A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Neoplasias do TGI

Pré-visualização | Página 1 de 1

Neoplasia de trato gastrointestinal
Marina Farias Marcilio
Mais prevalente em homens.
Faixa etária: 5° a 6° década.
Subtipos:
Metástases: fígado e pulmão.
Câncer de esôfago:
CEC: A maioria se desenvolve no terço médio. Fatores de risco: álcool e tabagismo. 
Adenocarcinoma: se desenvolve principalmente na parte inferior do esôfago. Nesse tipo, 95% são
associados ao esôfago de Barrett. Além do refluxo, também pode estar associado com a obesidade e o
tabagismo.
Massa polipóide Lesão infiltrativaExofitico (é um tipo de polipóide)
Adenocarcinoma
CEC: células com citoplasma mais clara e presença
de ceratinização concêntrica (pérola córnea)
Também pode ser chamado de epidermóide/células escamosas
Classificação: bem ou pouco diferenciado.
Tipos: verrucoso, células fusiformes, basalóide.
< 1% Câncer gástrico precoce:
Invade apenas mucosa e
submucosa (curável com
ressecção).
Câncer gástrico avançado:
Classificação de Borrmann
Classificação de Borrmann:
Elevada e polipóide
Ulcerada com margens definidas
Ulcerada e parcialmente infiltrativa
com bordas irregulares
Difusamente infiltrativa
Formação de glandulas
Anel de sinete
Linite plástica: aparência de cantil de couro
Ocorre mais em porções distais
Ocorre mais em porções proximais
Necessidade de imunohistoquímica para
diferenciar leiomiossarcoma de GIST
Tipo difuso
Aumento mostrando células em anel de sinete
inseridas em lagos de muco
Neoplasia mesenquimal maligna:
células fusiformes (alongadas)
Pico de incidência: 60 anos.
Os sintomas dependem da localização.
A região mais acometida é o estomago.
Tem pior prognóstico quando ocorre no
intestino delgado.
Pode ocorrer em locais fora do TGI, como
mesentério, omento e retroperitonio.
Não costuma dar metástasees para
linfonodos. 
GIST:
3° câncer mais comum em homens e 2° mais comum em mulheres. 
Podem evoluir a partir de lesões polipoides - Preditores de malignidade: tamanho, tipo histológico
e displasia. 
Câncer de cólon:
Mucosa normal
Adenoma viloso: mais de 80% de
vilosidades
Adenoma túbulo-viloso: entre 20 e
80% de vilosidades
Adenoma tubular: menos de 20% de
vilosidades (dedos de luva)
Classificação segundo a arquitetura:
Padrão viloso - "dedos de luva" Tubular - o núcleo aparenta estar
olhando em direção ao lúmen
São grandes (até
10cm), menos
comuns que o tipo
tubular e com pior
prognóstico
Mais comum entre os
pólipos adenomatosos
(75%)
Pólipo de glândulas fúndicas: lesão benigna que surge no fundo
do estômago. Algumas vezes, pode estar associado com a PAF
A síndrome de Lynch ocorre por mutações nos genes, de reparo de DNA, MMR/Mismatch Repair
Genes (principalmente MLH1 - 3p, MSH2 - 2p), levando a erros na replicação do DNA.
É uma doença de caráter autossômico dominante, com desenvolvimento de CA, geralmente, em
volta dos 50 anos de idade.
Apresenta tumores predominantemente do lado direito.
A síndrome de Lynch está associada com CA endometrial, CA de ovário, CA do TGI superior, CA de
células da pelve/ureter. 
Fatores de suspeita dessa síndrome e necessidade de realização do teste genético:
Síndrome de Lynch:

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.