Fundamentos de Lubrificação - Texaco
74 pág.

Fundamentos de Lubrificação - Texaco


DisciplinaLubrificação Industrial12 materiais260 seguidores
Pré-visualização15 páginas
resistência à lavagem por água.
C ou D + 60
E ou F + 80
G ou H + 100
K ou M + 120
N + 140
P + 160
R + 180
S + 200
T + 220
U + 220
Figura 7.10 D
Por exemplo, em KP2K, o último K indica +1200C.
Opcionalmente, o limite mínimo da temperatura de trabalho pode ser especificado. A temperatura mais baixa,
um múltiplo de -100C e na escala -10 a -60, é adicionado como um sufixo. Por exemplo, em KP2K-20, -20 é o limite
requerido para baixa temperatura.
54
Palavras marcadas em cinza têm sua descrição no glossário no final da publicação
R
Fundamentos de Lubrificação
8 Módulo automotivo
Os fabricantes de motores a gasolina estão cada mais pressionados por economia de combustível e de redução
de emissões, recomendando óleos de menor viscosidade. Está crescendo o uso de óleos multigraus SAE 5W30
e com tendências futuras de um SAE 0W20.
Junto com a tendência de utilizar óleos de menor viscosidade está aumentando a demanda por óleos que
utilizem básicos de melhor qualidade para resistir ao espessamento provocado por uso em intervalos prolonga-
dos de troca, maiores temperaturas de operação e também pelo uso de combustíveis de baixa qualidade.
As classificações ACEA estão cada vez mais presentes no mercado brasileiro em função da severidade das
aplicações e dos projetos de motores (pequenos e médios) serem de origem européia ou asiática.
8.1 Motores a gasolina, álcool e Gás Natural
ACEA A1/B1 ACEA A2/B2 API SH/SJ API SG API SF/CC
Depósito no Pistão
Espessamento de FuligemDesgaste do Comando de Válvula
Oxidação Borra no Motor
Figura 8.1
55
Palavras marcadas em cinza têm sua descrição no glossário no final da publicação
R
Fundamentos de Lubrificação
Assim, o responsável pela decisão de compras deve comparar os produtos pelas diversas classifica-
ções (ACEA, API e classificações de fabricantes \u2013 MB), não se atendo somente à classificação de
viscosidade SAE.
PRINCIPAIS PRODUTOS TEXACO:
Havoline Energy SAE 5W30
Havoline Ultra SAE 5W40
Havoline Synthetic SAE 5W40
Havoline Semi-sintético SAE 15W40
Havoline Premium SAE 20W50
Havoline Superior 3 SAE 20W50
Havoline Super SAE 20W40
Os fabricantes de motores a diesel recomendam óleos de viscosidade SAE 15W40. Fora do Brasil, em locais com
temperatura extremamente baixas, estão recomendando o uso de óleos 10W30 ou 10W 40.
Óleos monograus SAE 40 são apenas recomendados para motores estacionários, principalmente de equipamen-
tos ferroviários ou motores para geração de energia.
Óleos para motores diesel de base sintética ainda não tiveram sua eficácia comprovada.
As classificações ACEA, além de mais rigorosas, são as que melhor atendem as necessidades do mercado brasilei-
ro em função da severidade das aplicações e da grande participação das montadoras européias neste mercado.
8.2 Motores diesel
56
Palavras marcadas em cinza têm sua descrição no glossário no final da publicação
R
Fundamentos de Lubrificação
Espelhamento da Camisa
Desgaste
Compatibilidade com
Catalisadores
FuligemCorrosão
Depósito no PistãoOxidação por Espessamento
E6 E5 E4 E3 E2
Figura 8.2 a
E7 E5 E4 E3 E2
Espelhamento da Camisa
Desgaste
Compatibilidade com
Catalisadores
FuligemCorrosão
Oxidação por Espessamento Depósito no Pistão
Figura 8.2 b
57
Palavras marcadas em cinza têm sua descrição no glossário no final da publicação
R
Fundamentos de Lubrificação
O uso de óleos de classificação de desempenho API GL-5 em transmissões manuais está cada vez mais restrito. Os
fabricantes estão preferindo o uso de produtos com menor carga EP (API GL-4 ou GL-3), óleos de motor ou de
transmissão automática. Óleos de carga EP elevada podem formar depósitos nos sincronizadores, dificultando o
engrenamento.
Os câmbios manuais de automóveis novos são selados de forma a impedir a contaminação externa,
visando um aumento da vida útil deste componente. Os períodos de troca neste caso são estendidos ou \u201cfill-
for-life\u201d (para toda a vida). Muitos dos automóveis mais novos não precisam fazer a troca até a vida útil normal
estimada (10 anos). A troca é feita somente em caso de avarias.
As pick-ups, por sua vez, continuam precisando realizar trocas periódicas. O uso de básicos sintéticos está aumen-
tando, principalmente em veículos que são comercializados mundialmente e/ou operam em condições extre-
mas de temperatura.
O uso de óleos inadequados (em viscosidade e/ou aditivação) pode provocar dificuldade de engatar as marchas
e o desgaste prematuro das engrenagens. Consulte sempre a recomendação do fabricante da transmissão (ou do
fabricante do veículo) antes de drenar o óleo.
PRINCIPAIS PRODUTOS TEXACO:
Universal EP SAE 80W
TGF Óleo de Engrenagem
Ursa LA3 SAE 40
Texamatic ATF
Texamatic 7045E
Multigear STO SAE 85W140
8.3 Transmissões Manuais
Assim, o responsável pela decisão de compras deve comparar os produtos pelas diversas classifica-
ções (ACEA, API e classificações de fabricantes - MB), não se atendo somente à classificação de
viscosidade SAE.
PRINCIPAIS PRODUTOS TEXACO:
Ursa Premium TDX SAE 15W40
Ursa Super TD SAE 15W40
Ursa LA3 SAE 15W40
Diferentes transmissões usam diferentes materiais de fricção e são submetidas a distintos testes de bancada e de
campo para serem aprovadas. Essas são as razões para se ter uma linha completa de produtos.
Alguns produtos podem atender mais de uma especificação ao mesmo tempo (Dexron III e Mercon, por exem-
plo), mas deve-se sempre checar a correta aplicação (seguir sempre a recomendação do fabricante).
8.4 Transmissões Automáticas
58
Palavras marcadas em cinza têm sua descrição no glossário no final da publicação
R
Fundamentos de Lubrificação
As especificações GM são mais simples porque elas seguem uma seqüência lógica, pois o produto que atende a
especificação mais recente pode ser usado quando requerido qualquer um das especificações anteriores da GM
(Dexron IIIH pode sempre ser usado quando requerido a Dexron IIIG, Dexron IIIF, Dexron IIE, Dexron II e Dexron).
As especificações Ford são mais complexas.
\u2022 Ford tipo F são especificações para transmissões fabricadas pela Ford antes de 1997 (e também para algumas
entre 1977 e 1981) e de outros fabricantes que requeiram um fluido tipo F com alto fricção. Outros produtos
não podem ser usados nessa aplicação.
\u2022 Mercon e Mercon V não são especificações seqüenciais.
Outros fabricantes requerem o uso de produtos específicos que são somente encontrados nas concessionárias,
entre elas Chrysler e Honda.
Veículos pesados (tratores de esteira, pás carregadeiras, caminhões fora-de-estrada, etc) utilizam especificações
próprias. Como por exemplo, Caterpillar TO-4 e Allison C-4.
Atenção: O uso de um lubrificante errado pode reduzir a vida útil da transmissão e também comprometer a
dirigibilidade do veículo (tornar desconfortável a troca de marcha, por exemplo).
PRINCIPAIS PRODUTOS TEXACO:
Texamatic B
Texamatic 7045E
Textran SAE 30
Textran SAE 10W
O uso de óleos API GL-5 é mandatório em função dos requerimentos de carga superficial das engrenagens
hipoides.
O aumento de potência dos veículos provoca um aumento na temperatura de operação dos diferenciais, reque-
rendo uma maior estabilidade térmica dos óleos para diferenciais.
Há também uma tendência do uso de óleos multigraus para atender a necessidades de faixa de temperatura de
operação mais ampla (por exemplo, viagens intercontinentais) e também um melhor comportamento em altas
temperaturas.
PRINCIPAIS PRODUTOS TEXACO:
Multigear EP SAE 90
Multigear EP SAE 85W140
Multigear STO SAE 85W140
8.5 Diferenciais Convencionais
59
Palavras marcadas em cinza têm sua descrição no glossário no final da publicação
R
Fundamentos de Lubrificação
8.6 Diferenciais Autoblocantes
Os diferencias autoblocantes de deslizamento limitado, ou tração positiva, requerem