Pesquisa em administração
232 pág.

Pesquisa em administração


DisciplinaPesquisa em Administração22 materiais119 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Estas análises permitem \u201cextrair
sentido dos dados\u201d, ou seja, testar hipóteses, comparar os resultados para vários subgrupos, e
assim por diante.
Não obstante a peculiaridade de cada forma de tratamento, é possível analisar os
dados quantitativa e qualitativamente ao mesmo tempo. Como exemplo dessa possibilida-
de menciona-se o emprego da estatística descri tiva para apoiar uma interpretação dita
subjetiva.
Os computadores têm se revelado importantes auxiliares no manuseio e na análise de
dados qualitativos, porém nenhum sistema disponível pode substituir as qualidades
interpretativas do pesquisador. Muitos programas podem reduzir grande parte do trabalho
de seleção de palavras, conceitos e passagens nas transcrições, mas a identificação de te-
mas, padrões e categorias importantes ainda tem de ser feita pelo investigador.
O processamento de dados por meio da operação com computadores pode ser muito
útil para um pesquisador das Ciências Sociais. Este instrumento permite estocar dados de
maneira acessível, organizá-los e analisá-los tanto descritiva quanto inferencialmente,
facilitando o uso de técnicas de análise estatísticas variadas (Selltiz et al, 1987). O
processamento por computador mediante um sistema adequado de codificação é de gran-
de valia quando se está trabalhando com um volume grande de dados, como é o caso de
levantamentos (survey).
Tão logo os passos anteriormente descritos forem concluídos, compete ao investigador
analisar e interpretar os dados, buscando avaliar a relevância e significado desses dados em
relação aos propósitos da pesquisa. A análise evidenciará as relações existentes entre os
dados obtidos e os fenômenos estudados, enquanto a interpretação é uma atividade que
leva o pesquisador a conferir um significado mais amplo às respostas.
EaD
175
PESQUISA EM A DMINI ST RAÇ ÃO
Seção 8.2
Técnicas de Análise dos Dados
As técnicas de análise de dados permitem ao pesquisador realizar a apresentação e
análise dos dados levantados e coletados de maneira clara, objetiva e estruturada, oferecen-
do ao leitor cientificidade e possibilidade de comprovação.
Apresentam-se, no quadro a seguir, as técnicas de análise de dados mais empregadas
no processo de investigação científica.
Quadro 2: Técnicas de análise de dados
Fonte: Machado; Silva (2007, p. 6-7).
As pesquisas de natureza tipicamente qualitativa geram um extenso volume de infor-
mações que precisam ser organizadas e compreendidas, requerendo assim um processo con-
tinuado em que se procura identificar dimensões, categorias, tendências, padrões, relações,
desvendando-lhes o significado.
Análise de 
Conteúdo 
É um \u201cconjunto de técnicas de análise das comunicações visando obter, através de 
procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens, 
indicadores (quantitativos ou não) que permitam inferir conhecimentos relativos às 
condições de produção/recepção (variáveis inferidas) destas mensagens\u201d. Sugere-se a 
elaboração de categorias (Bardin, 1995, p. 42). 
Análise de 
Discurso 
O discurso, na análise do discurso, não é apenas transmissão de informação, \u201cpois, no 
funcionamento da linguagem, que põe em relação sujeitos e sentidos afetados pela 
língua e pela história, temos um complexo processo de constituição desses sujeitos e 
produção de sentidos\u201d. Assim, \u201csão processos de identificação do sujeito, de 
argumentação, de subjetivação, de construção da realidade, etc.\u201d (Orlandi, 2000. p. 
21). 
Análise 
Documental 
Consiste em uma \u201coperação ou um conjunto de operações visando representar o 
conteúdo de um documento sob uma forma diferente da original, a fim de facilitar, 
num estado ulterior, a sua consulta e referenciação\u201d (Bardin, 1995, p. 45-46). 
Matemática 
e Estatística 
O pesquisador percebe a realidade mediante a observação, porém a atividade 
científica, por vezes, necessita de instrumentos que reforcem as aptidões naturais e 
permitam mais objetividade das observações. Em muitas situações, essa objetividade 
está associada à idéia de quantificação, à medida que tal procedimento permite ao 
pesquisador analisar fenômenos em função da freqüência em que ocorrem ou de sua 
quantidade (Dencker; Da Viá, 2001). 
 
EaD Eni se Bart h Teixeira \u2013 Luci ano Z amb er la n \u2013 Pedro C ar los Rasia
176
Esse processo é complexo e não-linear e exige um trabalho de redução, organização e
interpretação dos dados que se inicia já na fase exploratória e acompanha todo o ciclo da
investigação. Observa-se, entretanto, que a maioria das técnicas de análise procura seguir
os padrões da análise quantitativa, ou seja, tem o propósito de contar a freqüência de um
fenômeno e procurar identificar relações entre os fenômenos, com a interpretação dos dados
recorrendo a modelos conceituais definidos a priori.
O conjunto destas técnicas vem sendo denominado Análise de Conteúdo. Esta, de
acordo com Minayo (1994), é a expressão mais comumente empregada para representar o
tratamento dos dados de uma pesquisa qualitativa.
Numa pesquisa em que a técnica de coleta de dados adotada é o questionário, você irá
se deparar com uma pilha deles contendo as informações sobre os participantes da pesquisa.
A análise de dados tem o papel de transformar esse volume de papéis em conclusões e rela-
tórios para serem levados em conta nas tomadas de decisão.
De posse dos questionários coletados, você poderá iniciar a tabulação das informa-
ções. A tabulação consiste em contar o número de respostas obtidas por meio dos questio-
nários. Recomendamos que você, tendo em mãos todos eles, procure codificá-los atribuindo
um número a cada um. Por exemplo, se você coletou 300 questionários, cada formulário
deverá ter um número único entre 1 e 300. Isso serve para auxiliar no processo de tabulação
das informações e para localizar eventuais digitações incorretas.
Depois de numerar todos os questionários você poderá utilizar uma planilha eletrôni-
ca para o processo de tabulação. A Figura 1 apresenta dados e a tabulação de 20 entrevistas
feitas a partir da aplicação do questionário.
EaD
177
PESQUISA EM A DMINI ST RAÇ ÃO
Figura 1: Exemplo de tabulação em planilha e eletrônica
Fonte: Elaboração dos autores.
É importante preparar a planilha para receber os dados dos questionários. Normal-
mente a tabulação funciona da seguinte maneira: cada coluna refere-se às questões do
formulário e nas linhas você lança o conteúdo de um questionário inteiro.
Veja que na primeira linha há uma série de códigos. Na célula A1 há o termo \u201cnum\u201d.
Isso significa que nesta coluna são informados os números de cada questionário. A partir
daí você tem nas demais colunas as expressões q1, q2, q3, q4 e assim sucessivamente até
q19. Estas abreviações significam q = questão e 1 = número da pergunta do questionário.
A partir do cabeçalho que você insere na primeira linha da planilha, podemos começar
a digitar os questionários. Você pode ver que todas as alternativas de resposta possuem um
número respectivo. Por meio deste número é que informamos à planilha qual foi a alternati-
va assinalada pelo respondente. A digitação de números facilita e agiliza o processo de
tabulação dos dados.
Com esses números podemos, por exemplo, ver que a pessoa que respondeu ao questi-
onário número 1 é do sexo feminino, tem entre 30 e 39 anos e possui renda familiar entre 7
e 9 salários mínimos.
EaD Eni se Bart h Teixeira \u2013 Luci ano Z amb er la n \u2013 Pedro C ar los Rasia
178
Seção 8.3
Procedimentos Estatísticos de Análise
Os principais métodos básicos empregados para análise e interpretação de dados são:
distribuição de freqüência e cálculos das médias de tendência central (quando o questioná-
rio o permitir).
8.3.1 \u2013 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA
A distribuição de freqüência apenas reporta o número de respostas que cada questão
recebeu (Aaker; Kumar; Day, 2001). Ela organiza os dados em classes, ou grupos de valores,
e mostra o número de observações no conjunto de dados que caem em cada uma dessas