A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
5 - Planejamento PPR classe III e IV

Pré-visualização | Página 1 de 2

Letícia S Moda Silva 
Planejamento PPR classe III e IV 
Prótese dento-muco-suportada x Prótese dentossuportada 
 Suporte de tecido mucoso e dentes (possuem 
diferentes movimentações: a mucosa permite 
uma movimentação maior do que o ligamento 
periodontal) 
 Forças transmitidas ao osso pelo ligamento 
periodontal 
 Suporte apenas de dentes 
 Cargas transferidas para o tecido ósseo apenas 
pelo ligamento periodontal 
 Prognóstico favorável 
 
 
 
 Alavancas sempre presentes nas próteses de extremidades livres, quando utilizamos os princípios adequados 
apenas estaremos mudando o tipo de alavanca tornando-a menos nociva. 
 Requerem maior cuidado, especialmente próteses mandibulares – paciente tona mais ao consultório 
 
Sequência para o desenho das PPRs 
1. Delimitação da área anodôntica (classificação) 
2. Escolha dos dentes pilares 
 Regra geral: Dentes adjacentes a área anodôntica 
 Sempre devem ter apoio, mas não necessariamente grampos 
3. Posicionamento dos apoios 
 Regra geral: adjacentes a área anodôntica 
 Exceções: extremidades livres (distante da área anodôntica) e interferência oclusal (que me impeça 
de colocar o apoio, principalmente dentes muito inclinados, mesialisados) 
4. Determinação da linha de fulcro 
 Eixo imaginário, determinado pelos apoios mais posteriores da PPR, em torno da qual a prótese tem 
tendência a rotação 
 Se a prótese tem tendência de movimento são necessários retentores indiretos 
 Podem ser grampos, apoios, parte do conector maior 
5. Posicionamento do retentor indireto 
 Devem ser posicionados na maior perpendicular à linha de fulcro, para impedir a rotação da prótese 
6. Escolha e posicionamento dos retentores diretos (grampos) 
 Regra geral: adjacentes a área anodôntica 
 Exceções: dentes com comprometimento periodontal, dentes tratados com prognóstico duvidoso, 
mas nunca dentes condenados 
 Dentes pilares sempre devem ter apoio, mas não necessariamente grampos 
7. Escolha e posicionamento dos conectores 
 
 
Letícia S Moda Silva 
Planejamento classe III 
Seleção do conector maior maxilar 
 Necessidade de suporte 
 Presença de torus 
 Necessidade de substituição de dentes anteriores 
Seleção de conector maior mandibular 
 Necessidade de retenção indireta 
 Presença de torus 
 Necessidade de substituição de dentes 
anteriores 
 Estabilização de dentes 
Exemplos: 
 
Classe III de Kennedy 
Dentes pilares: 14, 17 
Apoios: distal do 14, mesial do 17 
Linha de fulcro: passando nos apoios dos dentes pilares 14 e 17 
Retentor indireto: grampo geminado nos dentes 26 e 27 (lembrando que para usar o geminado, deve-se ter 
retenção na mésio-vestibular e disto-vestibular de cada molar respectivamente). 
Retentores diretos (grampos): circunferencial simples (linha do sorriso alto) ou tipo barra no 14 (linha do sorriso 
baixa), circunferencial simples no 17 
Conector: barra palatina (cuidado para não deixá-la afilada, pois pode fraturar) 
Obs.: Confecção de um apoio na mesial do 25 para o desenho da prótese ficar mais estável 
Obs.: O conector palatino completo poderia ser utilizado, entretanto eu não preciso utilizá-lo, pois não é preciso 
muito suporte nesse caso, já que serão substituídos apenas dois elementos área desdentada pequena 
 Para escolha dos grampos corretos devo analisar clinicamente a linha do sorriso e a oclusão, e, no modelo, as 
retenções verificadas no delineamento. 
 
 
Classe III de Kennedy 
Letícia S Moda Silva 
Dentes pilares: 33, 36 + grampo geminado 
Apoios: cíngulo do 33, mesial do 36 + os do grampo geminado 
Linha de fulcro: passando nos apoios dos dentes pilares 33 e 36 
Retentor indireto: grampo geminado nos dentes 46 e 47 
Retentores diretos (grampos): tipo barra no 33 e circunferencial simples no 36 
Conector: barra lingual 
 Obs.: Todo braço de retenção deve ter um braço de reciprocidade (independente se o grampo tiver desenho 
circular ou em barra). Nos incisivos e caninos, o próprio apoio no cíngulo faz a função do braço de 
reciprocidade, já que ocupa uma grande parte do dente. 
 Obs.: Se tenho um apoio, dele deve sair um retentor menor, mas por onde ele sai? 
 - Casos dentossuportados: o conector menor sai pela área anodôntica. 
 - Casos dento-muco-suportados: conector menor sai pela mesial. 
 Obs.: Não posso fazer grampo geminado entre pré-molares, mas posso fazer entre pré-molar/molar e 
molar/molar 
 
 
Classe III de Kennedy, modificação 1, inf. 
Dentes pilares: 33, 37, 44, 47 
Apoios: cíngulo do 33, mesial do 37 e 47, distal do 44 
Linha de fulcro: passando nos apoios + posteriores: 37 e 47 
Retentor indireto: não há necessidade, pois a prótese não irá girar, já que os grampos do lados oposto evitam a 
rotação da prótese e, portanto a linha de fulcro não é ativa. Os retentores diretos também não atuam como 
retentores indiretos, simplesmente porque não há necessidade de retenção indireta. 
Retentores diretos (grampos): tipo barra no 33 e 44, circunferencial simples no 37 e 47 
Conector: barra lingual 
 
 Toda a prótese classe III com modificação não tem linha de fulcro, portanto não tem tendência a girar e não 
necessitam de retenção indireta! 
 
Letícia S Moda Silva 
 
Classe III de Kennedy, modificação 1, superior 
Dentes pilares: 14, 17, 24, 27 / 33, 37, 44, 47 
Apoios: adjacentes a área anodôntica 
Linha de fulcro: passando nos apoios + posteriores: 17, 27 / 37, 47 (ambas não tendem a girar, devido os 
grampos dos lados opostos que evitam a rotação da prótese) 
Retentor indireto: não há necessidade 
Retentores diretos (grampos): 
Conector: Barra palatina e barra lingual 
 
 
Classe III de Kennedy superior 
Dentes pilares: 11, 26 
Apoios: cíngulo do 11, mesial do 26 + nos grampos geminados 
Linha de fulcro: passando nos apoios dos dentes pilares: 11, 26 
Retentor indireto: grampo geminado nos dentes 16 e 17 
Retentores diretos (grampos): sem grampo no 11 (estética), grampo geminado nos dentes 16 e 17, 26 e 27 
Conector: Barra palatina em forma de U ou ferradura ou Barra palatina dupla 
Obs.: Apoio no 14 p/ dar mais estabilidade e melhor formato do conector maior 
Obs.: grampo geminado nos dentes 26 e 27 (equivalente ao grampo geminado do lado oposto – maior 
estabilidade) 
 No caso acima, se eu quisesse usar um grampo MDL, o incisivo central não poderia ter dentes adjacentes ou 
deveria ter a presença de um diastema 
 Sempre devem ter apoio, mas não necessariamente grampos (estética) 
Letícia S Moda Silva 
 Quando eu vou selecionar um conector maior da maxila, o que devo pensar: 
- desdentamento muito grande (preciso de suporte com conectores amplos): conector palatino completo ou 
placa palatina 
- desdentamento pequeno: barra palatina, barra palatina em U ou uma barra dupla (ântero-posterior), sendo 
que desses três devo ver: 
- se meu paciente possui tórus: barra palatina em U ou barra dupla (ântero-posterior) 
- se eu precisar repor dente anterior: barra palatina em U ou barra dupla (ântero-posterior) 
- se eu não for repor um dente anterior (não há porque utilizar um conector que fica nas rugosidades 
palatinas): barra palatina 
 
 Quando eu vou selecionar um conector maior da mandíbula, o que devo pensar: 
O conector maior inferior não dá suporte, pois é bem fino, então o que vai orientar a minha escolha é a 
necessidade de retenção indireta 
 - casos de extremidade livre (presença de apenas dentes anteriores): barra dupla de Kennedy ou placa dental 
ou barra lingual 
 - casos onde não há necessidade de retenção indireta (utiliza o retentor mais simples): barra lingual 
 
Classe III de Kennedy, modificação, inferior 
Dentes pilares: 32, 35, 37, 42, 44, 47 
Apoios: cíngulo do 32 e 42, mesial do 37 e 47, distal do 35

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.