A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Afecções Sistema Urinário

Pré-visualização | Página 1 de 3

MEDICINA VETERINÁRIA NOVE DE JULHO 
@liviarufiino.vet 
 
1 
 
Afecções Sistema Urinário 
CLINICA MÉDICA E CIRURGICA DE PEQUENOS ANIMAIS 
 
As funções dos rins são amplas e 
fundamentais para manutenção da 
homeostasia. Os rins recebem 
aproximadamente 25% do débito 
cardíaco e têm como papel principal 
filtrar o sangue e excretar os 
resíduos metabólicos como 
hormônios e componentes 
exógenos. Na ação de reabsorção 
os rins recuperam algumas 
substâncias filtradas requeridas pelo 
organismo, como as proteínas de 
baixo peso molecular, a água e os 
eletrólitos. Nestes processos, os rins 
devem reconhecer quando há 
excesso de água ou eletrólitos 
específicos e responder deixando de 
reabsorver ou secretando 
substâncias, garantindo assim o 
balanço hídrico, eletrolítico e ácido 
base. Os rins também são 
responsáveis pela produção e 
liberação de hormônios que regulam 
a pressão arterial, a produção de 
eritropoietina e pela síntese da forma 
ativa da vitamina D. 
 
A unidade funcional dos rins é o 
néfron que é formado pelo 
glomérulo, cápsula de Bowman e 
túbulos renais. O glomérulo é uma 
rede de capilares interpostos entre 
as arteríolas aferentes e eferentes 
no córtex renal, destinado 
especificamente a reter elementos 
celulares e proteínas com médio a 
alto peso molecular no sistema 
vascular e produzir o ultrafiltrado, 
que inicialmente tem composição 
eletrolítica e aquosa quase idêntica a 
do plasma. 
 
As fenestras endoteliais e os 
podócitos constituem canais para a 
passagem de água e elementos 
acelulares do sangue para o espaço 
de Bowman. 
O ultrafiltrado, depois do espaço de 
Bowman, é significativamente 
alterado à medida que atravessa os 
túbulos renais, onde as substâncias 
filtradas são reabsorvidas e 
elementos plasmáticos são 
secretados no líquido tubular, de 
acordo com a especialização 
funcional e estrutural das células 
epiteliais em cada segmento. No 
córtex, os néfrons unem-se ao 
sistema de ductos coletores, que 
atravessam os rins e terminam no 
ducto coletor medular, onde ocorrem 
as alterações finais do líquido tubular 
e formação da urina. 
• Gato: 190.000/rim 
• Suínos: 1.250.000/rim 
• Cão: 400.000 a 415.000/rim 
• Bovinos: 4.000.000/rim 
A eritropoietina (EPO) é uma 
glicoproteína produzida 
principalmente pelo rim e sua 
MEDICINA VETERINÁRIA NOVE DE JULHO 
@liviarufiino.vet 
 
2 
 
produção é estimulada por hipóxia, 
baixa concentração de oxigênio. Sua 
função principal é regular a 
eritropoiese, mas diversos estudos 
mostram outras ações deste 
hormônio, que atua também como 
fator neuroprotetor, cardioprotetor, 
entre outros. 
 
 
 
 
A urolitíase é uma das principais 
causas de formações de cálculos no 
trato urinário dos animais 
domésticos e refere-se ao fato de 
haver cálculos ou urólitos nos rins, 
ureter, bexiga ou uretra. Portanto, 
pode haver formação de cálculos em 
qualquer região do trato urinário dos 
animais, sendo que o cão tem uma 
grande incidência de cálculos na 
bexiga. Aproximadamente 13% das 
causas de afecções do trato urinário 
em felinos e 18% em cães são 
representadas pela urolitíase. Altas 
concentrações de solutos, 
principalmente minerais 
supersaturam a urina, sendo um 
fator predisponente, junto com a 
diminuição na frequência de micção, 
para formação de cristais e urólitos. 
• Tipos de Urólitos: 
 
• Oxalato de cálcio (42%); 
o CaC2O4, 2H2O 
• Estruvita (38%); 
o NH4, MgPO4, 6H2O 
• Urato (5%); 
• Silica; 
o SiO2, 2H2O 
• Carbonato e fosfato de cálcio 
o Ca (CO2) e Ca (PO4)2 
• Outros (15%); 
Em cães a obstrução uretral ocorre 
frequentemente em machos e 
raramente em fêmeas, sendo 
observada com uma maior 
frequência em cães entre seis e onze 
anos de idade. As principais raças 
acometidas são o Schnauzer 
miniatura, Lhasa apso, Yorkshire 
terrier, Bichon frise, Shitzu e Poodle. 
Os urólitos mais encontrados em 
cães são os de fosfato amoníaco 
magnesiano (estruvita) e oxalato de 
cálcio. 
Nos felinos a incidência de urolitíase 
entre os sexos parece ser igual, 
enquanto que as suas 
manifestações clínicas divergem, 
pois, a obstrução uretral é comum no 
macho e a cistite e a uretrite na 
fêmea. É entre os sete e nove anos 
de idade que os gatos apresentam 
maior risco de desenvolver cálculos 
de oxalato de cálcio. Gatos mais 
jovens apresentam mais casos de 
cálculos por estruvita. Os gatos que 
vivem dentro de casa apresentam 
maior predisposição para a doença 
UROLITÍASE 
MEDICINA VETERINÁRIA NOVE DE JULHO 
@liviarufiino.vet 
 
3 
 
do que aqueles que vivem soltos fora 
de casa. Aproximadamente 30 a 
70% dos gatos acometidos por um 
episódio de inflamação do trato 
urinário inferior apresentarão 
recidivas. 
TEORIA DA FORMAÇÃO DE 
URÓLITOS: 
 
Os sinais clínicos dependem da 
localização, tamanho, numero e 
forma dos urólitos. Os animais 
acometidos podem permanecer 
assintomáticos. 
Os mais comuns são a polaciuria, 
disúria e hematúria. Em casos 
uretrólitos, podem ocorrer 
eliminação de urólitos pequenos e 
lisos à micção. A obstrução completa 
do fluxo urinário pode resultar em 
uremia pós-renal. 
A obstrução uretral pode ser 
ocasionada por urólitos ou “plugs” 
uretrais. É uma doença com alta 
incidência em felinos, sendo 
considerada uma emergência clínica 
e quando não for diagnosticada e 
tratada rapidamente, pode resultar 
em óbito do paciente. 
Em casos de cálculos maiores, a 
bexiga urinária ou a uretra podem 
romper resultando em uma efusão 
abdominal ou acúmulo de líquido 
subcutâneo perineal e azotemia pós-
renal. No cão, o local mais comum 
de presença de urólitos é na bexiga 
urinária, por isso geralmente nesses 
casos há sinais clínicos de cistite, 
como hematúria, polaciúria e disúria. 
A vesícula urinária é o local mais 
comum para a ocorrência de urólitos 
de urato de âmonio, de oxalato de 
cálcio, cistina e de estruvita em 
gatos, sendo os urólitos de fosfato de 
cálcio encontrados com uma maior 
incidência nos rins e ureteres. Nesta 
espécie, pequenos urólitos podem 
permanecer de forma assintomática 
no trato urinário por meses a anos. 
Gatos com urólitos de oxalato de 
cálcio apresentam na maioria dos 
casos uma urina considerada ácida. 
O diagnóstico consiste em histórico 
do paciente, exame físico, achados 
laboratoriais e exames de imagem. 
Em relação à suspeita de urolitíase, 
a avaliação de pH urinário, da 
cristalúria, da densidade e se as 
infecções quando presentes são 
causadas por bactérias produtoras 
ou não de ureases estão entre as 
principais informações que devem 
ser analisadas. 
Exames de urinálise, cultura urinária, 
radiografia e ultrassonografia. 
O tratamento para urolitiase canina e 
felina varia conforme a composição 
do urólito e a sua localização, por 
métodos clinicos, terapêuticos e 
cirúrgicos. O esvaziamento por 
urohidropropulsão pode remover 
pequenos cistólitos em cães machos 
e em fêmeas, sendo necessário o 
animal estar sob anestesia geral. Em 
casos mais raros, a uretrotomia de 
emergência se faz necessária. Se 
houver azotemia pós-renal, deve-se 
instituir fluidoterapia para 
restauração do equilíbrio hídrico e 
eletrolítico. A cirurgia é um 
procedimento invasivo e inclui 
desvantagens como anestesia, 
complicações cirúrgicas, 
possibilidade de remoção 
incompleta dos urólitos e a 
MEDICINA VETERINÁRIA NOVE DE JULHO 
@liviarufiino.vet 
 
4 
 
persistência da causa primária 
predisponente à formação de 
cálculos. Os cálculos renais podem 
ser removidos através de uma 
nefrotomia, em casos de cálculos 
grandes, ou de uma pielolitotomia, 
quando a pelve renal e o ureter 
proximal estiverem dilatados, 
evitando assim, uma incisão no 
parênquima e oclusão da 
vasculatura renal. A ureterotomia 
pode ser realizada quando ocorrer a 
presença de cálculos ureterais. Se 
localizados nos terços distais do 
ureter,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.