A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Servidores Públicos

Pré-visualização | Página 1 de 2

SERVIDORES PÚBLICOS 
 
 
 
Além dos profissionais que atuam em regime CLT e PJ há também os profissionais que são 
servidores públicos, ou seja, todos aqueles que mantêm vínculo de trabalho profissional com 
os órgãos e entidades governamentais, integrados em cargos ou empregos de qualquer delas: 
União, estados, Distrito Federal, municípios e suas respectivas autarquias, fundações, 
empresas públicas e sociedades de economia mista. 
De acordo com Augusto Dourado, especialista em RH, o termo refere-se a designação genérica 
e abrangente, introduzida pela Constituição Federal de 1988, uma vez que, até a promulgação 
da carta hoje em vigor, prevalecia a denominação de funcionário público para identificação 
dos titulares de cargos na administração direta, considerando-se equiparados a eles os 
ocupantes de cargos nas autarquias, aos quais se estendia o regime estatutário. 
A partir da Constituição de 1988, desaparece o conceito de funcionário público, passando-se 
adotar a designação ampla de servidores públicos, distinguindo-se, no gênero, uma espécie: os 
servidores públicos civis, que receberam tratamento nos artigos 39 a 41. 
Desta forma, servidor público civil é unicamente o servidor da administração direta, de 
autarquia ou de fundação pública, ocupante de cargo público. 
A relação jurídica que interliga o Poder Público e os titulares de cargos públicos é de natureza 
estatutária, institucional, valendo dizer que, ressalvadas as disposições constitucionais 
impeditivas, o Estado detém o poder de alterar legislativamente o regime de direitos e 
obrigações recíprocos, existentes à época do ingresso no serviço público. 
Em resumo, servidor público civil: 
• é titular de cargo público 
• mantem relação estatutária 
• integra o quadro da administração direta, autarquia ou fundação pública. 
 
Distinção entre cargo, emprego e função 
A Constituição Federal, ao tratar da administração pública, refere-se em seu art. 37, inciso I, a 
cargos, empregos e funções públicas, declarando-os acessíveis aos brasileiros que preencham 
os requisitos estabelecidos em lei. 
Estas três formas de desempenho podem ser definidas da seguinte forma: 
Cargo Público: conjunto de atribuições, expressando unidades de competência cometida a um 
agente, criado por lei, com denominação própria e número certo, retribuído por pessoa 
jurídica de direito público, (administração direta, autarquia e fundação pública), submetendo-
se o seu titular ao regime estatutário ou institucional. 
Emprego Público: conjunto de encargos de trabalho preenchidos por agentes contratados para 
desempenha-los sob o regime da Legislação Trabalhista. 
Função Pública: encargos de natureza pública exercidos por particulares, sem que os mesmos 
percam essa qualidade. Podemos citar como exemplos de funções públicas as atividades de 
jurado, membros de mesa receptora ou apuradora de votos em eleições, as serventias da 
Justiça não oficializadas (servidores notariais e de registro exercidos em caráter privado por 
delegação do Poder Público), entre outras. 
Para ser um servidor público 
Além do concurso, um candidato deve preencher outros requisitos para ser um servidor 
público. O inciso I do artigo 37 da Constituição da República Federativa do Brasil, trata das 
disposições gerais da Administração Pública, incluindo o direito de acesso a cargos, empregos 
e funções públicas. A constituição assegura que estes são acessíveis aos brasileiros que 
preencham os requisitos estabelecidos em lei; assim como aos estrangeiros na forma de lei. 
 
Nos termos do inciso II, “a investidura em cargo ou emprego público depende da aprovação 
prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a complexidade 
do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em 
comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração”. 
 
Os prazos de validade do concurso público realizado são de dois anos, prorrogáveis uma vez, 
por igual período. Os candidatos, porém, não possuem direito subjetivo à prorrogação, que 
fica a cargo da Administração. 
 
Além da realização e aprovação em concurso público, um candidato a servidor público deve 
ainda preencher determinados requisitos que podem variar, de acordo com o cargo 
pretendido. Algumas condições para inscrição em concurso e ingresso no serviço público são, 
via de regra, solicitadas aos candidatos a cargos nos processos seletivos. São elas: estar em dia 
com obrigações eleitorais; se do sexo masculino, estar quite com obrigações militares; ser 
brasileiro nato ou naturalizado; na data de nomeação, contar com idade igual ou superior a 
dezoito anos; não ter sido demitido por justa causa por ato de improbidade no serviço público 
ou exonerado a bem do serviço público, mediante decisão transitada em julgado; apresentar, 
no ato da nomeação, a certidão negativa de antecedentes criminais fornecida pelo Cartório 
Distribuidor do Fórum, quando solicitado; possuir, na data da nomeação, o grau de 
escolaridade para o exercício do cargo; entre outros requisitos que devem estar especificados 
no edital do concurso. 
 
 REGIMES JURÍDICOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS 
 
Convive-se no Brasil com diversas subdivisões da categoria dos servidores públicos e muitas 
peculiaridades variam em face do regime jurídico que incide sobre as respectivas relações do 
trabalho. 
Entende-se que “regime jurídico é o conjunto de regras de direito que regulam determinada 
relação jurídica”. No ordenamento jurídico pátrio têm-se os regimes: Estatutário, Trabalhista e 
Especial. 
1 – REGIME ESTATUTÁRIO 
Registra-se que regime estatutário o conjunto de regras que regulam a relação jurídica 
funcional entre o servidor publico, estatutário e o Estado. 
São servidores públicos estatutários tanto os servidores efetivos (aqueles aprovados em 
concursos públicos) quanto os servidores comissionados ou de provimento em 
comissão (esses cargos detêm natureza de ocupação provisória, caracterizados pela confiança 
depositada pelos administradores em seus ocupantes, podendo seus titulares, ser afastados, a 
qualquer momento, por conveniência da autoridade nomeante. Não há estabilidade em cargo 
comissionado). 
Salienta-se que regras básicas desse regime devem estar contidas em lei que possui duas 
características: 
1ª) pluralidade normativa, indicando que os estatutos funcionais são múltiplos. 
2º) natureza da relação jurídica estatutária. Portanto, não tem natureza contratual, haja vista 
que a relação é própria do Direito Público. 
2 – REGIME TRABALHISTA 
De outra banda, esse regime é aquele constituído das normas que regulam a relação jurídica 
entre o Estado e o empregado. 
O regime em tela está amparado na Consolidação das Leis do Trabalho – CLT (Decreto-Lei nº 
5.452, de 01/05/43), razão pela qual essa relação jurídica é de natureza contratual. 
3 – REGIME ESPECIAL 
O Regime Especial visa disciplinar uma categoria específica de servidores: os servidores 
temporários. A Carta Política remeteu para a lei a disposição dos casos de contratação desses 
servidores. Os pressupostos do Regime Especial são: 
– Caráter temporal da contratação, por prazo determinado; 
– Caráter temporal da função; 
– Excepcionalidade do interesse público que obriga o recrutamento. 
4 – REGIME JURÍDICO ÚNICO – RJU 
Traz-se à baila, essa questão e sua evolução histórica. 
O caput do artigo 39 da Carta Magna, originariamente, estabelecia a obrigatoriedade de 
adoção, por cada ente da federação, de um só regime jurídico aplicável a todos os servidores 
integrantes de suas administrações diretas, autárquicas e fundações. 
A redação original do art. 39, assim, afirmava: 
Art. 39 A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão, no âmbito de sua 
competência, regime jurídico único e planos de carreira para os servidores

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.