Buscar

Recursos Humanos

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 59 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 59 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 59 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Assistente deAssistente de
Recursos HumanosRecursos Humanos
 
 Página 3 
 
Sumário 
 
Rotina de Admissão ........................................................................................ 6 
Documentos para registro ............................................................................... 6 
Carteira Profissional,....................................................................................... 6 
Documentos Necessários:................................................................................ 6 
Certidões......................................................................................................... 7 
Exame Médico ................................................................................................. 7 
CAGED – CADASTRO GERAL DE EMPREGADOS E DESEMPREGADOS ........ 8 
Contratos de Trabalho .................................................................................... 8 
Contrato de Experiência .................................................................................. 9 
ALTERAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO ................................................ 10 
FALTAS JUSTIFICADAS ................................................................................ 11 
FUNDO DE GARANTIA POR TEMPO DE SERVIÇO ........................................ 11 
Declaração de Opção do FGTS ...................................................................... 12 
Valor Depositado ........................................................................................... 12 
Direito ao FGTS ............................................................................................ 12 
Remuneração ................................................................................................ 12 
REAJUSTE SALARIAL ................................................................................... 13 
NEGOCIAÇÃO COLETIVA ............................................................................. 14 
REDUÇÃO DO SALÁRIO ............................................................................... 14 
ROTINA PARA ELABORAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO .......................... 14 
SALÁRIOS ..................................................................................................... 14 
Piso Normativo .............................................................................................. 15 
SALÁRIO PERICULOSIDADE ........................................................................ 15 
SALÁRIO INSALUBRIDADE ........................................................................... 16 
ADIANTAMENTO SALARIAL .......................................................................... 17 
TRABALHO DA MULHER .............................................................................. 17 
TRABALHO NOTURNO .................................................................................. 18 
TRABALHO TEMPORÁRIO ............................................................................ 18 
TRABALHO DOMÉSTICO .............................................................................. 19 
JORNADA DE TRABALHO............................................................................. 19 
ALTERAÇÃO DA JORNADA PELA CONSTITUIÇÃO / 88 ................................ 19 
JORNADA SEMANAL .................................................................................... 20 
JORNADA DIÁRIA ......................................................................................... 20 
 
 Página 4 
 
INTERVALOS ................................................................................................ 20 
DESCANSO ENTRE JORNADAS .................................................................... 20 
DESCANSO SEMANAL .................................................................................. 21 
JORNADA INFERIOR A 6 HORAS .................................................................. 21 
Funções sem jornada de trabalho ................................................................. 22 
Quadros de horários – Art.74 da CLT ............................................................ 22 
Jornada Normal ............................................................................................ 23 
Jornada Especifica ........................................................................................ 23 
FÉRIAS ......................................................................................................... 24 
Direito as Férias ............................................................................................ 24 
Faltas não Justificadas – ART. 130 ............................................................... 24 
Férias Coletivas – ART. 139 ........................................................................... 25 
Férias em Dobro – ART.137 ........................................................................... 25 
Perda de Direito de Férias – ART.133 ............................................................ 25 
Encargos Sociais ........................................................................................... 26 
Incidência das principais verbas ................................................................... 26 
BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS ................................................................. 27 
Auxílio-Doença .............................................................................................. 27 
Salário Maternidade - Lei 8213 de 24/07/1991 ............................................ 28 
13° Salário da Seguradora ............................................................................ 28 
Licença Maternidade ..................................................................................... 28 
Auxilio Natalidade ......................................................................................... 29 
DESCANSO SEMANAL REMUNERADO (DSR) ............................................... 30 
PRÓ LABORE ................................................................................................ 31 
HORAS EXTRAS ........................................................................................... 31 
Descontos ..................................................................................................... 33 
Descontos de Salário ..................................................................................... 33 
Descontos Legais (INSS – IR) ......................................................................... 34 
Faltas, Atrasos, Licenças ............................................................................... 34 
Adiantamentos .............................................................................................. 34 
Seguros ......................................................................................................... 35 
Convênios ..................................................................................................... 35 
SALARIO FAMILIA – Lei 4266 de 03/10/1963 ............................................... 35 
DEPENDENTES ............................................................................................ 36 
VALE-TRANSPORTE – Lei 7818 de 16/12/1985 ........................................... 36 
 
 Página 5 
 
CADASTRAMENTO NO PIS ........................................................................... 38 
SEGURO DESEMPREGO .............................................................................. 38 
Contribuição Sindical .................................................................................... 41 
Contribuição ao PIS ...................................................................................... 41 
13° Salário – Lei de 13/07/1962 ................................................................... 41 
Rotina de Desligamento ................................................................................ 43 
Rescisão Contratual ......................................................................................43 
Pedido de Demissão ...................................................................................... 44 
Demitido sem justa causa ............................................................................. 44 
Demitido por justa causa .............................................................................. 45 
Aviso Prévio ................................................................................................... 45 
Cálculos ........................................................................................................ 46 
HOMOLOGAÇÃO .......................................................................................... 47 
VERBAS RESCISÓRIAS....................................................................................................... 48 
CONTRATO PRAZO DETERMINADO – EXPERIENCIA ................................... 50 
ABANDONO DE EMPREGO ........................................................................... 50 
PRAZO PARA PAGAMENTO DA RESCISÃO: .................................................. 51 
ESTABILIDADE NO EMPREGO ..................................................................... 51 
CIPA – COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES .................... 52 
Acidente de Trabalho e Doença ..................................................................... 53 
Acidente do Trabalho .................................................................................... 53 
Comunicação do Acidente do Trabalho ......................................................... 55 
Estabilidade para acidente de trabalho ......................................................... 56 
SEGURANÇA E HIGIENE .............................................................................. 56 
Equipamento de Proteção .............................................................................. 57 
Extintores de Incêndio .................................................................................. 57 
Rotina de Fiscalização do Trabalho e Previdência .......................................... 57 
CRECHE ....................................................................................................... 58 
RAIS ............................................................................................................. 59 
ARQUIVOS DO DEPARTAMENTO PESSOAL ................................................. 59 
TABELA DE INCIDENCIA SOBRE AS PRINCIPAIS VERBAS .......................... 60 
 
 
 
 
 Página 6 
 
Rotina de Admissão 
 
A admissão de empregados depende do cumprimento de algumas 
formalidades legais. Dentre elas, destaca-se a obrigatoriedade de 
apresentação de determinados documentos necessários á identificação e 
qualificação dos candidatos a alguma posição no quadro de pessoal da 
empresa. 
 
Documentos para registro 
 
Carteira Profissional, 
 
-Registrar no primeiro dia de início de prestação de serviços ; 
-Reter por até 48 horas mediante recibo; 
-Empregado dá recibo de devolução; 
-Anotações - contrato de trabalho, opção FGTS, contrato de 
experiência PIS/PASEP (se for o primeiro emprego providenciar o 
cadastramento), anotações gerais (se for o caso); 
-Atualização – na data base ou qualquer tempo por solicitação do 
trabalhador; 
a)Carteira de trabalho e Previdência Social é documento obrigatório 
para exercício de qualquer emprego, inclusive de natureza rural, ainda 
que em caráter temporário. 
b)O empregador deve exigi-la do empregado, quando de sua admissão 
c)Nas admissões em localidades onde não houver serviço regular de 
emissão de Carteira de Trabalho, esta deverá ser obtida no prazo de 
30 dias, sob pena de suspensão do exercício do emprego. 
 
Documentos Necessários: 
 
a)Cédula de Identidade; 
b)CPF; 
c)Título de eleitor ; 
 
 Página 7 
 
d)Certidão Militar; 
e)Carteira Modelo 19(quando estrangeiro) 
f)Carteira de Habilitação Profissional expedida pelos órgãos de classe, 
tais como: 
-OAB na admissão de empregados advogados 
-CREA na admissão de empregados engenheiros 
-CRC na admissão de empregados contabilistas 
 
Certidões 
 
a)Certidão de Nascimento ou Casamento; 
b)Certidão de Nascimento dos filhos menores; 
c)Cartão da criança 
d)Cartão do PIS ou a correspondente anotação na CTPS 
Obs.: Não é permitida a retenção de qualquer documento de 
identificação pessoal. A sua entrega ao empregador bem com sua 
devolução deve ser feita contra recibos. 
 
Exame Médico 
 
Na admissão –ASO (Atestado de Saúde Ocupacional) emitido por médico 
do trabalho, de acordo com o PCMISO (Programa de Controle Médico de 
Saúde Ocupacional); 
-Anual ou em intervalos menores conforme critério médio – 
trabalhadores expostos a riscos ou situações de trabalho que impliquem 
no desencadeamento ou agravamento de doença ocupacional; 
-Anual – menores de 18 anos e maiores de 45 anos; 
-A cada 2 anos – trabalhadores entre 19 e 45 anos de idade; 
-Retorno ao trabalho – primeiro dia de volta ao trabalho, para 
trabalhador ausente , por período igual o superior a 30 dias por motivo 
de doença ou acidente de natureza ocupacional ou parto; 
-Mudança de função – que implique na ocupação de trabalhador a risco 
diferente que estava exposto antes da mudança; 
 
 Página 8 
 
-Demissão – dentro de 15 dias que antecede o desligamento do 
empregado; 
 
CAGED – CADASTRO GERAL DE EMPREGADOS E 
DESEMPREGADOS 
 
Todas as empresas que admitirem, transferirem ou desligarem 
empregados ficam obrigadas a fazes a respectiva comunicação os 
Ministério do Trabalho. 
Essa comunicação é feita através do formulário padronizado 
denominado Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, 
preenchido em duas vias. 
Esse formulário deve ser entregue nas agencias da Empresa Brasileira 
de Correios e Telégrafos, que carimbará a segunda via ,devolvendo-a á 
empresa. 
Os empregadores rurais , também, estão obrigados a enviar o Cadastro 
Geral de Empregados e desempregados ao Ministério do Trabalho – 
MTB . 
 
Contratos de Trabalho 
 
O contrato de trabalho poderá ser por preso indeterminado ou por prazo 
determinado. 
-Prazo indeterminado: é o que ocorre na maioria dos contratos de 
trabalho, nos quais a rescisão (desligamento do empregado) não tem 
uma data certa para acontecer. 
-Prazo determinado. Divide – se em duas categorias: o contrato de 
Experiência e os casos de serviço cuja natureza ou transitoriedade 
justifique a predeterminação de prazo, em atividades empresariais de 
caráter transitório. Um exemplo, desse caso são os contratos em 
empreiteiras de mão – de – obra , que trabalham com prazos 
determinados para concluir determinada tarefa. O prazo máximo desse 
tipo de contrato de trabalho é de dois anos. 
 
 Página 9 
 
 
Contrato de Experiência 
 
O contrato de experiência merece atenção especial, pois é pratica 
comum na contratação de mão – de – obra pelas empresas. O prazo 
máximo é de 90 dias, podendo ser renovado uma única vez, dentro dos 
90 dias. Preencher o contrato de experiência por prazo determinado de 
duração sempre em duas etapas: ex. 30/30 dias; 30/60 dias ; 45/45 
dias. 
Se a mesma fizer um novo Contrato de Experiência dentro dos próximos 
seis meses após término do primeiro, este novo Contrato será 
considerado por prazo indeterminado. 
Isso não irá ocorrer se o término do primeiro dependeu da execução de 
serviços especializados ou da realização de certos acontecimentos. Se, 
depois de concluída a pendencia, a empresa não quiser continuar com o 
empregado em seu quadro de pessoal, automaticamente o seu contrato 
de trabalho passa a ser por tempo indeterminado, a partir do dia 
seguinte ao encerramento do Contrato de Experiência . 
Vias a serem assinadas; 
O contrato de trabalho será assinado em duas vias sendo entregue uma 
via ao contratado e uma via ao empregador. 
Contrato de Analfabeto; 
Quando o contrato é analfabeto coloca – se a impressão digital no 
contrato de trabalho,continuada pela assinatura de duas testemunhas 
Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho; 
Suspensão do Contrato de Trabalho – não há pagamento salarial 
- Exigência serviço militar; 
- Auxílio – doença e acidente de trabalho (a partir 16º dia de 
afastamento); 
- Licença maternidade; 
- Suspensão do empregado por motivo disciplinar; 
- Faltas injustificadas; 
 
 
 Página 10 
 
ALTERAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO 
 
As cláusulas contratuais não poderão ser alteradas salvo por mútuo 
acordo, consentimentos e, ainda assim, desde que não resultem direta 
ou indiretamente, prejuízos ao empregado, sob pena de nulidade de 
cláusula infringente desta garantia. 
Não é considerada alteração contratual a determinação do empregador 
para que o empregado reverta ao cargo efetivo, anteriormente ocupado, 
antes da função de confiança. 
O empregador não poderá transferir o empregado sem sua anuência 
para localidade diversa da que resultar do contrato, não se 
considerando transferência a que não acarretar mudança de domicílio. 
A transferência é lícita quando ocorrer extinção de estabelecimento 
Em caso de necessidade de serviço o empregador poderá transferir o 
empregado para localidade diversa da que resultar no contrato, mas 
ficará obrigado a um pagamento suplementar nunca inferior na 25% do 
salário que o empregado recebia naquela localidade, enquanto durar 
essa situação. 
As despesas resultantes da transferência ocorrerão por conta do 
empregador. 
Toda e qualquer alteração nas condições do contrato de trabalho só é 
lícita quando houver mútuo consentimento e ainda desde que não 
acarrete, direta ou indiretamente, prejuízo ao empregador. 
Para as alterações são necessários : 
1 – Concordância do empregado. 
2 – Que não acarrete prejuízos ao empregador . 
 
Havendo concordância do empregado são possíveis as seguintes 
alterações : 
1 – Remoção para cargo do mesmo nível. 
2 – Promoção. 
3 – Aumento de carga horária de trabalho. 
4 – Redução de carga horária de trabalho. 
 
 Página 11 
 
 
As transferências do empregado de um estabelecimento para outro 
podem ser feitas, desde que não seja ao empregado mudar de domicílio, 
deve haver anuência do empregado. 
 
Obs.: Caso haja mudança de domicílio, mesmo que provisória, a 
empresa deve pagar ao empregado um adicional nunca inferior ficaram 
a cargo do empregador 
 
FALTAS JUSTIFICADAS 
 
Até 2 dias consecutivos, em caso de falecimento do conjugue, 
ascendente, descendente , irmão ou pessoa que declara em sua carteira 
de trabalho e providencia social, viva sob virtude de casamento: 
Por 5 dias em caso de nascimento de filho(a), no decorrer da primeira 
semana; 
Até 3 dias consecutivos, em virtude de casamento; 
Por um dia em cada 12 meses de trabalho, em caso de doação 
voluntária de sangue devidamente comprovada; 
Até 2 dias consecutivos ou não, para o fim de se alistar eleitor, nos 
termos da respectiva lei; 
No período de tempo em que tiver as exigências do serviço militar; 
 
FUNDO DE GARANTIA POR TEMPO DE SERVIÇO 
 
É uma remuneração devida ao empregado que não estará á sua 
disposição imediatamente .A empresa é obrigada a depositar em uma 
conta vinculada, no nome do empregado, em estabelecimento bancário 
ate o dia 7 do mês seguinte, o valor correspondente a 8% da 
remuneração devida no mês ao empregado. 
Essa conta terá atualização monetária e poderá ser sacada pelo 
empregado em casos especiais, dentre eles: 
 Demissão sem justa causa; 
 
 Página 12 
 
 Aquisição da casa própria, 
 No momento de sua aposentadoria. 
O percentual de 8% incide sobre a remuneração mensal, inclusive sobre 
as parcelas de horas extras, adicionais, férias e 13° salário. 
 
Declaração de Opção do FGTS 
 
-Não há mais a necessidade desta declaração, visto que o FGTS se 
tornou regime obrigatório. (a partir a Constituição de 1988). 
 
Valor Depositado 
 
O FGTS deve ser depositado, pelo empregador em conta corrente 
bancária, em nome do funcionário. 
 
Direito ao FGTS 
 
Sua carteira de Trabalho devidamente anotada garante a você um 
futuro mais tranquilo no que diz respeito a aposentadoria ou ao auxílio-
doença, a cargo do Instituto Nacional de Seguridade Social – INSS. A 
nova lei do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço estabelece que, no 
mesmo dia em que você começa a trabalhar numa empresa, você passa 
a ter direito a uma conta vinculada na qual o empregador tem de 
depositar , mensalmente, importância igual a 8% do seu salário. 
Assim, se você ganha 1.000,00, o depósito terá de ser de 80,00. Se você 
se afasta do serviço devido a um acidente do trabalho a empresa 
continuará recolhendo os 8% durante todo o período em que você 
estiver em tratamento. Tratando-se de uma doença sem qualquer 
ligação com o trabalho, a empresa terá de recolher ao FGTS os 8% do 
salario dos primeiro quinze dias. Depois disso, não. 
Remuneração 
 
 
 Página 13 
 
Entende-se por remuneração a quantia fixa estipulada, como também, 
abonos, gratificações, diárias para a viagem que exceda a 50% do 
salário, comissões, porcentagens e gorjetas. 
Vendedores fazem jus às comissões, que são exigíveis depois de 
ultimada a transação. 
A comissão do vendedor só por ser estornada em caso de declaração 
judicial de insolvência da empresa. 
O pagamento do salário deverá ser feito: 
-Em moeda corrente, em dia útil, no local do trabalho, e até o 5° 
(Quinto) dia útil do mês subsequente ao vencido (Verificar o Sindicato 
da Categoria que em alguns casos exigem o pagamento no dia 5 do mês 
subsequente). Em cheque ou depósito bancário, com tempo suficiente 
para o empregado movimentar a conta. 
Na hipótese de não se o banco perto da empresa; esta deverá pagar as 
despesas da condução. 
 
REAJUSTE SALARIAL 
 
 
Os salários sofrem correção nas duas bases, ou de acordo com a livre 
estipulação, entre o empregador e o empregado. 
Data base é a data da categoria do sindicato ao qual pertence o 
empregado. 
As categorias diferenciadas devem ter reajuste de acordo com o 
sindicato a qual pertence pela profissão, independente do sindicato dos 
empregados da empresa. 
São categorias diferenciadas: 
- Aeronautas; 
- Aeroviários; 
- Agenciadores de publicidade; 
- Artistas e Técnicos de espetáculos diversos; 
- Condutores de Veículos Rodoviários (Motoristas) 
 
 Página 14 
 
- Empregados, desenhistas técnicos ,artísticos , industriais, copistas, 
projetista técnico e auxiliares; 
- Jornalistas profissionais; 
- Profissionais de enfermagem, técnicos duchastes, massagistas e 
empregados em hospitais e casas de saúde; 
-Publicitários , etc... 
 
NEGOCIAÇÃO COLETIVA 
 
A negociação coletiva de sindicato para sindicato, resulta em Convenção 
Coletiva. 
Entre o sindicato e a empresa, resulta em acordo. 
A Convenção Coletiva prevalece sobre o acordo. 
 
REDUÇÃO DO SALÁRIO 
 
Os salários podem ser reduzidos por acordo salarial em até 25 %, 
respeitando o salário mínimo. 
Os honorários e gratificações dos diretores devem ser reduzidos em 
igual índice. 
 
ROTINA PARA ELABORAÇÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO 
 
SALÁRIOS 
 
A remuneração pelo serviço prestado a empresa pelo empregado. Pode 
ser de pagamento mensal, quinzenal, semanal e até diário, dependendo 
do acordo entre as partes. O valor deverá estar expresso R$(reais). 
A empresa deverá obrigatoriamente obedecer ao salário normativo, se 
for estabelecido por Convenção Coletiva de Trabalho pelos Respectivos 
Sindicatos. 
O prazo para pagamento dos salários é até o 5º dia útil do mês seguinte. 
O pagamento estipulado por quinzena ou semana deverá pagar ao 
 
 Página 15 
 
Ministério do Trabalho uma multa por empregado irregular. Para efeito 
da contagem do prazo de vencimento do salário, o sábado é considerado 
dia útil, mesmo que observados os seguintes critérios: 
- Horário que permita o imediato desconto do cheque; 
- Transporte, caso acessoao banco exija utilização do mesmo. 
 
Entende-se por remuneração o total dos proventos obtidos pelo 
empregado em função do contrato e pela prestação do trabalho. 
Integram o salário não só a importância fixa estipulada no contrato, 
como também, comissões, gratificações ajustadas, porcentagens diárias, 
para viagens e abonos pagos pelo empregador, conforme art.457 da 
CLT. 
As diárias para viagens que não excederem a 50 % do salário do 
empregado, não integram o seu salário. 
 
Piso Normativo 
 
É o salário mínimo que determina categoria profissional tem que 
receber por força de seu acordo, conversão ou dissídio coletivo. 
Participações nos lucros ou resultados e outras remunerações ,pela 
legislação em vigor, as empresas devem, obrigatoriamente, negociar com 
seus empregados e respectivos sindicatos a forma de participação do 
empregados nos lucros ou resultados das empresas. Pode ser 
estabelecido, dentre outros critérios, percentuais do lucro, do 
faturamento, do salário, ou um valor fixo. 
 
SALÁRIO PERICULOSIDADE 
 
Aos empregados que executam atividades ou operações perigosas, 
assim consideradas, as que de acordo com a regulamentação do 
Ministério do Trabalho, Impliquem, por sua natureza ou método de 
trabalho, contato com inflamáveis ou explosivos em condições de risco 
acentuado, está previsto no art. 193 da CLT um acréscimo de 30 % 
 
 Página 16 
 
sobre o salário do empregado (sem acréscimos resultantes de 
gratificações , prêmios ou participação nos lucros da empresa) 
Os empregados que trabalham com inflamáveis ou explosivos, ou seja, 
elementos que ponham em risco sua vida, recebem adicional de 30% 
sobre seu salário efetivo. 
Não são computados ao salário para efeito do adicional de 
periculosidade, os prêmios, gratificações, participações nos lucros e 
adicionais. 
Se o trabalho é ao mesmo tempo insalubre e perigoso, cabe ao 
empregador optar por um dos adicionais. 
 
SALÁRIO INSALUBRIDADE 
 
Aos empregados que executam atividades ou operações insalubres, 
assim consideradas, as que por sua natureza, condição ou método de 
trabalho, exponham os empregados e agentes nocivos à saúde, acima 
dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade 
do agente e do tempo de exposição dos seus efeitos. Está previsto no 
art. 192 da CLT, e corresponde ao acréscimo de 10, 20 ou 40% do 
salário mínimo, segundo seus graus mínimos, médios ou máximos. 
Os adicionais de insalubridade e de periculosidade não são 
cumulativos, assim se o empregado fizer jus aos dois, Deverá optar por 
apenas um. 
 Obrigatoriedade em Trabalho Insalubre; 
 Exame médico sempre que solicitado; 
 Exame médico na rescisão; 
 Atestado de saúde ocupacional entregue ao empregado na 
rescisão contratual; 
 Armários duplos separando roupa de trabalho da roupa pessoal; 
 Autorização da DRT para realização de horas extras e 
compensados; 
 Chuveiros e lavatórios para cada 10 empregados. 
 
 Página 17 
 
ADIANTAMENTO SALARIAL 
 
Os funcionários registrados aguardam pelo adiantamento salarial e 
receberão 40% sobre seus salários mais outras verbas (Ex.: comissões). 
As empresas acatam percentual de adiantamento salarial e a base de 
calculo conforme o estipulado em Acordo Coletivo. 
Temos que ter muito cuidado com os funcionários que foram admitidos 
no mês, em dias diferentes. No mês subsequente essa proporcionalidade 
não existirá mais. 
 
FUNCIONÁRIO ADMISSÃO 
SALÁRIO 
BASE ADIANTAMENTO 
JOVINO 02/01/XX 3.500,00 1.400,00 
ESMERALDA 18/01/XX 1.320,00 246,4 
 
Adiantamento integral = salário mensal x % definido ($3.500,00 x 40%) 
Adiantamento proporcional = Salário mensal dividido por 30 x nº dias 
(14) trabalhados até o final do mês x 40% ($1.320,00 divididos por 30 x 
14 = $616,00 x 40% = $246,40) 
Os art. 459 e 465 da CLT informam que quando o pagamento houver 
sido estipulado por mês, ele deverá ser efetuado, o mais tardar, até o 5º 
(quinto) dia útil do mês subsequente ao vencido. O pagamento dos 
salários será efetuado em dia útil e no local de trabalho, dentro do 
horário de serviço ou imediatamente após o encerramento deste. Caso o 
funcionário tenha que se dirigir ao Banco para receber, o mesmo deverá 
fazê-lo dentro do expediente bancário. 
 
TRABALHO DA MULHER 
 
A mulher empregada é também protegida de modo especial pela CLT. 
É na maternidade, sobretudo, que a lei ampara fortemente a mulher. 
 
 Página 18 
 
Até cinco meses após o parto ela tem a garantia do emprego, ou melhor, 
durante a gravidez e até o final daquele prazo só poderá ser demitida 
por falta grave. 
A CLT fala em descanso de 84 dias (12 semanas) a empregada gestante, 
e a Constituição fixa um prazo maior de 120 dias. Mas a justiça do 
Trabalho tem entendido que o descanso é de 84 dias até que o 
Congresso Nacional se resolva a regulamentar por lei a norma da 
Constituição sobre o assunto. 
De qualquer maneira, a mulher gestante terá direito ao salário durante 
as 12 semanas, salário que corre por conta da Previdência Social. 
 
TRABALHO NOTURNO 
 
Trabalho Noturno é o que é executado entre 22 horas e 5 horas do dia 
seguinte. A hora noturna é computada como sendo 52 minutos e 30 
segundos. 
Adicional Noturno = No mínimo de 20 % sobre hora normal; para os 
arquitetos, químicos, de nível superior, agrônomos e veterinários o 
adicional = 35% sobre hora normal. 
Trabalho Noturno do advogado vai das 20 horas de um dia as 5 horas 
do dia seguinte com 25 % de adicional. 
Menor-Não pode fazer hora Noturna. 
Observação: Consultar o Sindicato da Categoria sobre os adicionais, 
pois podem variar de um plano para outro. 
Hora Extra Noturna- Deve ser aplicado, sobre a hora normal, o 
adicional da hora extra Noturna. 
 
TRABALHO TEMPORÁRIO 
 
É aquele prestado por pessoa física a uma empresa para atender a 
necessidade transitória de substituição de seu pessoal regular e 
permanente ou a acréscimo extraordinário de serviços. 
 
 Página 19 
 
É reconhecida atividade de empresa de trabalho temporário que passa a 
integrar o plano básico do enquadramento sindical a que se refere o 
artigo 577 da CLT. 
O funcionamento da empresa de trabalho temporário dependerá do 
registro do Departamento Nacional de Mao de Obra do Ministério do 
Trabalho da Previdência Social. 
 
TRABALHO DOMÉSTICO 
 
É aquele que presta serviço de natureza continua e de finalidade não 
lucrativa a pessoa ou a família no âmbito residencial destas. 
Aos empregados domésticos são assegurados os benefícios e serviços da 
lei Orgânica e Previdência Social. 
 
JORNADA DE TRABALHO 
 
A jornada de trabalho corresponde ao período em que o empregado esta 
obrigado a cumprir tarefas que lhe foram atribuídas pelo empregador. 
A fixação da Jornada deve estar prevista no contrato de trabalho 
celebrado entre as partes, não podendo, todavia, ultrapassar os limites 
esta obrigado a cumprir as tarefas que lhe foram atribuídas pelo 
empregador. 
A fixação da jornada deve estar prevista no contrato de trabalho 
celebrado entre as partes, não podendo, todavia, ultrapassar os limites 
estabelecidos na legislação vigente. 
 
ALTERAÇÃO DA JORNADA PELA CONSTITUIÇÃO / 88 
 
A constituição Federal promulgada em 5-10-88 diminuiu, de 48 para 44 
horas, a duração da jornada de trabalho semanal, tendo sido mantido 
em 8 horas o limite da jornada normal diária. 
 
 
 Página 20 
 
JORNADA SEMANAL 
 
A Jornada semanal corresponde a multiplicação das horas normais que 
o empregado estiver obrigado a cumprir na empresa, pelo numero de 
dias fixados para o exercício de suas atividades durante a semana, 
sendo que o resultado não pode exceder a 44 horas. 
Os empregados que trabalham por hora dia ou semana perceberão 
semanalmente remuneração equivalente a 51:20 horas, 
correspondentes ás 44 horas trabalhadas, mas 7:20 horas do repouso 
semanal remunerado, considerando-se que o empregado trabalhe toda 
semana. 
 
JORNADADIÁRIA 
 
Com base no limite semanal de 44 horas as empresas fixarão a jornada 
diária normal de seus empregados, observando o limite de 8 horas por 
dia, salvo se houver acordo de compensação de horário. 
 
INTERVALOS 
 
ALTERAÇÃO DA JORNADA PELA CONSTITUIÇÃO 
 
A Consumição Federal, promulgada em 05/10/1988, diminuiu. De 48 
para 44 horas, a duração da jornada de trabalho semanal, tenho sido 
mantido em 8 horas, o limite da jornada normal diária. 
Todavia os descansos intrajornada semanal e entre jornadas 
permaneceram inalterados. 
 
DESCANSO ENTRE JORNADAS 
 
Entre duas jornadas de trabalho deve haver um período mínimo de 11 
horas consecutivas para descanso. 
 
 
 Página 21 
 
DESCANSO SEMANAL 
 
A todo empregado assegurado um descanso semanal 24 horas 
consecutiva, o qual, salvo motivo de conveniência pública ou 
necessidade imperiosa do serviço, deve coincidir com o domingo, no 
todo ou em partes. 
 
JORNADA INFERIOR A 6 HORAS 
 
Quando a jornada de trabalho for inferior a seis horas, mas superior a 4 
horas, será obrigatório um intervalo de 15 minutos. 
Na jornada de trabalho de até 4 horas não é necessário nenhum 
intervalo para repouso ou alimentação. 
 
A jornada máxima de trabalho, fixada pela Constituição Federal, é de 
oito horas diárias, não podendo exceder a 44 horas semanais, pois 
estaria alterando o Contrato de trabalho e prejudicando o empregado. 
 
Acordo de Compensação e Prorrogação 
 
- No contrato fica especificada a jornada de trabalho que não poderá ser 
superior a 8 horas diárias e 44 horas semanais; 
- Acordo Compensação - Por Escrito não há pagamento de adicional, 
sendo que; nas atividades insalubres a compensação da jornada fica na 
dependência do DRT. 
- Acordo de prorrogação – duração normal de serviço pode ser acrescida 
de até 2 horas com o acréscimo de no mínimo 50% sobre hora normal, 
limitado às 10 horas diárias. 
b) Por compensação, desde que: 
1 O aumento de horas em um dia for compensado pela diminuição em 
outro dia, de maneira que na semana, o total de horas trabalhadas não 
ultrapasse ás 44 horas semanais e nem a duração diária passe de 8 
horas. 
 
 Página 22 
 
2 Pode-se exigir serviços extras quando for preciso realizar ou concluir 
trabalhos inadiáveis, Desde que: 
2.1 A jornada de trabalho no dia, não ultrapasse a 10 horas e haja 50% 
de acréscimo na remuneração base do período de remuneração. 
 
Funções sem jornada de trabalho 
 
Existem algumas funções que a CLT exclui do capitulo de duração do 
trabalho: 
 Gerentes; 
 Vendedores pracistas, os viajantes e os que exercem, em geral, 
funções de serviço externo, não subordinado a horário. 
Porém, a função que não está subordinada a horário deve ser anotada 
na CTPS ( Carteira de Trabalho e Previdência Social) do empregado e no 
livro ou ficha de registro. 
 
Quadros de horários – Art.74 da CLT 
 
O horário de trabalho constará de quadro organizado conforme modelo 
expedido pelo Ministério do Trabalho e afixado em lugar bem visível. 
Esse quadro será discriminativo no caso de não ser horário único para 
todos os empregados de uma mesma seção ou turma. 
 
O horário de trabalho será anotado em registro de empregados com a 
indicação de acordos ou contratos coletivos porventura celebrados. 
Para os estabelecimentos com mais de 10 empregados será obrigatória a 
anotação da hora de entrada e saída, em registro manual, mecânico ou 
eletrônico, conforme instruções a serem, expedida pelo Ministério do 
Trabalho. 
 
 
 
 
 Página 23 
 
Jornada Normal 
 
A Jornada Normal de trabalho é de 8 horas por dia com o limite de 44 
semanais. 
- Semana de segunda a sábado = 7,20 minutos diários (Jornada de 44 
horas semanais = divisão por 220 horas mensais) 
- Regime de revezamento = 6 horas de trabalho diário (jornada legal 6 
horas = divisão por 180 horas mensais) 
 
Jornada Especifica 
 
Jornada de 6 horas: Engenheiros , arquitetos, químicos de nível 
superior, agrônomos e veterinários – salário. 
Jornada de 6 horas: Telefonista continua. 
Jornada de 6 horas – Ascensorista 
Jornada de 6 horas – Bancários 
Jornada de 5 horas – Fisioterapeutas – Terapeutas Ocupacionais (30 
horas semanais) 
Jornada de 4 horas – Médicos, dentistas e auxiliares de laboratórios. 
Jornada de 4 horas – Técnicos em radiologia. 
Jornada de 4 horas – (Acerto escrito para a dedicação exclusiva – 8 
horas semanais) – Advogados (20 horas semanais) 
Prorrogação – Adicional de no mínimo 50%. 
Compensação – Não há Adicional. 
Força Maior – Empresa exige trabalho, independentemente de acordo 
escrito e sem limite de duração de jornada. 
Deve comunicar o fato a DRT (Delegacia Regional do Trabalho). 
Serviços inadiáveis – sem acordo, empresa pode exigir a execução das 
horas extras, quando for necessário concluir ou realizar trabalhador 
inadiáveis, haverá limite de 12 horas na duração da jornada e 
pagamento de adicional de no mínimo 50% sobre a hora normal. A 
comunicação deverá ser enviada nos 10 dias seguintes a DRT. 
 
 
 Página 24 
 
FÉRIAS 
 
O empregado tem direito a 30 dias de férias anuais, após 12 meses de 
trabalho. 
Depois que o empregado completar o primeiro período aquisitivo (doze 
meses), a empresa tem o prazo até o término do próximo período 
aquisitivo para conceder-lhe as férias. A empresa não poderá deixar 
acumular duas ou mais férias do mesmo período, sob pena de pagá-las 
em dobro. 
 
Direito as Férias 
 
O direito a férias será na seguinte proporção: 
 30 dias corridos, quando não houver faltado mais de 5 dias; 
 24 dias corridos, quando houver de 6 a 14 faltas; 
 18 dias corridos, quando houver 15 a 23 faltas; 
 12 dias corridos, quando houver de 24 a 32 faltas. 
 
As faltas justificadas não são consideradas na tabela acima. 
 
A escolha do mês das férias 
É direito da empresa definir a escala de férias. O empregado pode até 
sugerir, mas não exigir. A palavra final cabe à empresa, respeitando o 
período concessivo ( os doze meses seguintes ao período aquisitivo). 
Cabe colocar que os empregados estudantes, até 18 anos de idade, 
poderão exigir as férias no período de férias escolares. 
Os menores de 18 (dezoito) anos e maiores de 50 (cinquenta) anos de 
idade terão as férias sempre concedidas de uma só vez. 
 
Faltas não Justificadas – ART. 130 
 
Após cada período de 12 (doze) meses de vigência do contrato, o 
empregado terá direito a férias, na seguinte proporção: 
 
 Página 25 
 
 
 30 dias – para até 5 faltas 
 24 dias – para até 14 faltas 
 18 dias – para até 23 faltas 
 12 dias – para até 32 faltas 
 Acima de 32 faltas perde o direito 
 
Férias Coletivas – ART. 139 
 
Poderão ser concedidas a todos funcionários de uma empresa ou 
determinados estabelecimentos ou setores da empresa. A empresa 
comunicará ao órgão local do Ministério do Trabalho, com antecedência 
mínima de 15 dias, as datas de início e fim da paralisação total ou 
pardal dos serviços e, em igual prazo, ao sindicato da categoria. Os 
funcionários contratados há menos de 12 meses gozarão, na 
oportunidade férias proporcionais, iniciando-se então novo período 
aquisitivo. 
 
Férias em Dobro – ART.137 
 
Sempre que as férias forem concedidas após o prazo legal, o 
empregador pagará em dobro a respectiva remuneração. Vencido o 
mencionado prazo sem que o empregador tenha concedido as férias, o 
empregado poderá ajuizar reclamação pedindo a fixação, por sentença , 
da época do gozo das mesmas, e se a empresa não conceder as férias no 
dia indicado pagará multa de 5% do salário mínimo por dia de atraso. 
 
Perda de Direito de Férias – ART.133 
 
Perderá o direito as férias o empregado que, no curso do período 
aquisitivo: 
-Deixar o emprego e não for readmitido dentro de 60 dias subsequentes, 
sua saída; 
 
 Página 26 
 
-Permanecer em gozo de licença, com percepção de salário, por mais de 
30 dias 
-Deixar de trabalhar ,com percepção desalário, por mais de30 dias em 
virtude de paralisação parcial ou total dos serviços da empresa; 
-Tiver recebido da previdência Social prestações de acidente de trabalho 
ou auxilio doença por mais de 6 meses, embora descontínuos. 
 
Encargos Sociais 
 
A tributação da Previdência Social e do Imposto de Renda na Fonte das 
Verbas de férias , abono pecuniário e 1/3 constitucional são feitas em 
separado de outras verbas salariais. 
As tabelas usadas são as que estiverem em vigor por ocasião da 
quitação das férias, podendo ser abatidas apenas as deduções legais. 
O FGTS deve ser recolhido sobre todas as verbas de férias (férias 
normais, 1/3 constitucional)e sobre a 1º parcela do 13º quando pago 
juntos das férias 
 
Incidência das principais verbas 
 
VERBAS INSS IRF FGTS 
Férias Normais sim sim sim 
Férias dobro 
Constitucional + 1/3 sim sim sim 
Dobra Férias +1/3 
Constitucional Não sim Não 
Abono Pecuniário Não sim Não 
1/3 Constitucional sim sim sim 
1/3 sem abono 
pecuniário Não sim Não 
 
 
 
 Página 27 
 
BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS 
 
Destacaremos a seguir os diversos benefícios previdenciários , entre 
eles: 
-Auxílio Doença; 
-Salário Familia; 
-Salário Maternidade; 
 
Cabe ressaltar inicialmente que os benefícios serão pagos , na maioria 
dos casos ,com base no salário –de – benefícios . Esse valor 
correspondente á média dos últimos 36 salários de contribuição, 
atualizados conforme tabela da própria Previdência. 
 
Auxílio-Doença 
 
Quem 
recebe: 
O segurado incapaz para o seu trabalho por mais de 15 
dias consecutivos por motivo de doença. 
Carência: Para ter direito, o trabalhador precisa ter 12 
contribuições mensais (seguidas). Independente da 
carência no caso de doença motivada por acidente de 
qualquer natureza ou causa de doença profissional no 
trabalho. 
Inicio: Para empregados empresários, começa no 16° dia em 
que estão afastados do trabalho. Se passar de 30 dias d 
afastamento ser na data de entrada do requerimento, 
inclusive se Acidente de Trabalho. Em relação aos 
demais segurados, a contar da data de início da 
incapacidade. 
Valor: Correspondente a 91% do salário-de-benefício, 
observado o salário mínimo e o limite máximo. 
Duração: O auxílio-doença será mantido enquanto o segurado 
continuar temporariamente incapaz para o trabalho, 
devendo fazer exames, tratamento e reabilitação 
profissional indicado pela Previdência Social. 
Perícia 
Médica: 
A concessão do auxílio doença depende de exame de 
perícia médica da Previdência Social. 
 
 
 
 
 Página 28 
 
Salário Maternidade - Lei 8213 de 24/07/1991 
 
A Constituição Federal de 1988 traz em seu art. 7° XVIII, que a gestante 
terá licença, sem prejuízo do emprego e do salário, de 120 (cento e 
vinte) dias, e que, para amamentar o próprio filho, até que este 
complete 6 (seis) meses de idade, a mulher terá direito, durante a 
jornada de trabalho , a 2 (dois) descansos especiais por dia de meia 
hora cada um. 
O salário maternidade é devido à segurada empregada, a trabalhadora 
avulsa, a empregada domestica e a segurada especial, durante 120 
dias, com inicio no período entre 28 dias antes do parto e a data de 
ocorrência deste, observadas as situações e condições previstas na 
legislação no que concerne a proteção a maternidade; 
 
13° Salário da Seguradora 
 
A segurada tem direito ao 13° Salário proporcional ao período de 
licença, que será pago pela previdência Social. 
A empresa pagará a funcionária e depois irá reembolsar o valor 
proporcional á licença junto ao INSS. O reembolso será feito quando a 
empesa recolher a Contribuição Previdenciária ao pagamento da última 
parcela do 13°ou verbas de rescisórias da empregada. 
Para efeito da apuração do montante a ser deduzido na guia de 
recolhimento, será o período em que a funcionaria em gozo de licença 
gestante. 
 
 
Licença Maternidade 
 
A empregada gestante pode se afastar por 120 dias por motivo de parto, 
ou seja, 28 dias antes da data do nascimento da criança e 92 depois do 
evento. 
 
 Página 29 
 
O afastamento pode ser prorrogado por 2 semanas, antes e depois o 
parto, se houver problema de saúde da mãe ou da criança. 
Em caso de aborto é de duas semanas. 
O período de afastamento é considerado tempo trabalhado, para todos 
os efeitos. 
A empregada gestante não pode sofre dispensa imotivada, desde o inicio 
da gravidez ate 5 meses após o nascimento da criança. (Verificar Acordo 
ou Convenção no trabalho). 
No contrato de trabalho a prazo inclusive experiência, não há 
estabilidade quando de seu término. 
A empregada durante o período de licença receberá do INSS o seu 
salario, sendo que a parte variável será apurada de acordo com a media 
dos últimos dois meses. 
Os encargos com INSS e FGTS devem ser recolhidos pela empresa. 
(Consultar INSS). 
Até que a criança complete 6 meses de idade, a empregada fara jus a 
dois descansos de meia hora cada um para amamentação. 
 
Auxilio Natalidade 
 
O auxilio natalidade é devido em caso de nascimento de filho de 
segurado, observada a carência mínima de 12 contribuições mensais, 
bem como o valor de sua remuneração mensal ou salario de 
contribuição. 
Considera-se nascimento, para esse efeito, o evento ocorrido a partir do 
6° mês de gestação. 
O auxilio natalidade será concedido e pago pela empresa com mais de 
10 empregados ate 48 horas após a apresentação da certidão de 
nascimento. 
Os segurados de empresas com menos de 10 empregados, o domestico, 
empresário, o trabalhador autônomo, o avulso e o segurada especial, 
receberão o auxilio natalidade no Posto Benefícios. 
 
 Página 30 
 
A empresa será reembolsada pelo pagamento do auxilio natalidade, feito 
aos segurados a seus serviços, mediante dedução dos valores dos 
benefícios pagos. 
A dedução do auxilio natalidade será somada, se for o caso, a dedução 
do salario maternidade e cotas de salario família a serem reembolsados 
no mês. 
Prescreve em 5 anos, a contar da data do nascimento do filho, o direito 
do recebimento do auxilio natalidade. 
 
DESCANSO SEMANAL REMUNERADO (DSR) 
 
É devido o pagamento do repouso semanal equivalente a uma jornada 
diária, desde que o empregado tenha cumprido integralmente o seu 
horário semanal. 
No caso de pagamento de horas extras, adicional noturno e salários 
variáveis, deve-se calcular o descanso semanal remunerado (DSR) pela 
media do período trabalhado. 
É preciso inicialmente identificar qual período servirá de base de calculo 
 Para repouso semanal e feriado: os adicionais feitos durante a 
semana; 
 Para o décimo terceiro salário: os adicionais de janeiro a 
dezembro, inclusive; 
 Para indenização por tempo de serviço: os adicionais feitos nos 
últimos (12 meses) desligamento; 
 Para aviso prévio: os adicionais feitos nos últimos 12 meses 
anteriores ao desligamento; 
 Para férias: os adicionais feitos no período aquisitivo; 
 Para salário-maternidade: os adicionais feitos nos últimos 6 
meses anteriores ao afastamento. 
 
 
 
 
 Página 31 
 
PRÓ LABORE 
 
Artigo 2º - CLT – Considera-se empregador a empresa, individual ou 
coletiva, que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, 
assalaria e dirige a prestação pessoal de serviço. 
Paragrafo 1º - Equipara-se ao empregador, para os efeitos exclusivos da 
relação de emprego, os profissionais liberais, as instituições de 
beneficência, as associações recreativas ou outras instituições sem fins 
lucrativos, que admitirem trabalhadores como empregados. 
Estão sujeitos à incidência do imposto de renda na fonte. Aplica-se a 
tabela de retenção dos assalariados, com todas as deduções permitidas, 
para chegar a renda liquida. 
As pessoas que deixam de ser empregadas e passam a exercer atividade 
patronal deve se enquadrar pela média do salário de contribuição dos 
últimos 6 meses para fins de previdência Social. 
 
HORAS EXTRAS 
 
Ashoras que excederem o horário normal de trabalho são chamadas de 
horas extras, não podendo ser superiores a 2 por dia, de tal forma que o 
total de horas trabalhadas por dia não ultrapasse 10 horas. 
Art 7º da CF/88 – XIII – duração do trabalho não superior a oito horas 
diárias e quarenta e quatro semanais, facultadas a compensação de 
horário e a redução da jornada, mediante acordo ou convenção coletiva 
de trabalho. 
Art. 59 – CLT – A duração normal do trabalho poderá ser acrescida de 
horas suplementares em número não excedente de 2 horas, mediante 
acordo escrito entre empregador e empregado, ou mediante contrato 
ou mediante contrato coletivo de trabalho (Acordo de prorrogação de 
Horas) 
Parágrafo 1º - Do acordo ou do contrato coletivo de trabalho, deverá 
contar, obrigatoriamente, a importância de remuneração da hora 
suplementar, que será, pelo menos 50% superior à da hora normal. 
 
 Página 32 
 
As horas extras só poderão ser prorrogadas por mais duas horas em 
caso de serviços inadiáveis. 
ATENÇÃO: entre duas jornadas de trabalho haverá um período mínimo 
de 11 horas consecutivas para o descanso, ou seja, entre a hora que o 
funcionário sai da empresa e o horário que retoma as suas atividades 
novamente terá de haver obrigatoriamente um intervalo de no mínimo 
11 horas para o descanso. 
Para calcular o valor da hora unitária, utilizamos os seguintes divisores: 
Oito horas diárias ................220 
Seis horas diárias .................180 
Quatro horas diárias.............150 
Exemplo 1: empregado que trabalha oito horas diárias (o divisor é 220), 
percebendo, mensalmente, a importância de R$220,00 
O adicional corresponde a 50%: 
Salário de R$220,00/220 = R$1,00 (hora normal) + 50% = R$1,50 (valor 
de cada hora extra). 
Trabalhou 20 horas extras no mês, portanto, 20 x R$1,50 = 30,00. 
Além do salário de R$220,00 receberá R$30,00 a titulo de horas extras. 
Exemplo 2: A convenção coletiva do trabalho estabelece o adicional de 
horas extras de 50% para as duas primeiras horas extras diárias e 60% 
para das demais horas extras no dia. Considerando que o empregado 
trabalhou 3 horas e meia além do expediente normal (horas extras): 
Salário R$440,00/220 = R$2,00 (valor da hora normal) 
R$2,00 + R$1,00 = R$3,00 (valor com adicional de 50%) 
R$2,00 + R$1,20 = R$3,20 (valor com adicional de 60%) 
3,5 horas extras no dia: 
2(horas) x R$3,00 = R$6,00 
1,5 (horas) x RS3,20 = R$4,80 
 R$10,80 
Horas extras – alimentação 
O intervalo não concedido para alimentação sem autorização da DRT 
deve ser pago como extra. 
Jornada até 4 horas = não há descanso para refeição. 
 
 Página 33 
 
Jornada de 4 a 6 horas = intervalo de 15 minutos para refeição. 
Jornada de mais de 6 horas = intervalo de no mínimo 1 hora e no 
máximo 2 horas com autorização da DRT, o período de descanso para 
refeição pode ser reduzido. 
Horas extras 
Para encontrar o valor da hora extra, multiplicar o valor da hora normal 
por no mínimo 50%. 
Supressão – deve ser indenizada ao empregado 
Forma de calculo – média de horas extras prestadas no mês, nos 
últimos 12 meses, aplica-se valor da hora extra no dia da supressão. 
Multiplica-se pelo numero de anos que as horas extras vinham sendo 
feitas, sendo que a fração de 6 meses é considerada como 1 ano. 
Remuneração dos empregados. 
Entre as remunerações que a empresa deverá pagar, destacamos as 
seguintes: 
 Salários; 
 Participações nos lucros ou resultados e outras remunerações; 
 Horas extras; 
 Férias; 
 Gratificação – 13º salário; 
 FGTS. 
 
Descontos 
 
Descontos de Salário 
 
Ao empregador é vedado qualquer desconto nos salários do empregado, 
salvo quando resultar de adiantamentos, dispositivos de Lei ou de 
contrato coletivo. O dano causado pelo empregado, só pode ser 
descontado, na ocorrência de dolo, ou na hipótese de ter sido acordado 
em Contrato de Trabalho. 
 
 
 Página 34 
 
Descontos Legais (INSS – IR) 
 
a) São descontos legais aqueles determinados por lei e mensalmente 
descontados na folha de pagamento. 
b) Os depósitos também são devidos aos diretores não empregados, 
caso as empresas temiam optado por depositar o FGTS para os 
mesmos. 
 
Faltas, Atrasos, Licenças 
 
São descontados na folha de pagamento as faltas não justificadas e 
conforme o regulamento interno de cada empresa. 
Por 5 dias: em caso de nascimento de filho. 
Por 2 dias consecutivos: em caso de falecimento de cônjuge, 
ascendente, descendente, irmão ou pessoa declarada ser dependente na 
Carteira Profissional. 
Por 3 dias consecutivos (uteis ou não): em caso de seu casamento. 
Por 2 dias consecutivos (uteis ou não): para providenciar seu 
alistamento eleitoral. 
Por 1 dia em cada 12 meses: Em caso de doação voluntária de sangue, 
devidamente comprovada. 
Pelo prazo que durar: sempre que for convocado(a) oficialmente pelos 
poderes públicos, inclusive eleitorais. 
Nos dias em que estiver comprovadamente realizando provas de exame 
vestibular para ingresso em estabelecimento de ensino superior. 
 
Adiantamentos 
 
São as antecipações efetuadas pela empresa no período correspondente. 
 
 
 
 
 Página 35 
 
Seguros 
 
São descontos efetuados pela empresa referente ao premio de seguro de 
vida em grupo. 
 
Convênios 
 
São descontos efetuados pela empresa referente aos convênios firmado 
com farmácias, cooperativas, assistência médica, etc... 
 
SALARIO FAMILIA – Lei 4266 de 03/10/1963 
 
O Salário-família é devido mensalmente ao segurado empregado, exceto 
o domestico, e ao trabalhador avulso que se encontrar em atividade ou 
em gozo de beneficio, independentemente de período de carência e ao 
aposentado , por filho ou equiparado de qualquer condição, até 14 anos 
, ou invalido de qualquer idade . 
Equiparam-se aos filhos, mediante declaração escrita do segurado; 
 
a) O enteado; 
b) O menor que, por determinação judicial, esteja soba sua guarda; 
c) O menor que esteja sob sua tutela e não possua bens suficientes 
para o próprio sustento e educação. 
O filho de criação somente poderá ser incluído entre os filhos do 
segurado mediante apresentação de termo de guarda ou tutela. 
 
O salario família será devido pelas empresas vinculadas a Previdencia 
Social, a todo empregado, como tal definido na CLT, qualquer que seja o 
valor e a forma de sua renumeração e na proporção do respectivo 
numero de filhos. 
O pagamento das quotas do salario família será feito pelas próprias 
empresas, mensalmente, aos seus empregados, juntamente com o do 
respectivo salário. Quando os pagamentos forem semanais ou por 
 
 Página 36 
 
outros períodos, as quotas serão pagas juntamente com o ultimo 
relativo ao mês. 
Para efeito do pagamento das quotas, as empresas exigirão dos 
empregados, certidões de nascimento dos filhos, que a isto os habilitam. 
As empresas serão reembolsadas, mensalmente, dos pagamentos das 
quotas feitas aos empregados, mediante desconto do valor respectivo do 
total das contribuições recolhidas ao INSS. 
O salário família passou a corresponder a dois valores distintos, sendo 
que o valor devido a cada segurado será determinado mensalmente, em 
função da remuneração mensal. 
Nas admissões e demissões, o pagamento deve ser proporcional aos dias 
do mês à razão de 1/30 por dia. 
Será pago integralmente nos casos de óbito do filho ou se completada a 
idade limite e ainda, no caso de inclusão de novas cotas, quando o 
nascimento da criança ocorra no decorrer do mês. 
 
DEPENDENTES 
 
São considerados dependentes: 
1. Cônjuge; 
2. Filhos menores, até 21 anos ou inválidos; 
3. Filhos até 24 anos se estiverem cursando estabelecimento de 
ensino superior e não tiverem renda própria; 
4. Filhas solteiras e viúvas sem renda; 
5. Ascendentes e irmãos incapacitados para o trabalho; 
6. Menores pobres que o empregado esteja criando. 
 
VALE-TRANSPORTE – Lei 7818 de 16/12/1985O vale-transporte constitui beneficio que o empregador antecipará ao 
trabalhador para utilização efetiva em despesas de deslocamento 
residência-trabalho e vice versa. 
 
 Página 37 
 
São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral e os 
servidores públicos federais, tais como: 
 Funcionários, assim definidos no art. 3º da C.L.T. 
(Consolidação das leis do Trabalho); 
 Empregados domésticos; 
 Trabalhadores de empresa de trabalho temporário; 
 Empregados a domicilio, para os deslocamentos 
indispensáveis à prestação do trabalho; 
 Empregado de sub-empreiteiras; 
 Os atletas profissionais 
 Os servidores da união. 
O empregado deverá fazer uma declaração informando se utilizará ou 
não o vale transporte. Também deve dar informação atualizada 
anualmente ou sempre que ocorres alteração quanto ao numero de 
transportes utilizados. 
É vedado ao funcionário substituir o vale-transporte por antecipação 
em dinheiro ou qualquer outra forma de pagamento. 
O vale-transporte não tem natureza salarial; não incorpora à 
remuneração do beneficiário para quaisquer efeitos; não faz base à 
previdência social e ao FGTS; não é considerado para efeito de 
pagamento de gratidão de Natal e não configura rendimento tributável 
para o beneficiário. 
Será custeado pelo beneficiário na parcela equivalente a 6% (seis por 
cento) de seu salário básico ou vencimento, excluindo-se quaisquer 
adicionais ou vantagens; e pelo empregador, no que exceder à parcela 
referida. 
Nos casos em que o valor do transporte for inferior a 6% (seis por cento) 
do salário básico ou vencimento, o funcionário poderá optar pelo 
recebimento do vale-transporte, cujo valor será integralmente 
descontado por ocasião do pagamento. O n] de passes entregues é 
mensurado aos dias uteis, sendo proporcional nas admissões, nos 
desligamentos e nas férias. 
 
 Página 38 
 
FUNICIONÁRIO 
SALÁRIO 
- $ % 
DESCONTOS 
$ 
Antônio 400,00 6,0 24,00 
Ana Maria 2300,00 6,0 48,00 
 
Vale-transporte = salário x 6% ($400,00 x 0,06 = $ 24,00); se o valor do 
desconto de 6% é maior que o valor das passagens, desconta-se apenas 
o valor das passagens ($ 48,00, pois $ 2.300,00 x 0,06 = 138,00). 
Está exonerado da obrigatoriedade do vale-transporte, o empregador 
que proporcionar, por meios próprios ou contratados, o deslocamento 
do empregado de sua residência-trabalho e vice-versa. 
Entende-se por deslocamento a soma dos segmentos componentes da 
viagem do beneficiário, por um ou mais meios de transporte, entre sua 
residência e o local de trabalho. 
 
CADASTRAMENTO NO PIS 
 
As pessoas jurídicas ou a elas equiparadas, bem como os empregadores 
rurais pessoas físicas e os sindicatos, deverão cadastrar os empregados 
e trabalhadores avulsos, ainda não inscritos no Programa de Integração 
Social (PIS), imediatamente após a sua admissão. 
Dentre os objetivos principais para o cadastramento do trabalhador, 
está a sua identificação para participar do processo de pagamento do 
abono salarial e do patrimônio do PIS, bem como o seu direito ao 
recebimento do Seguro-Desemprego. 
 
SEGURO DESEMPREGO 
 
a) Tem a finalidade de prover assistência financeira temporária ao 
trabalhador desempregado em virtude de despedida sem justa 
causa 
 
 Página 39 
 
b) Tem por finalidade auxiliar o trabalhador que o requerer na busca 
de novo emprego podendo, para esse efeito, promover a sua 
reciclagem profissional. 
Como pedir seguro desemprego? 
O que é o seguro desemprego? 
Beneficio temporário concedido ao trabalhado desempregado, 
dispensado sem justa causa. 
A quem se destina? 
A todo trabalhador dispensado sem justa causa, inclusive a indireta que 
comprovar: 
a) Ter recebido salários consecutivos no período de seis meses 
imediatamente anteriores a data de dispensa, de uma ou mais 
pessoas jurídicas ou físicas equiparadas às jurídicas; 
b) Ter sido empregado de pessoa jurídica ou pessoa física 
equiparada à jurídica durante, pelo menos, seis meses nos 
últimos 36 meses que antecederam a data de dispensa que deu 
origem ao requerimento do seguro-desemprego; 
c) Não estar em gozo de qualquer beneficio previdenciário de 
prestação continuada, previsto no regulamento da Previdência 
Social, executando o auxilio-acidente e a pensão por morte; 
d) Não possuir renda própria de qualquer natureza suficiente à sua 
manutenção e de sua família. 
Como requerer? 
O requerimento do Seguro-Desemprego (RSD) e a comunicação de 
dispensa (CD) devidamente preenchida com as informações constantes 
da Carteira de Trabalho e Previdência Social serão fornecidos pelo 
empregador no ato da dispensa ao trabalhador demitido sem justa 
causa. 
Os documentos deverão ser encaminhados pelo trabalhador a partir do 
7º e até 120º dia subsequente à data da sua dispensa no Ministério do 
Trabalho e Emprego (MTE) por meio dos postos credenciais das suas 
Delegacias do Sistema Nacional do Emprego (SINE) e entidades 
parceiras. 
 
 Página 40 
 
a) Carteira de Identidade; 
b) Carteira de Trabalho e Previdência Social; 
c) Documento de identificação do Programa de Integração Social 
(PIS) ou Programa de Formação do Servidor Público (Pasep); 
d) Requerimento do Seguro –Desemprego (RSD) e Comunicado de 
Dispensa (CD); 
e) Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho (TRCT), homologado 
quando o período de vinculo for superior a um ano; 
f) Documentação de levantamento dos depósitos no Fundo de 
Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) ou extrato dos depósitos. 
Condições para o Seguro Desemprego 
Terá direito ao seguro desemprego o trabalhador que comprove: 
- Ter recebido salários consecutivos nos últimos 06 (seis) meses; 
- Ter trabalhado pelo menos 06 (seis) meses nos últimos 36 (trinta e 
seis) meses; 
- Não estar recebendo nenhum beneficio da Providencia Social de 
prestação continuada, exceto auxilio acidente ou pensão por morte; 
- Não possuir renda própria para o seu sustento e de seus familiares. 
Número de parcelas do Seguro Desemprego 
O seguro desemprego é concedido por um período variável de 3 a 5 
meses, de forma continua ou alternada a cada período aquisitivo de 16 
meses contados da data da dispensa que deu origem à primeira 
habilitação. 
 
Meses Trabalhados Parcelas 
 De 06 a 11 meses 3 
 De 12 a 23 meses 4 
 De 24 a 36 meses 5 
 
Maiores informações sobre Seguro Desemprego consultem: 
Caixa Econômica Federal: HTTP//WWW.caixa.gov.br/fgts/segudes.htm 
Ministério do Trabalho: 
HTTP://WWW.mte.gov.br/sppe/segdp/serv/segd_idx.htm 
 
 Página 41 
 
Contribuição Sindical 
 
A contribuição a ser descontada dos salários de março de cada ano, 
corresponde a uma jornada normal de trabalho para os empregados 
horistas e mensalistas. 1/30 da remuneração percebida no mês anterior 
para os tarefeiros e comissionistas e 1/30 da importância que serviu de 
base, no mês de janeiro para a contribuição do empregado a Previdência 
Social. 
Ao ser admitido entre os meses de abril a fevereiro, o empregado deve 
comprovar o desconto da contribuição sindical, através de anotação 
própria constante na Carteira de Trabalho. 
Não sendo comprovada a contribuição a empresa deverá efetuar o 
desconto no salário do primeiro mês seguinte ao da admissão. 
Os admitidos após esta data que não sofreram o desconto no salário do 
primeiro mês seguinte ao da admissão. 
 
Contribuição ao PIS 
 
Observadas à legislação especifica, as receitas serão arrecadadas pelo 
Banco do Brasil S.A., pela CEF e pelos agentes credenciados, para 
crédito do fundo de participação do PIS e repassadas ao Banco Nacional 
de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES. 
Os contribuintes deverão conservar pelo prazo de 10 anos, os 
documentos referentes ao PIS a partir da data fixa para o 
recolhimento. 
 
13° Salário – Lei de 13/07/1962 
 
Deverá ser paga, anualmente, para todos os empregados uma 
gratificação anual, referente a um salário de mês de dezembro. O valor 
corresponderáa 1/12 da remuneração devida em dezembro para cada 
mês de serviço no ano em curso. 
 
 Página 42 
 
Esta gratificação poderá ser paga em duas vezes. A primeira parcela 
(50%) deverá ser paga em até 30/11 de cada ano e a segunda, até o dia 
20/12 de cada ano. 
As faltas legais e justificadas não serão deduzidas. 
Ocorrendo rescisão, sem justa causa, do contrato de trabalho, o 
empregado receberá a gratificação, calculada sobre a remuneração do 
mês da rescisão. 
13° Salário – Gratificação Natalina 
 
Todo empregado faz jus ao 13° Salário, em duas parcelas no valor de 
1/12 avos da remuneração devida em dezembro ou no mês da rescisão, 
por mês de serviço. 
A fração de 15 dias trabalhados no mês é considerada mês integral 
para pagamento 1/12 avos do salário. 
 
Pagamento da 1° parcela: 
 
O pagamento da 1° Parcela é feito entre os meses de fevereiro a 
novembro, ou por ocasião das férias do empregado, se requerida em 
janeiro do correspondente ano, no valor equivalente a metade do salário 
do mês anterior. 
Incidência de FGTS sobre o valor da 1° parcela do 13° Salário, com 
recolhimento juntamente com os salários do mês do pagamento. 
 
Salário Variável: 
 
Os empregados que recebem salário variável, o 13° salário será 
calculado pela média das comissões ou porcentagens recebidas nos 
últimos 12 meses. 
 
 
 
 
 
 Página 43 
 
Pagamento da 2° parcela: 
 
A segunda parcela do 13° Salário deve ser pago até o dia 20 de 
dezembro, as horas extras, adicional noturno e gratificação habitual 
integram o 13° Salário, Incidência com FGTS sobre o valor da 2° parcela 
do 13° Salário, com o recolhimento juntamente com os salários do mês 
de dezembro. 
Incidências do INSS, sobre o valor integral do 13° Salário, com 
recolhimento dia 20/12. 
Incidência de IRRF, sobre o valor integral do 13° Salário, com 
recolhimento no 3° dia da semana seguinte ao recebimento do mesmo. 
 
13° SALÁRIO – Lei 490-13/07/1962 
a)no mês de dezembro de cada ano, a todo empregado será paga, pelo 
empregador, uma gratificação salarial, independente da remuneração a 
que fizer jus. 
b)a gratificação corresponderá a 1/12 avos da remuneração devida em 
dezembro, por mês de serviço, do ano correspondente. 
c)a fração igual ou superior a 15 dias de trabalho será havida como mês 
integral. 
d)as faltas legais e justificadas não serão deduzidas. 
e)ocorrendo rescisão, sem justa causa, do contrato de trabalho, o 
empregado receberá a gratificação, calculada sobre a remuneração do 
mês da rescisão. 
 
Rotina de Desligamento 
 
Rescisão Contratual 
 
Documentos 
Conceder ou receber Aviso-Prévio 
Dar baixa a carteira de trabalho, anotando a data do desligamento, 
sindical, alterações salariais, férias gozadas e ou recebidas, etc. 
 
 Página 44 
 
Dar baixa na ficha ou livro de registro de empregados; 
Informar ao CAGED a movimentação do empregado; 
Solicitar extrato do FGTS ao banco depositário; 
Fornecer informe de rendimentos; 
Conceder a Comunicação de Dispensa – CD e o seguro Desemprego; 
Exame médico demissional – 15 dias antecedentes ao desligamento; 
No caso de Dispensa, preencher e recolher a GRFP de acordo com o tipo 
de baixa (Aviso Prévio trabalhado – recolher GRFP NO 10° dia após a 
baixa do empregado). 
 
Pedido de Demissão 
 
a)pedido de demissão antes de 1 ano de serviço: 
´-Saldo de Salário 
-Décimo terceiro salário 
-FGTS do mês da rescisão (8% a ser depositado em conta vinculada) 
b)pedido de demissão após 1 ano de serviço 
-Saldo de salário 
-Férias vencidas 
-Férias proporcionais 
-Décimo terceiro salário 
-FGTS do mês da rescisão 
-FGTS do mês anterior a rescisão 
 
 
Demitido sem justa causa 
 
a)demitido sem justa causa antes de 1 ano de serviço: 
-Saldo de salário 
-Aviso prévio 
-Férias proporcionais 
-Décimo terceiro salário proporcional 
-FGTS do mês da rescisão 
 
 Página 45 
 
-FGTS do mês anterior ao da rescisão 
-Indenização compensatória (40% do depósito do FGTS, correção 
monetária e juros capitalizados, correspondente ao período de trabalho 
na empresa). 
b)dispensa sem justa causa após 1 ano de serviço: 
-Saldo de salário 
-Aviso prévio (indenizado ou trabalhado) 
-Férias vencidas 
-Férias proporcionais 
-Décimo terceiro salário 
-FGTS do mês de rescisão 
-FGTS do mês anterior ao da rescisão 
-Indenização compensatória – FGTS 
-1/3 das férias 
 
Demitido por justa causa 
 
a)Demitido por justa causa antes de um ano de serviço: 
-Saldo de salário 
-FGTS do mês da rescisão 
-FGTS do mês anterior ao da rescisão 
b)demitido por justa causa após 1 ano de serviço: 
-Saldo de Salário 
-Férias vencidas 
-FGTS do mês da rescisão 
-FGTS do mês anterior ao da rescisão 
 
Aviso Prévio 
 
a)Não havendo prazo estipulado, a parte que, sem justo motivo, quiser 
rescindir o contrato, deverá avisar a outra de sua resolução com 
antecedência mínima de: 
 
 Página 46 
 
-30 dias, aos que perceberem por quinzena ou mês, ou que tenham 
mais de 12 meses de serviço na empresa. 
b)A falta de aviso prévio por parte do empregador, dá ao empregado o 
direito aos salários correspondentes ao prazo do aviso, garantia, 
sempre a integração desse período no seu tempo de serviço. 
c) a falta de aviso prévio por parte do empregado da ao empregador o 
direito de descontar os salários correspondentes ao prazo respectivo. 
d)O horário normal de trabalho do empregado, durante o prazo do 
aviso, e se a rescisão tiver sido promovida pelo empregador, será 
reduzida de duas horas diárias sem prejuízo do salário integral. 
e)é facultativo ao empregado trabalhar sem a redução das duas horas 
diárias previstos no item anterior, podendo faltar ao serviço em 7 dias. 
 
Cálculos 
 
a) Ocorrendo a rescisão do contrato de trabalho, deve ser elaborado o 
recibo no qual constem discriminadamente , todas as parcelas a que o 
empregado faz jus, de conformidade com o motivo determinado da 
rescisão. 
b) Os prazos para pagamento das parcelas constantes do instrumento 
de rescisão ou recibo de quitação são: 
 
1. Até o 1º dia útil imediato ao termino do contrato 
2. Até o 10º dia contado da data de notificação da demissão, quando 
da ausência do aviso prévio, indenização do mesmo ou dispensa 
do seu cumprimento. 
3. O desligamento do empregado com mais de 1 ano de serviço na 
empresa deve ser homologado no sindicato da classe. 
- Baixa na Carteira Profissional 
- Baixa no registro da Empresa 
- Preenchimento da Rescisão Contratual 
- Rescisão do empregado com menos de 1 ano de registro 
- Rescisão do empregado com mais de 1 ano de registro 
 
 Página 47 
 
- Rescisão efetuada no Sindicado da Classe 
- Rescisão efetuada no Ministério do Trabalho. 
 
HOMOLOGAÇÃO 
 
O pedido de demissão ou recibo de quitação do contrato de trabalho de 
empregado, com mais de um ano, só terá validade quando feito com 
assistência do respectivo Sindicato ou perante a Delegacia Regional do 
Trabalho. 
O empregado menos de 18 anos, não pode dar quitação sem a presença 
dos pais ou responsáveis . 
O empregado analfabeto na rescisão contratual deverá ser assistido por 
testemunhas que assinam a rogo. 
Documentos 
-Termo de Contrato de Trabalho – 5 Vias 
-Carteira de Trabalho e Previdência Social 
-Comprovante de Aviso Prévio 
-Cópia do Acordo Coletivo ou Convenção Coletiva do Trabalho 
-Extrato do FGTS atualizado 
-Guia GRFP recolhida 
-Comunicação de dispensa – CD 
-Requerimento de Seguro Desemprego 
FORMAS DE PAGAMENTO 
-Moeda corrente; 
-Cheque visado; 
-Comprovação de depósito bancário em conta corrente do empregado; 
-Ordem Bancária de pagamento; 
-Ordem bancária de crédito. 
Prazo de Pagamento: 
Até o primeiro dia útil imediato ao término do contrato ou Aviso Prévio. 
Até o décimo dia quando da ausência do aviso prévio ou Aviso Prévio 
Indenizado. 
 
 
 Página 48 
 
VERBAS RESCISÓRIAS 
 
Aviso Prévio 
-Deve ser concedido pela parte quequiser rescindir o contrato sem justa 
causa no prazo mínimo de 30 dias conforme artigo 487 da CLT e artigo 
7º da Constituição Federal; 
-Quando o aviso é concedido pela empresa, o empregado pode optar em 
duas horas livres por dia ou faltar 7 dias seguidos ; 
-O empregado ao pedir demissão deverá conceder o aviso prévio ao 
empregador. 
 
Aviso Prévio Indenizado 
-Ocorre quando o período referente a este não é cumprido pelo 
empregado. 
-O valor do aviso prévio indenizado corresponde ao salário do 
empregado, acrescido da parte variável e adicionais. 
13º SALÁRIO 
O 13º Salário na rescisão é pago proporcionalmente aos meses 
trabalhados. A fração de 15 dias no mês, é considerado mês integral 
para o computo de 1/12 avos. O Aviso Prévio Indenizado se projeta no 
tempo para contagem de 1/12 avos do 13º Salário; 
 
FÉRIAS 
O empregado com um ano ou mais de contrato terá direito por ocasião 
da rescisão contratual solicitando despensa ou sendo dispensado, 
mesmo que por justa causa, as férias vencidas acrescidas de 1/3 
constitucional. 
Sendo demitido sem ser por justa causa, terá também direito a 
remuneração relativa ao período incompleto de férias, na proporção de 
½ avos por mês de serviço ou fração superior a 15 dias. 
 
 
 
 
 Página 49 
 
INDENIZAÇÃO ADICIONAL 
 
O empregado dispensado no período de 30 dias que antecede a data de 
sua correção salarial, terá direito á indenização adicional equivalente a 
um salário mensal(art. 9º, Lei nº 6.708/79 e 7.238/84). 
O aviso Prévio Indenizado é computado para efeito do pagamento da 
indenização adicional. 
A indenização adicional de insalubridade, periculosidade, horas extras 
habituais, noturno e qüinqüênio.( Enunciado TST Nº242). 
 
SALÁRIO FAMILIA 
 
A quota de salário família devida ao empregado, deverá na rescisão ser 
paga proporcionalmente ao número de dias trabalhados. 
ESTABILIDADE 
O empregado em estabilidade provisória não pode ser dispensado, salvo 
por justa causa devidamente comprovada. 
Estabilidades provisórias previstas em Lei: 
-Gestante 
-CIPA; 
-Serviço Militar 
-Acidente de Trabalho. 
Estabilidade – Empregado não optante do FGTS até 1988. 
Indenização – Equivalente ao último salário acrescido de 1/12 da 
gratificação de Natal. 
 
Rescisão do Contrato de Trabalho por justa Causa 
a)Ato de improbidade; 
b)Incontinência de conduta ou mau procedimento; 
c)Negociação habitual por conta própria ou alheia sem permissão do 
empregador e quando constituir ato de concorrência a empresa a qual 
trabalha o empregado, ou for prejudicial ao serviço; 
d)Desídia no desempenho da respectiva função; 
 
 Página 50 
 
e)Condenação criminal do empregado passado em julgado, caso não 
tenha havido suspensão da pena; 
f)Embriagues habitual em serviço; 
g)Violação de segredo da empresa ; 
h)Toda indisciplina ou insubordinação; 
i)Abandono de emprego; 
j)Ato lesivo da honra ou boa fama praticada no serviço contra qualquer 
pessoa ou ofensas físicas , nas mesmas condições, salvo em caso de 
legítima defesa própria ou de outrem; 
l)Prática constante de jogos de azar; 
m)Atos atentatórios a segurança nacional; 
n)Falta contumaz de pagamento de divida ; 
 
CONTRATO PRAZO DETERMINADO – EXPERIENCIA 
 
a)Saldo de salário; 
b)13º Salário 
c)Férias proporcionais acrescidas de 1/3 Constitucional; 
d)FGTS – Rescisão e mês anterior ; 
e)Levantamento do FGTS; 
f)Indenização artigo 479 – ao empregado - antes do final do contrato 
g)Aviso Prévio – se houver no contrato cláusula de direito recíproco de 
rescisão. 
 
ABANDONO DE EMPREGO 
 
O abandono de emprego ocorre quando o empregado fica mais de 30 
dias sem comparecer a empresa, sem justificativa. Para caracterizar 
abandono, o ideal é convocar o empregado através de correspondência 
(com Aviso do Recebimento do Correio), comunicando que a rescisão de 
contrato de trabalho está á disposição. 
 
 
 Página 51 
 
PRAZO PARA PAGAMENTO DA RESCISÃO: 
 
a) Até o 1º dia útil imediatamente ao término do contrato ou até o 
10º dia contado da data da notificação da demissão, quando da 
ausência do aviso prévio, indenização do mesmo, ou dispensa de 
seu cumprimento; 
b) A inobservância dos prazos acima descritos implicará nas 
seguintes penalidades 
-Multa por empregado em favor do Ministério do Trabalho, se 
fiscalizada 
-Multa a favor do empregado, em valor equivalente ao seu salário, 
salvo quando, comprovadamente, o empregado causar o atraso. 
 
ESTABILIDADE NO EMPREGO 
 
Em alguns casos é proibido demitir o empregado. É quando ele possui 
estabilidade de emprego, como por exemplo: 
-Gestantes ,desde a confirmação da gravidez até 5 meses após o parto. 
A empresa não terá culpa se desconhecer que a funcionária demitida 
estava grávida. Porém , se a funcionária vier reclamar na justiça , a 
empresa corre risco de pagar indenização. 
- Empregado sindicalizado, a partir do registro da candidatura a cargo 
de direção ou representação sindical e, se eleito, ainda que suplente , 
até um ano após o final do mandato. 
- Empregado que sofreu Acidente do Trabalho – pelo prazo mínimo de 
12 meses, após a cessação do auxilio doença acidentam, ou seja , os 12, 
esses são com todos a partir do momento que o empregado retorna da 
previdência . 
 
A lei do FGTS manteve a estabilidade especial que a lei concede: ao 
dirigente sindical durante todo o mandato e até um ano após sua final; 
a mulher gestante até cinco meses após o parto e ao membro da 
comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. Se praticarem falta 
 
 Página 52 
 
grave, esses empregador com estabilidade poderão ser dispensados . 
Enquanto você estiver trabalhando numa empresa, a lei obriga o 
empregador a tomar as providencias para segurado da Previdência 
Social . 
 
CIPA – COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES 
 
A Obrigatoriedade 
As empresas que tem empregados regidos pela CLT, são obrigadas a 
organizar e manter em funcionamento, uma Comissão Interna de 
prevenção de Acidentes - CIPA. 
 
A formação da comissão 
a)A CIPA tem que ser composta por representantes do empregador e dos 
empregados, de acordo com as proporções estabelecidas pela Norma 
Regulamentadoranº5, da Portaria 3214/78 e portaria 33/83 da 
secretaria de Segurança e medicina do trabalho. 
b)Os cipeiros eleitos ficam por um ano e podem ser reeleitos por mais de 
uma vez. A eleição é secreta e realizada 31 dias antes do término do 
mandato em vigência. 
 
As reuniões da comissão 
A Cipa é registrada na Delegacia Regional do Trabalho nos primeiros 10 
dias após a eleição e posse. 
 
A entrega de ata da reunião 
Anualmente é feita a Semana Interna da Prevenção de Acidentes do 
Trabalho SIPAT que zela pelo fiel cumprimento das Normas de 
Segurança. Observar e relatar quaisquer problemas existentes nos 
ambientes de trabalho. 
 
 
 
 Página 53 
 
Acidente de Trabalho e Doença 
 
O empregado quando faltar ao serviço deverá trazer atestado médico 
para abonar a falta. 
Os quinze primeiros dias de invalidez tanto por motivo de doença ou 
acidente de trabalho são pagos pela empresa. 
A partir do 16° dia do afastamento o INSS é que passa a pagar o 
empregado. 
No caso de acidente de trabalho, a empresa deve preencher a CAT 
(Comunicação de Acidente de trabalho). 
A CAT deve ser emitida até o 1º dia útil seguinte do conhecimento pelo 
empregador do fatídico. 
O FGTS deve ser depositado durante o período que o empregado fica 
afastado por acidente do trabalho. 
 
Acidente do Trabalho 
 
Uma das causas que pode gerar o auxilio doença é o Acidente do 
Trabalho, 
Acidente do Trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço 
da empresa ou pelo exercício do trabalho dos segurados especiais, 
provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte 
a perda ou redução , permanente ou temporária, da capacidade para o 
trabalho. 
Consideram-se ainda, Acidente do

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Materiais recentes

Perguntas Recentes