A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
23 pág.
80944680

Pré-visualização | Página 5 de 6

de sua criatividade a criança tem a opção de expressar artisticamente a construção do próprio instrumento, como as cores, detalhes. Direcionando a esta meta, a criança questiona, e projeta a experiência do conhecimento em determinado instrumento criado ou porque a mesma faz aulas de música, ou porque alguém na família toca ou faz parte do contexto musical. Quando a aprendizagem se torna, geradora de conhecimento, a experiência passa a ser criativa e o interesse envolve os estímulos nos fatores de ensino e capacidade de expor as ideias para a construção do objeto. A transmissão de conhecimento educacional transpassa o ensino, quando a socialização se torna condutora dos processos de equilibração[footnoteRef:28]. Portanto, a aquisição do conhecimento são resultados da interação das estruturas organizacionais. [27: O conhecimento na reorganização da afetividade e do raciocínio-lógico. (MONATNGERO; MAURICE-NAVILLE, 1998, p.180).] [28: A aprendizagem no processo de construção das estruturas. (PEAGET, 1974). ] 
Para Andrade (1984) o ambiente se torna o intercâmbio para o desenvolvimento funcional e a expansão do equilíbrio, nas funções do pensamente e da ação. A criança estimulada no ambiente educacional gera a expansão de conhecimento, e ao mesmo tempo se torna receptiva a uma nova abordagem de aprendizado. Deste modo, o desenvolvimento da inteligência é determinado pelas ações mútuas entre o processo educativo e a expansão de conhecimentos. Castro (2001), a construção do conhecimento, condiz com a interação do aprendiz, as flexibilidades operatórias nos esquemas mentais da produção do saber. 
No quadro abaixo: foram analisados os fatores da construção de instrumentos, a criatividade da criança, a expressão das cores, as proporções no designer e no aspecto. A figura 5: com tema: “A construção de instrumentos musicais”.
Figura 5: Resultados obtidos da aplicação do Projeto de Musicalização “A construção de instrumentos”, com as deferidas análises, no campo educacional cognitivo, psicomotror e instrumentalização. Redigidos e coletados pela Profª.Especialista Vanuza Almeida Prado – 56603808
O papel construtivo do professor é de intermediário, na criatividade e expressividade da arte de criar, transformar e manipular, as formas e cores, para o aprendiz. 
13. O Diagnóstico do projeto musical
O projeto musical teve um começo, meio fim, centrado no cronograma escolar, ministrados na educação infantil, ensino fundamental I e II. Com bases no acompanhamento das crianças, o primordial para os professores foi o desenvolvimento social e a assimilação didática no ensino. Os que mais ficaram surpresos foram os pais dos próprios alunos, que comearam a questionar a diretora, sobre o que estava acontecendo na escola que a criança havia mudado literalmente o comportamento em casa. Estes fatores foram muito visíveis, e a satisfação entre a direção e os professores eram muito animadoras, tantas outras ideias foram surgindo, quanto a cooperação e interesse dos outros professores nas aulas de musicalidade foram acontecendo naturalmente. 
O impacto maior que mais me chamou a atenção foi, a criatividade nas oficinas de construção de instrumentos, a participação nas canções de rodas, a dedicação nos cuidados e interesses pelo meio ambiente. E para encerrar o ano letivo, preparamos a cantata de Natal, é impressionante o que a música pode fazer na vida das crianças. Houve em determinado momento em que um deles olhou para mim e disse, Professora quero ser maestro e vou continuar estudando para isso. Então, como especialista é gratificante saber que a dedicação e todo trabalho que se têm para elaborar os projetos se torna tão gratificante, quando percebemos que não só as teorias estão na prática, mas se tornam palpáveis ao ponto de transformar o sujeito-ativo, na construção do conhecimento integral. A cantata e todas as outras apresentações, foram sensacionais, faltou lugar, faltou comida, sobrou elogia e havia a necessidade de se expandir mais. É um momento em que tudo o que o docente faz para a construção do sujeito-social, os feitos vem como recompensa pela dedicação e carinho. 
 Maior ato de premiação é ver os resultados atingidos, a meta completa e os resultados chegando às diversas formas de elogios e carinhos. É uma satisfação muito grande quando realmente fazemos aquilo que amamos, sem esperar recompensas algumas. Entre tantas situações de extrema pobreza aos valores incompreensíveis das riquezas, podemos dizer que ambos caminharam juntos sem distinção ou diferenças de valores ou culturas.
14. Conclusão
Os processos em que as estruturas estabelecem no sujeito-comunicativo é a forma que o docente conduz a metodologia. O ensino é a exatidão nos conceitos, como na aplicabilidade das disciplinas. Deste modo, a linguagem técnica da musicalidade, passou a gera na aprendizagem a arte da expressão e da expressividade. O mundo criado com os estímulos, inseridos na aprendizagem significativa, possui um amplo caminho aberto, favorável ao desenvolvimento pessoal e educativo.
A cultura marca os valores éticos da socialização, mas a aprendizagem é que vai moldando o sujeito através dos conhecimentos científicos e analíticos Neste fator o saber não é só administrado na disciplina, como o conceito passa a ser interdisciplina e transdisciplinar, provedor dos procedimentos metodológicos e do conhecimento científico no ensino e na transformação do sujeito ativo. 
A comparação educativa, através das análises, projeta o fator de interações à construção de significados, intercalando os conceitos amplos do desenvolvimento sujeito-ensino, sociedade-educação. A concepção dos significados possui a lógica construtiva das estruturas, o qual processa o conhecimento pelo saber e a compreensão pela interação do sujeito-passivo ao sujeito-ativo-educacional.
A referência escolar desenvolve as metodologias do conhecimento, mas as dificuldades do sujeito estão na socialização cultural e educacional. A probabilidade que integrar a criança na educação é socializando o saber a interação de seu desenvolvimento intelectual e significativo. Isso requer um cooperativismo por parte dos professores, na regência do ensino e as formas de aplicação das disciplinas. 
O conceito visa à experiência, que conclui com a ciência em hipóteses que refutam qualquer diagnóstico precoce na educação, ou no sujeito. O caminho do conhecimento está no mediador e a experiência no sujeito. Neste sentido ambos devem propiciar a interação do saber na socialização-escolar, como na associação de conhecimentos. Assim, a aprendizagem objetiva uma meta, e direciona vários caminhos. 
15. Referências Bibliográficas
AMORIM, Antonio. Fonoaudiologia Geral. São Paulo: Liv. Pioneira Editora. 1972. 
AUSUBEL,D.P.;Novak,J,D.;Hanesian,H.EDUCATION PSYCHOLOGY. Nueva York:Holt, Rinehart & Wiston, 1983. (Versão espahola: Psicología Eduativa.México:Trilias).
AUSUBEL, D. P. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moares, 1982.
COLL, C. Os conteúdos na reforma – Ensino e aprendizagem de onceitos, procedimentos e atitudes. Cesar Coll, Juan Ignacio Pozo, Bernabé Sarabia e Enric Valls. Trad. Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artes Médicas. 1998. 
COSTALLAT D.M.Psicomotricidade: a coordenação viso-motora e dinâmica manual da criança infratotada, método de avaliação e exercitação gradual básica. Rio de janeiro: Globo, 1985. 
BRENNAND, E. G. G. e VASCONCELOS, G. C. O Conceito de potencial múltiplo da inteligência de Howard Gardner para pensar dispositivos pedagógicos multimidiáticos. Ciências & Cognição; Ano 02, Vol. 05, 2005, p.19-35
BECKER, Fernando.Para uma nova teoria de aprendizagem segundo Paiget.In:MOREIRA, Marco A. (org). Aprendizagem; percpectivas teóricas.Porto Alegre: Ed. Da UFRGS, 1985. 
LEVITIN, Daniel J. A Música no seu Cérebro. A Ciência de uma Obsessão Humana. Trad. Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.
FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 35. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
 
Montangero,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.