A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Questões de residência - OBSTETRÍCIA com gabarito [parte 1]

Pré-visualização | Página 4 de 4

muito bem definidos, essa patologia materno
fetal tende a gerar um aumento do líquido amniótico - INCORRETA.
23. Letra C. O polidrâmnio pode aumentar o risco de complicações maternas e perinatais, como
dificuldade respiratória materna, apresentações fetais anômalas, rotura prematura das
membranas, trabalho de parto pré-termo, descolamento prematuro de placenta, distocia
funcional, prolapso de membros ou do cordão umbilical e atonia uterina, sendo esta a
principal complicação hemorrágica de polidrâmnio.
24. Letra A. Atresia Esofágica é uma causa de polidrâmnio e não de oligoâmnio.
25. Letra C. Sangramento uterino de primeira metade nos faz pensar em 3 diferenciais:
Abortamento, Gestação ectópica, Mola hidatiforme. Sangramento com VESÍCULAS
acontece na mola hidatiforme!!
26. Letra C. [Alternativa A - Incorreta]: a mola hidatiforme completa é o tipo de neoplasia
trofoblástica gestacional mais comum e apresenta inúmeras vesículas hidrópicas sem tecido
embrionário. [Alternativa B - Incorreta]: ela resulta da fecundação de um óvulo sem núcleo
ativo, sendo todos os genes de origem paterna. Dessa forma, o **cariótipo é diploide **(46,
XX ou 46, XY). [Alternativa C - Correta]: quanto à histopatologia, na mola hidatiforme
completa não há elementos fetais, havendo proliferação generalizada e mais pronunciada do
trofoblasto e, consequentemente, maior produção de beta-hCG. [Alternativa D - Incorreta]:
ela apresenta maior frequência de atipias, o que resulta em maior risco de malignização.
27. Letra C. A mola hidatiforme é um tipo histológico benigno de doença trofoblástica
gestacional, que pode ser completa ou incompleta. Nos casos de mola incompletas, também
chamadas de mola parcial, tem-se a fecundação de um mesmo óvulo por dois espermatozóide.
Assim, teremos material materno e paterno formando o tecido fetal, cujo embrião a ser
formado pode, ou não ter BCF. Logo, o embrião com vitalidade, ou seja, BCF presente, não
exclui o diagnóstico de DTG.
28. Letra D. O Dimenidrinato é uma droga de categoria de risco B na gestação, o que implica
dizer que nos estudos não foram constatados relatos de malformação com o seu uso, sendo
assim liberado o seu uso na gestação.
29. Letra D. A prednisona tem seu metabólito ativo inativado em nível placentário, portanto não
alcança o feto e pode ser usada durante gestação. Em relação aos AINES, no primeiro
trimestre estão relacionados com aborto espontâneo e defeitos congênitos e no terceiro
trimestre seu uso deve ser evitado por mais de 48 horas, por causa do risco de constrição do
ducto arterioso.
30. Letra B. O comprometimento do SNC na SAF é estrutural, neurológico e funcional.