A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Aula 2 - Contrato de Compra e Venda

Pré-visualização | Página 1 de 1

*
DIREITO EMPRESARIAL III
CONTRATO DE COMPRA E VENDA MERCANTIL
ART. 481 CC 
Glauber Alves Diniz Soares
*
Contrato de Compra e Venda
Conceito: 
É a convenção pela qual um dos contratantes se obriga a transferir o domínio de certa coisa, e o outro, a pagar-lhe certo preço em dinheiro. 
Pode ser definido como a troca de uma coisa por dinheiro. 
*
Contrato de Compra e Venda
Transferência do domínio depende de outro ato que é:
Bens móveis: A tradição 
	(art. 1.226 e 1.267 CC) 
Bens imóveis: Registro 
		(1.227 e 1.245 CC)
A compra e venda é mercantil quando comprador e vendedor são empresários. 
*
Contrato de Compra e Venda
COMPRA E VENDA MERCANTIL X COMPRA E VENDA DE NATUREZA CIVIL
Difere pela qualidade dos agentes e destinação econômica do bem transacionado. 
Se comprador e vendedor são empresários e a mercadoria vendida se destinar a implementação da atividade empresarial do adquirente, estaremos diante de uma operação de compra e venda mercantil. 
*
Contrato de Compra e Venda
COMPRA E VENDA MERCANTIL X COMPRA E VENDA DE NATUREZA CIVIL
Regulamentação : CC art. 481 a 532
Exceção: se o empresário adquirente for o destinatário final do bem, quando será regulado pelo CDC.
*
Contrato de Compra e Venda
CLASSIFICAÇÃO:
BILATERAL ou sinalagmático porque gera prestações recíprocas, cada parte assumindo suas respectivas obrigações. 
O comprador deve pagar o preço e receber a coisa e o vendedor deve receber o preço e entregar a coisa;
CONSENSUAL, já que se aperfeiçoa com o acordo de vontades independentemente da entrega da coisa; 
*
Contrato de Compra e Venda
CLASSIFICAÇÃO:
ONEROSO porque ambas as partes obtêm vantagem econômica, tendo o patrimônio de ambas afetada pelo negócio jurídico; 
COMUTATIVO, em regra, porque geralmente as prestações são certas e determinadas, mas admiti-se a compra e venda aleatória, quando depende de evento futuro capaz de determinar sua variação
*
Contrato de Compra e Venda
CLASSIFICAÇÃO:
NÃO SOLENE quanto aos bens móveis, pois independe de forma predefinida em lei, e SOLENE quanto aos bens imóveis, uma vez que exige-se escritura pública – art. 108 do CC. 
Art. 108. Não dispondo a lei em contrário, a escritura pública é essencial à validade dos negócios jurídicos que visem à constituição, transferência, modificação ou renúncia de direitos reais sobre imóveis de valor superior a trinta vezes o maior salário mínimo vigente no País.
*
Contrato de Compra e Venda
ELEMENTOS:
a coisa
o preço 
o consentimento
*
Contrato de Compra e Venda
A. A coisa
é o bem, móvel, imóvel ou semovente, cujo domínio o vendedor deseja transferir ao comprador
Pode ser objeto de compra e venda qualquer coisa suscetível de apreciação econômica. 
As coisas inalienáveis, fora de comércio não pode ser objeto de compra e venda. 
*
Contrato de Compra e Venda
A. A coisa
é o bem, móvel, imóvel ou semovente, cujo domínio o vendedor deseja transferir ao comprador
Pode ser objeto de compra e venda qualquer coisa suscetível de apreciação econômica. 
As coisas inalienáveis, fora de comércio não pode ser objeto de compra e venda. 
*
Contrato de Compra e Venda
B. PREÇO
É o valor em dinheiro que o comprador se obriga a pagar ao vendedor em troca da propriedade da coisa
o preço deve ser pago em dinheiro, sob pena de desconfigurar o contrato de compra e venda. 
Sem a fixação do preço a venda é nula. 
*
Contrato de Compra e Venda
B. PREÇO
O preço é a contrapartida da entrega da coisa. 
O preço deve ser certo, real ou justo e verdadeiro. 
Representar a razoável contraprestação em relação à coisa adquirida. 
Pode ser determinado ou determinável com fixação de parâmetros (taxa de mercado ou bolsa). 
*
Contrato de Compra e Venda
C. CONSENTIMENTO
O consentimento deve ser livre e espontâneo, requerendo capacidade das partes.
 
O art. 3º e 4º do CC/2002 temos a regra da capacidade das partes 
Significa estarem o vendedor e o comprador acordes quanto ao resultado estabelecido pelo contrato, em especial no que se refere a qualidade e quantidade do objeto e ao preço ajustado.
*
Contrato de Compra e Venda
C. CONSENTIMENTO
VÍCIOS DE CONSENTIMENTO – ART. 171, II CC
erro ou ignorância; 
dolo; 
coação; 
estado de perigo; 
lesão 
fraude contra credores
Deturpam a verdadeira manifestação da vontade do agente
*
Contrato de Compra e Venda
C. CONSENTIMENTO
VÍCIOS DE CONSENTIMENTO – ART. 171, II CC
Art. 171. Além dos casos expressamente declarados na lei, é anulável o negócio jurídico:
I - por incapacidade relativa do agente;
II - por vício resultante de erro, dolo, coação, estado de perigo, lesão ou fraude contra credores.
*
Contrato de Compra e Venda
EFEITOS DA COMPRA E VENDA 
Para o VENDEDOR: 
Transferência do domínio de coisa certa além de acarretar responsabilidade pelos vícios redibitórios (Arts. 441 a 446 CC) e e pela evicção (art. 447 CC)
*
Contrato de Compra e Venda
EFEITOS DA COMPRA E VENDA 
Para o COMPRADOR: 
	pagar o preço certo em dinheiro 
Efeitos secundários:
a) Responsabilidade pelos riscos – a coisa perece para o dono, até a tradição dos móveis e até o registro dos imóveis a coisa pertence ao vendedor. (art. 1.245, § 1º CC) 
*
Contrato de Compra e Venda
b) Repartição de despesas – as despesas da escritura e registro ficarão a cargo do comprador, enquanto as da tradição caberão ao vendedor, podendo as partes convencionar de forma diversa.
c) Direito de reter a coisa ou o preço – cabe ao comprador o primeiro passo: pagar o preço, antes disso o vendedor pode reter a coisa, não sendo obrigado a entregá-la até que o comprador satisfaça sua parte.
*
O B R I G A D O
GLAUBER SOARES
glauber.soares@hotmail.com
Erro
O agente, por desconhecimento ou falso conhecimento das circunstâncias, age de um modo que não seria a sua vontade, se conhecesse a verdadeira situação
 
Dolo
Artifício empregado para enganar alguém. Ocorre dolo quando alguém é induzido a erro por outra pessoa.
 
Coação
Constrangimento de determinada pessoa, por meio de ameaça, para que ela pratique um negócio jurídico.
Estado de perigo
Quando alguém, premido de necessidade de salvar-se, ou a pessoa de grave dano conhecido pela outra parte, assume obrigação excessivamente onerosa. É necessário que a pessoa que se beneficiou do ato saiba da situação desesperadora da outra pessoa. 
 
Lesão
Ocorre quando determinada pessoa, sob premente necessidade ou por inexperiência, se obriga a prestação manifestadamente desproporcional ao valor da prestação oposta. Caracteriza-se por um abuso praticado em situação de desigualdade. Aproveitamento indevido na celebração de um negócio jurídico. Aprecia-se a desproporção segundo critérios vigentes à época da celebração do negócio.
 
Fraude contra credores
Negócio realizado para prejudicar o credor, tornando o devedor insolvente ou por já ter sido praticado em estado de necessidade.
*