A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Estudo Dirigido - Odontologia - Atenção à pacientes com necessidades especiais

Pré-visualização | Página 1 de 2

Estudo Dirigido
Clínica Integrada com Atenção à pacientes com necessidades especiais
10º período – Odontologia – Faculdade Pitágoras
1. O que caracteriza o distúrbio metabólico da Diabetes e quais os seus tipos?
A falta da insulina ou a incapacidade da insulina exercer de forma adequada os efeitos no corpo. A insulina é produzida no pâncreas e responsável pela manutenção do metabolismo da glicose. A falta desse hormônio provoca dificuldade na metabolização da glicose e devido a isso, diabetes, são as altas taxas de açúcar no sangue de forma permanente.
Diabetes tipo 1 - resultante da pouca ou nenhuma produção de insulina, causada pela destruição autoimune das células beta do pâncreas, que produzem esse hormônio. A instalação da doença geralmente ocorre na infância e em adultos jovens. Os pacientes portadores de DM tipo 1 precisam receber injeções diárias de insulina exógena e são, portanto, insulinodependentes. Aproximadamente 5% dos casos de DM são do tipo 1.
Diabetes tipo 2 - ocorre a diminuição da produção de insulina e/ou uma resistência dos tecidos do corpo à ação da insulina. Em geral, o DM tipo 2 acomete pessoas após os 40 anos de idade, e os indivíduos podem não ser insulinodependentes, necessitando apenas de um controle rigoroso da dieta e/ou uso de medicamentos ministrados por via oral. Aproximadamente 90 por cento dos casos de DM são do tipo 2.
Diabetes gestacional - doença metabólica transitória, causada por alterações na ação da insulina provocadas por hormônios liberados durante a gravidez.
2. O que é a Cetoacidose diabética?
Complicação da DM, a glicemia aumenta significativamente. Quando o nível de glicose no sangue fica alto por longos períodos, pode haver danos em órgãos, nervos, vasos sanguíneos e levar até a um quadro de cetoacidose diabética.
 
3. Quais valores de glicemia determinam um quadro de hiper e hipoglicemia respectivamente?
Hiperglicemia superior a 175mg/dL
Hipoglicemia menor que 70mg/dL
4. O que é Endocardite Infecciosa, quais os seus sintomas e como preveni-la antes de um procedimento odontológico em pacientes com válvulas cardíacas?
A EI é uma infecção severa das valvas cardíacas ou na superfície do endocárdio, provoca inflamação na membrana que reveste a parede interna do coração e as válvulas cardíacas. 
Os sinais e os sintomas da EI incluem febre, calafrios, suor noturno, fraqueza, perda de apetite com perda de peso e insuficiência cardíaca. 
Realizar um questionário de saúde minucioso, e quando relatada uma cardiopatia, a história médica pregressa deve ser detalhada.
Pedido de parecer médico esclarecendo fatores relacionados a saúde geral
Avaliar os sinais vitais, antes e após os procedimentos, em todas as consultas, registrando-os no prontuário odontológico;
Para pacientes com problemas cardíacos moderados ou graves, o uso do oxímetro durante todo o procedimento odontológico é importante para verificar batimentos cardíacos e oxigenação;
Planejar o tratamento odontológico de forma a evitar repercussões infecciosas, hemodinâmicas, arrítmicas e interações medicamentosas;
Utilizar, para minimizar o estresse, anestesia local potente e analgesia pós-operatória;
Aplicar a profilaxia antibiótica para “todos os procedimentos odontológicos que envolvam manipulação dos tecidos gengivais ou a região periapical dos dentes ou perfuração da mucosa oral”;
5. Por quê a gengivite gravídica é uma condição relativamente comum em gestantes?
Má higienização bucal, alterações hormonais, mudança de hábitos alimentares 
Acontece devido ao hormônio progesterona presente nesse período e que pode contribuir com o aumento do fluxo sanguíneo nos tecidos gengivais.
6. O que é a hipotensão postural e como preveni-la?
Também chamada de hipotensão postural, é definida como uma queda
brusca da PA, que ocorre quando o paciente estando deitado, posiciona-se
rapidamente em pé, podendo ocasionar uma síncope, pois a ação gravitacional faz com que o sangue venoso fique represado nas pernas, impedindo o retorno ao coração, e reduzindo a PA. Pode ocorrer secundária a várias causas, como o uso abusivo de diuréticos, ou outras drogas que podem interferir nos reflexos do Sistema Nervoso Autônomo (SNA), diminuindo a PA em posição ortostática
A prevenção consiste basicamente na análise da história médica e condição
física do paciente, obtendo a PA e FC (Frequência Cardíaca) em posição supina e em pé, a fim de analisar a possibilidade de ocorrência dessa situação e adotar medidas para evitá-la. Durante a realização de tratamento em pacientes de risco ou procedimentos demorados, deve-se adotar como medida preventiva a mudança de posição do paciente na cadeira de forma lenta e gradual.
7. O que significa o termo “teratogênico” a que se refere alguns medicamentos?
Teratologia é um termo que se refere ao ramo da ciência médica preocupado com o estudo da contribuição ambiental ao desenvolvimento pré-natal alterado  
Smithells RW 1980. The challenges of teratology. Teratology 22: 77-85. 
Um agente teratogênico é definido como qualquer substância, organismo, agente físico ou estado de deficiência que, estando presente durante a vida embrionária ou fetal, produz uma alteração na estrutura ou função da descendência
Dicke JM 1989. Teratology: principles and practice. Medical Clinics of North America 73:567-582.  
8. Quais são os sinais e sintomas da anemia?
• Apatia
• Dificuldade de concentração
• Dores de cabeça
• Indisposição frequente
• Palidez
• Pressão alta
• Sensação de cansaço generalizado
• Taquicardia
• Tonturas
9. O que devemos considerar no hemograma de um paciente anêmico para classificá-lo de baixo ou alto risco durante o atendimento odontológico?
Avaliar o risco do tratamento para o paciente 
Baixo risco: assintomáticos, com anemia isolada ou desencadeada por doença sistêmica crônica e hematócrito estável superior a 30% 
Alto risco: hematócrito inferior a 30 %; quadros de sangramento; necessidade de transfusões sanguíneas frequentes; ou anemias associadas à coagulopatias e doenças coronarianas
10. Quais as principais manifestações orais em pacientes com insuficiência renal crônica? 
Os pacientes com IRC apresentam Halitose, Estomatite urêmica, Sangramento gengival, Palidez da mucosa, Xerostomia.
11. Qual o principal cuidado que o cirurgião dentista deve ter ao agendar um paciente sob tratamento para insuficiência renal crônica?
Certificar-se do controle das alterações metabólicas do paciente com IRC antes de efetuar o plano de tratamento, sendo o contato com o médico essencial para este monitoramento.
12. Quais as principais alterações orais e cuidados durante o atendimento odontológico do paciente com Síndrome de Down?
Os dentes destes pacientes apresentam mineralização completa e, apesar de manter certa similaridade na sequência, apresentam variação no padrão de erupção. Respirador bucal, podendo conduzir à protrusão e abertura bucal como mecanismos compensatórios e gerar má oclusão A macroglossia e hipotonicidade da língua têm como consequência irritação e fissuras no canto da boca (queilite angular) Presença de agenesia, microdontia e anormalidades nas formas dos dentes.
Realizar um questionário de saúde minucioso, posteriormente assinado por um responsável pelo paciente; Usar técnicas no atendimento dos pacientes com SD semelhantes às utilizadas em Odontopediatria, como: reforço positivo, técnica do dizer-mostrar-fazer, verbalização contínua, imitação; Observar também variações de temperatura, sudorese, atentando-se para apnéias e paradas respiratórias;
Falar aos pais do atraso da erupção de dentes nestes pacientes; Fazer abordagem das maloclusões e estímulo fonoaudiológico precoce, com exercícios de fisioterapia e terapia ocupacional, para facilitar o crescimento e desenvolvimento psicomotor; Ter cautela ao manipulá-los devido à instabilidade da articulação atlantoaxial na coluna cervical, evitando hiperextensão afim de não traumatizar a medula e/ou nervos periféricos
13. Qual a lesão maligna mais prevalente na cavidade oral e quais suas principais características