A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
ECI Dra. Ana Silvia - G.O

Pré-visualização | Página 1 de 1

>
- A amniorrexe prematura ou roturs prematura das 
membranas ovulares 
~ Rotura espontânea das membranas coriônicas e 
amniótica antes do início do trabalho de parro e acima 
de 20-22 semanas de gestação 
* Anterior a 37 semanas: rotura prematura pré-termo 
das membranas ovulares 
+ Prevalência de 1-=12% 
+ 1/3 no pré-termo (antes 37) 
+ 30% dos prematuros 
- ETIOLOGIA: 
- Aumento da pressão intrauterina: gemelaridade 
- Fraqueza natural do colo uterino 
- Processo inflamatório ou infeccioso local 
>
- Inserção baixa da placenta 
- ITU 
- Tabagismo 
- Excesso de MF, fatores nutricionais e socioeconômicos 
>
- Acontece na interface entre o aumento da pressão 
intra-amniótica e a fraqueza das membranas 
- Fraqueza das membranas causada pelo processo 
infeccioso -> inflamatório (aumento da apoptose, 
produção de proteases e colagenases) 
- Saída de líquido amniótico: feto sem proteção, 
hipoplasia pulmonar, deformidades osteomusculares e 
cutâneas, compressão de cordão, DPP, prolapso do 
cordão e membro. 
>
- 90% - grande perda de liquido: 
- Anamnese: perda de liquido involuntário, abrupta vaginal 
- Exame físico: especular: escoamento espontâneo de 
liquido, manobra de Valsalva se necessário. 
- Não realizar toque vaginal 
- Em perdas pequenas: 
- Teste do fenol: mudança da cor laranja pra vermelha 
com a presença de líquido amniótico (menos utilizado) 
- Teste de pH: maior que 7 no conteúdo vaginal (menos 
utilizado) 
- Prova de cristalização: forma de samambaia após 
aquecimento da lâmina (mais usado) 
 
- Teste de imunocromáticos: detectar substâncias 
especificas do LA (não muito utilizada pelo alto custo) 
>
* Se romper depois das 37 semanas: fazer parto 
* Em parto pré-termo: 
- Idade materna X condições assistenciais do local de 
atendimento 
>> Antes de 24 semanas/antes da vitalidade fetal: 
prognostico ruim pela inviabilidade 
* Maior risco de infecção materna, deformidades fetais 
- Tratar como abortamento inevitável: uso de misoprostol 
e ocitocina 
- Consentimento do casal 
>> Entre 24-34 semanas: 
– –
- Expectante: aguardar o crescimento e amadurecimento 
fetal 
~ Tentar amadurecer o pulmão do bebê com corticoide e 
crescimento dele. Tentar dar as melhores condições. 
Vigilância em infecções e vitalidade fetal 
>
- Internação materna 
- Repouso, provas de vitalidade fetal (todo dia), 
propedêutica abdominal, exames laboratoriais (HMG – 
VSH – PCR) a cada 2-3 dias, cardiotoco urinaria, US (2x 
na semana) e coleta de estrepto do grupo B (pra fazer 
profilaxia,) 
- Hidratação materna VO 
- Uso de antibióticos: por demorar 2-3 dias o exame do 
Estrepto e faz a profilaxia com AMPICILINA por 48 
horas, após sair o resultado: AMOXACILINA (5 dias) e 
AZITROMICINA (?? Dias) 
- Uso de corticoide: BETAMETASONA ou 
DEXAMETASONA (por 2 dias) 
- Proscrito/Não pode uso: tocoliticos 
>> ENTRE 24-34 SEMANAS: 
- Assistência hospitalar 
- Conduta expectante ate 34 semanas ou deflagração 
o trabalho de parto ou se surgir sinais de infecção ou 
sofrimento fetal 
- Neuroproteção: com sulfato de magnésio 
>> APÓS 34 SEMANAS: 
- Resolução da gestação 
- Quantidade de liquido satisfatória, boa vitalidade fetal e 
sem sinais de infecção prorrogar ate 37 semanas 
* VIA DE PARTO: 
- Fetos cefálicos -> parto vaginal (menores índices de 
infecções maternas) 
- Outras apresentações (córnica ou pélvica): cefálica 
- Avaliar: quantidade de Liquido amniótico, monitorização 
do Batimento Cardíaco Fetal 
 
>
- Perda da continuidade do miométrio, na gravidez ou no 
parto 
- Rara: cesárea anterior 0,4-0,9% 
~ Quando não tem cesárea anterior: 0,006% 
- Importante diagnostico: 40% óbito perinatal e se 
sobreviver tem encefalopatia isquêmica; morte materna 
por choque isquêmico 
>
- Parcial e completa (miométrio e serosa) 
- Etiologia: espontaneamente ou provocada (por 
medicação usada) 
- Localização: fundica, corporal, segmentar ou segmento 
corporal 
- Direção: longitudinal, transversal ou obliqua 
- Proporção: simples ou complicada (bexiga) 
 
>
- Trabalho de parto: Iminência de rotura (“vai romper”) 
- Sinal de Bandl: segmento hipertônico, mobilizando o 
corpo anteriormente 
- Sinal de Frommel: retesamento dos ligamentos 
redondos 
UTERO EM AMPULHETA 
 
- Trabalho de parto/parto: ruptura efetiva 
- Sintomatologia variável conforme o local da ruptura 
- Bradicardia fetal 
- Sinal de Recasens (subida da apresentação no período 
expulsivo: bebe esta pra sair e “sobe”) 
- Sinal de Clark (ar na cavidade abdominal: rompe órgão 
-> sangue na cavidade) 
- Parada das contrações 
- Feto fácil para palpação 
- Sangramento vaginal 
- US: pode retardar a conduta, HMG, coagulograma, TS e 
função renal 
>
- Parto via mais rápida 
- Compensação clinica 
- Reparação das lesões uterinas e em outros órgãos 
- Histerectomia 
- Paciente com útero preservado por rotura uterina tem 
100% de recorrência

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.