A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
34 pág.
FISIOLOGIA MUSCULAR

Pré-visualização | Página 5 de 9

sobre a tensão dos 
tendões e/ou a velocidade de variação da tensão 
Fusos Neuromusculares 
Proporcionam feedback sobre as mudanças no comprimento do músculo, assim como o nível de alteração no 
comprimento do músculo 
Órgãos Tendinosos de Golgi 
Monitoram a tensão, assim como o nível de tensão que está sendo produzida durante o movimento 
 
Receptores musculares 
Os músculos esqueléticos e seus tendões contêm receptores sensoriais especializados chamados receptores 
de estiramento, que descarregam seus impulsos quando a musculatura é estirada. Esses receptores incluem 
os fusos musculares e os órgãos tendinosos de Golgi. Tais receptores estão envolvidos na experiência 
sensorial e contribuem para propriocepção 
O receptor muscular mais complexo corresponde aos fusos musculares, que são constituídos de feixes 
alongados de fibras musculares estreitas denominadas fibras musculares intrafusais contidas dentro de uma 
cápsula de tecido conjuntivo 
Os fusos são ricamente inervados com terminações tanto sensoriais como motoras 
Grande parte do fuso muscular repousa livremente dentro dos espaços entre as fibras musculares extrafusais 
ou regulares, mas suas extremidades distais fundem-se com o tecido conjuntivo no músculo 
FISIOLOGIA: MUSCULAR CAMILA SANTIAGO 
 
 
FISIOLOGIA: MUSCULAR | MEDICINA 
Quando todo o músculo se contrai, o fuso muscular fica sem carga a menos que as fibras intrafusais também 
se contraiam 
As fibras musculares intrafusais são de dois tipos principais: 
Fibras com sacos nucleares: são maiores e possuem um aglomerado de núcleos próximo ao ponto central. 
Inerva 1-3 fibras musculares em cada fuso. São menos abundantes com capacidade de poderosas respostas 
dinâmicas 
Fibras com cadeias nucleares: têm uma fileira única de núcleos junto a esse ponto central. Inerva 3-9 fibras 
musculares em cada fuso 
Há 2 tipos de neurônios motores (gama): 
Gama dinâmicos: inervam basicamente as fibras musculares intrafusais com sacos nucleares, suas 
terminações são em placa. Respondem quando o comprimento do receptor do fuso neuromuscular altera-se 
muito rapidamente. A transmissão ocorre somente por fibras Ia (rápidas) quando o comprimento do fuso 
estiver aumentado. Logo após, as fibras tipo II começam a atuar (respostas estáticas) 
Gama estáticos suprem as fibras com cadeias nucleares, suas terminações são em trilha. Respostas 
originadas quando o fuso neuromuscular é estirado lentamente. As fibras que transmitem essa informação 
são Ia e II 
A resposta dinâmica sinaliza a taxa de estiramento muscular, enquanto o componente estático indica o 
comprimento muscular. 
Os neurônios motores gama regulam a sensibilidade dos fusos musculares ao estiramento do músculo 
O sistema nervoso central pode regular as respostas dinâmicas e estáticas dos fusos musculares de forma 
independente 
Um outro tipo de receptor de estiramento muscular é o órgão tendinoso de Golgi, encontrados nos tendões, 
no tecido conjuntivo dentro dos músculos esqueléticos, e em torno das cápsulas articulares 
São inervados por espessas fibras nervosas aferentes primárias mielinizadas, denominadas fibras do grupo 
Ib, que interdigitam-se com os feixes de fibras colágenas, um arranjo que permite a aplicação de força 
mecânica sobre os terminais quando o músculo é contraído ou estirado 
Os órgãos tendinosos de Golgi, portanto, estão dispostos em série com o músculo e seu tendão 
Muitas características da contração muscular podem ser demonstradas pela produção de um abalo muscular 
Este pode ser produzido por meio da excitação elétrica instantânea do nervo muscular ou por um breve 
estímulo elétrico, originando contração breve e abrupta que dura uma fração de segundo 
A contração muscular é dita ISOMÉTRICA quando o músculo não encurta durante contração, e 
ISOTÔNICA quando encurta, mas sua tensão permanece constante por toda a contração 
No sistema isométrico, o músculo se contrai contra um transdutor de força sem que ocorra encurtamento do 
músculo, em termos estritos, só registra a variação da força da própria contração muscular, por isso, o 
sistema isométrico é comumente mais utilizado quando se comparam as características funcionais dos 
diferentes tipos de músculo 
No sistema isotônico, o músculo se encurta contra uma carga fixa, as características das contrações 
isotônicas dependem da carga contra a qual o músculo se contrai, além da inércia da carga 
FISIOLOGIA: MUSCULAR CAMILA SANTIAGO 
 
 
FISIOLOGIA: MUSCULAR | MEDICINA 
 
 
Tipos de fibras musculares 
O tamanho da FM se relaciona com a delicadeza e precisão de movimento 
Poucas fibras musculares – precisão 
Muitas fibras musculares – força 
 
Fibras Musculares Rápidas x Fibras Lentas 
Cada músculo do corpo é composto por uma mistura das chamadas fibras musculares rápidas e lentas, além 
das fibras com diferentes graduações entre estes dois extremos 
Os músculos que reagem rapidamente são compostos, em sua maior parte, por fibras "rápidas" com apenas 
um pequeno número da variedade lenta 
Inversamente, os músculos que respondem lentamente, mas com contração prolongada, são compostos, na 
maior parte, por fibras "lentas" 
 
Fibras rápidas 
l) Fibras grandes para uma grande força de contração 
2) Retículo sarcoplasmático muito extenso, para a rápida liberação dos íons cálcio para desencadear a 
contração 
3) Grande quantidade de enzimas glicolíticas, para a rápida liberação de energia pelo processo glicolítico 
4) Suprimento de sangue menos extenso, devido ao metabolismo oxidativo ter importância secundária 
5) Menor número de mitocôndrias, também porque o metabolismo oxidativo é secundário 
São 2 X maiores que as fibras de contração lenta, a potência máxima de contração que pode ser alcançada é 
2 X maior, e são organizadas para potência, velocidade, para contrações rápidas que necessitam de potência 
elevada 
 
Fibras lentas 
1) Fibras menores 
FISIOLOGIA: MUSCULAR CAMILA SANTIAGO 
 
 
FISIOLOGIA: MUSCULAR | MEDICINA 
2) Também inervadas por fibras nervosas pequenas 
3) Sistema dos vasos sanguíneos e dos capilares mais extensos, para suprir quantidades extras de oxigênio 
4) Número de mitocôndrias muito elevado, também para dar suporte aos altos níveis de metabolismo 
oxidativo 
5) As fibras contêm grande quantidade de mioglobina, uma proteína que contém ferro, semelhante à 
hemoglobina, nas hemácias, que dá ao músculo lento sua aparência avermelhada e o nome de músculo 
vermelho, enquanto a falta da mioglobina vermelha nos músculos rápidos dá a eles o nome de músculos 
brancos 
São organizadas para resistência, para gerar energia aeróbica, permite força de contração prolongada por 
muitos minutos ou hora 
 
 
Mecânica da contração do músculo esquelético 
Unidade motora 
Todas as fibras musculares inervadas por uma só fibra nervosa formam uma unidade motora 
 
Contrações musculares com forças diferentes 
Somação das forças 
Significa a soma de contrações individuais para aumentar a intensidade da contração total. A somação 
ocorre por dois meios: 
Aumento do número de unidades motoras que se contraem ao mesmo tempo, referido como somação por 
fibras múltiplas 
Aumento da frequência de contração, que é referido como somação por frequência e pode levar à 
tetanização 
 
Somação por fibras múltiplas 
Quando o SNC envia um sinal fraco para que o músculo se contraia, as menores unidades motoras do 
músculo podem ser estimuladas, em preferência às unidades motoras maiores, à medida que a força do sinal 
aumenta, unidades motoras cada vez maiores começam a ser também excitadas, com as maiores unidades 
motoras apresentando 50X mais força contrátil que as unidades menores 
FISIOLOGIA: MUSCULAR CAMILA SANTIAGO 
 
 
FISIOLOGIA: MUSCULAR | MEDICINA 
Isso é conhecido como o princípio do tamanho. Esse fenômeno é importante, pois permite a graduação da 
força muscular durante uma contração fraca que ocorre em pequenas etapas, uma vez que essas

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.