A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
FORMS FISIOPATO - PATOLOGIAS ESOFÁGICAS E GÁSTRICAS (1)

Pré-visualização | Página 1 de 2

27/08/2021 Atividade de patologias esofágicas e gástricas
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSd9PGtglOLjLbqJ08IMlTjGyJNOGrlP6UEzNHIvj_M5EG5bcw/formResponse 1/9
QUESTÕES OBJETIVAS
Atividade de patologias esofágicas e
gástricas
Seu e-mail será registrado quando você enviar este formulário.
Não é luizammcanale@uni9.edu.br? Trocar de conta
*Obrigatório
https://accounts.google.com/AccountChooser?continue=https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSd9PGtglOLjLbqJ08IMlTjGyJNOGrlP6UEzNHIvj_M5EG5bcw/formResponse&service=wise
27/08/2021 Atividade de patologias esofágicas e gástricas
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSd9PGtglOLjLbqJ08IMlTjGyJNOGrlP6UEzNHIvj_M5EG5bcw/formResponse 2/9
60 pontos
Adenocarcinoma do tipo intestinal
Adenocarcinoma do tipo difuso
Linfoma MALT
Polipose Adenomatosa Familiar (PAF)
QUESTÃO 01. Um homem de 77 anos de idade consulta seu clínico geral
com uma perda de peso e história de 3 meses de disfagia e dor
abdominal. Tem histórico de gastrite crônica por H. pylori não tratada. O
resultado da endoscopia digestiva alta revela massa localizada próxima
ao antro gástrico. A análise histopatológica revelou células desconexas
com vacúolos grandes de mucina no citoplasma e núcleo lateralizado,
além de desmoplasia (imagem). Com base nas informações, assinale a
alternativa que contemple o provável diagnóstico. *
27/08/2021 Atividade de patologias esofágicas e gástricas
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSd9PGtglOLjLbqJ08IMlTjGyJNOGrlP6UEzNHIvj_M5EG5bcw/formResponse 3/9
60 pontos
Gastrite autoimune - atrofia da mucosa gástrica com presença de metaplasia
intestinal e infiltrado linfocitário.
Gastrite por H. pylori - atrofia da mucosa gástrica com presença de infiltrado
inflamatório mononuclear e presença de microabscessos em criptas.
Gastrite aguda - congestão vascular e presença de polimorfonucleares em mucosa e
submucosa.
Adenocarcinoma gástrico - epitélio glandular tubular pouco diferenciado invadindo
submucosa e muscular.
QUESTÃO 02. Uma mulher de 60 anos, com tireoidite de Hashimoto foi
atendida no serviço de gastroenterologia com história de epigastralgia
há um ano, com aumento de intensidade nos últimos meses com
quadros de desarranjo intestinal com presença de pedaços de
alimentos. Ao exame clínico a paciente apresentou-se pálida com
sensibilidade epigástrica. O exame laboratorial revelou hipergastrinemia
e anemia megaloblástica. Foi realizada uma endoscopia digestiva alta e
biópsia estomacal (imagem abaixo). Com base no caso clínico, assinale a
alternativa que contemple o provável diagnóstico e os achados
histopatológicos respectivos. *
27/08/2021 Atividade de patologias esofágicas e gástricas
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSd9PGtglOLjLbqJ08IMlTjGyJNOGrlP6UEzNHIvj_M5EG5bcw/formResponse 4/9
60 pontos
Adenocarcinoma do tipo difuso
Carcinoma de células escamosas
Adenocarcinoma do tipo intestinal
Papiloma
QUESTÃO 03. Um homem de 59 anos de idade vem sofrendo de disfagia
há 6 meses. Não foram identificados achados significativos no exame
físico. A endoscopia digestiva alta (EDA) apontou áreas de mucosa
eritematosa. A amostra da biópsia da região média do esôfago
apresentava a aparência microscópica exibida abaixo. Qual das
seguintes complicações mais provavelmente ocorrerá como
consequência da condição desse paciente? *
27/08/2021 Atividade de patologias esofágicas e gástricas
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSd9PGtglOLjLbqJ08IMlTjGyJNOGrlP6UEzNHIvj_M5EG5bcw/formResponse 5/9
60 pontos
Carcinoma de células escamosas esofágico
Acalasia
Esofagite por herpes simples
Doença do refluxo esofágico
60 pontos
Acalasia primária pode surgir na doença de Chagas, em que a infecção por
Trypanosoma cruzi causa a destruição do plexo mioentérico.
A hipótese da causa idiopática é por falha de neurônios inibitórios do esôfago distal e
é, por definição, acalasia secundária.
A tríade de relaxamento incompleto do esfincter (EEI), aumento do tônus do EEI e
aperistalse do esôfago é a principal característica.
A destruição dos plexos submucoso e mioentérico é a principal causa do surgimento
QUESTÃO 04. Um homem de 40 anos de idade foi diagnosticado como
soropositivo para HIV há 8 anos e estava utilizando terapia antirretroviral
altamente ativa no último ano. Há 2 semanas, ele apresenta odinofagia e
disfagia. Ele não tinha episódios de hematêmese, nem náusea ou
vômito. Não foram identificados achados importantes no exame físico. A
contagem de linfócitos CD4+ era de 285/μL (VR: 500 - 1600). Qual das
seguintes condições mais provavelmente está produzindo tais achados?
*
QUESTÃO 05. Um homem de 52 anos apresenta uma história de 6 meses
de pirose e dor torácica atípica, ambas não relacionadas à alimentação.
Um mês antes da apresentação, ele desenvolveu disfagia intermitente
para sólidos e líquidos, regurgitação e perda de peso de 3 kg. O paciente
relatou que precisa adotar determinadas posições ou manobras para
facilitar a deglutição. Após exames de endoscopia superior e
esofagograma, o paciente foi diagnóstico de acalasia. Com base nas
informações acima, assinale a alternativa que contemple corretamente
as características dessa doença: *
27/08/2021 Atividade de patologias esofágicas e gástricas
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSd9PGtglOLjLbqJ08IMlTjGyJNOGrlP6UEzNHIvj_M5EG5bcw/formResponse 6/9
A destruição dos plexos submucoso e mioentérico é a principal causa do surgimento
da hipertonia do esfíncter esofágico inferior.
60 pontos
Neoplasia maligna com diferenciação em epitélio metaplásico, primária do esôfago.
Neoplasia maligna com diferenciação em células escamosas do esôfago, primária do
esôfago.
Neoplasia maligna com diferenciação em epitélio metaplásico, secundária do
esôfago.
Neoplasia maligna com diferenciação em células escamosas do esôfago, secundária
do esôfago.
60 pontos
Esofagite aguda pela doença de refluxo gastro esofágico, regeneração celular,
displasia com atipias; adenocarcinoma esofágico.
Esofagite crônica inespecífica devido a doença do refluxo gastro esofágico;
adaptação celular com metaplasia intestinal; adenocarcinoma esofágico.
Esofagite crônica específica pela doença de refluxo gastro esofágico; formação de
QUESTÃO 06. Homem, 72 anos, com história prévia de esofagite crônica,
queixa-se de “azia” e dor no estômago após as refeições. Segundo ele,
esse desconforto ocorre há anos. Relata que emagreceu sem dieta. Foi
realizada uma EDA com biópsia da mucosa esofágica. O resultado da
biópsia é um adenocarcinoma de esôfago. De acordo com o
diagnóstico, assinale a alternativa que indica o processo fisiopatológico
específico correspondente. *
QUESTÃO 07. Paciente masculino, 42 anos, procura atendimento
relatando disfagia, odinofagia e episódios ocasionais de hematêmese.
Perda de peso há alguns meses que se tornou acentuada há algumas
semanas. Paciente obeso (IMC= 37,5). Tem histórico de doença de
refluxo gastroesofágico tratada com inibidores de bomba de prótons e
melhora parcial. Foi solicitado avaliação endoscópica que identificou
massa sólida de aproximadamente 6 cm em porção esôfago distal.
Análise histopatológica revelou adenocarcinoma esofágico, pT2N0MO.
Considere o caso clínico em questões e assinale a alternativa correta
quanto aos mecanismos fisiopatológicos do processo: *
27/08/2021 Atividade de patologias esofágicas e gástricas
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSd9PGtglOLjLbqJ08IMlTjGyJNOGrlP6UEzNHIvj_M5EG5bcw/formResponse 7/9
ç ç
folículos linfóides; displasia; adenocarcinoma esofágico.
Esofagite aguda pela doença de refluxo gastroesofágico; regeneração e adaptação
celular com metaplasia intestinal; adenocarcinoma esofágico.
60 pontos
Esôfago
Estômago
Duodeno
Íleo
QUESTÃO 08. Um homem de 52 anos de idade previamente saudável
sofreu uma queimadura térmica extensa que envolvia 70% da área da
superfície cutânea corporal. Ele foi hospitalizado em condição estável.
Três semanas após a queimadura inicial, ele apresentou fezes em
aspecto de borra de café. Sua pressão arterial

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.