Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
Imersao em imaginologia da protecao a anatomia radiologica TSB (1)

Pré-visualização | Página 2 de 4

Pelos melhores resultados obtidos e menores irradiações teciduais que oferece, 
em radiografias intrabucais, deve-se utilizar, preferencialmente, a técnica do 
paralelismo com localizadores longos, dispositivos de alinhamento (posicionadores) e 
prendedores de filme, de modo a evitar que o paciente tenha que o segurar (art. 5 §8, 
alínea d). 
 O art. 5 §9, alíneas c e d, das Diretrizes faz referência ao posicionamento 
dequado do operador ou qualquer membro da equipe, em relação à direção do feixe 
primário, e a não estabilização do cabeçote localizador e/ou do filme radiográfico 
durante as exposições. Portanto, a estabilidade do cabeçote deve ser verificada 
constantemente, evitando movimento depois de posicionado, o que pode resultar em 
perda de nitidez e meia lua, e no caso de ser necessário manter o filme na boca do 
paciente, isto deve ser feito por um acompanhante do mesmo. 
 De acordo com as Diretrizes de Proteção, em seu art. 5 §7 alínea e, os 
equipamentos para radiografias intrabucais devem possuir um localizador de 
extremidade de saída aberta para posicionar o feixe e limitar a distância foco-pele. 
Além disso, um método efetivo de redução da dose de radiação é manter a área 
irradiada a menor possível, compatível com o tamanho do objeto radiografado, sendo 
isso conseguido com o uso de cones localizadores longos. 
 
 Métodos para Proteção do Profissional 
 A proteção do profissional também tem sido enfatizada, uma vez que o poder de 
penetração das radiações ionizantes é inversamente proporcional ao quadrado da 
distância, sendo essencial a adoção de medidas eficazes que atenuem a sua 
penetração. Dessa forma, é necessário que, em exames intrabucais em consultórios, o 
operador mantenha-se a uma distância de, pelo menos, dois metros do tubo (cabeçote) 
e numa angulação de 90 a 135º (caso tenha que permanecer em sala) e do paciente 
durante as exposições. 
 Se a carga de trabalho for superior à 30hs por semana, o operador deve 
manter-se atrás de uma barreira protetora com uma espessura de, pelo menos, 0,5mm 
equivalentes ao chumbo. 
 Disparar fora da sala ou atrás de barreira de proteção; Paredes baritadas 
(chumbo dentro de massa corrida); regra da posição e distancia; dosímetro; 
 
 
 
Fonte: Ilustrações Retiras da Internet (google imagens). 
 
 
 Métodos para Proteção do Paciente 
 Repetição mínima de radiografias; filtração correta (aparelho bem calibrado); 
colimação precisa (mira certa); proteção de áreas especificas (gônadas) com avental 
de chumbo (plumbífero), com no mínimo 0,25mm; proteção para gestantes; uso de 
fatores de exposição ótimos e combinações. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fonte: Ilustrações Retiras da Internet (google imagens). 
Formação e Processamento da Imagem Radiográfica 
 
 
Formação da imagem latente na película radiográfica 
Fonte: Próprio autor 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fonte: Ilustrações Retiras da Internet (google imagens), modificada pelo autor 
 
 
Imagem Radiográfica = é a imagem fotográfica de um objeto realizada por raios-x. 
 Sensibilidade do Filme Radiográfico = mede-se essa capacidade pelo tempo de 
exposição requerido para uma tomada de uma radiografia, com maior ou menor 
quantidade de radiação. ESTANDARTIZAÇÃO = C; D; E; F. 
 
 As radiografias, de uma forma geral, a qualidade da imagem depende de ms; 
kvp e o tempo de exposição. 
 
 Fatores Formadores de Imagem Sem Filme 
 A capacidade de penetração dos raios-x depende do comprimento de onda e 
este da tensão aplicada. Os raios-x interagem com todas as partes do corpo de forma 
diferente, formam radiossombras claras (radiopacas) e as escuras (radiolucidas). 
 As estruturas espessas absorvem bem os raios-x, enquanto as cavidades e 
partes moles não absorvem. Nas imagens podem ocorrer efeito de adição ou efeito de 
subtração. 
 
 Contraste do objeto 
A escala do contraste vai de: Branco 0 (alto contraste)Preto 255 (baixo 
contraste). A quantidade variável de absorção determina o contraste do objeto, este 
somente é influenciado pela qualidade de raio-x e pelo tipo de objeto. 
 
 *Intensidade da corrente, tempo de exposição, distancia e voltagem. 
 A intensidade da corrente determina a quantidade de raio-x recebida por unidade 
de tempo. O produto mA x S, regula o escurecimento sem alterar o contraste. A 
distancia também regula a intensidade da radiação, pois o aumento da distancia (↑d) 
diminui a intensidade da radiação (↓IR). Isso é regido pela Lei da Distancia 
 
 
 IR = Cte/d². 
 
 
 O tempo de exposição pode ser reduzido não somente pela intensidade da 
corrente, aumento de kV, mas também por uso de filmes sensíveis. 
 Quando aumenta o kV maior será a capacidade de penetração e menor será o 
contraste da imagem. A distancia também influencia o eixo foco – objeto – película, o 
qual influencia a nitidez da imagem. 
 
 
 OBS.: ↑foco ↓ penumbra ↑ nitidez ↓distancia OP ↓ penumbra ↓ nitidez dos 
contornos. 
 
 
 A radiação dispersa é uma radiação secundaria que forma um véu no objeto 
irradiado, isso pode alterar o contraste. Neste caso, os aparelhos são constituídos de 
um diafragma e de um filtro, este serve para bloquear os fótons de ondas longas 
(moles) e o diafragma evita que áreas fora do foco sejam imprimidas numa tomada 
radiográfica. 
 
 Fatores Formadores de Imagem Dependentes do Filme 
 Os filmes também possuem seus contrastes próprios os quais não interferem na 
qualidade e na quantidade de radiação e junto com o contraste do próprio objeto, 
possibilitam que tornem visíveis pequenas diferenças de absorção. Quanto mais exato 
for o processo de revelação mais perfeita ficará a imagem. 
 
 Estruturas do Filme Radiográfico 
 O filme odontológico possui sete camadas: 
 *Base de Suporte = 2mm, formada por poliéster; 
 *Camada Adesiva = formada por plástico de gelatina, serve para aderir a 
emulsão da camada base. 
 *Emulsão = altamente sensíveis a luz, composta por halogenetos de prata 
(brometo de prata) que oferecem riqueza de contraste. A sensibilidade dar-se pela 
quantidade de cristais de prata e pela espessura da camada de emulsão. Filmes 
sensíveis possuem duas faces de camadas de emulsão, isso também influencia no 
contraste. 
 *Camada Protetora = camada constituída por gelatina grossa. (dura). 
 No filme odontológico não possui a camada ECANS, mas é compensado pelo 
aumento dos cristais de prata.na emulsão. Ex.: 190 – 200 g de prata por m². 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Camadas que compõe a película radiográfica odontológica 
Fonte: Ilustrações Retiras da Internet (google imagens), modificada pelo autor. 
 Embalagem do Filme (película) 
 Segue na sequencia de fora para dentro: um envelope de plástico, em seguida 
um plástico preto que envolve todo o filme, na parte posterior do filme tem-se uma 
placa de chumbo com o objetivo de evitar perdas na qualidade da imagem. 
 Os filmes de raios-x possuem três propriedades: 
 *Propriedades Sensitométricas; 
 *Propriedades Físico – Mecânicas; 
 *Propriedades que influenciam na nitidez. 
 
 A emulsão, quando em temperaturas inadequadas, podem sofrer maturação, ou 
seja, os cristais de prata sofrem aumento reduzindo a revelação de detalhes e 
reduzindo a velocidade dos filmes, mas aumenta a sensibilidade dos filmes. 
 OBS.: Todo filme possui um véu intrínseco que é a deposição dos cristais de 
prata que se eleva com o desenvolver do tempo. 
 Os filmes são sensíveis a pressão, por isso devem ser guardados de forma 
vertical. 
 
 
 REVELAÇÃO (Procedimento) 
 Quando os raios-x são disparados no filme, regiões onde não possuem 
atenuadores desses raios fazem com que os halogenetos de pratas, presente na 
emulsão, sejam sensibilizados formando prata metálica negra. As regiões com 
atenuadores não são sensibilizadas contendo brometo de prata, desta forma, após o 
dispara forma no filme uma imagem latente.
Página1234