A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Dispositivos de Oxigenação em crianças

Pré-visualização | Página 1 de 1

Dispositivos de Oxigenação em crianças 1
�
Dispositivos de Oxigenação em 
crianças
A escolha do sistema de oferta de O2 é determinada pela condição clínica da criança e pela 
concentração desejada de oxigênio.
Cânula Orofaríngea (Guedel)
ATLS: Em crianças, usar um abaixador de língua e inserir o dispositivo com a parte curva para baixo, 
tomando cuidado para não empurrar a língua para trás, o que bloquearia a via aérea.
Bolsa válvula-máscara
Dispositivos de Oxigenação em crianças 2
Ventilação por uma pessoa
Selecionar a máscara: deve se estender desde a metade proximal do nariz até o queixo
Conectar o oxigênio: fluxo de 15 L/min
Aplicar a máscara com a mão dominante, segurando a máscara com os dedos em C enquanto 
levanta a mandíbula para dentro da máscara com os outros 3 dedos
Iniciar a ventilação com a mão não dominante com ciclos de 5 segundos 
Ventilação com duas pessoas
A primeira pessoa aplica a máscara com a manobra de jaw-thrust
A segunda pessoa inicia a ventilação apertando a bolsa com as duas mãos com ciclos de 5 
segundos
Cateter Nasal
0,5-4,0 L/min em 22-60% (máximo de 6L)
FiO2 = 20 + (4 x Volume)
Cânula nasal de alto fluxo: 4-40 L/min
Máscara Laríngea
Escolher o tamanho correto
Checar se a máscara está estéril, íntegra e com lúmen desobstruído
Lubrificar a máscara
Segurar a máscara com a mão dominante como se segurasse uma caneta, com o dedo indicador na 
junção do cuff com a haste, orientando a abertura da máscara sobre a língua do paciente
Passe a máscara por trás dos incisivos superiores, mantendo a haste paralela ao tórax do paciente e 
o dedo indicador apontando na direção do intubador
Empurre a máscara lubrificada para a posição no arco palatofaríngeo enquanto usa o dedo indicador 
para manter pressão no tubo e guie a máscara para a posição final
Infle o cuff com o volume correto de ar indicado na haste
Cheque o posicionamento aplicando ventilação com bolsa, auscultando, observando o movimento do 
tórax e idealmente por capinografia
IOT
Dispositivos de Oxigenação em crianças 3
Preparo
Separar e checar os materiais: Fonte de O2 com umidificação, sistema de alto fluxo para 
hiperoxigenação prévia, fonte de vácuo e sonda para aspiração, laringoscópio, tubos de 3 tamanhos 
(adequado para idade, maior e menor), guia para tubo e medicamentos
<1 ano: Tubo 3,5 sem balonete,
1-2 anos: Tubo 4 sem balonete
>2 anos: Diâmetro interno = (idade/4) + 4 sem balonete
Para usar tubos com balonete, diminuir 0,5. A pressão de insuflação do cuff deve ficar entre 20-
25 cmH2O
A profundidade de inserção em centímetros da extremidade distal à saliência alveolar dos dentes 
em >2 anos = 12 + idade/2 OU = diâmetro interno x 3
Laringoscópio:
Para bebês entre 6-7 kg até 3 anos = lâmina 1 reta
Para crianças entre 12-14 kg = lâmina 2 reta
Para crianças 19-29 kg = lâmina 2 reta ou curva
Para crianças >30 kg = lâmina 3 reta ou curva
Dois acessos calibrosos
Monitorização cardiorrespiratória
Pré-oxigenação
Uso de oxigênio a 100% por máscara com reservatório não reinalante durante 3-5 min
Pré-tratamento
Atropina para menores de 1 ano, para 1-5 anos quando usar succinilcolina e para maiores de 5 
anos se utilizar uma segunda dose de succinilcolina
0,02 mg/kg com dose mínima de 0,1mg (bradicardia paradoxal) e máxima de 0,5mg
Dispositivos de Oxigenação em crianças 4
Lidocaína pode ser utilizada principalmente nos casos de TCE ou na suspeita de hipertensão 
intracraniana
Fentanil para analgesia
Paralisia com indução:
Sedação
Etomidato 0,2-0,4 mg/kg. Início de ação de 30-60 segundos, pico com 1 minuto e meia-vida 
de 10-15 minutos, praticamente não afeta a PA, neuroprotetor, pode reduzir o limiar 
convulsivo em pacientes de risco e tem sido contraindicado na sepse e choque séptico
Cetamina 1,5-2 mg/kg IV e 3-4 mg/kg IM. Potente anlgesia, mantém estabilidade 
cardiovascular, preserva respirações espontâneas e reflexos de proteção de vias aéreas, 
propriedades broncodilatadoras. Proibido para <3 meses e doenças psiquiátricas
Midazolam . Agente subótimo para intubação e deve ser usado com cautela em condições 
de instabilidade hemodinâmica pelo inotropismo negativo e vasodilatação
Tipental . Início de ação em 30 segudos e meia-vida curta. Neuroprotetor, associado à 
hipotensão, efeitos na contratilidade miocárdica, resistência vascular e retorno venoso. 
Aplicação em pacientes normotensos, normovolêmicos com status epilepticus ou hipertensão 
intracraniana e convulsões
Propofol . Meia-vida e duração de ação curtas. Neuroprotetor, causa queda da PA
Bloqueio neuromuscular: Comumente evitado na pediatria, porém melhora as condições de 
intubação e reduz o trauma à via aérea. Deve ser sempre usado na sequência rápida, exceto na 
previsão de via aérea difícil ou sem condições alternativas
Despolarizante: Succinilcolina 3mg/kg em <1 ano, 2mg/kg para >1 ano, 1 mg/kg para >10 
kg. Início de ação em 1 minuto e duração de 5-15 minutos. Relaxante de escolha na grande 
maioria das situações. Deve ser evitado após as primeiras 24h em pacientes com 
queimaduras e após 72h em pacientes com síndromes de denevarção aguda ou politrauma. 
Aumenta potássio sérico
Não despolarizante: Rocurônio 0,6-1,2 mg/kg. Início de ação em 30-90 segundos e duração 
de 45-53 minutos em lactentes e 27 minutos em crianças. Droga de escolha na 
contraindicação da succinilcolina. Neostigmine é antagonista
Posicionamento do paciente
Colocar o meato acústico alinhado com o esterno.
Decúbito dorsal com elevação da cabeça até 5cm com coxim em crianças maiores
Em crianças <3 anos utilizar o coxim sob os ombros
Dispositivos de Oxigenação em crianças 5
Posicionamento da cânula
ATLS 2018
Tenha certeza de que ventilação e oxigenação adequadas estão sendo feitas e que equipamento de 
aspiração esteja disponível caso o paciente vomite
Selecione o tubo de tamanho adequado, que deve ser do mesmo tamanho da narina ou do dedo 
mínimo do paciente, ou use uma fita de ressuscitação pediátria para determinar o tamanho correto
Segure o laringoscópio com a mão esquerda (independentemente da mão dominante)
Insira a lâmina do laringoscópio do lado direito da boca, movendo a língua para a esquerda
Observe a epiglote e as pregas vocais. Manipulação laríngea externa pode ajudar na visualização 
(pressão para trás, para cima e para direita [BURP])
Inserir o tubo endotraqueal não mais que 2 cm após as pregas vocais
Se a IOT não for completada dentro de 30 segundos ou no mesmo tempo que se consegue segurar uma 
inspiração, pare a tentativa e ventile o paciente com uma bolsa válvula-máscara e tente novamente
Pós-intubação
Cheque o posicionamento aplicando ventilação com bolsa, auscultando, observando o movimento do 
tórax, por radiografia e idealmente por capinografia
Deterioração Súbita em paciente intubado
Deslocamento do tubo
Obstrução do tubo: Secreções, sangue, pus, corpo estranho ou torção
Pneumotórax: No simples resulta em deterioração súbita na oxigenação e diminuição da expansão 
torácica e dos sons respiratórios; No hipertensivo pode resultar além disso em hipotensão e redução 
do débito cardíaco
Equipamento: Desconexão do suprimento de O2 do sistema de ventilação, vazamento no circuito do 
ventilador, queda de energia, funcionamento incorreto das válvulas na bolsa ou circuito
Oxigenoterapia
Desconforto respiratório x Falha respiratória
Dispositivos de Oxigenação em crianças 6
Dispositivos de Oxigenação em crianças 7
Dispositivos de Oxigenação em crianças 8
Máscara de Venturi
Máscara de Hudson
FiO2 90-100% com 10-15L/min
Resumo por: Igor Mecenas

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.