Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
161 pág.
Tomografia Computadorizada e Protocolos dos Exames

Pré-visualização | Página 5 de 24

http://rle.dainf.ct.utfpr.edu.br/ 
 
Notas de aula adaptadas de outras fontes pelo Prof Paulo Roberto Prevedello - pauloprevedello@gmail.com Pag. 24 
 
 
O Gantry possui uma abertura circular que vara de 60 cm a 85 cm na qual o paciente, 
após devidamente acomodado na mesa, é introduzido e posicionado em relação à linha de 
passagem do feixe de raios X emitido pelo tubo. 
 
Existe ainda um sistema de megafonia que permite ao operador da aquisição de 
imagens, instruir o paciente durante o exame e ou comunicar-se com ele, se necessário. 
 
85 cm 
 
Notas de aula adaptadas de outras fontes pelo Prof Paulo Roberto Prevedello - pauloprevedello@gmail.com Pag. 25 
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO DO CONTEÚDO 
1. Qual a principal vantagem de um tomógrafo móvel ou transportável? 
2. Em que ano foi lançado o primeiro TC móvel? 
3. Quais são os quatro subsistemas principais de um TC? 
4. Estes subsistemas estão distribuídos nas diversos componentes que compõem o 
aparelho e são instalados em três módulos, quais são estes módulos? 
5. Qual é a estrutura principal do equipamento de tomografia, que contem em seu 
interior instalado: o tubo gerador do feixe de raios X, os detectores de radiação 
responsáveis pela captação da radiação que ultrapassa o objeto, os colimadores de feixe, 
conversores analógico digitais, fontes e componentes mecânicos necessários para as 
movimentações de varredura que possibilitam a aquisição de dados? 
RESPOSTAS 
1. 
– A principal vantagem de um tomógrafo móvel ou transportável é a possibilidade de 
realizarmos a tomografia no transoperatório, em pronto atendimento trauma ortopédico e no 
próprio apartamento do paciente. 
2. 
– O primeiro TC móvel foi comercializado em 1998 pela Philips, o Tomoscam M. 
3. 
I – O subsistema eletroeletrônico 
II – O subsistema mecânico 
III – O subsistema gerador de raios X 
IV – O subsistema de informática 
 
4. 
– O Gantry 
– A mesa de acomodação do paciente 
– A sala ou console de comando 
5. 
– A estrutura principal do equipamento de tomografia é o Gantry ou portal. 
 
 
Notas de aula adaptadas de outras fontes pelo Prof Paulo Roberto Prevedello - pauloprevedello@gmail.com Pag. 26 
GERADORES OU TRANSFORMADORES 
Os primeiros equipamentos de tomografia operavam com geradores trifásicos de baixa 
frequência (60 Hz) que se conectavam ao tubo de raios X por meio de longos cabos de alta 
tensão (Figura a). Esses cabos impediam que o tubo girasse continuamente. (sistemas não 
helicoidais). 
Os circuitos atuais são de alta frequência (3000 Hz) e funcionam transformando a baixa 
tensão de entrada da rede elétrica em alta tensão que alimenta o tubo de raios X para 
produção da radiação. Por serem pequenos, todos os circuitos que compõem o gerador 
ficam dentro do gantry e giram ao redor do paciente (Figura b). Nestes geradores, aplica-se 
a tecnologia dos anéis deslizantes (slip rings) que permitem a rotação contínua do tubo. 
 
O tubo gerador do feixe de raios X 
O funcionamento de um tubo de raios X utilizado na tomografia computadorizada segue 
os mesmos princípios de um tubo da radiologia convencional (figura abaixo). Ele é 
composto pelo catodo e anodo inseridos em um invólucro de vidro a vácuo. 
 
Imagens: http://www.canalciencia.ibict.br/ 
Devido às necessidades da tomografia helicoidal e de multidetectores, que permitem a 
aquisição de imagem de grandes extensões do corpo de forma contínua por tempos de até 
60 s de irradiação com altas correntes, estes tubos necessitam de uma 
Os tubos dos aparelhos de raios X permanecem estáticos durante a geração do feixe, já 
nos aparelhos de TC o tubo está em movimento circular no interior do Gantry durante seu 
funcionamento. 
http://rle.dainf.ct.utfpr.edu.br/hipermidia/index.php/radiologia-convencional/tecnologia-e-funcionamento-dos-equipamentosrx/geradores#tipos-de-geradores
http://rle.dainf.ct.utfpr.edu.br/hipermidia/index.php/radiologia-convencional/tecnologia-e-funcionamento-dos-equipamentosrx/tubo-de-raios-x
 
Notas de aula adaptadas de outras fontes pelo Prof Paulo Roberto Prevedello - pauloprevedello@gmail.com Pag. 27 
 
Os tubos convencionais de vidro (borosilicatados), que garantiam o bom isolamento 
térmico e elétrico, deram lugar a tubos com revestimento metálicos e isolantes cerâmicos 
entre o anodo e catodo. 
Com isso, anodos mais espessos e maiores - diâmetro de 200 mm comparados aos 
120 mm dos anodos convencionais - foram construídos, melhorando a relação de troca de 
calor. 
Outra inovação foi a utilização de novos materiais para o anodo, a antiga composição 
possuía um base de titânio, zircônio e molibdênio, com uma pista de ponto focal contendo 
10% de rênio e 90% de tungstênio. 
Porém, todo este conjunto era muito pesado e foi substituído por uma base de grafite, 
que tem uma capacidade dez vezes maior que o tungstênio para dissipar o calor e por ser 
mais leve, pode ser utilizado na tomografia helicoidal, a pista do ponto focal permaneceu a 
mesma. 
Por trabalharem continuamente por um tempo muito maior, os tubos de raios X dos 
aparelhos de TC geram e acumulam muito mais calor, necessitando de um sistema de 
refrigeração bem desenvolvido que utiliza líquido refrigerante com circulação forçada, além 
de um sistema de radiador para a transferência do calor retirado pelo líquido refrigerante do 
tubo para o meio externo. 
Os tubos de raios X para TC apresentam anodos giratórios com rotação acima de 
10.000 RPM para auxiliar na dissipação de calor. 
Em virtude do aumento da velocidade de circulação do tubo no interior do gantry, 
visando diminuir o tempo de aquisição de dados, ouve necessidade de aumentar a 
intensidade do feixe de raios X, tendo como consequência um aumento na potência dos 
tubos. Este aumento de potência implica uma geração de maior número de fótons X por 
unidade de tempo, ou seja, um aumento no fluxo de fótons e, para que isso ocorresse, foi 
preciso aumentar a quantidade de elétrons que atinge o anodo giratório em um mesmo 
período de tempo. 
Enfim o aumento de potência implica numa maior geração de calor no prato do anodo, 
tornando-se necessário um sistema de troca de calor mais eficiente. 
 
Notas de aula adaptadas de outras fontes pelo Prof Paulo Roberto Prevedello - pauloprevedello@gmail.com Pag. 28 
A capacidade térmica de um tubo de raios X para tomografia é da ordem de 08 MHU 
(Mega Heat Units, Mega unidades de calor) e a taxa de dissipação é de 1 MHU/min. 
Mega (M) é um prefixo do Sistema internacional de unidades que indica que a unidade 
padrão foi multiplicada por um milhão. 
A vida útil de um tubo com essa tecnologia pode variar de 10 mil a 40 mil horas, 
dependendo dos cuidados com sua utilização, enquanto os tubos convencionais duram 
aproximadamente mil horas. 
Tubos Picker: 
 
Tubos General Eletric (GE) 
 
Tubos Philips 
 
Tubo Shimadzu 
 
Tubo Siemens 
 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Sistema_internacional_de_unidades
 
Notas de aula adaptadas de outras fontes pelo Prof Paulo Roberto Prevedello - pauloprevedello@gmail.com Pag. 29 
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO DO CONTEÚDO 
1. Cite três características dos circuitos geradores de energia para os novos aparelhos de TC: 
2. Devido às necessidades da tomografia helicoidal e de multidetectores, que permitem a 
aquisição de imagem de grandes extensões do corpo de forma contínua por tempos de até 60 s de 
irradiação com altas correntes, qual deve ser a principal qualidade de um tubo gerador de raios X 
de um TC? 
3. Diferencie os tubos de raios X utilizados nos aparelhos de TC em relação àqueles utilizados 
em aparelhos convencionais de raios X: 
4. Caracterize o sistema de refrigeração dos tubos de aparelhos de TC: 
5. Quais as consequências técnicas a serem consideradas em virtude do tubo de um aparelho 
de TC girar em torno do paciente num movimento contínuo e rápido? 
RESPOSTAS 
1. 
– Os circuitos atuais são de alta frequência (3000 Hz) e funcionam transformando a baixa
Página123456789...24