Pesquisa em administração
50 pág.

Pesquisa em administração


DisciplinaPesquisa em Administração18 materiais112 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Por exemplo, fica contraditório fazer uma citação de um capítulo

inteiro. Assim sendo, faça sempre citações de partes do que os outros escreveram, apenas o

essencial.

\u2013 citações pequenas e grandes

Há duas maneiras de fazer citações: uma para citações pequenas, outra para as

grandes.

As citações pequenas ocupam até três linhas. Estas devem ser inseridas no corpo do

texto, entre aspas, seguidas da referência, que se faz assim: (SOBRENOME do último autor

citado, ano de publicação e número da página em que se encontra a citação). Pode-se, no

entanto, fazer um pouco diferente. Caso mencionemos o nome do autor antes da citação,

então na referência não há mais necessidade de repeti-lo, bastando citar o ano da publica-

ção e a página. Exemplo: Para Wissmann, citando Martins de Sá (1995), \u201ceducação, por

sua vez, é estratégia básica de formação humana, isto é, aprender a aprender, criar, inovar,

construir conhecimento, participar\u201d (2006, p. 66).

As citações longas têm quatro ou mais linhas. Estas devem ser destacadas em parágra-

fo exclus ivo, recuando 4 cm da margem esquerda, letra menor que a do texto, espaçamento

simples, não havendo necessidade de aspas. Apresenta também espaço duplo entre o pará-

grafo anterior e o posterior. Exemplo:

Ao tratar dos problemas enfrentados pelas crianças de pais separados, Loron Wade,

amparado em estudos recentes, afirma que:

As crianças em lares dirigidos por apenas um dos pais têm maior probabilidade de sofrer abuso

sexual, ser presas, repetir o ano escolar, parar de estudar ou ser expulsas, usar maconha, cocaína

e cigarro, carregar armas, ter graves problemas emocionais e comportamentais, sofrer de pro-

blemas de saúde física, ser sexualmente ativas, tornar-se mães/pais solteiros, sofrer depressão ou

cometer suicídio (2007, p. 67).

EaD Eni se Bart h Teixeira \u2013 Luci ano Z amb er la n \u2013 Pedro C ar los Rasia

218

\u2013 Citação de citação

Em situações em que não obtivermos acesso ao original há a possibilidade da citação

de citação. É aconselhável sempre fazer citações extraídas de textos originais, mas nem

sempre isso é possível. Às vezes encontramos uma citação já feita por outro autor, e quere-

mos utilizá-la por ser muito interessante, mas não temos acesso à obra original. Isso é uma

citação de citação. Nesse caso devemos indicar a fonte de duas maneiras.

\u2013 No caso de a citação ser integrada ao parágrafo/texto, indicamos o sobrenome do autor do

documento original seguido da palavra \u201capud\u201d e o SOBRENOME do autor da obra con-

sultada com o ano de publicação desta obra e a página.

Exemplo: Sartori e Roesler (apud ASSMANN, 1988, p. 29) propõem que \u201co ambiente

pedagógico tem de ser lugar de fascinação e inventividade.\u201d

\u2013 Outra forma, quando estamos indicando as fontes no final do parágrafo, é adotar a se-

guinte seqüência. (SOBRENOME AUTOR original, ano, página, apud SOBRENOME

AUTOR da fonte consultada, ano, página).

\u2013 Paráfrases

Paráfrase é escrever um texto em outras palavras, mas sem alterar o signif icado de

como está escrito no original. É expressar as mesmas idéias de um modo diferente. Fazer

isso é um ótimo exercício de redação e de compreensão do que os outros escreveram.

Pode também ser útil para expandir a compreensão dos nossos leitores sobre o que ou-

tros escreveram. Podemos aproveitar para resumir a idéia de um autor em poucas pala-

vras, e assim tornar a leitura de nosso texto mais acessível e objetiva. Há, no entanto,

um problema sério aqui. É necessário ter cuidado para não distorcer as idéias do autor

original. Se não temos condições de entender bem o que ele escreveu é melhor não arris-

car fazer paráfrases.

A regra para se redigir uma paráfrase é simples e sempre a mesma. Indica-se com o(s)

nome(s) do(s) autor(es) seguido do ano da publicação da referida obra. Exemplo:

EaD

219

PESQUISA EM A DMINI ST RAÇ ÃO

Tiffin e Rajasingham (2007) acreditam que presentemente forma-se uma nova univer-

sidade que utiliza os recursos da Educação a Distância, que por meios virtuais permite

abrangência global.

Para mais detalhes é sempre importante consultar a ABNT NBR 10520 \u2013 citações em

documentos \u2013 Apresentação.

11.1.3 \u2013 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

\u2013 REFERÊNCIAS: nesta seção inserem-se os elementos descritivos retirados de documentos

(inclui impressos, manuscritos, registros audiovisuais, sonoros, magnéticos e eletrôni-

cos) entre outras publicações de alguma forma consultadas que apoiaram a elaboração

do trabalho e que forma citadas (mencionadas de acordo com a NBR 10520).

As obras, documentos, publicações e demais fontes que você consultou para funda-

mentar o seu texto devem ser relacionadas no final do texto. A isso chama-se \u201cReferências\u201d.

Faz-se uma relação das obras e outras fontes de pesquisa citadas em ordem alfabética, por

autoria. A norma que orienta a apresentação e compilação de referências de material utili-

zado para a produção de documentos e para inclusão em bibliografia é a da ABNT NBR

6023; \u2013 Referência \u2013 Elaboração, ou a que vier a sucedê-la. A seguir destacam-se alguns

elementos a serem considerados em referências.

Procure sempre assegurar a transcrição dos elementos essenciais para identificação do

documento: AUTORIA, título, edição, local, editora e data de publicação, com o que facili-

tará eventual retomada para nova consulta ao documento.

Cada referência terá entrada pelo sobrenome do autor, com alinhamento na margem

esquerda da folha. É assim mesmo que se deve fazer, isso facili ta encontrar as referências

numa lista extensa de obras ou documentos referenciados. Para maiores informações con-

sultar o livreto: \u201cTrabalhos acadêmicos: apresentação, referências e citações. Série educa-

ção, 85\u201d (2007), da Editora Unijuí. A norma da ABNT NBR 6023 que estabelece os elemen-

tos a serem incluídos em referências.

EaD Eni se Bart h Teixeira \u2013 Luci ano Z amb er la n \u2013 Pedro C ar los Rasia

220

Como regra geral, quando a fonte tiver mais de três autores, indica-se apenas o primei-

ro, acrescentando-se a expressão et al. Exemplo: SOBRENOME, nome. et al. Titulo...

Em documentos em que houver indicação explícita de responsabilidade pelo conjunto

da obra, em coletânea de vários autores, a entrada deve ser feita pelo no do responsável,

seguida da abreviatura, no singular, do tipo de participação: Organizador (Org.); Coorde-

nador (Coord.); Compilador (Comp.); Editor (Ed.).

A seguir elencaremos os principais, com exemplos, para você se basear e fazer correta-

mente as suas referências. Em todos eles colocaremos a ordem correta da referência e um

exemplo. Não há necessidade de maiores explicações dessa ordem, norma é norma, certo?

Cuide da pontuação que se utiliza, faz parte da norma. Por exemplo, entre o SOBRENOME

DO AUTOR e o Nome vai uma vírgula. Notou que o SOBRENOME DO AUTOR sempre

deve estar escrito em fonte maiúscula? Percebeu que entre o Tí tulo do livro e o subtítulo

coloca-se dois pontos, assim : ? Notou que o Título do livro deve estar em itálico ou negrito?

Perceba bem os detalhes, pois não vamos chamar a atenção um por um.

a) Livro completo

SOBRENOME DO AUTOR, Nome. Título do livro: subtítulo. Edição. Local [cidade da

publicação]: Editora, ano de publicação.

Exemplo: ASSMANN, H. Reencantar a educação: rumo à sociedade aprendente. Petrópolis,

RJ: Vozes, 2001.

Para capítulo ou parte de um livro (usa-se nos casos em que se necessita referenciar

apenas parte de uma obra. Por exemplo, um livro em que cada capítulo é de autor diferente).

SOBRENOME, Nome [Autor do capítulo]. Título do capítulo. In: SOBRENOME, Nome

[Autor do livro]. Título: subtítulo do livro. Edição [se tiver]. Tradução [se for o caso]. Local

de publicação: Editora, ano de publicação, volume [se for o caso], página inicial-página

final da parte. [Nome e número de série da obra, se for o caso].

Exemplo: VILLALTA, Luiz Carlos. O que se fala e o que se lê: língua, instrução e leitura. In: SOUZA,

Laura de Mello (Org.). História da vida privada no Brasil: cotidiano e vida privada na América