A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
INSUFICIÊNCIA CARDÍACA - GUYTON

Pré-visualização | Página 1 de 1

22
INSUFICIÊNCIA CARDÍACA
Insuficiência cardíaca = falência do coração
Qualquer condição cardíaca que reduza a capacidade do coração em bombear sangue suficiente, para 
satisfazer as necessidades do corpo
Coração hipoeficaz 
Efeitos agudos da insuficiência cardíaca moderada
1. Débito cardíaco reduzido
2. Acúmulo de sangue nas veias - aumento da pressão venosa
Compensação da insuficiência cardíaca pelos reflexos nervosos simpáticos
Reflexo barorreceptor - ativado pela baixa PA 
Sinais nervosos parassimpáticos ficam inibidos 
A estimulação simpática fortalece a estrutura danificado
Se parte do músculo estiver não funcional e a outra parte ainda normal, a musculatura normal será 
estimulada de forma intensa pela resposta simpática, compensando em parte a musculatura não funcional
Estimulação simpática também aumenta o retorno venoso por aumentar o tônus da maior parte dos vasos, 
especialmente das veias, elevando a pressão média de enchimento 
Esse aumento da pressão de encontro aumenta intensamente a tendência do sangue de fluir das veias de 
volta para o coração - consequência: o coração lesado passa a receber maior quantidade de sangue que a 
usual e a pressão arterial aumenta, ajudando o coração a bombear quantidades ainda maiores de sangue 
Os reflexos simpáticos ficam maximamente desenvolvidos dentro de cerca de 30 segundos. Assim, a 
pessoa, que tem ataque cardíaco moderado súbito, pode experienciar nada mais que dor cardíaca e poucos 
segundos de desmaio. Logo após, com a ajuda das compensações dos reflexos simpáticos, o débito 
cardíaco pode retornar a nível adequado para manter a pessoa caso ela permaneça quieta, ainda que a dor 
possa persistir
Estágio crônico da insuficiência - retenção de líquidos e débito cardíaco compensado
1. Retenção de líquido pelos rins
2. Variados graus de recuperação do próprio coração por períodos de semanas a meses
Efeitos prejudiciais do excesso de retenção de líquido na insuficiência cardíaca grave
1. Aumento da carga sobre o coração danificado 
2. Distensão excessiva do coração - enfraquecendo-o ainda mais
3. Filtração dos líquidos pelos pulmões - causando edema pulmonar e a consequente desoxigenação do 
sangue
4. Desenvolvimento de edema extenso na maior parte do corpo
Resumo das alterações que ocorrem após a insuficiência cardíaca aguda - ”IC compensada “
1. Efeito instantâneo da lesão cardíaca
2. Compensação pelo sistema nervoso simpático nos primeiros 30 segundos a 1 minuto
3. Compensações crônicas resultantes da recuperação parcial do coração e da retenção renal de líquido
Insuficiência cardíaca grave - insuficiência cardíaca descompensada
Coração gravemente lesado - nenhum tipo de compensação pelos reflexos simpáticos ou pela retenção de 
líquido pode fazer com que o coração bombeie débito cardíaco normal
Consequências - débito não aumenta o suficiente para fazer com que os rins excretem quantidades normais 
de líquido - líquido continua sendo feito - pessoa desenvolve mais edema - estado que eventualmente leva 
à morte
Ou seja, causa importante de insuficiência descompensada: incapacidade do coração de bombear sangue 
suficiente para fazer com que os rins secretem quantidades necessárias de líquido. Isso resulta em:
1. Retenção progressiva de quantidades cada vez maiores de líquido
2. Causando elevação progressiva da pressão média de enchimento
3. Elevação progressiva da pressão atrial direita até o coração ser excessivamente distendido ou tão 
edemaciando que não possa bombear nem mesmo quantidades moderadas de sangue - resultando em falência 
completa 
Tratamento da descompensação
1. Fortalecimento do coração por qualquer meio, em especial administração de fármaco cardiotônico - modo 
que o coração fique forte o suficiente para bombear quantidades adequadas de sangue para fazer com que os 
rins funcionem de modo normal
2. Administração de fármacos diuréticos - aumenta excreção renal, enquanto se reduz ao mesmo tempo a 
ingestão de água e sal
Ambos os métodos interrompem o processo de descompensação pelo restabelecimento do equilíbrio normal
Insuficiência cardíaca de baixo débito cardíaco - choque cardiogênico 
Muitos casos após o ataque cardíaco agudo e períodos prolongados de deterioração cardíaca progressiva o 
coração fica incapaz de bombear até mesmo a quantidade mínima de fluxo sanguíneo necessária para manter o 
corpo vivo - os tecidos começam a padecer e se deteriorar - quadro de choque circulatório / choque cardíaco / 
choque cardiogênico 
Uma vez que tenha se desenvolvido esse quadro, o índice de sobrevida é menor que 30%
Frequentemente, o paciente morre de choque cardiogênico antes que os processos compensatórios possam 
devolver o débito cardíaco e a PA para o nível de manutenção da vida
Retenção de líquido pelos rins a longo prazo causa edema periférico na ineficiência cardíaca persistente
Retenção de líquido - eleva a pressão média de enchimento sistêmico - tendência aumentada do sangue retornar 
para o coração - eleva a PA- eleva a pressão capilar - causa a saída de líquidos para os tecidos e 
desenvolvimento de edema grave
Volume urinário reduzido durante a insuficiência cardíaca tem várias causas:
1. Intensidade diminuída do ritmo de filtração glomerular
2. Ativação do sistema renina-angiotensina e aumento da reabsorção de água e sal pelos túbulos renais
3. Aumento da secreção de aldosterona
4. Ativação do sistema nervoso simpático
Reserva cardíaca
Quantidade máxima que o débito cardíaco pode aumentar acima do normal
Adulto jovem e saudável: 300% a 400%
Atletas: 500% a 600%
Pessoas com insuficiência cardíaca severa: não tem reserva cardíaca
Qualquer fator que impeça o coração de bombear sangue em quantidades satisfatória diminuíra a reserva 
cardíaca - redução severa da reserva cardíaca: pode resultar em cardiopatia isquemica

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.