A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
49 pág.
Cimento

Pré-visualização | Página 1 de 3

Aula – AGLOMERANTES
Disciplina: MACO
Aglomerante – material em forma de pó, ativo, que misturado com
água forma uma pasta capaz de endurecer por meio de reações 
químicas, aderindo-se aos materiais com os quais se acha envolvido e 
cuja resistência aumenta com o tempo.
Agregado – material granular, inerte, formado por um conjunto de 
grãos de variados tamanhos. Pode ser miúdo (areia) ou graúdo (brita). 
CONCEITOS
• Pasta – material resultante da mistura de aglomerante e água. Tem a
consistência do “creme dental”.
• Nata – é uma pasta onde há excesso de água. Tem a consistência de
“lama”.
• Argamassa – material resultante da mistura de aglomerante, água e
agregado miúdo.
• Concreto – material resultante da mistura de cimento, água,
agregado miúdo e agregado graúdo.
CONCEITOS
O cimento Portland é um pó fino com propriedades aglomerantes,
aglutinantes ou ligantes, que endurece sob ação da água. Depois de
endurecido, mesmo que seja novamente submetido a ação da água, o
cimento Portland não se decompõem mais.
CONCEITOS
Cimento composto basicamente de clinquer e gipsita, onde só
se adiciona calcário cru. Possui pega normal, porém, o
endurecimento é muito rápido devido ao seu maior grau de
moagem
O cimento Portland é o aglomerante artificial obtido da mistura
de clinquer (produto da queima conjunta de calcário e argila)
com gipsita (gesso) e adições minerais.
A matéria-prima utilizada para a produção do cimento consiste
principalmente em calcário, sílica, alumina e óxido de ferro.
COMPOSTOS DO CIMENTO
COMPOSTOS DO CIMENTO
O cálculo da composição potencial do cimento Portland é realizado 
pela composição de Bogue: 
COMPOSTOS DO CIMENTO
COMPOSTOS DO CIMENTO
• CaO – Óxido de cálcio [C] – proveniente
do calcário, é obtido logo na entrada do
forno pela queima do calcário. Reage com
os elementos argilosos e produz os
compostos mais importantes do cimento
relacionados com as propriedades
mecânicas
• SiO2 – Sílica [S] – presente nas argilas, irá
se combinar no interior do forno com o
óxido de cálcio, resultando nos silicatos,
produtos responsáveis pela resistência
química e mecânica do cimento Portland.
• Al2O3 – Alumina [A] – proveniente das
argilas, resultará em aluminatos após
combinados com o óxido de cálcio.
Composto de baixa resistência mecânica
e química, mas que faz iniciar
rapidamente as reações de
endurecimento do cimento (pega).
• Fe2O3 – Sesquióxido de ferro [F] –
proveniente das argilas atuará como
fundente, facilitando as reações químicas
e influenciando também na cor do
cimento.
• K2O; Na2O – Álcalis [K]; [N] – óxidos de
metais alcalinos presentes nas argilas,
atuarão também como fundentes no
interior do forno, contribuindo no
abaixamento do ponto de fusão da
mistura.
• SO3 – Sulfato [S] – proveniente da gipsita,
que será misturada ao clinquer e
controlará a reação de hidratação dos
aluminatos, impedindo a iniciação
imediata das reações quando o cimento
estiver em uso.
Principais óxidos componentes das matérias-primas e suas funções
COMPOSTOS DO CIMENTO
A rapidez com que a resistência mecânica é alcançada, está
relacionado à porcentagem de C2S, e C3S do clinquer, teor de
adições e à finura do cimento.
Quanto mais fino for o grão, maior será o contato com a água,
resultando em reações mais rápidas, endurecimento mais
rápido e liberação mais intensa do calor gerado durante a
hidratação. A finura ainda influencia em uma maior retração
das peças concretadas depois de endurecidas.
Um dos ensaios mais simples para se conhecer a finura de um
cimento é o peneiramento pela peneira n° 200 de abertura de
malha 0,075 mm.
PRODUÇÃO DO CIMENTO
Vídeo fabricação
OBTENÇÃO DO CLÍNQUER
Uma fábrica de cimento é uma instalação industrial de grande porte, localizada
junto às jazidas de calcário e argila. O processo atual de fabricação do cimento é
denominado “via seca”, pois consiste em secar as matérias-primas antes de
colocá-las no forno
A função da moagem é aumentar a área 
específica dos componentes para intensificar 
suas reatividades no interior do forno
temperatura de 900°C, onde logo acontece a 
descarbonatação do calcário, produzindo cal 
virgem.
O clinquer, resultado das transformações químicas ocorridas entre
os elementos do calcário e da argila, sai do forno a uma
temperatura de ± 1000°C. Ele tem a forma de grãos de 2 a 5 cm de
diâmetro, escuro e muito duro. Ao sair do forno a 1000°C, o
clinquer é bruscamente resfriado por um jato de ar gelado,
passando a uma temperatura de ± 250°C
O clinquer resfriado será estocado e estará apto a entrar na última
fase de fabricação do cimento Portland, ou seja, a moagem final
juntamente com a gipsita e as adições.
CLÍNQUER
Gipsita: Participando com teor entre 3 e 5% da massa de
clinquer, tem por objetivo reduzir a ação enérgica do
endurecimento rápido do aluminato tricálcico, proporcionando
um desenvolvimento mais lento das reações químicas de
endurecimento do cimento quando em uso.
Outros produtos são considerados adições ao cimento Portland
por não serem elementos fundamentais, já que muitos estudos
os apontam como materiais que, oportunamente, dão ao
cimento características de melhor aplicação
GIPSITA
Escória básica de alto-forno siderúrgico A escória de alto-forno
siderúrgico é um subproduto da fabricação do aço, resultado
da fusão do minério de ferro com outros ingredientes.
Se a escória for de composição química básica (pH > 7)
adequada e devidamente tratada termicamente pelo brutal
rebaixamento de temperatura, ela apresentará propriedades
aglomerantes latentes. Quando misturada com água, endurece
através de um processo extremamente lento. Porém, se
estimulada pela ação catalisadora do hidróxido de cálcio
produzido na hidratação do clinquer, endurece mais rápido,
produzindo silicatos hidratados de cálcio, os produtos mais
nobres e mais estáveis dos cimentos.
ESCÓRIA
Materiais pozolânicos são materiais compostos por sílica e alumina
que, por si só, possuem pouca ou nenhuma atividade aglomerante,
mas que finamente moídos e na presença de água e de clinquer,
reagem formando compostos que também endurecem e
aglomeram.
Cinzas volantes – cinzas obtidas e coletadas nas chaminés de sinas 
termoelétricas abastecidas por carvão mineral.
− Metacaulim – pozolanas artificiais oriundas da queima entre 500 
e 900°C de argilas cauliníticas.
− Sílica ativa – resíduo da fabricação do ferro silício
MATERIAIS POZOLÂNICOS
Tem-se verificado que, apesar de inerte, o pó de calcário
misturado ao clinquer tem efeito ligeiramente benéfico nas
propriedades do concreto, inclusive na resistência mecânica,
por dispersar mais e melhor os grãos de clinquer, intensificando
sua ação.
PÓ CALCÁRIO
Determinados os materiais que serão adicionados ao
clinquer e seus respectivos teores, toda a mistura segue
finalmente para o moinho de bolas onde será pulverizada a
grãos menores que 75 mm, passando a compor o cimento
Portland.
MOAGEM FINAL
Os diversos tipos de cimento Portland são classificados em três
classes de resistência mecânica (25/32/40), correspondentes às
tensões (em MPa), onde os corpos de prova são rompidos aos 28
dias de idade.
TIPOS DE CIMENTO PORTLAND
Existem no Brasil vários tipos de cimento Portland, diferentes 
entre si, principalmente em fundação de sua composição. Os 
principais tipos oferecidos no mercado, ou seja, os mais 
empregados nas diversas obras de construção civil :
• cimento Portland comum; 
• cimento Portland composto; 
• cimento Portland de alto-forno; 
• cimento Portland pozolânico. 
TIPOS DE CIMENTO PORTLAND
Em menor escala são consumidos, seja pela menor oferta, seja 
pelas características especiais de aplicação os seguintes tipos de 
cimento: 
• cimento Portland de alta resistência inicial;
• cimento Portland resistente aos sulfatos; 
• cimento Portland branco; 
• cimento Portland de baixo calor de hidratação; 
• cimento para poços petrolíferos. 
TIPOS DE CIMENTO PORTLAND
Fonte: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO Portland Guia Básico de 
Utilização do cimento Portland.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.