Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
34 pág.
ANÁLISES QUÍMICAS

Pré-visualização | Página 1 de 2

FEDERAÇÃO DAS INDUSTRIAS DO ESTADO DE GOIÁS
Sandro Mabel
Presidente 
DIRETORIA SENAI
Paulo Vargas
Diretor Regional do SENAI
DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA SESI SENAI GO
Claudemir José Bonatto
Diretor de Educação e Tecnologia 
Weysller Matuzinhos de Moura
Gerente de Educação Profissional
Osvair Almeida Matos
Gestor do Núcleo Integrado de Educação a Distância
Paulo de Sá Filho
Coordenador do Núcleo Integrado de Educação a Distância
Revisão da apostila de Modelagem Industrial Básico Tecido Plano / FIEG, SENAI: D. R – Goiás.
Revisão na FATEC – Ítalo Bologna. Coordenação: Nilza Maria Alves Naves.
Organização e ilustração: Nilza Maria Alves Naves. 
Participação na Revisão de conteúdo: Terezinha Martinho
Apoio: Hélia Maria de Faria.
SÉRIE VESTUÁRIO
ANÁLISES 
QUÍMICAS
2021.SENAI - Departamento Nacional
2021.SENAI - Departamento Regional de Goiás
A reprodução total ou parcial desta publicação por quaisquer meios, seja eletrônico, 
mecânico, fotocópia, de gravação ou outros, somente será permitida com prévia 
autorização, por escrito, do SENAI.
Esta publicação foi elaborada pela equipe do Núcleo de Educação a Distância do 
SENAI de Goiás.
SENAI Departamento Nacional
Unidade de Educação Profissional e Tecnológica - UNIEP
SENAI Departamento Regional de Goiás
Núcleo Integrado de Educação a Distância - NIEaD
SENAI
Serviço Nacional de 
Aprendizagem Industrial
Departamento Nacional
Sede
Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
Departamento Nacional 
Sumário
1.1 ANÁLISES QUÍMICAS .............................................................................................................................9
1.1.1 PORQUE AMOSTRAR? .........................................................................................................10
1.1.2 AMOSTRAGEM .......................................................................................................................11
1.1.3 AMOSTRAGEM DE ÁGUA ...................................................................................................11
1.1.4 ANÁLISE QUALITATIVA – TESTE LUGOL .......................................................................12
1.1.5 ANÁLISE QUANTITATIVA - ACIDEZ TOTAL ...................................................................12
1.1.6 ANÁLISE QUANTITATIVA - ALCALINIDADE TOTAL ...................................................13
1.1.7 ANÁLISE QUANTITATIVA - ANÁLISE DE DUREZA .....................................................13
1.1.7.1 TITULAÇÃO COMPLEXOMÉTRICA ................................................................13
1.1.7.2 ANÁLISE QUANTITATIVA - ANÁLISE DE CLORETOS ..............................14
2.1 SOLUÇÕES ..................................................................................................................................................17
2.1.1 DISPERSÕES ............................................................................................................................18
2.1.2 SOLUÇÕES ...............................................................................................................................19
2.1.3 CONCENTRAÇÃO COMUM ................................................................................................24
2.1.4 PREPARO DE SOLUÇÕES ....................................................................................................25
2.1.5 CONCENTRAÇÃO MOLAR..................................................................................................25
2.1.6 DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES ...................................................................................................27
3.1 PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES .......................................................................................................29
1.1 ANÁLISES QUÍMICAS
Análises Químicas
1
10 QUÍMICA
• Na Química Analítica, as substâncias quantificadas e identificadas são chamadas de Analitos e os 
locais de onde foram retiradas estas amostras são chamados de Matriz. 
• O procedimento analítico pode ser dividido de duas maneiras: 
• Análise elementar: determina-se a quantidade de cada elemento na amostra, sem levar em con-
sideração os compostos realmente presentes.
• Análise parcial: determina-se apenas certos constituintes da amostra.
• Análise completa: determina-se a proporção de cada componente da amostra. 
• Análise de constituintes-traço: caso especial da análise parcial, na qual determina-se constituintes 
que estão presentes em quantidades muito pequenas.
1.1.1 PORQUE AMOSTRAR?
Amostras de água: nível de poluição, grau de potabilidade; 
“bulk system” que se refere ao “sistema total” ou “sistema completo”. 
Amostragem
Representativa e suficiente
correto incorreto
Amostragem: seleção e remoção de uma pequena parte representante e suficiente.
Amostra
Parte da população que é de fato
utilizada para se obter a informação
desejável
Unidade Amostral
Um item individual da
população
População
Conjunto completo de
itens sobre os quais
desejamos alguma
informação
11ANÁLISES INSTRUMENTAIS
1.1.2 AMOSTRAGEM
Manuseio de amostra: Se refere à manipulação a que as amostras são expostas durante o processo de 
amostragem, desde sua seleção a partir do material original até o descarte de todas as amostras e porções 
de ensaio.
• Como será coletada?
• Como será armazenada?
• Como será transportada?
1.1.3 AMOSTRAGEM DE ÁGUA
• RECOLHA DE AMOSTRAS NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO
• Garantir que a sujidade exterior não contamina a amos-
tra;
• Limpar adequadamente e flambar ou usar solução Na-
ClO 10%;
• Deixar correr água no mínimo 5 min;
• Recolher a amostra de acordo com o protocolo.
12 QUÍMICA
Principais passos do processo analítico
1.1.4 ANÁLISE QUALITATIVA – TESTE LUGOL
• Para verificar a presença de amido ou dextrina nos alimentos;
• Adicionar algumas gotas de lugol (tintura de iodo) na amostra;
• Mudança de cor: azul ao preto.
1.1.5 ANÁLISE QUANTITATIVA - ACIDEZ TOTAL
Titulação Ácido-base (Neutralização)
13ANÁLISES INSTRUMENTAIS
1.1.6 ANÁLISE QUANTITATIVA - ALCALINIDADE TOTAL
Titulação Ácido-base (Neutralização)
1.1.7 ANÁLISE QUANTITATIVA - ANÁLISE DE DUREZA
Água dura: era entendido como sendo a capacidade da água em precipitar sabão;
Presença, sobretudo, de íons cálcio (Ca+2) e magnésio (Mg+2).
Dureza Total = soma da concentração desses dois íons, sendo expresso em mg CaCO3/L. 
1.1.7.1 TITULAÇÃO COMPLEXOMÉTRICA
14 QUÍMICA
1.1.7.2 ANÁLISE QUANTITATIVA - ANÁLISE DE CLORETOS
Cloreto (Cl-) é um dos íons mais comuns em águas naturais, esgotos domésticos e em despejos indus-
triais;
Conferem sabor salgado a água (até 250mg/L);
Concentração de 1000mg/L e muito cálcio e magnésio (alta dureza) mascaram gosto salgado;
Águas contendo muito cloretos oferecem prejuízo às canalizações e não são recomendadas para o uso 
agrícola.
Cloretos: VMP 250 mg/L (PORTARIA GM/MS Nº 518 – 2004).
Titulação Volumétrica com precipitação (Método de Mohr)
15ANÁLISES INSTRUMENTAIS
Titulação Volumétrica com precipitação (Método de Mohr)
16 QUÍMICA
2.1 SOLUÇÕES
Por que estudar as soluções?
• São muito comuns e importantes em nosso cotidiano.
• Ar que respiramos (solução gasosa);
• Água do mar (solução de vários sais), rios e lagos (contêm ar dissolvido); 
• Alimentos (o leite, o café, o chá); 
• INDÚSTRIA: utilizadas para realização de diversas análises químicas.
Soluções
2
18 QUÍMICA
Partículas pequenas: disperso ou fase dispersa;
Substâncias Maiores: dispersante ou fase de dispersão.
2.1.1 DISPERSÕES
Classificação é feita de acordo com o diâmetro médio das partículas dispersas:
Sistemas dispersos são muito comuns em nosso cotidiano:
19ANÁLISES INSTRUMENTAIS
2.1.2 SOLUÇÕES
Soluções Verdadeiras = Soluções: misturas homogêneas de duas ou mais substâncias.
Componente presente em menor quantidade: soluto (é o disperso);
Componente predominante: solvente (é o dispersante).
20 QUÍMICA
água e sal
21ANÁLISES INSTRUMENTAIS
Juntando-se gradativamente sal comum à água, em temperatura constante
Página12