A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
ensaio de granulometria

Pré-visualização | Página 1 de 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO IESB 
Centro Universitário Instituto de Educação Superior de Brasília
 Coordenação do Curso de Bacharelado em Engenharia Civil
Modelo de Formatação de Relatório 
DD/MM/AAAA
Aluno 2 (matrícula) 
Aluno 3 (matrícula) 
Aluno 4 (matrícula) 
Resumo: O ensaio de granulometria é utilizado para determinar a distribuição granulométrica do solo, ou em outras palavras, a percentagem em peso que cada faixa especificada de tamanho de grãos representa na massa seca total utilizada para o ensaio. Por meio de resultados obtidos com a realização deste ensaio, é possível a construção da curva de distribuição granulométrica, que possui fundamental importância como parte da caracterização geotécnica do solo, principalmente no caso dos solos grossosOs solos grossos (areias e pedregulhos), possuindo pouca ou nenhuma quantidade de finos, podem ter a sua curva granulométrica inteiramente determinada utilizando-se somente o peneiramento. Em solos possuindo quantidades de finos significativas, deve-se proceder ao ensaio de granulometria conjunta, que engloba as fases de peneiramento e sedimentação
Objetivos
Operar a realização do ensaio de granulometria através de sedimentação e o peneiramento e com intuito de obter a curva granulométrica de um solo e assim conhecer a distribuição granulométrica do agregado e representá-la através de uma curva e assim possibilitando a determinação de suas características físicas...
Metodologia (procedimentos)
Explicitar as decisões e opções metodológicas adotadas.
Resultados
A partir dos valores coletados e calculados traça-se a curva de distribuição granulométrica, marcando-se no eixo das abscissas em escala logarítmica os “diâmetros” das partículas menores do que aqueles considerados.
	Número
	Peneira 
	Material Retido
	4
	428,58 g
	431,05 g
	8
	372,77 g
	401,89 g
	9
	321,87 g
	345,05 g
	14
	348,56 g
	441,07 g
	28
	324,49 g
	591,38 g
	35
	322,45 g
	570,58 g
	48
	331,74 g
	646,54 g
	100
	306,93 g
	1142,95 g
	200
	310,46 g
	444,37 g
	fundo
	302,37 g
	326,13 g
	Total
	
	
 
 
 
Conclusões (discussão dos resultados)
É a parte na qual o autor realiza o fechamento do trabalho, apresentando suas implicações para a teoria. Nessa parte, os resultados apresentados na seção Resultados serão cotejados com os conceitos teóricos, procedendo-se a uma análise crítica desses resultados e da própria metodologia utilizada na sua geração. 
Dificuldades encontradas
Bom uma das dificuldades intrigantes encontradas foi ao tentar aplicar a lei geral a casos concretos, bem como a não concordância dos resultados obtidos por via prática sempre dá aquela pequena diferença que nos questiona, a saber, se realizamos o ensaio corretamente por mais que a norma permita a mesma. Outro aspecto é em relação a coesão entre as partículas a qual parece está retendo o material mais grosso, ou seja, a coesão vai aumentando com a umidade do material; quando a parte que é feita com sólido já seco, este efeito é pouco importante. Outro ponto é durante o peneiramento, dar-se a impressão de que umas aberturas ficam menores e outras aumentam, dificultando a previsão teórica da abertura da peneira. Nota-se também que as partículas mais finas que a abertura da peneira fica retidas já que na medida que a etapa ocorre, as malhas das telas 14 vão ficando menores, as vezes até a entupir. 
Sugestões
Expressar suas sugestões para melhoria do experimento, por exemplo: Utilizar o comando X no lugar do comando Y. Utilizar o modelo Z de alicate, acrescentar este ou aquele procedimento, etc.
Referências
As referências são justificadas e de forma a identificar os documentos consultados, separadas por espaços simples.
OTT, Margot Bertolucci. Tendências Ideológicas no Ensino de Primeiro Grau. Porto Alegre: UFRGS, 1983. 214 p. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1983.
MELLO, Luiz Antonio. A Onda Maldita: como nasceu a Fluminense FM. Niterói: Arte & Ofício, 1992. Disponível em: <http://www.actech.com.br/aondamaldita/ creditos.html> Acesso em: 13 out. 1997.
SCHWARTZMAN, Simon. Como a Universidade Está se Pensando? In: PEREIRA, Antonio Gomes (Org.). Para Onde Vai a Universidade Brasileira? Fortaleza: UFC, 1983. P. 29-45.
SAVIANI, Demerval. A Universidade e a Problemática da Educação e Cultura. Educação Brasileira, Brasília, v. 1, n. 3, p. 35-58, maio/ago. 1979.
2.4700000000000002	31.59	54.77	147.28	414.17	662.3	977.1	1813.12	1947.03	1970.8	99.87	98.4	97.22	92.52	79	66.400000000000006	50.42	8	1.2	0	TAMANHO DA PARTICULA EM (mm)
PERCENTAGEM PASSANTE

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.