A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Impostos

Pré-visualização | Página 2 de 3

no Lucro Real, a CSLL deve ser calculada com base no lucro 
líquido. 
Alíquotas: As alíquotas aplicáveis da CSLL são: (a) 9% como regra geral; (b) 
15% no caso de pessoas jurídicas de seguros privados e de capitalização, 
distribuidoras de valores mobiliários, corretoras de câmbio e de valores 
mobiliários, sociedades de crédito, financiamento e investimentos, sociedades 
de crédito imobiliário. 
Sujeito Ativo INSS: Aquele que recebe o crédito corresponde à União, ao 
Estado, Município e ao DF. 
Sujeito Passivo INSS: Corresponde a empresa. 
Fato Gerador: O fato gerador das contribuições previdenciárias consiste na 
prestação remunerada de serviços, com ou sem vínculo de emprego, e em 
algumas situações, no recebimento de receita ou faturamento. 
Base de Cálculo: No cálculo considera-se como base o salário de contribuição 
do trabalhador. Este valor inclui o salário bruto, o valor registrado em carteira, e 
outros proventos tributáveis, como horas extras e adicionais. 
Alíquotas: 7,5% para quem ganha um salário mínimo (R$ 1.212) 9% para 
quem ganha entre R$ 1.212,01 e R$ 2.427,35. 12% para quem ganha entre R$ 
2.427,36 e R$ 3.641,03. 14% para quem ganha entre R$ 3.641,04 e R$ 
7.087,22. 
 
• Impostos Estaduais: os impostos estaduais são destinados a manutenção 
da administração do Governo Estadual, bem como a financiamento de 
serviços públicos do estado e investimentos em infraestrutura a nível 
estadual (escolas e faculdades estaduais, rodovias estaduais, etc.) São 
responsáveis por cerca de 28% (vinte e oito por cento) da arrecadação 
total. 
São eles: 
• ICMS: Impostos sobre circulação de mercadorias e serviços. 
• IPVA: Imposto sobre a propriedade de motores automotores. 
• ITCMD: Imposto de transmissão causa mortis e doação. 
Sujeito Ativo ICMS: É o ente da Federação credor da Obrigação Tributária. 
Sujeito Passivo ICMS: É a pessoa obrigada ao pagamento da Obrigação 
Tributária, isto é o devedor da obrigação. 
Fato Gerador: É o momento da saída da mercadoria da empresa ou o 
início da prestação do serviço. 
Base de Cálculo: A base de cálculo do ICMS é o montante da operação, 
incluindo o frete e despesas acessórias cobradas do 
adquirente/consumidor. Sobre a respectiva base de cálculo se aplicará a 
alíquota do ICMS respectiva. 
Alíquota: A alíquota geral do ICMS varia de 17% a 18% nas operações 
internas, conforme definição estadual. 
Sujeito Ativo IPVA: Sujeito ativo do IPVA é o Estado (ou Distrito Federal) 
indicado pelo critério espacial que designa o local jurídico de realização do 
fato gerador. 
Sujeito Passivo IPVA: Sujeito passivo é o contribuinte do IPVA, ou seja, as 
pessoas físicas ou jurídicas proprietárias de veículo automotor, presumindo-
se a propriedade no caso daquele cujo nome o veículo está licenciado na 
repartição competente 
Fato Gerador: O fato gerador do IPVA é a propriedade de veículo 
automotor de qualquer espécie. Veículo automotor significa veículo 
autopropulsionado, ou seja, aquele que se locomove com seus próprios 
meios, o que envolve as aeronaves e as embarcações marítimas, além dos 
veículos terrestres. 
Base de Cálculo: A base de cálculo é o valor venal do veículo. 
Alíquota: A alíquota do IPVA é um valor percentual, que pode ser diferente 
de acordo com cada estado e costuma variar de 1% a 4%. 
Sujeito Ativo ITCMD: O sujeito ativo é o Estado ou o Distrito Federal, 
autoridade competente para instituir o imposto. No caso da transmissão 
causa mortis, o contribuinte é o herdeiro ou o legatário (art. 7º, inciso I, da 
Lei nº 10.705/2000); no caso de doação, a lei pode optar entre o doador ou 
o donatário. 
Sujeito Passivo ITCMD: Os sujeitos passivos do ITCMD são: os herdeiros 
ou legatários (nas transmissões causa mortis e quaisquer das partes 
adstritas à doação (doação ou donatário), na forma da lei. Ao legislador 
estadual é concedida a faculdade de eleger o responsável tributário. 
Fato Gerador: O fato gerador é a transmissão causa mortis de imóveis e a 
doação de quaisquer bens ou direitos, conforme Constituição Federal - 
artigo 155, I e § 1º; CTN: artigos 35 a 42. 
Base de Cálculo: A base de cálculo do ITCMD está definida na Lei 
10.705/2000 como o valor venal dos bens, assim entendido como o valor de 
mercado. O valor venal do imóvel é aquele pelo qual ele será transacionado 
em uma situação de compra e venda no mercado 
Alíquota: A Constituição Federal impõe ao Senado a competência para 
fixar as alíquotas máximas do ITCMD. Nesse sentido, a Resolução nº 
9/1992, do Senado, fixa em 8% a alíquota máxima do imposto, 
possibilitando que se tenha alíquotas progressivas, em função do quinhão 
que cada herdeiro vier efetivamente a receber. 
• Impostos Municipais: são de ordem do município e destinados a 
manutenção da administração pública local, serviços, investimentos e 
manutenções locais. São destinados para escolas municipais, unidades 
de pronto atendimento, etc. São responsáveis por cerca de 5,5% (cinco 
e meio por cento) da arrecadação total do país. 
• IPTU: Imposto sobre propriedade territorial urbana 
• ISS: Imposto sobre serviços 
• ITBI: Imposto de transmissão de bens imóveis 
Sujeito Ativo IPTU : Os municípios e o DF são competentes para instituir e 
cobrar o IPTU. O município onde o imóvel está localizado, dentro sua zona 
urbana, é competente a instituir e cobrar o IPTU referente a este imóvel. 
Sujeito passivo IPTU: Art. 34 do CTN atribui a condição de sujeito passivo 
do IPTU ao proprietário, ao titular do domínio útil ou ao possuidor do imóvel 
a qualquer título, de modo que cabe, ao município, optar entre o titular do 
domínio (nome constante do Registro de Imóveis) e o efetivo possuidor do 
bem, para fins de lançamento do tributo. 
Fato Gerador: O fato gerador do IPTU consiste na propriedade, no domínio 
útil ou na posse de bem imóvel localizado em zona urbana municipal. A 
definição da zona urbana se dá em lei municipal. 
Base de Cálculo: A base de cálculo do IPTU é o valor venal do imóvel, 
pela legislação, o valor venal é o valor pelo qual o bem é comercializado, 
com pagamento à vista em condições normais de mercado. 
Alíquota: A alíquota varia de um Município para outro, sendo admissível 
sua progressividade após a edição da Emenda Constitucional 29/2000. O § 
1 do artigo 7º do Estatuto das Cidades (Lei 10.257/2001) estipula que 
a alíquota máxima a ser aplicada para cobrança do IPTU progressivo no 
tempo é de 15%. 
Sujeito Ativo ISS: Sujeito Ativo do ISS, ou seja, a entidade tributante que 
tem competência para exigi-lo é o município do local do estabelecimento 
prestador dos serviços, exceto no caso de serviços de construção civil, em 
que o sujeito ativo será o município do local da obra. 
Sujeito Passivo ISS: O Contribuinte do imposto (sujeito passivo) é o 
prestador do serviço, de acordo com o artigo 5º da Lei 13.701/2003. 
Fato Gerador: O fato gerador do Imposto sobre Serviços é a prestação por 
pessoa física ou jurídica, com ou sem estabelecimento fixo, de serviço não 
compreendido na competência da União ou dos Estados e, 
especificamente, a prestação dos serviços constantes da relação do artigo 
1º da Lei 13.701/2003. 
Base de Cálculo: A base de cálculo do ISS é o preço do serviço, que 
corresponde à receita bruta com ele obtida, sem nenhuma dedução, 
excetuados os descontos ou abatimentos concedidos independentemente 
de qualquer condição (artigo 17 do Decreto 53.151/2012) 
Alíquota: A alíquota do ISS é estabelecida pelo município e pode variar de 
2% a 5%, dependendo do enquadramento da empresa e do tipo de serviço 
prestado. Além disto, podem variar, dependendo do município em que 
ocorre o fato gerador. 
Sujeito Ativo ITBI: O sujeito ativo do ITBI é o município, conforme previsto 
no caput do artigo 156 do CTN. 
Sujeito Passivo ITBI:O sujeito passivo será instituído através de lei, isto é, 
a lei elege qual das partes será o sujeito passivo, segundo artigo 42 do 
CTN. Art. 42. 
Fato Gerador: Fato gerador do ITBI é a efetiva transferência da 
propriedade