A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Climatério e Menopausa

Pré-visualização | Página 1 de 1

Climatério é o período que compreende a 
transição do período reprodutivo para o não 
reprodutivo, ocorre entre 40 e 65 anos de vida. 
Menopausa é a data do último ciclo menstrual 
espontâneo, reconhecido após 12 meses consecutivos 
de amenorreia. Ocorre, em média, aos 51 anos de vida. 
Consideramos menopausa precoce quando 
ocorre antes dos 40 anos e menopausa tardia quando 
após os 55. 
A perimenopausa compreende os 5 anos ou 
mais que precedem a menopausa, quando os sintomas 
começam a aparecer, e dura até um ano após a 
menopausa. 
Fisiopatologia 
Com o tempo e ciclos menstruais há a redução 
do número de folículos ovarianos disponíveis no 
ovário, levando a uma redução considerável com o 
final da vida reprodutiva. Essa redução resulta nos 
baixos níveis de inibina, que é percebido pela hipófise, 
levando ao aumento da liberação de FSH. O FSH 
elevado estimula bastante esses folículos 
remanescentes afim de manter a atividade ovariana, o 
que mantém os níveis de estrogênio. 
Cada vez mais, há menos folículos ovarianos a 
estimular e menos inibina disponível, mantendo FSH 
elevado e com o tempo, não mantendo mais os níveis 
de estradiol. Isso leva a ciclos anovulatórios e, 
portanto, amenorreicos ou menorreias mais espaçadas 
com maior volume de menstruação (devido ao 
acumulo). 
Com a manutenção do FSH elevado, há 
estimulo da produção adrenal que libera a 
androstenediona que sofre aromatização e é 
convertida em estrona, hormônio feminino, na 
periferia. 
 
Fatores de risco 
Para menopausa precoce: 
 Fatores socioeconômicos: longas jornadas de 
trabalho, principalmente, quando as atividades laborais 
são estressantes. 
 Nuliparidade: manutenção dos ciclos ovarianos, 
reduzindo a carga de óvulos saudáveis presentes 
rapidamente. 
 Tabagismo: o tabaco causa, diretamente, uma 
deficiência estrogênica, o que antecipa o aparecimento 
de sintomas da menopausa e doenças estrógeno-
relacionadas. 
 Altitudes: estudo mostram que mulheres que vivem em 
altitudes elevadas apresentam menopausa mais precoce. 
 
 
 
 
 Nutrição: menopausa precoce associada a deficiência 
nutricional e baixo peso (queda hormonal). 
 Fatores cirúrgicos e medicamentosos: quimioterapia, 
radioterapia pélvica, cirurgias ovarianas e histerectomia. 
Para menopausa tardia: 
 Genética: a mulher cujos antecedentes familiares 
tiveram menopausa mais tardia, tende a ter também. 
 Multiparidade: a multiparidade ocasiona a anovulação 
por diversas vezes levando ao resguardo de bons óvulos 
por mais tempo. 
 
Manifestações clinicas 
Menstruais: 
 Oligomenorréia: devido a persistência dos níveis de 
estrogênio e ausência de progesterona. 
 Polimenorréia: devido ao rápido amadurecimento dos 
folículos ovarianos devido aos níveis elevados de 
gonadotrofinas. 
 Hipermenorréia: o endométrio está hiperplasiado 
devido as alterações hormonais levando a uma 
menstruação abundante e duradoura. 
Neurogênicas e vasomotoras: 
 Fogachos: são ondas de calor características da 
menopausa (2º sintoma mais comum) que podem 
ocorrer todos os dias, semanalmente ou mensalmente, 
principalmente durante o soo, e durar anos após a 
menopausa, cessando sem qualquer tratamento. 
Ocorrem no tórax, pescoço e fase levando a sudorese e 
ruborização. 
o Podem ser identificados pelo aumento na pressão 
arterial sistólica tanto na vigília quanto durante o 
sono e pelo aumento da FC em 7 a 17 bpm. 
o Podem ser desencadeados por estresse, calor, 
consumo de alimentos picantes, álcool ou cafeína, 
e presença em espaços pequenos ou cheios. 
 Calafrios 
 Palpitações 
 Cefaleia 
 Tonturas 
 Parestesia 
 Insônia 
 Perda de memoria 
 Fadiga 
Manifestações psicogênicas: 
 Diminuição da autoestima 
 Irritabilidade 
 Labilidade afetiva 
 Sintomas depressivos 
 Dificuldade de concentração e memória 
 Dificuldades sexuais 
 Insônia 
 
Júlia Malta Braga MED 01 FCM-TR 
Manifestações ósseas: 
 Osteopenia e osteoporose: a queda de estrogênio 
diminui a atividade dos osteoblastos e aumenta a 
atividade dos osteoclatos. 
o Fatores de risco: raça branca, histórico familiar, baixa 
estatura, magreza estrema, consumo elevado de 
proteínas, fibras, alimentos ácidos, álcool e cafeína, 
inatividade física, tabagismo, insuficiência renal 
crônica, gastrectomias, síndrome de má absorção, 
hierparatireoidismo, hipertireoidismo, diabetes, uso de 
corticoides, anticonvulsivantes e hormônio tireoidiano, 
baixa ingesta de Ca e desregulação e vitamina D. 
Alterações lipídicas: 
 Apo-lipoproteína A e B ↑ 
 LDL ↑ HDL  
Manifestações urogenitais: 
 Dispareunia 
 Disúria e polaciúria. 
 Ressecamento vaginal: devido a atrofia epitelial. 
 Prolapsos genitais: atrofia dos tecidos de sustentação. 
Manifestações tegumentares: 
 Colágeno  
 Massa muscular  
 Tecido adiposo ↑: leva ao acumulo nas mamas. 
 Perda de elasticidade 
 Ressecamento: devido à queda na síntese de ácido 
hialurônico causada pelo hipoestrogenismo. 
 Manchas homocrômicas: devido a redução dos 
números de melanócitos 
 Formação de sardas: devido a hiperplasia de 
melanócitos na junção dermoepidérmica. 
 
Diagnóstico 
Clínica + exames complementares 
Os exames complementares são realizados, 
principalmente, para descartar outras causas para 
essas alterações e para rastrear doenças crônicas. 
FSH + TSH + Prolactina + Beta-HCG + Mamografia + 
Preventivo + USG transvaginal + Densitometria óssea 
+ perfil lipídico + glicemia + Colonoscopia e sangue 
oculto nas fezes 
♥ Ultrassom transvaginal: permite identificar ovários 
de tamanho com presença de corpos albicans 
(modifica a aparência dele). 
♥ FSH: há um aumento acentuado nos níveis de FSH 
após a menopausa. 
♥ Mamografia: a cada 2 anos dos 50 aos 70 anos de 
vida. Se paciente com histórico familiar ou em uso de 
TRH, anual, se 2 vezes com BIRADS  2, pode ser 
bianual. 
♥ Colpocitologia oncótica: anual até 3 exames 
negativos, após a cada 3 anos dos 50 a 70 anos. Se 
alto risco para câncer de colo, bianual. 
♥ Pesquisa de sangue oculto nas fezes: anualmente a 
partir dos 50 anos, se exame positivo ou fatores de 
risco para câncer de colón e reto, realizar 
colonoscopia. A colonoscopia de rotina não reduz a 
mortalidade. 
♥ Densitometria óssea: deve ser solicitada a partir dos 
65 anos de idade ou abaixo dos 65 se fatores de risco 
(histórico de fratura, histórico familiar de 
osteoporose, tabagismo, baixo peso, uso prolongado 
de corticoide, tendência a quedas) a cada 2 anos se 
houver alterações ou a cada 5 se normal. 
o Classificação: DP até 1 – normal, 1 a 2,4 osteopenia, >2,5 
osteoporose. 
♥ Lipidograma + glicemia: anualmente a partir dos 40 
anos. 
 
Tratamento 
Tem por objetivo aliviar os sintomas do climatério. 
 Indicações gerais: parar ou reduzir hábitos 
prejudiciais (álcool e tabagismo), realizar exercícios 
físicos e tomar sol (15 min, 3 a 4 vezes por semana 
sem protetor solar) e consumo de lactobacilos. 
 Se IMC elevado, conversar sobre os benefícios da 
perda de 5 a 10% do peso corporal na qualidade de 
vida. 
 Terapia de Reposição Hormonal 
É indicada quando há sintomas vasomotores, 
urogenitais atróficos ou massa óssea reduzida para 
idade. Podendo ser realizado por pacientes 
sintomáticas que não tenham contra indicações 
absolutas. 
Contra indicações absolutas para uso de TRH: 
 CA mama atual 
 CA endométrio atual 
 HAS grave 
 TVP 
 TEP 
 AVC 
 IAM 
 Sangramento genital de 
causa desconhecida 
 Hepatopatias em atividade 
 Porfiria aguda intermitente 
 Coronariopatia 
 DM descompensado 
Pode ser realizada por via oral, transdérmica, 
percutânea, intramuscular ou tópica vaginal de forma 
cíclica ou continua. 
Em pacientes com útero presente utiliza-se 
combinação hormonal e quando ausente, apenas 
estrogênio, uma vez que a progesterona age 
diretamente no endométrio protegendo-o.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.