Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
ORGANIZAÇÃO GERAL DO SISTEMA SENSORIAL

Pré-visualização | Página 1 de 1

ORGANIZAÇÃO GERAL DO SISTEMA SENSORIAL	/
	
	
CLASSIFICAÇÃO DO SN SENSORIAL:
Capaz de se modificar constantemente -> plasticidade neural
Vias ascendentes (vindo da parte externa ou interna do corpo)
- DE ACORDO COM A ORIGEM: 
Interoceptores (receptores da parte interna – monitora funções homeostaticas)
Exteroceptores (receptores na parte externa – sentidos especiais e tato)
- DE ACORDO COM MODALIDADE DA SENSAÇÃO:
Somestesia: tato, temperatura, proprioceptores (musculo e articulações – auxilio de noção do espaço) e receptores da dor
Especiais: visão, audição, equilíbrio, olfação e gustação
- DE ACORDO COM O TIPO DE RECEPTOR ATIVADO:
Quimioceptores: moléculas químicas
Mecanoceptores: deformados em sua estrutura
Eletromagnéticos (fotoceptores): diferentes cumprimentos de ondas
Termoceptores: frio e calor (variação de temperatura
Nociceptores: qualquer coisa que venha a trazer lesão -> dor
- DE ACORDO COM A CONSCIÊNCIA
Consciente: percepção
Inconsciente: vegetativo
Relacionado a localização final do estimulo
Ex: Paroreceptor -> localizado no arco da aorte e no seio carotídeo – percepção de variação de pressão
SISTEMA SENSORIAL
Porção do sistema nervoso relacionada com a recepção, transdução, transmissão e processamento das informações originadas no próprio organismo ou no ambiente, que serão utilizadas na organização dos mais variados tipos de respostas.
RECEPTORES SENSORIAIS:
Morfologicamente distintos:
- Neurônios: terminações nervosas livres – dendritos -> estímulos mais simples (temp. tato grosseiro, dor)
- Neurônios envoltos por cápsula de tec conjuntivo -> mais complexo (tato mais especifico, olfato)
- Receptor de célula não neural: célula especial (sentidos especiais) -> audição, gustação e equilíbrio
Ex: audição – abre e fecha canais iônicos (potássio – que despolariza célula)
Todos podem ter mielina ou não e fibras grossas ou finas.
Para agir os receptores tem que gerar potencial de ação – alterar permeabilidade da membrana
Podem ser ionotrópicos (resposta rápida) ou metabotrópicos (resposta + lenta -> segundos mensageiros)
TRANSDUÇÃO: modificação do estimulo vindo do receptor para a linguagem da geração de potencial de ação
Potencial graduado = potencial receptor ou gerador -> força do estímulo (quanto mais forte, maior a frequência do potencial de ação)
POTENCIAL GRADUADO:
Somação espacial: vários estímulos em 1 corpo celular, que se somam para gerar potencial de ação
Somação temporal: soma de vários estímulos rápidos para gerar potencial de ação
LOCALIZAÇÃO E MENSURAÇÃO
Estimulo -> ativa receptor -> neurônio de primeira ordem -> medula -> sinapse com neurônio de segunda ordem -> ascende para tálamo -> sinapse neurônio de terceira ordem -> omúnculo (áreas 1,2 e 3 de Brodmann) -> [contralateral]
MENSURAÇÃO DO ESTÍMULO: Quantificação envolve comparação entre a intensidade de um estímulo sensorial e a magnitude de respostas fisiológicas, perceptivas ou comportamentais.
*dor do membro fantasma: neurônio primário é retirado, mas a via ainda pode ser ativada
Córtex auditivo não localiza som, é sensível a variação de frequência.
Localização da audição depende dos receptores de cada orelha
Ondulações da orelha modifica tempo de ação dos receptores para localizar de onde vem o som (cima/baixo)
POTENCIAL DE AÇÃO, AMPLITUDE E INTENSIDADE
Quanto maior o estimulo, maior a frequência de potenciais de ação e maior liberação de neurotransmissores (somação temporal)
As diferentes graduações de intensidade podem ser transmitidas aumentando-se a quantidade de fibras envolvidas (somação espacial)
DURAÇÃO DO ESTÍMULO
• Duração da série de potenciais de ação no neurônio sensorial; 
• Estímulos mais longos geram uma série mais duradoura de potenciais de ação; 
• Se o estímulo persistir os receptores se adaptam, ou deixam de responder;
TÓNICOS: Adaptação lenta e mais duradoura -> controles vitais (homeostase) -> Olfato
FÁSICOS: adaptação rápida. Não relacionados a homeostase
CIRCUITOS SENSORIAIS (NEURAIS) – (TRANSFERÊNCIA)
Uma via sensorial constitui-se em uma série de neurônios conectados sinapticamente e relacionados com uma mesma modalidade sensorial
PODEM SER MODULADOS
Modulação inibitória: alteração do limiar de percepção, fazendo com que o estímulo fique abaixo do limiar de percepção;
- DETECÇÃO DO ESTÍMULO 
Limiar absoluto ou perceptivo 
- Menor intensidade de estímulo necessária para sua detecção. 
- Depende de processos biofísicos e mecanismos cognitivos e motivacionais (atenção e emoção) 
Intensidade de estímulo necessária para que você tome consciência de uma determinada sensação.
CAMPO RECEPTIVO:
Área do corpo ou ambiente ao qual um órgão receptor e células receptoras respondem.
Teste discriminativo: testa capacidade de sensibilidade
CONVERGÊNCIA
Menos sensibilidade -> campos sobrepostos
Mais sensibilidade -> campo receptivo pequeno e neurônios não convergem para 1 neurônios sensitivo secundário
DIVERGÊNCIA
Amplificadora: 1 célula piramidal no córtex estimula várias células
De múltiplos tratos: regiões distintas que vão receber o mesmo estimulo -> ex: equilíbrio
INIBIÇÃO LATERAL:
Aumenta capacidade de localização do meu estímulo
CAMINHO DO ESTÍMULO ATÉ SNC
SISTEMA LEMINISCAL: mais discriminativo, entra pela raiz dorsal da medula -> bulbo -> sinapse com neurônio secundário -> cruza -> tálamo -> envia informação para córtex
SISTEMA ÂNTEROLATERAL: informação mais grosseira (temperatura, dor). Entra por raiz dorsal da medula e na medula faz sinapse com neurônio secundário na linha média -> vai para tálamo -> envia informação para córtex
Todos os sentidos, com exceção do olfato passam pelo tálamo (lugar onde a informação é processada)
ESTABILIDADE DO SNC
FADIGA SINÁPTICA: exemplo -> estimulo constante e doloroso, diminui resposta para causar menos dano
CIRCUITOS INIBITÓRIOS: sinal muito frequente -> neurônios inibitórios -> inibem própria via