A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
307 pág.
Apostila de Direito do Trabalho

Pré-visualização | Página 25 de 50

um trabalho vedado pelo ordenamento jurídico, ou seja, um trabalho proibido. Trata-se de um contrato de trabalho nulo, por falta de agente capaz. O menor nessas condições, contudo, fará jus a todos direitos trabalhistas, pelo tempo em que trabalhou. Mesmo nulo, o contrato produzirá efeitos até que venha a ser reconhecido como tal (teoria da irretroatividade das nulidades, própria do Direito do Trabalho). Do contrário, haveria enriquecimento ilícito ou sem causa por parte daquele que utilizou o trabalho do menor. Inclusive para fins previdenciários os Tribunais têm reconhecido o trabalho em idade inferior a mínima estabelecida. 			 
14.2.17. Representação em Juízo:
O menor que não tiver representante legal será representado em juízo pelo Ministério Público do Trabalho (artigo 83, inciso V, da Lei Complementar nº 75/93).
QUESTÕES DA PROVA DA OAB
EXAME DE ORDEM IV – FGV – 1ª FASE
Com relação ao contrato de aprendizagem, assinale a alternativa correta:
 
(A) É um contrato especial de trabalho que pode ser ajustado de forma expressa ou tácita. 
(B) É um contrato por prazo determinado cuja duração jamais poderá ser superior a dois anos. 
(C) Salvo condição mais favorável, ao menor aprendiz deve ser assegurado o salário mínimo hora. 
(D) A duração do trabalho do aprendiz não pode exceder de quatro horas diárias, sendo vedada a prorrogação e a compensação de jornada. 
EXAME DE ORDEM X – FGV – 1ª FASE
Adriana submete-se a um ato educativo supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo daqueles que estejam frequentando o ensino regular em instituições de educação superior, educação profissional, ensino médio, da educação especial e dos anos finais do ensino fundamental. Logo, pode-se dizer que Adriana é uma: 
 
A) estagiária. 
B) aprendiz. 
C) cooperativada. 
D) empregada. 
EXAME DE ORDEM XI – FGV – 1ª FASE
A empresa Gomes Sardinha Móveis Ltda. é procurada por um jovem portador de deficiência, que tem 30 anos, e deseja ser contratado como aprendiz de marceneiro. A empresa tem dúvida sobre a possibilidade legal dessa contratação. A partir do caso relatado, assinale a afirmativa correta. 
 
A) Não se aplica a idade máxima ao aprendiz portador de deficiência, de modo que a contratação é possível. 
B) A idade máxima do aprendiz é de 24 anos, não havendo exceção, pelo que não é possível a contratação. 
C) Havendo autorização da Superintendência Regional do Trabalho, o jovem poderá ser contratado como aprendiz, haja vista sua situação especial. 
D) Não existe idade máxima para a contratação de aprendizes, daí porque, em qualquer hipótese, a admissão é possível. 
EXAME DE ORDEM XIII – FGV – 1ª FASE
Maria, empregada de uma panificadora, adotou uma criança em idade de alfabetização. Quando da adoção, obteve a informação de que faria jus à licença-maternidade, daí decorrente. Em conversa com seu empregador, Maria foi informada que não desfrutava do mencionado benefício. Na dúvida a empregada requereu a licença-maternidade junto ao INSS. Diante do caso apresentado, assinale a afirmativa correta.
A) A duração da licença-maternidade de Maria tem variação de acordo com a idade da criança adotada.
B) Maria não tem direito à licença-maternidade, pois se trata de adoção e a legislação não prevê essa hipótese.
C) Maria tem direito à licença-maternidade de 120 dias, sem prejuízo do emprego e do salário, independentemente da idade da criança adotada.
D) Maria tem direito a duas semanas de licença-maternidade correspondente ao período de adaptação necessário na adoção. 
EXAME DE ORDEM XV – FGV – 2ª FASE
Raquel Infante nasceu em 5 de maio de 1995 e foi admitida na empresa Asa Branca Refinaria S/A em 13 de maio de 2011, lá permanecendo por 4 meses, sendo dispensada em 13 de setembro de 2011. Em razão de direitos a que entende fazer jus e que não foram pagos, Raquel ajuizou reclamação trabalhista em 20 de dezembro de 2013. Em contestação, a empresa suscitou prescrição total (extintiva), pois a ação teria sido ajuizada mais de 2 anos após o rompimento do contrato. 
A respeito do caso apresentado, responda, fundamentadamente, aos itens a seguir. 
A) Analise se ocorreu prescrição total (extintiva) na hipótese, justificando. (Valor: 0,65) 
B) Analise se Raquel poderia ser designada para trabalhar em jornada noturna, justificando. (Valor: 0,60) 
O examinando deve fundamentar suas respostas. A mera citação do dispositivo legal não confere pontuação.
15. FORMAÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO. CAPACIDADE, OBJETO. FORMA. MODALIDADES. PRAZO. 
O contrato de trabalho, como qualquer negócio jurídico, requer, para a sua validade, agente capaz e objeto lícito.
15.1. Agente Capaz: A maioridade ocorre aos 18 anos. Contudo, para fins trabalhistas, tal ocorre aos 16 anos, salvo na condição de aprendiz, que pode ser a partir dos 14 anos (artigo 7º, inciso XXXIII, da Constituição Federal de 1988). O labor em idades inferiores a estas implica é proibido, o que não se confunde com trabalho ilícito. Em nome do princípio da primazia da realidade é possível o reconhecimento de vínculo empregatício na hipótese de trabalho de menor de 16 ou de 14 anos, este último como aprendiz.
Pode o menor de 18 anos firmar recibo de pagamento de salário, mas necessita da assinatura de um responsável quando do pagamento das verbas rescisórias decorrentes da quitação do contrato de trabalho. 
15.2. Objeto: de outra parte, o objeto deve ser lícito. Isto quer dizer que o ordenamento jurídico não dá guarida para o labor em atividades ilícitas como, por exemplo, apontador de jogo de bicho, prostituição, etc. Vejamos o contido da Orientação Jurisprudencial nº 199 da SDI-I do C. TST:
Jogo do bicho. Contrato de trabalho. Nulidade. Objeto ilícito. É nulo o contrato de trabalho celebrado para o desempenho de atividade inerente à prática do jogo do bicho, ante a ilicitude de seu objeto, o que subtrai o requisito de validade para a formação do ato jurídico.
Observação: Também é nula a contratação de servidor público nos moldes da Consolidação das Leis do Trabalho por entes públicos da administração direta, autarquias, fundações públicas, sociedades de economia mista e empresas públicas, sem a observância do requisito do concurso público (artigo 37, inciso II, da Constituição Federal de 1988). Contudo, é devido o salário stricto senso e o FGTS (artigo 19-A da Lei nº 8.036/90), nos termos da Súmula 363 do Tribunal Superior do Trabalho. 
 
15.3. Forma: em regra o contrato de trabalho é celebrado verbalmente. Todavia, em havendo qualquer cláusula especial necessário se faz a celebração por escrito. Exemplo: contrato de experiência.
15.4. Modalidades: pode o contrato ser celebrado de forma tácita ou expressa. A modalidade expressa pode ocorrer de forma verbal ou por escrito. 
15.5. Prazo: em regra o contrato de trabalho é celebrado por prazo indeterminado (princípio da continuidade da relação de emprego na forma da Súmula 212 do TST). 
Contudo, excepcionalmente, pode ser celebrado por prazo determinado, nos moldes do artigo 443, parágrafos 1º e 2º da Consolidação das Leis do Trabalho: a saber: 
a) de serviço cuja natureza ou transitoriedade justifique a predeterminação do prazo;
b) de atividades empresariais de caráter transitório;
c) de contrato de experiência.
Sobre o contrato de experiência veja-se a Súmula 188 do TST:
Súmula 188 – CONTRATO DE TRABALHO – EXPERIÊNCIA – PRORROGAÇÃO.
O contrato de experiência pode ser prorrogado, respeitado o limite máximo de 90 (noventa) dias. 
15.6. Trabalho Escravo.
O trabalho tem sido constatado em muitos lugares no nosso País e vem recebendo repúdio constante dos órgãos de fiscalização do trabalho. 
O legislador constituinte derivado houve por bem aprovar a Emenda Constitucional nº 81 com o seguinte teor:
As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos