A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
Português Concurso

Pré-visualização | Página 1 de 3

Resumo Prático 
Português para concurso público 
 
Pronome: é a palavra que substitui ou acompanha o substantivo. 
Pronomes pessoais: Designam as três pessoas do discurso (no singular ou no plural). Caso reto: 
eu, tu, ela, ele, nós, vós, eles, elas. Caso oblíquo: me, te, se, lhe, o, a, nos, vos, se, lhes, os, as, 
mim, comigo, ti, contigo, si, consigo, conosco, convosco. Pronomes de Tratamento: você, o 
senhor, a senhora, vossa senhoria, vossa Excelência etc. O pronome de tratamento leva sempre 
o verbo para a terceira pessoa. Ex: Vossa Excelência concede uma entrevista? 
• Pronomes possessivos- Indicam a posse em relação as pessoas do discurso: meu, minha, 
meus, minhas, nosso, nossa, nossos, nossas, teu, tua, teus, tuas, vosso, vossas, seu, sua, 
seus, suas. 
• Pronomes demonstrativos: Indicam o lugar ou posição dos seres em relação as pessoas 
do discurso: 
• 1º pessoa: este, esta, estes, estas, isto- próximo de quem fala; 
• 2º pessoa: esse, essa, esses, essas, isso- próximo de com quem se fala; 
• 3º pessoa: aquele, aquela, aqueles, aquelas, aquilo. – Próximo das pessoas de que se fala 
o do assunto de que se fala. 
• Pronomes Indefinidos: Referem-se à terceira pessoa do discurso num sentido vago ou 
exprimindo quantidade indeterminada. Ex: algum, nenhum, qualquer, ninguém, onde etc. 
• Pronomes relativos: Representam numa oração os nomes mencionados na oração 
anterior. São pronomes relativos: que, quem, quanto (s), quanta (s), cujo (s), cuja (s), o 
qual, a qual, os quais, as quais. 
• Pronomes interrogativos: São empregados na formulação de perguntas. Ex: quem, qual, 
quanto, quando. 
Advérbio: é a palavra invariável que modifica o sentido de um verbo, de um adjetivo ou de outro 
advérbio. Indica circunstancias de: 
• Tempo: ontem, hoje, amanhã, já, cedo, tarde, antigamente etc. 
• Lugar: aqui, ali, acolá, ali, lá, perto, longe, acima, abaixo, dentro, fora, etc. 
• Modo: depressa, devagar, bem, mal, calmamente, alegremente, etc. 
• Intensidade: muito, menos, pouco, mais, bastante, etc. 
• Negação: não absolutamente etc. 
• Dúvida: talvez, provavelmente, possibilidade etc. 
• Afirmação: sim, certamente, realmente etc. 
Preposição: é uma palavra invariável que liga um termo dependente a um termo principal, 
estabelecendo uma relação entre eles. 
São preposições essenciais aquelas que sempre exercem a função de preposição. Ex: a, 
ante, após, até, com, contra, de, des-de, em, entre, para, perante, por, sem. 
Preposições acidentais são aquelas que pertencem a outras classes de palavras e que 
podem acabar exercendo essa função em determinados contextos. Ex: afora, como, 
conforme, durante, exceto, feito, fora, mediante, sal-vo, segundo, visto etc. 
Conjunção: é a palavra invariável que liga duas palavras com o mesmo valor em uma oração 
ou duas orações entre si. 
Coordenativas 
• Aditivas: e, nem, não, só, mas também, senão, também, como, também, bem como. 
• Adversativas: mas, porém, todavia, contudo, no entanto, entretanto, não obstante. 
• Alternativas: ou, ou...ou, oura....ora, quer...quer, seja...seja. 
• Conclusivas: logo, portanto, pois, por conseguinte, por isso. 
• Explicativas: porquanto, pois. 
Subordinativas 
• Causais: pois, que, como, porque, visto que, já que, uma vez que, desde que etc. 
• Temporais: quando, enquanto, depois que sempre que, etc. 
• Finais: que, para que, a fim de que, etc. 
• Condicionais: se, salvo se, a não ser, contanto que, desde que etc. 
• Concessiva: embora, ainda que, se bem que, mesmo que, mesmo quando posto 
que, por mais que etc. 
• Consecutivas: de tal modo que, tanto que. 
• Comparativas: como, tanto como, assim como, bem como, etc. 
• Integrantes: que, se etc. 
Interjeição: é a palavra invariável que traduz emoção, sensação e estado de espirito do momento. 
Por conta da experiencia autônoma, assume o valor da palavra- frase. São classificadas por conta 
das ideias que exprimem. Exemplos: 
• Advertência: cuidado, fogo, alerta! atenção! 
• Admiração: puxa! Nossa!, uau! Céus! 
Verbo: é a palavra variável que exprime estado, ação ou qualidade, sofrendo flexões de número, 
pessoa, tempo e modo. A flexão de número expressa o singular e o plural. A flexão de pessoa 
remete às pessoas do discurso: 1º, 2º e 3º. A flexão de modo refere-se ao modo como o fato ocorre: 
indicativo, subjuntivo e imperativo. A flexão de tempo indica o momento de realização do fato: 
presente, pretérito e futuro. As vozes verbais indicam a ação em relação ao sujeito: ativa, passiva 
e reflexiva. Há três formas nominais: infinitivo, gerúndio e particípio. Quanto à conjunção, os 
verbos podem ser regulares, aqueles que seguem o paradigma da conjugação, os irregulares, 
aqueles que se afastam do modelo de conjugação; os anômalos, aqueles que apresentam radicais 
distintos, desfechos, aqueles que não tem conjugação completa. 
SINTAXE 
VERBOS DE LIGAÇÃO 
São aqueles que indicam estado. O nome advém do fato de eles ligarem o sujeito da oração ao 
predicativo do sujeito (estado, característica, aspecto). Vale frisar que, por indicarem estado, os 
verbos de ligação são chamados por alguns de verbos. não-significativos 
IMPORTANTE!! 
• Há um valor semântico nos verbos de ligação sempre atrelado ao estado. Em si, eles não 
trazem uma ação, entretanto, em relação ao predicativo, indicam um estado permanente, 
transitório, uma mudança de estado, uma permanência de estado. Observe: 
• As alunas estão nervosas. (estado transitório) 
• As alunas são nervosas (estado permanente) 
• Os empresários mais jovens ficaram entusiasmados. (mudança de estado) 
• Os empresários pareciam entusiasmados. (estado aparente) 
Todos os exemplos evidenciam a mesma estrutura sintática formada por sujeito + verbo de 
ligação + predicativo do sujeito. Isso é importante enfatizar: a função do verbo de ligação é criar 
uma ponte entre o sujeito e o predicativo do sujeito, ou seja, se uma sentença não possuir 
predicativo do sujeito, um verbo nunca poderá ser considerado de ligação. 
SUJEITO E PREDICADO 
O sujeito e o predicado são considerados termos essenciais da oração, ou seja, sujeito e predicado 
são termos indispensáveis para a formação das orações. No entanto existem orações formadas 
exclusivamente pelo predicado. 
O sujeito é o termo que estabelece concordância com o verbo. 
1. “Minha primeira lágrima caiu dentro dos teus olhos.”; 
2. “Minhas primeiras lágrimas caíram dentro dos teus olhos”. 
 
Na primeira frase, o sujeito é minha primeira lágrima. Minha e primeira referem-se ao conceito 
básico expresso em lágrima. Lágrima é, pois, a principal palavra do sujeito, sendo, por isso, 
denominada núcleo do sujeito. O núcleo do sujeito não aparece preposicionado e se relaciona com 
o verbo, estabelecendo a concordância. 
A função do sujeito é basicamente desempenhada por substantivos, o que a torna uma função 
substantiva da oração. Pronomes substantivos, numerais e quaisquer outras palavras 
substantivadas (derivação imprópria) também podem exercer a função de sujeito. 
O sujeito pode ser determinado ou indeterminado. O indeterminado surge quando não se quer ou 
não se pode identificar claramente a quem o predicado da sentença se refere. 
Na Língua Portuguesa, o sujeito pode ser indeterminado de duas maneiras: 
com verbo na terceira pessoa do plural, desde que o sujeito não tenha sido identificado 
anteriormente: 
Na Língua Portuguesa, o sujeito pode ser indeterminado de duas maneiras: 
com verbo na terceira pessoa do plural, desde que o sujeito não tenha sido identificado 
anteriormente: 
• Bateram à porta; 
• Andam espalhando boatos a respeito da queda do ministro. 
com o verbo na terceira pessoa do singular, acrescido do pronome SE, chamado de ÍNDICE DE 
INDETERMINAÇÃO DO SUJEITO, ligado a verbos transitivos indiretos, intransitivos ou 
de ligação: 
1. Precisa-se de mentes criativas; 
2. Vivia-se bem naqueles tempos; 
3. Trata-se de casos delicados;

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.