A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Doença Renal Crônica

Pré-visualização | Página 2 de 2

ósseo 
- Perda de massa renal, reduz clearece de fósforo que vai aumentar no sangue. Esse aumento 
estimula redução do Calcio – esse processo estimula a produção de PTH; Tem também aumento da 
FGF23 que diminui 1-alfa-hidroxilase (converte 25 hidroxivitamina D em calcitriol). Com a diminuição 
do calcitriol, tem diminuição da cálcio e consequente aumento do PTH (hiperparatireoidismo 
secundário). 
• Medidas dietéticas: dieta hipofosfatêmica, normocalcemica 
 
7 DOENÇA RENAL CRONICA Nicoly Guimarães 71 D 
• Quelantes de fósforo: carbonato de cálcio, acetato de cálcio, sevelamer. (objetivo: fósforo 
dentro dos valores de referência) – usa durante refeição, se usar fora vai contribuir p/ 
aumento de cálcio. 
• Reposição de vitamina D 
• Reposição de vitamina D ativada ( calcitriol) – governo fornece, se 25OH vit D está normal. 
• Calcimiméticos (receptores de vit D e Ca no paratireoide) 
• Paratireoidectomia parcial (diminui massa óssea) 
Distúrbios hidroeletrolíticos 
- Acidose metabólica: 
• Alvo: bicarbonato de sódio sérico > 22 mEq/L (22-26) 
• Reposição de bicarbonato de sódio VO – começa repor com bicarbonato de sódio (tampão 
contra acidose, se não tem ele usa o cálcio para fazer o tampão). 
- Hipercalemia: 
• Alvo: K < 5,5 mmol/L 
• Medidas dietéticas 
• Diuréticos de alça 
• Tratamento da acidemia – ela aumente chance de hipercalemia. 
• Quelantes de potássio: resinas de troca –Sorcal, patiromer, Loke 
- Pesquisa de sorologias e encaminhamento para vacinação 
Hepatite B 
• Anti-HBsAg negativo= encaminhar para vacinação 
• Dose dobrada e em 4 aplicações (0,30, 60 dias e 6 meses 
Hepatite C e HIV 
- Outras vacinas: anti-pneumocócica e Influenza 
Acompanhamento 
→ Preparação para TRS 
- Tratamento conservador: medicamentos e acompanhamento. 
- Decisão compartilhada do método 
- Apresentação das opções terapêuticas: 
• Hemodiálise – fístula é imediata 
• Diálise peritoneal 
• Transplante 
• Tratamento conservador 
- Esclarecimento sobre pós e contras de cada método 
- Acompanhamento multidisciplinar 
EXAMES DE IMAGEM 
 
 
8 DOENÇA RENAL CRONICA Nicoly Guimarães 71 D 
→ US 
US DOS RINS E VIAS URINÁRIAS 
• Idealmente deve ser realizado em todo paciente com doença renal 
• Barato, indolor, não usa radiocontraste nem radiação 
• Operador-dependente 
• Tamanho, forma, cistos, hidronefrose, cálculos, etc… 
US COM DOPPLER 
- Avaliação inicial de infarto, estenose e trombose. 
 
DRPAD 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
HIDRONEFROSE 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
9 DOENÇA RENAL CRONICA Nicoly Guimarães 71 D 
NEFROLITÍASE 
 
→ Tomografia – urotomografia 
• Com contraste: alta especificidade e sensibilidade. 
• ATENÇÃO: Risco de nefropatia induzida por contraste 
• Sem contraste: cálculos, nefrocalcinose 
• Avaliar massas renais, investigar cálculos, avaliar massas retroperitoneais, útil na avaliação da 
hematúria não glomerular, etc. 
• Cortes de 3-5 mm 
• Limitações: obesos, alergia ao contraste, Doença renal crônica ou aguda pode limitar em 
alguns casos 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
10 DOENÇA RENAL CRONICA Nicoly Guimarães 71 D 
- Cistos adquiridos – DRPAD (não recorre) 
*indicação de nefrectomia prévia ao transplante 
 
- Infarto renal 
 
→ Ressonancia magnética 
• Com ou sem contraste => gadolíneo : proibido quando RFG < 30 ml/min, 1,72m2 => risco 
de fibrose sistêmica nefrogênica 
• Alternativa para alergia ou contra-indicação ao contraste iodado da TC 
- Volume total renal na DRPAD 
 
 
 
 
11 DOENÇA RENAL CRONICA Nicoly Guimarães 71 D 
CONCLUSÕES 
- DRC é frequente, subestimada e uma doença grave 
- DRC tem grande impacto sobre as políticas de saúde pública 
- Classificação é fundamental para abordagem adequada 
- Pacientes com DRC apresentam índices de mortalidade mais elevados que a população geral, em 
todos os estágios da doença. 
- Médico generalista: papel fundamental no tratamento dos pacientes, tanto das doenças de base 
como das alterações secundárias à própria DRC. 
- Tratamento consiste em controle rigoroso da PA, DM, obesidade, dislipidemia, mudança de estilo de 
vida. 
- Tratamento específico, sempre ficar atento: 
• Anemia 
• Distúrbios hidroeletrolíticos 
• Doença mineral e óssea 
• Risco elevado de infeções e importância da vacinação 
• Encaminhar ao especialista quando indicado, de preferência com as medidas terapêuticas 
indicadas instituídas 
- Pacientes com DRC: risco super elevado de eventos cardiovasculares!!! 
 
12 FIBROMIALGIA Nicoly Guimarães 71D