A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
FUNÇÕES SECRETORAS DO TRATO ALIMENTAR capítulo 65 Guyton

Pré-visualização | Página 8 de 8

e ácidos graxos. 
As células epiteliais mais profundas nas criptas de Lieberkühn passam por mitose contínua, e novas células migram da 
base das criptas em direção às pontas das vilosidades, reconstituindo o epitélio dos vilos e também formando novas 
enzimas digestivas. À medida que as células dos vilos envelhecem, acabam por se desprender nas secreções intestinais. O 
ciclo de vida de uma célula epitelial intestinal é de cerca de 5 dias. Esse rápido crescimento de novas células permite 
ainda o pronto reparo das escoriações que ocorrem na mucosa. 
 
SECREÇÃO DE MUCO PELO INTESTINO GROSSO 
 
 Secreção de Muco: 
A mucosa do intestino grosso, como a do intestino delgado, tem muitas criptas de Lieberkühn; entretanto, ao contrário 
do intestino delgado, não existem vilos. As células epiteliais quase não secretam qualquer enzima. Ao contrário, elas são 
células mucosas que secretam apenas muco. A secreção preponderante no intestino grosso é muco. Esse muco contém 
quantidade moderada de íons bicarbonato, secretados por algumas células epiteliais não secretoras de muco. A secreção 
de muco é regulada principalmente pela estimulação tátil direta das células epiteliais que revestem o intestino grosso e 
por reflexos nervosos locais que estimulam as células mucosas nas criptas de Lieberkühn. 
A estimulação dos nervos pélvicos que emergem da medula espinal e que transportam a inervação parassimpática para a 
metade a dois terços distais do intestino grosso também pode causar aumento considerável da secreção de muco, 
associada ao aumento na motilidade peristáltica do cólon. Durante a estimulação parassimpática intensa, muitas vezes 
causada por distúrbios emocionais, tanto muco pode, ocasionalmente, ser secretado pelo intestino grosso que a pessoa 
tem movimentos intestinais a curtos períodos, como a cada 30 minutos; o muco, nessas circunstâncias, contém pouco ou 
nenhum material fecal, variando em sua consistência e aparência. O muco no intestino grosso protege a parede intestinal 
contra escoriações, mas, além disso, proporciona meio adesivo para o material fecal. Ademais, protege a parede 
intestinal da intensa atividade bacteriana que ocorre nas fezes, e, finalmente, o muco, com pH alcalino (um pH de 8,0 por 
conter bicarbonato de sódio), constitui a barreira para impedir que os ácidos formados nas fezes ataquem a parede 
intestinal. 
 
 Diarreia Causada por Secreção Excessiva de Água e Eletrólitos em Resposta à Irritação: 
Sempre que um segmento do intestino grosso fica intensamente irritado, como ocorre na presença de infecção 
bacteriana na enterite, a mucosa secreta quantidade de água e eletrólitos além do muco alcalino e viscoso normal. Esta 
secreção age diluindo os fatores irritantes, provocando o movimento rápido das fezes na direção do ânus. O resultado é a 
diarreia, com perda de grande quantidade de água e eletrólitos. Contudo, a diarreia também elimina os fatores irritativos, 
promovendo a recuperação mais rápida da doença.