A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
RÉPTEIS - MEDICINA VETERINÁRIA - SILVESTRES

Pré-visualização | Página 1 de 2

RÉPTEIS
BIOLOGIA DOS RÉPTEIS:
● Possuem um metabolismo muito baixo quando comparado com mamíferos de
mesmo tamanho
● Esta taxa metabólica aumenta exponencialmente com o aumento da
temperatura corporal
PECULIARIDADE ANATÔMICA DOS
RÉPTEIS:
SISTEMA CARDÍACO:
Possuem um coração com 3 câmeras
sendo:
● 2 átrios
● 1 ventrículo
● Auxilia na apneia e temperatura
corporal
OBS: Apenas da família dos
crocodilos possuem 4 câmaras
SISTEMA RESPIRATÓRIO:
● Pulmões grandes e saculados -
Sobre as vísceras
● São ineficientes
● Trabeculados - Muitos septos
NÃO tem árvore brônquica
NÃO tem diafragma - Não consegue
tossir
● Crocodilos possuem diafragma
SISTEMA DIGESTIVO:
● Curto e simples em relação aos das aves e mamíferos
CARNÍVOROS:
● Possuem no lúmen o ÁCIDO HIDROCLÓRICO - Digestão da carne e ossos
● Intestino apresenta ceco desenvolvido em espécies herbívoras
● Cólon termina em uma BOLSA denominada de CLOACA a qual consiste em 3
câmeras
● 1- Coprodeu
● 2- Urodeu
● 3- Proctodeu
● Serve tanto para digestório, reprodutor e urinário
CÁGADOS E TARTARUGAS possuem bexiga natatória - Ajuda no nado
SISTEMA RENAL
● Os répteis também possuem um sistema de válvulas no sistema portal renal de
tal forma, que quando a válvula é fechada o sangue segue através dos rins até o
coração
● A maioria dos répteis excretam principalmente ácido úrico ao invés de soluções
como amônia e ureia
SISTEMA REPRODUTOR
● Tanto macho e fêmea possuem gônadas no INTERIOR da cavidade
CELOMÁTICA
● Não é visualizado de forma externa os genitais
SEXAGEM EM RÉPTEIS OU LAGARTOS - Sonda (através da medição faz a
sexagem)
IMAGEM: Quando a sonda progrediu bastante pelo órgão genital é MACHO
IMAGEM: Quando a sonda progrediu POUCO é FÊMEA
IMAGEM: Répteis possuem o Hemipênis - Órgão que serve apenas para reprodução
(nao passa pelo sistema urinário)
Alguns possuem espículas
EM JABUTIS a sexagem ocorre através do PLASTRÃO
MACHOS: PLASTRÃO CÔNCAVO
Possuem o rabo maior que o da fêmea
FÊMEA: Não possuem o plastrão côncavo
Estrutura semelhante ao hemipênis - Passagem dos espermatozóides na hora da
cópula
Ocorre prolapsos - Traumatismos = Necessário amputação
SISTEMA TEGUMENTAR
● Todos os animais possuem uma camada protetora de pele extremamente seca
● Uma camada lípidica abaixo da pele - Para não ocorrer a perda de líquidos
● Não possuem glândulas sudoríparas
ECDISE: Troca de pele dos répteis
- Está sob o controle da glândula TIREÓIDE
- Vai depender do ambiente do animal
ESPECIFICAÇÕES:
TESTUDINES ou QUELÔNIOS
Possuem a proteção dos órgãos por uma carapaça
TARTARUGA MARINHA: Possui exclusivamente a carapaça ao nado
● Barbatanas
JABUTIS:
Possui exclusividade ao meio terrestre
Podem nadar
CÁGADOS - TIGRES D'ÁGUA
Forma intermediária - Vida terrestre e aquáticos
Mãos e pés possuem membrana interdigital - Serve para o nado e caminhar
GRUPO LACERTILIA - Lagartos
Lagarto Teiú -
Animal sinantrópico - Se adaptou ao meio urbano
São semelhantes ao urubus
SERPENTES:
NÃO possui veneno e sim peçonha - ‘’Glândula salivar’’
FOSSETA LOREAL: Algumas espécies possuem
Serve para serpentes sentir o calor - Presa
JACOBSON:
● A serpente posiciona a língua nesse quando ela coloca para fora órgão
Serve para SENTIR OS CHEIROS
● As narizes servem apenas para troca respiratória
GLOTE:
Localizada na região bem rostral - Auxilia para a alimentação (presas grandes)
Fácil para intubação
DENTES:
Variam as espécies de serpentes
SOB CUIDADOS HUMANOS
● Vários são os aspectos que influenciam na decisão de se manter um exemplar da
classe reptilia
● Como animal de estimação:
● Necessidade de espaço relativamente pequeno
● Facilidade de higienização do ambiente
● Praticidade de manutenção
● Beleza ‘’exótica’’
● Características comportamentais silenciosa
É NECESSÁRIO:
● Recinto planejado
● Doenças de manejo - Se não houver manejo correto
DEVE-SER TER EM MENTE QUE AS NECESSIDADES BÁSICAS PARA
MANUTENÇÃO DE UMA ESPÉCIE DE RÉPTIL EM CATIVEIRO ENGLOBA QUATRO
ITENS:
1- Iluminação
2- Temperatura
3- Alimentação
4- Umidade
TEMPERATURA:
● O sistema de aquecimento artificial utilizada em cada cativeiro deve estar
adequado a biologia da espécie e do terrário em questão;
● No caso de terrários pequenos o aquecimento do ambiente já é o suficiente;
● Mas para terrários grandes o aquecimento interno do mesmo é indispensável
● Termostatos é indispensável
ILUMINAÇÃO:
● Sempre fornecer calor e iluminação
● Ciclo influência no ciclo circadiano - Não há exposição correta de luz
RECINTO:
● Outro item a ser levado em consideração é a mimetização do recinto
(ecotizaçao do recinto) - Fazer com que o recinto seja semelhante ao onde
esse animal viveria no meio ambiente
SUBSTRATO IDEAL DEVE:
1- Barato
2- Fácil higienização
3- Substrato adequado
● Pode desenvolver pododermatite se não é adequado
FATORES PREDISPONENTES A DOENÇA
● Um diagnóstico precoce e tratamento oportuno são essenciais para a cura de
muitas doenças graves
● É necessário sempre observar os animais para a detecção de
comportamentos anormais ou estranhos que podem ser o ‘’AVISO’’ de que
algo está errado
● Os primeiros sintomas geralmente comuns a maioria das doenças são
ANOREXIA, DESIDRATAÇÃO e ‘’NERVOSISMO’’
PRINCIPAIS ENFERMIDADES ENCONTRADAS
DESIDRATAÇÃO:
● É um sintoma ou uma das consequências de uma doença ou condições precárias
de um cativeiro;
● O animal desidratado dificilmente responderá a qualquer tratamento -
Necessário sempre tratar por primeiro a reidratação e após isso tentar parar a
doença em si
● Corrigir parâmetros inadequados de alimentação e habitat
CAUSAS INDIRETAS DE DESIDRATAÇÃO:
● Baixa umidade relativa a terra;
● Não fornecer água
● Alta temperatura no terrário
● Comida inadequada
● Parasita intestinais
● Infecções
SINTOMAS:
● Répteis desidratados apresentam pele seca e enrugada
● Se for uma desidratação forte o animal apresenta olhos encovados (enoftalmia)
TRATAMENTO:
● Reidratar - Soros orais
● Bebidas eletrolíticas - Gatorade
DESIDRATAÇÃO GRAVE - Injeções subcutânea 20 ml por kg
FERIDAS:
● Causa frequente em répteis mantidos em cativeiro
● Lesões ocorrem devido a fricção, mordidas ou cortes com dispositivos do próprio
terrário
● Feridas podem ser infectadas por bactérias - Principal PSEUDOMONAS e
AEROMONAS
● Falta de Vitamina C predispõe a infecções na mucosa
oral
DOENÇA DE PELE:
● Dermatite necrótica
● DOENÇA CUTÂNEA ULCERATIVA SISTÊMICA - SCUD
● Ocasionado por bactéria gram-negativa -
CITROBACTER FREUNDII (comensal)
● Acomete - Quelônios de água doce - Altamente
contagioso
SINTOMAS:
● Hemorragias e úlceras cutâneas
● Anorexia
● Letargia
● Perda de unhas e dígitos
TRATAMENTO:
● Antibiótico sistêmico - Tratamento de suporte
● Necessário DESBRIDAMENTO dos tecidos necrosados
● Retirada das placas córneas soltas
● Aplicaçao de antisépticos - Yodo Povidona (PVPI tópico) - Colocar
o animal em bacias - Banhos diários
● Pode ocorrer osteomielite - Infecção bacteriana dos ossos
ABSCESSOS:
● Características caseosas
● Acomete quelônios principalmente
TRATAMENTO:
● Remoção da placa de pus - Cirurgia
● Desinfectar a área com solução de clorexidina 2%
● Antibióticos pode-se utilizar
DISECDISE:
● Troca inadequada da pele - Acomete principalmente serpentes
● A troca normal da pele - Ecdise
● Nesse período o animal não se alimenta - Fica apático e normalmente dentro
da água
SINAIS DE ECDISE:
● Presença de opacidade bilateral dos olhos
TRATAMENTO DISECDISE:
● Hidratar o animal e corrigir a umidade do ambiente
● Fazer banhos de imersão em água morna com glicerina ou chás de camomila
● Sempre dar atenção aos olhos e cauda - Pode necrosar a pele
DOENÇAS RESPIRATÓRIAS:
● Ocorre em regiões mais frias - Oscilação térmica
● Animais novos no recinto - Processo de adaptação = Estresse
DIAGNÓSTICO:
● Radiografia
● Ausculta - Sons relacionados
● Lavado broncoalveolar - Sonda na traquéia do animal de forma estéril -
Utilizando 10 ml por KG - aspira o conteúdo e enviado para cultura para a
melhor utilização do antibiótico
● Flutuação- Animal em bacia e deixar ele nadar - Se o animal

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.