A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
64 pág.
Ética e acessibilidade

Pré-visualização | Página 1 de 15

cadernos do
CREA-PR
Série de fascículos sobre ética, responsabilidade, legislação, valorização e exercício 
das profissões da Engenharia, da Arquitetura e da Agronomia no Paraná.
n.°4
Acessibilidade:
Responsabilidade Profissional
4.ª Edição
EM BRANCO
Acessibilidade
CURITIBA - 2011
4
Gestão 2011
PRESIDENTE: Engenheiro Agrônomo Álvaro José Cabrini Júnior
1º VICE-PRESIDENTE: Engenheiro Civil André Luis Gonçalves
2º VICE-PRESIDENTE: Engenheiro Agrônomo Orley Jayr Lopes
1º SECRETÁRIO: Engenheiro Civil José Rodolfo de Lacerda 
2º SECRETÁRIO: Engenheiro Eletricista Aldino Beal 
3º SECRETÁRIO: Técnico em Edificações Márcio Gamba
1º TESOUREIRO: Engenheiro Mecânico Silmar Brunatto Van Der Broocke
2º TESOUREIRO: Engenheira Agrônoma Adriana Baumel
DIRETOR ADJUNTO: Arquiteta Ana Carmen de Oliveira
[ conteúdo é de responsabilidade do autor ]
Cadernos do CREA-PR
N.° 1 - Ética e Responsabilidade Profissional
N.° 2 - Ética e Direitos Profissionais
N.° 3 - Ética e Organização Profissional
N.° 4 - Acessibilidade: Responsabilidade Profissional
N.° 5 - As Entidades de Classe e a Ética Profissional
N.º 6 - Responsabilidade Social
N.º 7 - Responsabilidade na Construção Civil
N.º 8 - Ética e Cultura Profissional
Programa de Acessibilidade do CREA-PR – Fones (41) 3350-6862/6863 
programadeacessibilidade@crea-pr.org.br
Engenheiro Civil Joel Krüger – Diretor-tesoureiro do CREA-PR – Representante da Diretoria junto ao Programa de 
Acessibilidade – Presidente do Comitê de Acessibilidade / Engenheira Civil Vivian C. Baeta de Faria – Coordena-
dora do Programa de Acessibilidade
Revisão 03 – Janeiro de 2011
CREA-PR - Rua Dr. Zamenhof, 35 - CEP 80.030-320 - Curitiba - PR 
Central de Informações: 0800-410067 
E-mail: comunicacao@crea-pr.org.br 
www.crea-pr.org.br
twitter.com/CREA_PR
5
Acessibilidade
I - Programa de Acessibilidade 
do CREA-PR
O Programa de Acessibilidade do CREA-PR foi criado com o objetivo de 
inserir as questões afetas à acessibilidade em todas as instâncias do Conselho 
e conscientizar os profissionais e toda a sociedade civil sobre a importância do 
atendimento às normas vigentes. A intenção é garantir o acesso universal a todas 
as pessoas com deficiência e mobilidade reduzida. 
II - Premissas básicas
- Sensibilizar e mobilizar os profissionais registrados no CREA para que incluam 
os dispositivos de acessibilidade em seus projetos e obras; 
- Buscar o envolvimento de órgãos e instituições vinculadas ao tema ou que 
tenham interesse em participar da discussão do assunto; 
- Proporcionar aos profissionais e sociedade civil um espaço para a discussão, 
troca de idéias e formulação de propostas e ações; 
- Mobilizar parceiros para a implantação de políticas públicas; 
- Conhecer e partilhar experiências visando sua avaliação, divulgação e im-
plementação, agregando esforços; 
- Orientar quanto à necessidade de unificação de linguagem e conceitos; 
- Apresentar aos órgãos competentes subsídios para as melhorias necessárias 
na legislação vigente; 
- Divulgar a legislação vigente – Leis, Decretos e Normas da ABNT referentes 
ao tema. 
6
* Imagens que ilustram o problema 
da falta de acessibilidade nas 
cidades.
Fotos: Temaphoto
* Imagens que ilustram 
calçadas acessíveis a todos
C
ré
di
to
s:
 T
em
ap
ho
to
 e
 F
er
na
nd
o 
V
ill
an
ue
va
 (a
rq
ui
vo
 p
es
so
al
)
7
Acessibilidade
III - Ações do programa
 Seminários - realização de eventos com o tema Acessibilidade: “Responsa-
bilidade de Todos” em todo o estado do Paraná.
 Adequação do formulário de ART – campo específico no qual o profissional 
declara o conhecimento em relação às Normas de Acessibilidade.
 Palestras - propor, incentivar e apoiar a realização de palestras sobre o tema, 
como meio de divulgação da questão junto aos profissionais à sociedade em 
geral.
 Capacitação profissional – oferta de cursos presenciais e à distância voltados 
para a qualificação dos profissionais das áreas tecnológicas e também dos 
agentes de fiscalização do CREA-PR.
 Fiscalização – trabalho dos agentes de fiscalização em obras e serviços para 
verificação dos dispositivos de acessibilidade.
 Adequação de infraestrutura – obras na sede, regionais e inspetorias do 
CREA-PR de forma a readequar as instalações com vistas ao atendimento 
às normas vigentes. 
Como eu posso ajudar a Pessoa com Deficiência?
- Quando fizer alguma indagação dirija-se diretamente à pessoa e não busque 
intermediários;
- Ofereça ajuda, mas aguarde para saber se a mesma será aceita;
- Se não se sentir seguro para ajudar procure outra pessoa para auxiliar.
Pessoas cadeirantes:
- Não se apóie na cadeira;
- Não empurre a cadeira sem autorização do cadeirante;
- Se for empurrar a cadeira tenha muito cuidado;
- Para descer rampas sempre conduz a cadeira de marcha ré;
- Para subir desníveis incline a cadeira para trás com firmeza de modo a 
levantar as rodinhas dianteiras com segurança;
8
- Para conversar com o cadeirante, se possível, abaixe-se de modo a ficar 
da mesma altura;
- Se for convidar a pessoa para algum evento observe antes se o local possui 
acessibilidade.
Pessoas cegas:
- Identifique-se e ofereça ajuda, mas aguarde para saber se a mesma será 
aceita;
- Não segure no braço da pessoa, ofereça os eu braço;
- Caminhe acompanhando o mesmo passo da pessoa;
- Identifique os obstáculos e avise quando for se afastar;
- Se a pessoa cega estiver acompanhada, faça perguntas diretamente a ela 
e não ao acompanhante.
Pessoas com bengalas, muletas e andadores:
- Ofereça ajuda, mas aguarde para saber se a mesma será aceita;
- Não segure no braço da pessoa, ofereça o seu braço;
- Não se apóie no andador;
- Caminhe acompanhando o mesmo passo da pessoa.
Pessoas surdas
- Se você tiver conhecimento utilize a linguagem dos sinais (LIBRAS);
- Caso desconheça a linguagem dos sinais, fale claramente de frente para 
a pessoa articulando as palavras com calma;
- Cuide para que a pessoa enxergue a sua boca;
- O vocabulário da pessoa surda normalmente é menor que o dos ouvintes;
- Use frases simples e curtas, não utilizando gírias;
- Para chamar a atenção da pessoa surda, sinalize com as mãos ou se ela 
estiver próxima, toque levemente no seu braço;
- Se tiver dificuldades em entender o que a pessoa surda está falando peça 
para ela escrever;
- Mesmo usando prótese auditiva (aparelho de surdez) a pessoa pode ter 
dificuldade de ouvir;
- Se a pessoa surda estiver acompanhada, faça perguntas diretamente a ela 
olhando para o seu rosto e não ao acompanhante;
- Avisos visuais são muito úteis às pessoas surdas.
9
Acessibilidade
Pessoas com deficiência mental:
- Cumprimente-a de maneira normal ao chegar e se despedir;
- Dê atenção tentando manter a conversa até onde for possível;
- Evite a superproteção pois ela deve fazer sozinha tudo o que puder;
- Ajude-a somente quando for necessário;
- Trate-a de acordo com a idade, se for adulto trate como adulto, se for 
criança trate-a como criança.
10
IV - Legislações específicas
LEGISLAÇÃO FEDERAL
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, DE 5 DE OU-
TUBRO DE 1988
Art. 1º, II e III: Cidadania e dignidade da pessoa humana;
Art. 3º, I, III e IV: Objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil – 
construir uma sociedade livre, justa e solidária; reduzir as desigualdades sociais e 
promover o bem de todos, sem preconceitos e outras formas de discriminação;
Art. 182: A política de desenvolvimento urbano tem por objetivo ordenar o pleno de-
senvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem-estar de seus habitantes;
Art. 205: A educação é um direito de todos...seu preparo para o exercício à 
cidadania e sua qualificação para o trabalho
Art. 206, inc.I – igualdade de

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.