Buscar

Giárdia | Agressão e Defesa em Medicina Veterinária II

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 4 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

Carolina Maschmann | @carolmedvet
Giárdia
São flagelados; 
Realizam reprodução assexuada por divisão binária; 
Extracelular: sem lise; 
Intracelular: com lise; 
Monoxeno, extracelular exclusiva;
Giardia lamblia, Giardia duodenalis e Giardia intestinalis são todos o
mesmo; 
Protozoário entérico que afeta diversas espécies; 
Afeta a porção anterior do intestino delgado – duodeno e jejuno; 
Possui ciclo de vida direto – ciclo fecal oral
Filo Sarcomastigophora: 
Giárdia – características gerais: 
Morfologia: o trofozoíto e o cisto;
Ciclo biológico: trofozoíto vira cisto e vice e versa;
Trofozoíto: realiza a reprodução assexuada, é encontrado no intestino
delgado, é extracelular. Possui simetria bilateral e contorno piriforme, 
 dois pares de flagelos, dois núcleos, dois feixes de fibras longitudinais, 
 oito blefaroplastos e dois corpos parabasais. Possui um disco adesivo 
 ou disco suctorial com função de aderência na membrana dos 
 enterócitos. Achatado dorsoventralmente, o disco suctorial fica na
superfície ventral.
Cisto: forma evolutiva de resistência da Giárdia no ambiente. É a
forma infectante, que é eliminada nas fezes. De cada cisto saem dois
trofozoítos. Cistos elipsóides ou ovóides com formação de membrana 
 cística e divisão dos dois núcleos. Em meio aquoso, podem se manter
viáveis por dois meses ou mais, nas fezes podem se manter por uma a
duas semanas. O intervalo médio entre a infecção e a manifestação de
sintomas é de duas semanas;
A motilidade intestinal move o trofozoíto para o intestino grosso, e
ocorre o processo de encistamento, transformando-se em cisto antes
de ser eliminado nas fezes;
O cisto, após ser ingerido, ao passar pelo estômago, sofre a quebra da
parede cística e libera os trofozoítos;
A reprodução se dá por divisão binária longitudinal ou simples;
Na primo infecção há grande aumento de trofozoítos, assim, o sistema
imune forma resposta imune inata e o número de trofozoítos cai
drasticamente, ficando em pequena população, mas ainda estimulando
o sistema imune, configurando indivíduos assintomáticos, mas que
eliminam cistos no ambiente;
Ambientes úmidos e com presença de microrganismos favorecem a
Giárdia que tem veiculação hídrica;
O trofozoíto se fixa na superfície das vilosidades intestinais, causando
lesão;
Giárdia – morfologia e ciclo biológico:
Carolina Maschmann | @carolmedvet
Carolina Maschmann | @carolmedvet
Sinal clínico - diarreia catarral: presença de muco nas fezes, muco 
 produzido em grande quantidade pelas células caliciformes para
tentar proteger o intestino (resposta inata);
Sinal clínico – esteatorreia: diarreia com presença de gordura, 
 relacionada com a obstrução física que a giárdia causa na porção 
 anterior do intestino, responsável pela absorção de compostos 
 lipossolúveis;
Eventual presença de estrias de sangue nas fezes devido ao esforço
para evacuar;
Patogenia: obstrução física da absorção intestinal; lesão de mucosa;
síndrome de má absorção; alta na produção de IgA e IgE, aumento na
produção de muco; a giárdia não é autolimitante; aumento dos
eosinófilos – eosinofilia.
Direta – fecal oral; 
Água como principal veículo de transmissão; 
Ingestão de cistos maduros; 
Locais de aglomeração; 
Transmissão zoonótica – tutor e animal com mesmos sinais. 
Giárdia – sinais clínicos e patogenia: 
Giárdia – transmissão: 
Carolina Maschmann | @carolmedvet
Parasitológico – método de Faust;
Método de flutuação (sulfato de zinco);
Podem ser necessários três exames (três coletas) devido a
descontinuidade da eliminação dos cistos;
Visualização de cistos;
Coprotest;
Exame direto para visualização de movimentação de trofozoíto;
Método imunológico: método de Elisa (teste rápido) e PCR (fezes);
A vacina contra giardíase canina foi lançada em 2002, é chamada
Giardia Vax (vacina inativada); 
Estimula a produção de IgA, reduz e impede a eliminação dos cistos no
ambiente, mas não evita a contaminação dos animais; 
Essa vacina não é recomendada pelos guide lines, uma vez que a
doença em si é de fácil tratamento. 
Derivados nitromidazólico; 
Metronidazol – apresenta resistência; 
Albendazol – febendazol e febantel; 
Medicina humana: tinidazol, ornidazol e nimorazol.
Giárdia – diagnóstico:
pesquisa de Ag do flagelo do trofozoíto.
Giárdia – vacina canina: 
Giárdia – tratamento:

Outros materiais