A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
174 pág.
Direito Ambiental RESUMO COMPLETO

Pré-visualização | Página 1 de 44

Gabriele Fernandes Vellozo Dias | 15 997582255 | gabrielefvdias@gmail.com | CPF: 396.095.808-07
 
Gabriele Fernandes Vellozo Dias | 15 997582255 | gabrielefvdias@gmail.com | CPF: 396.095.808-07
 
1. DOUTRINA (RESUMO) 
1.1. INTRODUÇÃO 
 
Conceito e Natureza Jurídica do Direito Ambiental - Como ensina Edis Milaré, Direito Ambiental “é o complexo de princípios e normas coercitivas reguladoras das atividades humanas que, direta ou indiretamente, possam afetar a sanidade do ambiente em sua dimensão global, visando à sua sustentabilidade para as presentes e futuras gerações”. 
Dessa forma, o meio ambiente sadio pertence à categoria de DIREITO FUNDAMENTAL DE TERCEIRA GERAÇÃO, possuindo NATUREZA TRANSINDIVIDUAL e DIFUSA. 
Conceito Legal - art. 3º, I, da Lei 6.938/1981 - “Meio ambiente, o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas”. 
Espécies de Meio Ambiente - Conforme a doutrina e jurisprudência, o meio 
ambiente se divide em quatro espécies principais: 
 
	ESPÉCIES 
	DEFINIÇÃO 
	Meio Ambiente Natural 
	Composto pelos recursos naturais: água, solo, ar atmosférico, fauna e flora. 
	Meio Ambiente Cultural 
	O patrimônio cultural nacional, incluindo as relações culturais, turísticas, arqueológicas, paisagísticas e naturais. 
	Meio Ambiente 
Artificial 
	O meio ambiente artificial é formado pelos espaços urbanos, incluindo as edificações, que são os espaços urbanos fechados. 
	Meio Ambiente do Trabalho 
	O local onde homens e mulheres desenvolvem suas atividades laborais. 
 
Autonomia do Direito Ambiental - Prevalece o entendimento de que o Direito Ambiental é ramo autônomo do Direito (ramo do direito público). Segundo a doutrina majoritária, a autonomia do Direito Ambiental se caracteriza pelo fato de possuir objetivos, princípios e instrumentos próprios, que servem para caracterizá-lo como ramo autônomo do Direito. 
Fontes do Direito Ambiental: 
 
· Fontes Materiais - Movimentos Populares, Descobertas 
Científicas, Doutrina Jurídica, etc.; 
· Fontes Formais - Constituição, Leis Ordinárias, Atos Internacionais, Normas administrativas originárias dos órgãos competentes, Jurisprudência. 
 
Antropocentrismo vs. Ecocentrismo (biocentrismo): 
Definição Clássica: 
 
· Antropocentrismo – A visão antropocêntrica tradicional caracteriza-se pela preocupação, única e exclusiva, com o bemestar do ser humano. 
· Ecocentrismo (biocentrismo) – Esta visão considera o ser humano, apenas, como mais um integrante do ecossistema, no qual a fauna e a flora são merecedoras de especial proteção, devendo ter direitos semelhantes aos do ser humano. 
 
Definição Moderna: 
 
· Antropocentrismo Utilitarista – Considera a natureza como principal fonte de recursos para atender as necessidades do ser humano. 
	- Antropocentrismo Protecionista (adotada pela CF/88) – Tem a natureza como um bem coletivo essencial, que deve ser preservado como garantia da sobrevivência e do bem-estar do homem. Dessa forma, impõe-se um equilíbrio entre as atividades humanas e a proteção ao meio ambiente. 
	 
· Ecocentrismo – Entende que a natureza pertence a todos os seres vivos, exigindo ações de extrema cautela em relação à proteção dos recursos naturais. 
 	
	
	QUADRO SINÓTICO 
	Definição de Meio Ambiente 
	Conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas. 
	Espécies de Meio Ambiente 
	Natural, cultural, artificial e do trabalho. 
	Direito Ambiental 
	Ramo Autônomo do Direito que é composto por princípios e regras que regulamentam as condutas que afetem, direta ou indiretamente, o meio ambiente em todas suas formas, tendo como finalidade o controle da poluição, o desenvolvimento sustentável, bem como as necessidades humanas. 
 
1.2. DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS SOBRE O MEIO AMBIENTE 
 
Interpretação das Normas Constitucionais Ambientais - Conforme os tribunais superiores, as normas ambientais devem atender aos fins sociais a que se destinam, ou seja, necessária a interpretação e a integração de acordo com o princípio hermenêutico IN DUBIO PRO NATURA. 
 
1.2.1. DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA 
 
Defesa do Meio Ambiente como Princípio da Ordem Econômica - Art. 170 da CF - A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios: 
 
(...) VI - defesa do meio ambiente, inclusive mediante tratamento diferenciado conforme o impacto ambiental dos produtos e serviços e de seus processos de elaboração e prestação; 
	 
1.2.2. DA POLÍTICA URBANA 
	 
 
Objetivos - art. 182 da CF - A política de desenvolvimento urbano, executada pelo Poder Público municipal, conforme diretrizes gerais fixadas em lei, tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem-estar de seus habitantes. 
	 	
· Plano Diretor - § 1º O plano diretor, aprovado pela Câmara Municipal, OBRIGATÓRIO PARA CIDADES COM MAIS DE VINTE MIL (20.000) HABITANTES, é o instrumento básico da política de desenvolvimento e de expansão urbana. 
· Função Social - § 2º A propriedade urbana cumpre sua função social quando atende às exigências fundamentais de ordenação da cidade expressas no plano diretor. 
§ 3º As desapropriações de imóveis urbanos serão feitas com prévia e justa indenização em dinheiro. 
 
Meios de Intervenção da Propriedade Urbana - art. 182, § 4º da CF - É facultado ao Poder Público municipal, mediante lei específica para ÁREA INCLUÍDA NO PLANO DIRETOR, exigir, nos termos da lei federal, do proprietário do solo urbano não edificado, subutilizado ou não utilizado, que promova seu adequado aproveitamento, sob pena, sucessivamente, de: 
 
I - parcelamento ou edificação compulsórios; 
II - imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana progressivo no tempo; 
III - desapropriação com pagamento mediante títulos da dívida pública de emissão previamente aprovada pelo Senado Federal, com prazo de resgate de até dez anos, em parcelas anuais, iguais e sucessivas, assegurados o valor real da indenização e os juros legais. 
 
Usucapião Constitucional Especial Urbano (Pro Misero) - art. 183 da CF - Aquele que possuir como sua área urbana de até duzentos e cinquenta metros quadrados, por cinco anos, ininterruptamente e sem oposição, utilizando-a para sua moradia ou de sua família, adquirir-lhe-á o domínio, desde que não seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural. 
 
§ 1º O título de domínio e a concessão de uso serão conferidos ao homem ou à mulher, ou a ambos, independentemente do estado civil. 
	Impossibilidade de Reconhecimento Mais de Uma Vez - § 2º Esse direito não será reconhecido ao mesmo possuidor mais de uma vez. 
	
Impossibilidade de Usucapião de Imóveis Públicos - § 3º Os imóveis públicos não serão adquiridos por usucapião. 
 
1.2.3. DA POLÍTICA AGRÍCOLA E FUNDIÁRIA E DA REFORMA AGRÁRIA 
 
Desapropriação por Interesse Social para Reforma Agrária - art. 184 da CF - Compete à União desapropriar por interesse social, para fins de reforma agrária, o IMÓVEL RURAL que não esteja cumprindo sua função social, mediante prévia e justa indenização em títulos da dívida agrária, com cláusula de preservação do valor real, resgatáveis no prazo de ATÉ VINTE ANOS, a partir do segundo ano de sua emissão, e cuja utilização será definida em lei. 
Indenização de Benfeitorias em Dinheiro - § 1º As benfeitorias ÚTEIS e NECESSÁRIAS serão indenizadas em dinheiro. 
Isenções - § 5º São isentas de impostos federais, estaduais e municipais as operações de transferência de imóveis desapropriados para fins de reforma agrária. 
Bens Não Sujeitos à Desapropriação para Fins de Reforma Agrária - art. 185 
da CF - São insuscetíveis de desapropriação para fins de reforma agrária: 
 
I - a pequena e média propriedade rural, assim definida em lei, desde que seu proprietário não possua outra;

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.