A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Vivências em Habilidades Sociais

Pré-visualização | Página 1 de 1

Vivências em Habilidades Sociais 
Necessidade de promover HS e CS: correlatos positivos do bom repertório de HS; problemas associados a déficits em HS
Programas de Treinamento de Habilidades Sociais (THS) - Componentes indispensáveis: condições (conjuntos de técnicas, procedimentos e recursos utilizados) e objetivos (resultados esperados)
No contexto educacional usa-se o THS preventivo, visando a redução de bullying, indisciplina, preconceito, agressividade etc. em crianças e adolescentes. 
No contexto clínico usa-se o THS terapêutico, pode ser aplicado em grupos ou individualmente
No âmbito profissional é indicado para a preparação na transição para o mercado de trabalho 
Pode ser aplicado em pelo menos 3 níveis: universais, seletivos ou indicados (atendimento individualizado)
Para problemas ou transtornos psicológicos podem ser utilizados como intervenção principal do atendimento terapêutico – comprometimento nas relações interpessoais ou como intervenção complementar (indicação) a um atendimento
Método vivencial: estruturação de um contexto experiencial de aprendizagem no qual o terapeuta obtém acesso diretamente ao desempenho do participante.
Vivência: o que foi “vivenciado” pelo paciente – retorno experimental da situação vivida, não se refere exclusivamente a uma experiencia passada, mas também algo que poderá ocorrer
A vivência é o momento de experimentar o geral/universal (regras comportamentais), o singular (experiência de cada um, passível de diferentes interpretações) e o ideal (metas de comportamentos)
Vivências em THS: atividade estruturada; mobiliza pensamentos, sentimentos e desempenho dos participantes; permite ao terapeuta adotar procedimentos específicos para chegar ao objetivo (grupo de vivência + grupo de observação)
Vivências análogas simulam experiências já vividas ou possíveis de acontecerem
Vivências simbólicas não estão relacionadas diretamente com o cotidiano
Treinamento em sessão -> método vivencial 
Objetivos: utiliza a competência social como alvo do programa; atende as necessidades de cada indivíduo. 
Procedimentos: atendimento grupal; programa flexível
Características: 
Base conceitual (HS e dimensões da CS - automonitoria); 
Organização dos objetivos a partir de déficits e recursos de HS – avaliação do repertório de entrada de cada participante + HS mais importantes para aquele grupo + tipos de déficits e recursos; avaliação multimodal (diversas fontes de informações);
Foco nas HS de processo – observar e descrever; dar feedback positivo; fazer, responder perguntas; expressar sentimentos positivos; elogiar – básico para as sessões iniciais, importante na discriminação: quando, onde e como utilizar HS;
Flexibilidade na organização dos objetivos – avaliação contínua (diário de campo, filmagens etc.) para verificar o processo de aprendizagem e dá a possibilidade de ajustes; 
Ênfase na variabilidade dos comportamentos – ampliar respostas alternativas para situações semelhantes e com demandas diferentes, onde o indivíduo escolhe como se comportar – diferentes vivências no grupo; seleção de grupos homogêneos (idade e situação sociocultural); topografia (NV&P);
Exposição e sensibilidade às contingências/interação, pois tem diferentes pessoas e diferente papéis durantes as vivências nas sessões; 
Ensino automonitoria (observar, descrever e regular) e análise funcional (identificar as relações funcionais entre uma resposta e as condições antecedentes e antecedentes); 
Uso de tarefas de casa – expor as contingências do ambiente; generalizar aprendizagem; tarefas genéricas e personalizadas; planejamento das tarefas a depender do desempenho. 
Foco do método vivencial: arranjar condições de interação social próximas ao cotidiano > facilitar o treino em sessão (manutenção e generalização) > critérios de seleção e organização objetivos (avaliar diferentes indicadores, déficits e variáveis individuais e grupais) > estrutura > estratégias terapêuticas grupais + técnicas comportamentais e/ou cognitivas + procedimentos 
Estrutura geral: avaliação prévia; organização dos objetivos (de menor para maior complexibilidade)
Estrutura de cada sessão:
Etapa inicial: instruções, avisos; relatos tarefas; aquecimento – acolher
Etapa central: aspecto teórico; vivências; vídeo + discussão
Etapa final: síntese; avaliação/feedback; tarefas de casa

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.