras destinações, resíduos para os quais não foram
ainda desenvolvidas tecnologias de reciclagem economicamente viáveis e resíduos perigosos.
resíduos recicláveis, resíduos não recicláveis, resíduos contaminados e resíduos contaminantes.
resíduos recicláveis, resíduos potencialmente recicláveis, resíduos não recicláveis e resíduos perigosos.
resíduos recicláveis oriundos de elementos cimentícios ou cerâmicos, resíduos recicláveis oriundos de plásticos,
resíduos recicláveis oriundos de metais, resíduos recicláveis oriundos de vidro, resíduos não recicláveis e resíduos
contaminantes.
resíduos recicláveis de aplicação direta na construção civil, resíduos recicláveis sem aplicação na construção civil,
resíduos não recicláveis, resíduos perigosos e contaminantes.
 
 
 
Explicação:
Art. 3º Os resíduos da construção civil deverão ser classificados, para efeito desta Resolução, da seguinte forma:
 I - Classe A - são os resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados, tais como: a) de construção, demolição, reformas
e reparos de pavimentação e de outras obras de infra-estrutura, inclusive solos provenientes de terraplanagem; b) de
construção, demolição, reformas e reparos de edificações: componentes cerâmicos (tijolos, blocos, telhas, placas de
revestimento etc.), argamassa e concreto; c) de processo de fabricação e/ou demolição de peças pré-moldadas em concreto
(blocos, tubos, meios-fios etc.) produzidas nos canteiros de obras;
 II - Classe B - são os resíduos recicláveis para outras destinações, tais como: plásticos, papel/papelão, metais, vidros,
madeiras e outros;
 III - Classe C - são os resíduos para os quais não foram desenvolvidas tecnologias ou aplicações economicamente viáveis
que permitam a sua reciclagem/recuperação, tais como os produtos oriundos do gesso;
 IV - Classe D - são os resíduos perigosos oriundos do processo de construção, tais como: tintas, solventes, óleos e outros,
ou aqueles contaminados oriundos de demolições, reformas e reparos de clínicas radiológicas, instalações industriais e outros.
 
 
 
 
4.
Identificação e quantificação dos resíduos
Confinamento dos resíduos até a etapa de transporte, assegurando em todos os casos possíveis, as condições de
reutilização e de reciclagem
Transporte realizado com as normas técnicas
Realizada pelo gerador na origem ou nas áreas de destinação licenciadas, respeitando as classes de resíduo
Destinação prevista de acordo com a classificação de cada resíduo
 
 
 
Explicação:
Na etapa de Triagem, é realizada, preferencialmente, pelo gerador na origem, ou nas áreas de destinação licenciadas para
essa finalidade, respeitando as classes dos resíduos.
 
 
 
 
A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a Resolução nº 307 do Conama estabelecem a elaboração e a implantação, pelos
geradores, do Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (PGRCC). Trata-se de um procedimento
fundamental para a correta gestão de resíduos da construção civil. Esses planos serão elaborados pelos grandes geradores
e deverão estabelecer os procedimentos para o manejo e destinação ambientalmente adequados dos resíduos. Os
empreendimentos que necessitam de licenciamento ambiental deverão ter seus PGRCC analisados dentro do processo de
licenciamento, junto ao órgão ambiental. As etapas do plano que devem ser contempladas pelo PGRCC, são:
Caracterização, Triagem, Acondicionamento, Transporte e Destinação. Qual atividade ocorre na etapa de Acondicionamento?
A Resolução Conama Nº 307, de 05 de julho de 2002, estabelece uma classificação para

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.