zoom design, teoria e prática raquel
101 pág.

zoom design, teoria e prática raquel


DisciplinaProgramação Visual e Produção Gráfica3 materiais48 seguidores
Pré-visualização29 páginas
DESIGN, TEORIA E PRÁTICA
Raquel Rebouças A. Nicolau
ORGANIZADORA
DesIGN, teORIA e PRátIcA
Raquel Rebouças A. Nicolau
ORGANIZADORA
João Pessoa
Paraíba
2013
 
Z83 Zoom: design, teoria e prática / Raquel Rebouças A. 
Nicolau (Orgs.). - João Pessoa: Ideia, 2013. 
201p.:il.
ISBN 978-85-7539-784-8
 I. Design - teoria e prática
 CDU: 7.05
EDITORA
www.ideiaeditora.com.br
Feito o Depósito Legal
Impresso no Brasil
Capa e Projeto Gráfico:
Hossein Albert Cortez de Oliveira
Equipe de Diagramação:
Affonso Wallace Soares Lopes
Ayrla de Farias e Melo
Danielle Araújo Silva Trinta
João Fellipe Guimarães da Silva
Niandson Leocádio da Silva
Sarah da Nóbrega Lins
Coordenação Editorial:
Raquel Rebouças Almeida Nicolau
Assistente Editorial:
Hossein Albert Cortez de Oliveira
Equipe de Revisão:
Amanda Vilar de Carvalho
Ana Carolina dos Santos Machado
Anália Adriana da Silva Ferreira
Fabrício Vieira de Oliveira
Raquel Rebouças Almeida Nicolau
Vítor Feitosa Nicolau
Organizadora:
Raquel Rebouças Almeida Nicolau
| D
es
ign
 e 
Inf
or
ma
çã
o -
18
8
| De
sig
n S
oci
al -
 17
6
 Design de
 Serviç
os - 1
64 |
| D
esi
gn
 Su
ste
nt
áv
el 
- 1
52
| De
sign
 e G
est
ão 
- 13
8
Design e Bran
ding - 1
20 | 
| De
sign
 de
 Ex
per
iên
cia
 - 1
02| D
esi
gn
 de
 In
te
ra
çã
o -
 90
Design e
 Game
s - 7
8 |
| D
es
ign
 e 
An
im
aç
ão
 - 5
6
Design d
e Supe
rfície
 - 44
 |
| Des
ign e
 Em
bal
age
m -
 30
| De
sig
n E
dit
or
ial
 - 2
0
Design, T
eoria
 e Pr
átic
a - 
08
 | 
sumáRIO
Raquel Rebouças A. Nicolau
Mestre em Design
Vítor Feitosa Nicolau
Mestre em Comunicação
DesIGN, teORIA 
e PRátIcA
flu
id
ez
 
 
en
foq
ue 
 projeto
cr
íti
ca
 
 
 contexto
co
m
pl
ex
id
ad
e 
 
 zoom
pl
ur
al
id
ad
e 
 
 reflexão
ap
ro
fun
dam
ento
D
e
si
gn
, T
e
o
ri
a 
e
 P
rá
ti
ca
1
1
A atividade do Design, essencialmente relacionada ao ato de projetar, não 
pode ser pensada como uma área estática, com fronteiras definidas. Ela se 
configura a cada nova necessidade profissional e social. Design e Gestão, 
Design e Experiência, Design e Interação - é o Design voltado ao contexto 
e às necessidades em que está inserido. Nesta aproximação, são absorvidas 
novidades e fornecidos subsídios para otimizar a profissão e as áreas com que 
pode ser associado o design. 
O uso plural da expressão \u2018Design\u2019 tem como possível causa a capacidade 
de integração do conhecimento de diversas disciplinas e áreas de estudo, na 
reflexão a respeito da tríade de produção, ambiente e consumo.
Algumas áreas de estudo, que 
eram sustentadas pelo ideal de 
um cenário estático, entraram em 
conflito com a realidade do cenário 
fluido atual, que se apresenta 
repleto de mudanças e códigos 
passíveis de interpretações. 
Krucken (2008) afirma que o 
principal desafio do Design no 
mundo contemporâneo está no 
desenvolvimento de soluções para 
questões complexas, que exigem 
uma visão ampliada do projeto, 
envolvendo produtos, serviços e 
comunicação, de forma conjunta 
e sustentável. Neste contexto, 
a riqueza interpretativa, a visão 
abrangente e o desenvolvimento 
de ações transversais são 
essenciais para os designers.
O Design é utilizado para informar, 
identificar, sinalizar, estimular, 
persuadir, conscientizar. Os meios 
para esses objetivos são variados 
e torna-se cada vez mais difícil 
delimitá-los diante da infinidade 
de substratos de atuação, os quais 
têm se tornado cada vez mais 
complexos e interdisciplinares. Sob 
essa perspectiva, a atuação dos 
designers supõe uma transformação 
contínua na elaboração do próprio 
conhecimento. 
\u201cO designer tornou-se um operador-chave no mundo da produção e do consumo, cujo 
saber empregado é tipicamente multidisciplinar pelo seu modo de raciocinar sobre 
o próprio produto, por estar no centro da relação entre consumo e produção, pela 
necessidade de entender as preferências e as dinâmicas da rede de valor e, sobretudo, 
por que as suas ações devem conseguir modificar ou conferir novos valores aos 
produtos através de suas intervenções projetuais. Os designers, de igual forma, 
tendem a promover a síntese dos conceitos teóricos e transferi-los como resposta 
formal de satisfação, desejo ou necessidade\u201d (CELASCHI apud MORAES 2008, p 13)
D
e
si
gn
, T
e
o
ri
a 
e
 P
rá
ti
ca
1
2
A prática e o estudo do design 
têm como função refletir sobre a 
cultura na qual participamos. Essa 
reflexão resulta em diferentes 
olhares que se adequam ao contexto 
histórico e social vivenciados. É 
difícil observar as vertentes do 
design de forma singular, tal atitude 
resultaria em uma visão distorcida e 
equivocada. As áreas e sinuosidades 
do design devem ser avaliadas em 
conjunto, de forma integrada e 
orgânica. O design precisa investir 
prioritariamente na atividade de 
projeto, onde deve estar seu olhar 
central, não se podendo privilegiar 
apenas o discurso do campo de 
atuação. 
O presente projeto foi idealizado 
em parceria com alunos do 
curso Superior Tecnológico de 
Design Gráfico, do IFPB, Campus 
Cabedelo-PB. A elaboração deste 
estudo busca refletir sobre o Design 
e apresentar áreas de atuação e 
pesquisa a ele relacionadas. Na 
busca de incentivar a reflexão dos 
discentes sobre a abrangência 
das escolhas profissionais em 
que podem se aprofundar, surge 
um material de apoio a alunos e 
profissionais que estão no mesmo 
caminho ou que buscam uma leitura 
indicativa de referências a respeito 
de diferentes enfoques das áreas 
do Design. Não é necessário uma 
linearidade na leitura, a sequência 
pode ser guiada pelos links entre os 
capítulos ou de acordo com as áreas 
de interesse do leitor.
Os termos apresentados nos 
títulos dos capítulos não tratam de 
novas denominações do design, e 
sim de associações úteis à prática 
Cabe ao designer intervir na realidade com atos projetuais, superando 
as dificuldades e não se contentando apenas com uma postura crítica 
frente à realidade e persistindo nessa posição. Afinal, projetar, 
introduzindo as mudanças necessárias, significar ter a predisposição de 
mudar a realidade sem se distanciar dela. (BONSIEPE, 2011, p. 37)
profissional e à pesquisa. O conceito 
de design se expandiu e se libertou 
de algumas regras que o limitavam. 
Essa nova configuração apresenta 
um crescimento da popularidade 
do termo, junto com a necessidade 
de rever os limites deste, a fim de 
reposicionar a profissão e o campo 
de pesquisa.
A ideia do nome \u2018Zoom\u2019 para 
esta publicação surgiu como 
um convite a observar o 
design \u2018mais de perto\u2019, a um 
percurso que leve além das 
fronteiras desse material, como 
sugestão de aprofundamento. 
Zoom remete a foco, ao 
posicionamento do olhar para 
Pixelmator - Projeto Vencedor da 
Apple Design Awards 2011 
< http://www.pixelmator.com/> 
\u201cA tecnologia digital levará a 
profundas mudanças nas tradições 
epistemológicas e criará um novo 
papel para o design visual.(...) Ao giro 
icônico das ciências corresponderia 
o giro cognitivo nas disciplinas 
projetuais. (...) Seria necessário fazer 
uma completa revisão dos currículos 
escolares, privilegiando esses novos 
discursos em substituição aos 
discursos tradicionais.\u201d
Júnior
Júnior fez um comentário
Massa!
2 aprovações
Carregar mais