A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Pielonefrite

Pré-visualização|Página 1 de 3

Pielonefrite
A Pielonefrite , conhecida como
infecção alta, é uma infecção do
trato urinário (UTU) que acomete o
parênquima renal.
Na pielonefrite, pode ocorrer
acometimento do interstício e dos
túbulos, além da pelve, dos cálices
e do ureter.
Essa inflamação dos rins é, na
maioria das vezes, causada por
bactérias gram-negativas,
principalmente Escherichia
coli, mas pode ser causada
também, menos comumente, por
bactérias gram-positivas e por
fungos.
A pielonefrite podem causar essa
infecção por meio de três vias:
ascendente, descendente ou linfática.
1. A via ascendente é a mais
comum e ocorre quando as
bactérias que habitam a uretra e
a vagina no caso das mulheres
, que não são patogênicas,
colonizam esses locais devido à
sua boa capacidade de
aderência ao epitélio e atingem
a bexiga, se multiplicando
quando há estase urinária ou
redução dos mecanismos de
defesa do indivíduo. O refluxo
vesicoureteral, que permite o
refluxo de urina da bexiga para o
ureter, favorece o transporte de
bactérias e essas podem atingir
os rins pelo refluxo intrarrenal.
2. A outra via responsável por essa
ITU é a descendente ou
hematogênica, que ocorre
quando o patógeno que já
estava causando infecção em
outro local do corpo (exemplo:
endocardite infecciosa) alcança
o sistema urinário por meio da
disseminação pelo sangue.
3. Por último, na via linfática
ocorre disseminação por meio
de vias linfáticas.]

Existem fatores de risco para a
ocorrência dessas infecções do
trato urinário ou até mesmo para a
reinfecção. É mais comum ouvir
falar de mulheres com história de
ITU do que homens e isso ocorre
porque a uretra daquelas é mais
curta. Além disso, os homens
possuem o líquido prostático que
tem atividade antibacteriana, o
que atua como um fator de
proteção contra ITU.
Gravidez
Cateterismo
Obstrução urinaria
Instrumentação urológica
História previa de ITU
Urolitíase
Bexiga Neurigênica
Uso de sonda Vesical
Imunodepressão
Diabete Melitus
Mulheres em idade reprodutiva
Disuria
Polaciúria
Urgência miccional
Dor suprapúbica
Hematúria
Febre
Calafrios
Náuseas e vômitos
Dor nos flancos ou região lombar
Ocorre quando a infecção surge de
forma repentina e intensa ,
desaparecendo ao fim de algumas
semanas ou dias
Ocorre quando é caracterizada por
uma infecção bacteriana
recorrente e que não foram bem
curadas , provocando inflamação
prolongada no rim e lesões graves
que podem levar insuficiência
renal.
Geralmente ele é feito baseado em sinais e
sintomas típicos de um quadro urinário e
necessita de um sinal de Giordano positivo.
No caso da pielonefrite aguda deve ser
suspeitada em pacientes que apresentam
principalmente febre e dor em região de
localização renal.
No exame físico da Pielonefrite encontra-se
paciente com febre alta, e com sinal de
Giordano positivo. Que consiste em
espalmar a mão sobre o ângulo
costovertebral e, em seguida realizar um
golpe com certa força para produzir um
pequeno abalo ou vibração com a
superfície ulnar de seu punho. Caso o
paciente sinalize que sentiu dor ao realizar
o teste , sinal de Giordano positivo.
Precisa de exames laboratoriais para
confirmar a patologia, como urocultura ,
hemograma, exames de urina.
Usa-se exames de imagens como
ressonância e TC.

O tratamento para pielonefrite depende
do estado geral do paciente com
suspeita e de deve ser feito
cuidadosamente.
A internação deve ser feita em casos de
pielonefrite complicada , devido ao
risco de progressão d=para um quadro
de sepse. A internação deve ser
considerada apenas em caso de
gravidez, impossibilitados de hidratação
oral, aderência ao tratamento e
suspeita de complicação.
o tratamento não deve aguarda o
resultado de urocultura e pode ser
realizado.
Geralmente é feito com antibióticos de
acordo com o quadro de cada paciente,
da sensibilidade do microrganismo e
deve começar quanto antes para
prevenir lesões nos rins e evitar que as
bactérias se proliferem pela corrente
sanguínea causando septicemia. Para
avaliar a dor podem ser usados
analgésicos e anti-inflamatórios