A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
Juncao Neuromuscular - RESUMO

Pré-visualização | Página 3 de 3

A acetilcolina (ACh) é liberada pelo neurônio motor somático.
2. A ACh leva à geração de um potencial de ação na fibra muscular.
3. O potencial de ação muscular desencadeia a liberação de cálcio pelo retículo sarcoplasmático.
4. O cálcio liga-se à troponina, dando início ao processo de contração.
A acetilcolina liberada na fenda sináptica da junção neuromuscular liga-se aos receptores
ionotrópicos (canais) de ACh da placa motora terminal da fibra muscular. Quando esses canais
dependentes de ACh se abrem, ocorre o fluxo de Na e K através da membrana plasmática.
Entretanto, o influxo de Na supera o efluxo de K , pois a força motriz do gradiente eletroquímico é
maior para o Na. A adição efetiva de carga positiva despolariza a membrana da fibra muscular,
gerando um potencial da placa motora (PPM). Normalmente, os potenciais da placa motora sempre
atingem o limiar, levando à geração de um potencial de ação muscular. O potencial de ação desloca-se
pela superfície da fibra muscular, e para o interior dos túbulos T, devido à abertura sequencial de
canais de Na dependentes de voltagem. Quando o potencial de ação penetra nos túbulos T, ocorre a
liberação de Ca2 a partir do retículo sarcoplasmático. Em um músculo em repouso, os níveis
citosólicos de Ca2 normalmente são muito baixos. Entretanto, esses níveis aumentam cerca de 100
vezes após um potencial de ação. Como discutido anteriormente, quando os níveis citosóli- cos de Ca2
estão altos, o Ca2 liga-se à troponina, a tropomiosi- na move-se para a posição “ligada” 5 e a
contração ocorre 6 .
Uma vez iniciada a contração, a tensão muscular aumenta continuamente até um valor máximo, à
medida que as interações entre as ligações cruzadas também aumentam. A tensão diminui na fase de
relaxamento do abalo. Durante o relaxamento, os elementos elásticos do músculo fazem o sarcômero
retornar ao seu comprimento de repouso.
Carolina Pithon Rocha | Medicina | 4o semestre
15
O músculo liso não possui sarcômeros
A actina é mais abundante no músculo liso do que
no músculo estriado, com uma razão de actina para
miosina de 10 a 15 para 1, comparada com 2 a 4
para 1 no músculo estriado. A actina do músculo
liso está associada à tropomiosina, como no
músculo esquelético. Todavia, diferentemente do
músculo esquelético, o músculo liso não contém
troponina.
Contração do músculo liso. No músculo liso:
Carolina Pithon Rocha | Medicina | 4o semestre
16
1. Uma elevação citosólica do Ca2 inicia a contração. Esse Ca2 é liberado do retículo
sarcoplasmático, mas também penetra na célula a partir do líquido extracelular.
2. O Ca2 liga-se à calmodulina, uma proteína ligadora de cálcio encontrada no citosol.
3. A ligação do Ca2 à calmodulina é o primeiro passo de uma cascata que termina com a
fosforilação das cadeias leves da miosina.
4. A fosforilação das cadeias leves da miosina intensifica a atividade da miosina-ATPase e provoca
a contração. Assim, a contração do músculo liso é controlada por processos reguladores associados à
miosina, e não pela tropomiosina.