A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
64 pág.
Ética e oganicação profissional

Pré-visualização | Página 1 de 16

cadernos do
CREA-PR
Série de fascículos monográficos sobre ética, responsabilidade, legislação, valorização 
e exercício das profissões da Engenharia, da Arquitetura e da Agronomia no Paraná.
n.°3
Ética e Organização Profissional 
Arquiteto Jaime Pusch
do engenheiro,
do arquiteto
e do engenheiro agrônomo.
4ª Edição
EM BRANCO
Ética e Organização Profissional 
Arquiteto Jaime Pusch
CURITIBA - 2011
do engenheiro, do arquiteto e do engenheiro agrônomo.
Publicado em forma de artigo na Revista CREA-PR, dição n° 37, com o título de “Corporativismo”. 
Gestão 2011
PRESIDENTE: Engenheiro Agrônomo Álvaro José Cabrini Júnior
1º VICE-PRESIDENTE: Engenheiro Civil André Luis Gonçalves
2º VICE-PRESIDENTE: Engenheiro Agrônomo Orley Jayr Lopes
1º SECRETÁRIO: Engenheiro Civil José Rodolfo de Lacerda 
2º SECRETÁRIO: Engenheiro Eletricista Aldino Beal 
3º SECRETÁRIO: Técnico em Edificações Márcio Gamba
1º TESOUREIRO: Engenheiro Mecânico Silmar Brunatto Van Der Broocke
2º TESOUREIRO: Engenheira Agrônoma Adriana Baumel
DIRETOR ADJUNTO: Arquiteta Ana Carmen de Oliveira
[ conteúdo é de responsabilidade do autor ]
Cadernos do CREA-PR
N.° 1 - Ética e Responsabilidade Profissional
N.° 2 - Ética e Direitos Profissionais
N.° 3 - Ética e Organização Profissional
N.° 4 - Acessibilidade: Responsabilidade Profissional
N.° 5 - As Entidades de Classe e a Ética Profissional
N.º 6 - Responsabilidade Social
N.º 7 - Responsabilidade na Construção Civil
N.º 8 - Ética e Cultura Profissional
CREA-PR - Rua Dr. Zamenhof, 35 - CEP 80.030-320 - Curitiba - PR 
Central de Informações: 0800-410067 
E-mail: comunicacao@crea-pr.org.br 
www.crea-pr.org.br
twitter.com/CREA_PR
O terceiro fascículo da série Cadernos do Crea-PR traz como tema 
“Ética e Organização Profissional - do engenheiro, do arquiteto e do 
engenheiro agrônomo”. O objetivo da publicação é fomentar a discussão 
da ética junto às entidades profissionais da Engenharia, da Arquitetura 
e da Agronomia. Com texto simples e objetivo o autor, arquiteto Jaime 
Pusch, responsável pela redação final do Código de Ética do Profissional 
de 2003, traz informações sobre as organizações profissionais, suas 
formações, preceitos e objetivos. 
Assim como as profissões, as entidades são permeadas pelos preceitos 
éticos dos profissionais que as compõem. Com a presente publicação 
o Crea-PR busca divulgar um conteúdo que enriqueça o dia-a-dia das 
corporações, de forma a agregar valor ao importante trabalho por elas 
desenvolvido para a valorização dos profissionais e para a discussão do 
desenvolvimento da região em que elas estão inseridas. 
Que esta edição dos Cadernos do Crea-PR seja um subsídio para o 
fortalecimento das entidades de classe ligadas ao Sistema CONFEA/
CREA e que contribua para o exercício ético, responsável e pleno das 
nossas profissões. 
Engenheiro Agrônomo Álvaro J. Cabrini Jr 
Presidente Crea-PR 
apresentação
6
1 - corporativismo e ética
Com freqüência, a palavra “corporativismo” tem sido usada com um sentido 
fortemente negativo. Quando se pretende resumir uma conduta antiética onde 
se quer demonstrar o indevido aproveitamento de uma situação ou estrutura 
profissional organizada para o atendimento de interesses mesquinhos ou pes-
soais diz-se que ela é “corporativista”. Resgatemos o verdadeiro sentido desta 
expressão. 
O corporativismo nada mais é que uma idéia formal de organização social 
pelas afinidades sócio-econômicas que os indivíduos possam ter em comum. É a 
doutrina das corporações. Como tal pretende o desenvolvimento da cooperação e 
da lealdade concorrencial, a valorização da comunidade e das próprias profissões, 
o consenso entre pares, a afetividade pela solidariedade e o bem comum.
Enquanto do interesse da sociedade, quer visando o bem estar de seus mem-
bros, quer organizando, desenvolvendo ou harmonizando a ação profissional 
para o bem desta própria sociedade, são estruturas de caráter eminentemente 
ético.
 
Corporação - congregação de pessoas de atividade profissio-
nal afim, sujeitas ás mesmas regras e com os mesmos objetivos, 
direitos e deveres.
Corporativismo – doutrina que considera as agremiações 
profissionais como fundamentos para a organização política, 
social e econômica da sociedade, sendo seu controle e proteção 
de interesse do Estado.
A organização da sociedade com base em seus segmentos de afinidade profis-
sional não é novidade. Já na antiga Roma, cerca do século VII a.C., o rei Numa 
Pompílio instituiu, entre outras organizações de ofícios, o Colégio de Construtores. 
Sob a normalização e controle do então incipiente Estado monárquico romano, o 
exercício das profissões tecnológicas e artísticas teve sua primeira regulamentação 
em modelo corporativo. Ficava evidente o reconhecimento do interesse social e 
governamental que estas profissões ofereciam e a necessária disciplina do seu 
exercício. Embora reguladas pelo Estado, sua organização e funcionamento se 
davam de forma autônoma e corporativa. 
7
Este modelo de organização social passou pela Idade Média em forma de 
“guildas”, resistiu à economia política liberalista e ao individualismo utilitarista da 
era moderna, inspirou o sindicalismo, sedimentou-se até mesmo com os Estados 
totalitários do século XX e desemboca na pós-modernidade como alternativa 
sólida e experimentada de organização social eficaz.
No Brasil, historicamente se pratica o modelo corporativista para a organi-
zação e controle profissional, com vistas à sua utilidade social e econômica. 
As profissões, hoje, são praticadas livremente, porém seu exercício individual é 
regulamentado em lei, demonstrando a permanente tutela do Estado sobre sua 
prática. Da mesma forma, a organização profissional é livre, observados alguns 
requisitos formais e de objetivos que o Estado impõe, segundo o interesse da 
sociedade e da nação.
 A arquitetura, a agronomia, a engenharia e as geociências são tidas como 
profissões afins, tendo sua sede nas áreas científico-tecnológicas e gozando de 
organização, regulação e controle também por normalização afim.
 Do ponto de vista ético, estas profissões, recentemente, consensuaram 
sua normalização em comum. Preservando o perfil próprio de cada uma, esta-
beleceram normas de conduta comuns à prática de todas elas. Indo além dos 
deveres e direitos a serem observados por cada indivíduo praticante, entenderam 
que suas corporações também têm inerente a dimensão do ético. Assim que, é 
proclamado no Código de Ética Profissional da engenharia, da arquitetura, da 
agronomia, da geologia, da geografia e da meteorologia, em seu artigo 7º:
As entidades, instituições e conselhos integrantes da 
organização profissional são igualmente permeados pelos 
preceitos éticos das profissões e participantes solidários em 
sua permanente construção, adoção, divulgação, preservação 
e aplicação.
O corporativismo é, pois, expressão positiva e pretende a construção do bem 
comum, quando praticado sob a preceituação ética.
8
2.1. COMPETÊNCIA
Como pressuposto, estabelecemos que a sociedade, fundamentada na sua cultura 
e em seus valores morais, tem na norma ética um dos parâmetros de seu autocontrole. 
No entanto, o Estado exerce seu poder regulador sobre ela genericamente e sobre o 
indivíduo particularmente pela norma jurídica. Estreitando a ótica, veremos que tanto 
com a micro-sociedade profissional quanto com a pessoa qualificada profissionalmente 
o mesmo ocorre. Este poder de controle e normatização é a competência. 
Competência - faculdade de normatizar, apreciar e julgar 
determinada questão.
O controle interno das associações profissionais é praticado pelos princípios 
éticos que estabelece, segundo sua cultura e os valores morais que preserva. 
A conduta do indivíduo em sociedade está sujeita à consciência moral e ao en-
tendimento de seu papel a desempenhar.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.