A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Questoes GAG 106 AULA 11 e 12

Pré-visualização | Página 1 de 1

AULA 11 e 12 MÉTODOS DE MELHORAMENTO DE PLANTAS 
 
1. Após obter as médias dos híbridos duplos possíveis o melhorista sintetizou os melhores e 
avaliou em experimentos com repetições. De posse dos resultados ele verificou que houve 
diferença dos dados experimentais quando comparados com as estimativas obtidas. Quais as 
justificativas para esta diferença? 
R: Por que embora os híbridos sejam mais estáveis, essa diferença pode ter ocorrido em 
função da interação genótipo vs ambiente, o que afetou a performance destes híbridos. 
 
2. Por que a interação genótipos x ambientes é um componente importante nos programas de 
melhoramento? 
 R: Por que na maioria das vezes a interação genótipo vs ambiente que ocorre é a interação 
do tipo complexa, o que faz necessário que os programas de melhoramento sejam 
regionalizados, onde as cultivares desenvolvidas são recomendadas para as regiões onde 
foram desenvolvidas. Quando não ocorre interação ou ela é do tipo simples, as cultivares 
desenvolvidas podem ser recomendadas para outras regiões que não seja aquela em que a 
cultivar foi desenvolvida, desconsiderando o efeito do ambiente. Dessa forma, o melhorista 
deve estar atento se existe ou não a interação genótipo vs ambiente, caso ela exista, ele pode 
simplesmente ignorá-la, recomendando as cultivares com base em seu desempenho médio, 
onde é recomendado aquela com maior potencial agronômico, no entanto essa média deve 
ser precisa. Outra forma de se trabalhar com base no desempenho médio é associar ao dado 
de produtividade média, medidas de adaptabilidade e estabilidade, que são ferramentas 
estatísticas que seriam associadas a esses dados médio, permitindo avaliar aqueles que são 
mais produtivos e que apresentam uma elevada estabilidade fenotípica. Outra opção seria 
evitar a interação, ou seja, buscar minimizar os impactos dessa interação, uma alternativa 
seria a condução de programas regionalizados, ou fazer recomendações regionalizadas. E 
por fim o melhorista pode explorar a interação, ou seja, trabalhar a interação a seu favor, 
buscando recomendar a melhor cultivar para aquele local, para aquela região. 
 
3. Por que os híbridos são mais estáveis do que as linhagens? 
R: Por que ele é mais heterozigoto. Por ser heterozigoto ele possui dois alelos, o que é 
chamado de tamponamento individual. Já a linhagem apresenta uma menor adaptabilidade 
fenotípica, por que ela é homozigota, ou seja, tem apenas um alelo para casa loco, e por ser 
AULA 11 e 12 MÉTODOS DE MELHORAMENTO DE PLANTAS 
 
altamente homogenia, todas as plantas são semelhantes, dessa forma, se ocorrer alguma 
moléstia, todos os indivíduos podem ser acometidos. 
 
4. Qual (is) as principais diferenças entre a interação simples vs complexa? 
R: A interação simples existe uma resposta não coincidente, caracterizada pela não alteração 
de ranking, ou seja, o genótipo G1 sempre será superior ao genótipo G2, mesmo em 
ambientes diferentes. Já a interação do tipo complexa existe um comportamento não 
coincidente e alteração do ranking, ou seja, ora o genótipo G1 é superior, ora o genótipo G2 
apresenta desempenho superior em função dos ambientes. 
 
5. Cite as principais diferenças entre híbrido duplo e simples em relação a estabilidade 
fenotípica. Em que situação é aconselhável à utilização de cada um deles? 
R: O híbrido duplo é resultante da combinação de 4 linhagens contrastantes, enquanto o 
hibrido simples é resultante de 2 linhagens contrastantes, dessa forma, quanto maior for a 
heterozigosidade e a heterogeneidade do híbrido, maior será o seu tamponamento individual, 
o que faz com que o híbrido duplo apresente maior estabilidade fenotípica quando 
comparado ao híbrido simples. 
 
6. Considere que você foi contratado para trabalhar como pesquisador na Bayer, na área de 
Biotecnologia, na cultura da Soja. Considerando as demandas atuais da cultura, qual 
transgênico poderia ser desenvolvido? 
R: Dentre os desafios enfrentados pelo sojicultor encontra-se a Ferrugem asiática, dessa 
forma, seria interessante desenvolver novas opções em soja transgênica para atender às 
diferentes regiões do pais acometidas pela doença. Outra opção é ampliar as opções de 
resistência a herbicidas, não somente na cultura da soja, mas introduzir em diferentes 
culturas como vem sendo feito na cultura do arroz, o que irá tornar o sistema produtivo muito 
mais eficiente no controle de plantas daninhas, beneficiando todo o sistema de produção. 
 
7. A técnica de edição genômica tem evidenciado contribuições relevantes para o 
desenvolvimento de organismos geneticamente modificados. Neste contexto qual é a 
principal vantagem desta ferramenta em comparação com a transgenia? 
AULA 11 e 12 MÉTODOS DE MELHORAMENTO DE PLANTAS 
 
R: A edição genômica consiste na modificação do genoma do próprio indivíduo, onde o 
DNA pode ser inserido, deletado ou substituído no genoma do organismo vivo por meio de 
nucleases, já a transgenia consiste em inserir parte do DNA de outra espécie no organismo, 
permitindo que o indivíduo expresse uma característica que não tinha antes, sendo esta uma 
técnica muito mais cara. 
 
8. A Embrapa possui uma linhagem de soja transgênica resistente ao herbicida IMAZAPIR. A 
planta está passando por testes de segurança nutricional e ambiental, processo que exige 
cerca de três anos. Uma linhagem de soja transgênica requer a produção inicial de 200 
plantas resistentes ao herbicida e destas são selecionadas as dez mais "estáveis", com maior 
capacidade de gerar descendentes também resistentes. Esses descendentes são submetidos a 
doses de herbicida três vezes superiores às aplicadas nas lavouras convencionais. Em 
seguida, as cinco melhores são separadas e apenas uma delas é levada a testes de segurança. 
Os riscos ambientais da soja transgênica são pequenos, já que ela não tem possibilidade de 
cruzamento com outras plantas e a chance de polinização cruzada é de apenas 1%. A soja 
transgênica, segundo o texto, apresenta baixo risco ambiental porque: 
 
a) a resistência ao herbicida não é estável e assim não passa para as plantas-filhas. 
b) as doses de herbicida aplicadas nas plantas são 3 vezes superiores às usuais. 
c) a capacidade da linhagem de cruzar com espécies selvagens é inexistente. (é de 1%) 
d) a linhagem passou por testes nutricionais e após três anos foi aprovada. 
e) a linhagem obtida foi testada rigorosamente em relação a sua segurança.