A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
REANIMAÇÃO NEONATAL (Resumo SBP 2022)

Pré-visualização | Página 5 de 5

da função miocárdica -> comprometimento do fluxo 
sanguíneo pulmonar -> hematose ineficiente durante a ventilação mecânica -> piora da hipóxia 
 
* para reverter esse quadro é necessário realizar a massagem cardíaca (que aumenta a pressão sob a aorta para manter o débito 
cardíaco sistêmico e promovendo o fluxo de sangue para as coronárias) junto com a ventilação mecânica e, assim, restaurar o fluxo 
de sangue oxigenado para o músculo cardíaco. 
* a massagem cardíaca diminui a eficácia da VPP 
!! lembre-se: a ventilação é a ação mais efetiva na reanimação neonatal 
- é preciso, antes de iniciar a massagem cardíaca, garantir que a expansão e ventilação pulmonar estejam bem estabelecidas (com a 
via aérea assegurada) 
- se for necessário a massagem cardíaca é preciso elevar a concentração de O2 suplementar para 100% 
 
ex: RN com FC de 50 bpm e respiração irregular logo após o nascimento. 
-> independentemente se a FC é <60 bpm logo após o nascimento só será iniciada a massagem cardíaca após a avaliação inicial 
(secar, garantir normotermia, aspirar via aérea), VPP com máscara facial e IOT com ventilação mecânica e uso de O2 suplementar em 
altas concentrações com falha na reversão do quadro e FC sustentadamente <60 bpm 
* a compressão cardíaca é realizada no terço inferior do esterno (logo abaixo da linha 
intermamilar e poupando o apêndice xifoide) com a técnica dos polegares ou a técnica 
dos dois dedos com o médico que vai realizar a massagem localizado atrás da cabeço do 
RN 
- a técnica de dois polegares é mais eficiente 
gera maior pico de pressão sistólica e de perfusão coronariana, além de ser menos cansativa 
 
Nessa situação, a equipe de reanimação deve contar, no mínimo, com 
três profissionais de saúde: um para aplicar a VPP por cânula traqueal, 
outro para a massagem cardíaca e o terceiro para fazer o cateterismo e 
administrar as medicações 
- na técnica de dois polegares é melhor utilizar os polegares sobrepostos e não justapostos 
polegares sobrepostos geram maior pico de pressão e pressão de pulso e os polegares justapostos podem causar mais lesões 
pulmonares e hepáticas 
 
 
 
 
 
 
Complicações massagem cardíaca: 
- fratura de costelas 
- pneumotórax 
- hemotórax 
- laceração do fígado (ocorre quando há compressão do apêndice xifoide) 
 
* é preciso realizar a massagem cardíaca de forma síncrona com a ventilação 
- são 3 massagens cardíacas para 1 movimento de ventilação (3:1) 
- com frequência de 120 eventos por minuto (90 massagens cardíacas e 30 ventilações) 
 
!! a coordenação entre a massagem cardíaca e a ventilação assegura a expansão plena pulmonar 
 
Início massagem cardíaca 
a. garantir VPP eficiente e via aérea pérvia 
b. ofertar O2 100% 
c. iniciar massagem cardíaca 
- com a técnica dos dois dedões sobrepostos em sincronia com a ventilação numa proporção de 3:1 em 60 segundos (120 eventos) 
- 60 segundos é o tempo mínimo para a massagem cardíaca restabelecer a pressão de perfusão coronariana 
 
* é importante garantir a qualidade da massagem cardíaca 
localização: terço inferior do esterno (logo abaixo da linha intermamilar e poupando o apêndice xifoide) 
profundidade: 1/3 da dimensão anteroposterior do tórax 
- após a compressão é importante liberar a pressão para permitir o enchimento das câmeras ventriculares e das coronárias (tempo 
de diástole) 
ritmo: devem ser aplicadas contrações rítmicas e síncronas com a ventilação (90 compressões em 60 segundos) 
- interrompendo a massagem apenas para realizar a ventilação (3:1) 
 
d. após 60 segundos, avaliar a FC do neonato 
FC > 60 bpm? 
SIM: RN apresenta melhora, interromper a massagem 
- se o RN apresentar FC>100 bpm e respiração regular -> interromper VPP 
-> a decisão quanto a extubação deve ser individualizada em relação ao quadro clínico 
 
NÃO: manter massagem cardíaca e ventilação 3:1 e iniciar o uso de adrenalina e expansor de volume (se necessário) 
 
 
 
 
MEDICAÇÕES NA REANIMAÇÃO NEONATAL 
* a bradicardia neonatal, em geral, é resultado na insuflação pulmonar insuficiente e/ou hipoxemia profunda 
- por isso que a ventilação adequada é o passo mais importante para corrigir a bradicardia ao nascer 
 
!! se a reanimação neonatal seguir a ordem de eventos já descritos a necessidade de usar algum tipo de medicação para melhora do 
quadro do RN com asfixia ao nascer é de 1-3 para cada 1000 nascidos vivos 
Adrenalina 
* indicada quando a FC< 60 bpm após 60 segundos de massagem cardíaca adequada e sincronizada com ventilação mecânica, cânula 
traqueal e O2 suplementar a 100%. 
* catecolamina endógena 
* promove aumento da perfusão coronariana 
- eleva a FC, a velocidade de condução do estímulo e a contratilidade miocárdica 
- promove a vasoconstrição periférica 
 
a dose da adrenalina no neonato é de 0,1 mg/mL para uso na reanimação 
é preciso diluir 1 mL de adrenalina (1 mg/mL) em 9 mL de soro fisiológico {1mg/10mL} 
* administração preferencial da adrenalina é pela via endovenosa 
- na presença de colapso cardiovascular, não é recomendado tentar obter um acesso venoso periférico 
 
- a adrenalina endovenosa é aplicada na dose 
de 0,02 mg de adrenalina/kg 
-> utilizar a seringa de 1 mL e aplicar 0,2 mL/kg 
(seria 0,02 mg de adrenalina por quilograma) 
 
* via preferencial no RN é o cateterismo da 
veia umbilical 
 
 
 
 
*a via intraóssea, com efeito hemodinâmico similar à administração endovenosa 
- realizar quando não é possível fazer o cateterismo umbilical 
- é uma via alternativa (só quando não é possível realizar o cateterismo umbilical) 
-> presenta risco de complicações graves 
(fratura óssea, isquemia de membros, osteomielite, extravasamento de fluidos, síndrome compartimental e amputação) 
 
* é possível realizar a administração da adrenalina pela via traqueal 
-> apenas para a adrenalina 
- administrar a dose de adrenalina no interior da cânula traqueal 
- dose 0,1 mg/kg 
-> utilizar a seringa de 5 mL e aplicar 1 mL/kg 
(seria 0,1 mg de adrenalina por quilograma) 
 
!! não realizar flush de salina para empurrar a adrenalina para os pulmões 
 
enquanto o cateterismo venoso umbilical de emergência está sendo realizado, pode-se administrar uma única dose de 0,1 mg/kg de 
adrenalina por via traqueal 
 
-> a absorção da adrenalina por via pulmonar, mesmo em doses elevadas, é lenta, imprevisível e a resposta, em geral, é insatisfatória 
 
!! bicarbonato de sódio e naloxone (antagonista de opioide) não estão recomendados para uso em RN na sala de parto 
- o bicarbonato diminui a resistência vascular (hipernatremia e aumento da PaCO2) -> piorando a perfusão coronariana 
Expansor de Volume 
* utilizar em neonatos com hipovolemia 
Quando suspeitar que o neonato em reanimação está com hipovolemia? 
- bradicardia não responsiva após todas as medidas de reanimação 
(avaliação inicial, VPP, O2 suplementar, massagem cardíaca e adrenalina) 
- perda de sangue 
- sinais de choque hipovolêmico 
(palidez, má perfusão e pulsos débeis) 
 
É preciso cautela na indicação do expansor de 
volume, pois pode ser deletério se há lesão 
miocárdica induzida pela asfixia 
 
com o uso do expansor de volume, espera-se o aumento 
da FC e a melhora dos pulsos e da palidez 
 
!! sempre suspeitar quando: 
* deslocamento prematuro da placenta 
* laceração placentária 
* prolapso ou nó do cordão umbilical 
* perda sanguínea pelo cordão 
 
Solução de cristaloide SF 0,9% 
- 10 ml/kg lentamente em 5-10 minutos 
* se, após o uso de expansor de volume, o neonato ainda não apresentar resposta é preciso: 
- revisar toda a técnica 
- após a correção iniciar mais 10mL/kg de SF0,9% 
!! lembrar que o RN pode não estar melhorando devido a presença de pneumotórax