A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
ARTIGO DEUSILENE ENTREGAR DIA 8 DE JUNHO 2015

Pré-visualização | Página 1 de 2

INSTITUTO JOÃO NEÓRICO 
FARO-FACULDADE DE RONDÔNIA 
PESQUISA EM ENFERMAGEM 07NA 
 
 
 
 
 
 
 
HANSENÍASE: FATORES E NÚMEROS DE CASOS DE 
ABANDONO AO TRATAMENTO 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PORTO VELHO/RONDÔNIA 
JUNHO 2015 
 
1 
 
SHEILA MURIELHE DE CASTRO CARVALHO 
 
 
 
 
 
 
HANSENÍASE: FATORES E NÚMEROS DE CASOS DE 
ABANDONO AO TRATAMENTO 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Pré-projeto científico apresentado como requisito, para 
obtenção de nota parcial (N2) na disciplina de 
Pesquisa em Enfermagem no Curso de Enfermagem 
da Faculdade de Rondônia – FARO. 
 
DOCENTE: DEUSILENE VIEIRA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PORTO VELHO/RONDÔNIA 
 JUNHO 2015 
 
2 
 
 
Sumário 
1. TÍTULO .................................................................................................................................... 3 
2. PROBLEMAS ........................................................................................................................... 3 
3. HIPÓTESE ................................................................................................................................ 3 
4. REVISÃO LITERÁRIA ................................................................................................................ 3 
4.1 História da Hanseníase ................................................................................................... 3 
5. JUSTIFICATIVA ........................................................................................................................ 5 
6. OBJETIVOS .............................................................................................................................. 5 
6.1 OBJETIVO GERAL ............................................................................................................ 5 
6.2 OBJETIVO ESPECÍFICO .................................................................................................... 5 
7. METODOLOGIA ...................................................................................................................... 5 
8. CRONOGRAMA ....................................................................................................................... 6 
9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .............................................................................................. 7 
 
 
3 
 
 
1. TÍTULO 
Hanseníase: Fatores e Números de Casos de Abandono ao Tratamento. 
2. PROBLEMAS 
Difícil acesso a unidade hospitalar? 
Falta de informações ou entendimento do paciente? 
Preconceito? 
Falta de informação e pessoal qualificado? 
A não aceitação ou não acredita no diagnóstico? 
3. HIPÓTESE 
Unidades de saúde distante, da residência do paciente, impossibilitando 
o tratamento adequado, pois o paciente encontra dificuldades financeiras de vir 
uma vez por mês para ser avaliado, tomar a dose da medicação que é 
supervisionada e levar consigo as doses diárias. 
Informações insuficientes pelo profissional de saúde ou de palavras 
técnicas, fazendo com que o paciente não importância ao tratamento. 
Preconceito vergonha de alguém conhecido o ver na unidade de saúde 
e comentar com outros e sofrer exclusão. 
Muitos pacientes não acreditam que estão com hansen pois não tem 
nenhuma mancha, sendo confundidas com outras doenças. 
4. REVISÃO LITERÁRIA 
4.1 História da Hanseníase 
A história da hanseníase ou lepra como era conhecida antigamente é 
relatada a milhares de anos atrás e sua disseminação da doença é apresentada 
e fundamentada, por esses povos através de artes de pinturas em quadros e 
textos literários. Esses dados foram estudados separadamente, não ficando 
claro alguns fundamentos a veracidade dos fatos citados com as características 
4 
 
doença, a lepra ou morféia é apresentada por muitos escritores como uma das 
enfermidades mais velha que afeta a humanidade (Browne 1971, apud Vera 
Lúcia Gomes). 
Há indícios de que a lepra habita desde o tempo em que a humanidade 
ainda estava se formando, a Lepra como era designada no passado, foi utilizada 
para caracterizar varias doenças de pele que as pessoas contraiam e que eram 
parecidos entre si (Cunha 2002, apud Marco Antônio). 
 
39 O agente etiológico causador da hanseníase o Mycobacterium 
Leprae foi descrito por Amauer Hansen médico Norueguês em 1873, como um 
microrganismo que tem forma de bastonete, se vive obrigatoriamente dentro da 
célula do homem, e é ácido-álcool, com preferência por células de Schwann e 
pele. Não pode ser obtido por meio de culturas em laboratórios, sendo que já há 
experimentos com animais sendo usados para a reprodução dessa bactéria 
(Marcelo Grossi Araujo). 
11 O homem é considerado o único que abriga em seu interior o bacilo, 
sendo quê, já foi descoberto a presença da bactéria em animais como macacos, 
tatus contaminados naturalmente pelo bacilo (Marco Orsini et al. 2008). 
1 A bactéria causadora da Hanseníase é peculiar do Brasil, no ano de 
2014 foram notificados 24.612 novos casos, de acordo com a publicação do 
Ministério da Saúde, sendo que esse número, bem menor do que o de 2013, que 
chegou à 51.990, sendo que era objetivo do Ministério da Saúde acabar com 
doença até o final de 2015, conforme relatado no ano de dois mil e doze. Apesar 
disso os números de casos novos diminuíram 68 por cento de dez anos até hoje, 
sendo de 4,52 para 1,42 para cada dez mil habitantes, dos anos de 2003 a 2013. 
A hanseníase está presente em todos os estados brasileiros, sendo sua 
incidência maior na: Amazônia e alguns estados do Nordeste, sendo o vencedor 
com os maiores números de casos o Mato Grosso com 9,03 para 10.000 
habitantes, em segundo lugar o Maranhão com 5,29 de diagnósticos para cada 
10.000 habitantes, sendo que Pará, Tocantins e Pernambuco também há índices 
considerados altos (Rosa Castaglia, 2015). 
 
5 
 
5. JUSTIFICATIVA 
Este pré-projeto tem como objetivo estudar a Hanseníase, e as causas 
ou fatores que levam o paciente ao abandono de tratamento da doença, sua 
prevalência, fatores de risco, e possíveis complicações dessa atitude. Propor 
meios de prevenção e intervenção desses fatores com o intuito de minimizar o 
impacto e suas repercussões na vida do individuo resultando no agravamento 
de sua doença. Assim iremos prevenir as conseqüências como a incapacidade 
física que a doença provoca, com a interrupção de seu tratamento 
medicamentoso adequado para exterminar a doença, e desse modo, também 
iremos economizar custos para a sociedade e para sistema público de saúde. 
A Hanseníase 
6. OBJETIVOS 
6.1 OBJETIVO GERAL 
Proporcionar aos pacientes e acadêmicos de Enfermagem da faculdade 
FARO do município de Porto Velho informações acerca da patologia, seus sinais 
e sintomas, tratamento, prevenção, fatores de risco, diagnóstico, dados 
estatísticos e as chances de cura para a patologia desde que não pare de fazer 
o tratamento adequado conforme as normas do ministério da saúde e da equipe 
multidisciplinar. 
6.2 OBJETIVO ESPECÍFICO 
Os objetivos deste trabalho incluem identificar fatores, números de casos 
de abandono ao tratamento da Hanseníase descrever as principais causas 
relatadas pelos pacientes e equipe multidisciplinar envolvida e intervenções 
feitas para a busca ativa dos casos de abandono. 
 
7. METODOLOGIA 
Trata-se de um estudo descritivo, que irá pesquisar através de registros 
de livros, relatos de pacientes e relatos da experiência de uma equipe 
6 
 
multidisciplinar, sobre fatores e números de casos de abandono ao tratamento 
da Hanseníase, serão utilizados também relatos de pacientes que abandonaram 
o tratamento e depois retornaram a unidade para prosseguir corretamente. 
Primeiramente irei verificar o número de pacientes que estão sendo 
tratados nessa unidade hospitalar, visando identificar casos de faltosos e 
números de abandonos e conseguinte buscando com os pacientes por meios de 
visitas domiciliares os fatores relacionados

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.